All Coptic Links - Coptic Directory - Orthodox Church Directory The Agbeya - The Coptic Book of Prayers (English Agbiya + Arabic Agpeya) English Bible + Holy Bible in other languages - Arabic, French, Ethiopian Amharic Holy Bible, ArabicBible, Enjeel Saint Takla dot org - Main page - English Photo and Image Gallery: Jesus - Mary - Saints - St. Takla - Church - Priests - Bible - Activities - pictures and Icons.. Download and listen to Hymns - Carols - Midnight Praise (Tasbeha) - Midis - Videos - Liturgies - Masses - Sermons - Online Streaming St-Takla.org   Coptic Church Website Logo of Saint Takla Haymanot the Ethiopian Website - Alexandria - Egypt - موقع الأنبا تكلا هيمانوت FAQ - Frequently Asked Questions and Answers - Coptic and Christan Q&A - Faith, Creed, Site, Youth, Family, Holy Bible Contact Us - Address - Map - Online Support Send a free Christian and Coptic Greeting Cards to your friends موقع الكنيسة القبطية باللغة العربية - الموقع العربي StTaklaorg Site News and Updates Downloads.. Winamp Skins - Coptic fonts - Agbeya - Software - Freeware - Icons - Gallery - Mp3s Feedback - Submit URL - ideas - Suggestions.. Kids' Corner - Coloring - Songs - Games - Stories Free Coptic Books - Christian Arabic Books, Orthodox English Books  

Portuguese Bible - BÍBLIA ON-LINE - Antigo Testamento

Daniel

 

[Daniel 1]I. NARRATIVAS PARA SUSTENTAR A FÉ

Daniel 1

MANTER A PRÓPRIA IDENTIDADE
1. No terceiro ano do reinado de Joaquim em Judá, Nabucodonosor, rei da Babilônia, foi até Jerusalém e cercou a cidade.
2. O Senhor entregou nas mãos dele Joaquim, rei de Judá, e parte dos objetos do Templo de Deus. Ele então levou tudo para a terra de Senaar e guardou os objetos na sala do tesouro do templo do seu deus.
3. Depois o rei deu ordem a Asfenez, chefe dos eunucos, para escolher, entre os israelitas da família real ou de outras famílias importantes,
4. alguns moços sem nenhum defeito físico, de boa aparência, instruídos em toda espécie de sabedoria, práticos em conhecimento, gente de ciência, capazes de servir na corte do rei; deu também ordem para que ensinasse a eles a literatura e a língua dos caldeus.
5. O próprio rei marcou para eles uma ração diária da comida e do vinho da mesa real. Eles deveriam ser preparados durante três anos, e depois passariam a servir ao rei.
6. Entre eles estavam Daniel, Ananias, Misael e Azarias, que eram judeus.
7. O chefe dos eunucos deu-lhes outros nomes: Daniel passou a chamar-se Baltassar; Ananias, Sidrac; Misael, Misac; e Azarias, Abdênago.
8. Daniel resolveu que não iria contaminar-se com as comidas e o vinho da mesa real. Pediu ao chefe dos eunucos permissão para não aceitar essas comidas.
9. O Senhor fez com que Daniel ganhasse a simpatia do chefe dos eunucos.
10. Este lhe disse: "Tenho medo do rei, o meu senhor, que determinou pessoalmente o que vocês devem comer e beber. Se ele perceber que os rostos de vocês estão mais pálidos que dos outros moços da mesma idade, vocês acabarão me fazendo culpado de um crime de morte aos olhos do rei".
11. Daniel disse ao funcionário, a quem o chefe dos eunucos havia confiado Daniel, Ananias, Misael e Azarias:
12. "Faça uma experiência conosco: durante dez dias vocês nos darão de comer só vegetais e só água para beber.
13. Depois, você compara a nossa aparência com a dos outros moços que comem da mesa do rei. Então faça conosco o que achar melhor".
14. O funcionário aceitou a proposta e fez a experiência por dez dias.
15. No final dos dez dias, estavam com boa aparência e corpo mais saudável que todos os moços que comiam da mesa do rei.
16. Então o funcionário tirou definitivamente a comida e o vinho da mesa dos moços e passou a dar-lhes somente vegetais.
17. Aos quatro rapazes Deus concedeu o conhecimento e a compreensão de toda a literatura e também sabedoria. A Daniel especialmente, deu o dom de interpretar visões e sonhos.
18. Terminado o tempo que o rei havia fixado para os rapazes serem apresentados, o chefe dos eunucos levou-os à presença de Nabucodonosor.
19. O rei conversou com eles e não encontrou ninguém melhor do que Daniel, Ananias, Misael e Azarias. E a partir daí, eles ficaram servindo diretamente ao rei.
20. Por tudo o que procurou saber deles em termos de conhecimento e sabedoria, o rei achou que eram dez vezes mais capazes que todos os magos e adivinhos que havia no seu reino.
21. Daniel ficou aí até o primeiro ano do reinado de Ciro.

[Daniel 2]
O REINO DE DEUS E O IMPÉRIO DOS HOMENS

Daniel 2

PREPOTÊNCIA DO OPRESSOR
1. No segundo ano do seu reinado, Nabucodonosor teve um sonho e ficou tão assustado que chegou a perder o sono.
2. Mandou chamar os magos, astrólogos, agoureiros e adivinhos para interpretarem o sonho. Chegaram e foram colocados na sua presença.
3. Então o rei lhes disse: "Tive um sonho que me assustou e quero saber o que ele significa".
4. Os adivinhos disseram ao rei: "Viva o rei para sempre! Conte o sonho para nós, e lhe daremos a explicação".
5. O rei respondeu aos adivinhos: "Esta é a minha decisão: se não me contarem o sonho que eu tive, nem me derem a interpretação dele, vocês serão feitos em pedaços e suas casas serão transformadas em ruínas.
6. Porém, se me contarem qual foi o meu sonho e qual é a sua interpretação, vocês receberão de mim donativos, presentes e muitas homenagens. Digam qual foi o meu sonho e qual é a sua interpretação".
7. Os adivinhos disseram: "Majestade, conte o sonho para nós, e daremos a interpretação".
8. O rei respondeu: "Estou percebendo claramente que vocês querem ganhar tempo. Vocês sabem que dei uma ordem,
9. e se não me contarem o meu sonho, terão todos a mesma sentença. Vocês combinaram falar mentira e tapear, esperando que a situação mude. Basta dizerem qual foi o meu sonho, e eu terei certeza de que serão capazes de interpretá-lo".
10. Os adivinhos disseram ao rei: "Não há ninguém no mundo que possa fazer o que o rei está pedindo. Nenhum rei, governador ou chefe jamais pediu uma coisa dessas a qualquer mago, astrólogo ou adivinho.
11. O que o rei exige é sobre-humano; somente os deuses, que não habitam com os mortais, podem dizer isso ao rei".
12. Por causa disso, o rei ficou furioso e mandou matar todos os sábios da Babilônia.
13. Quando foi publicado o decreto que condenava à morte todos os sábios, procuraram Daniel e seus companheiros, a fim de executá-los também.
14. Então Daniel falou com inteligência e bons modos a Arioc, o carrasco-chefe do rei, encarregado de matar todos os sábios da Babilônia.
15. E lhe disse: "Por que um decreto tão rigoroso do rei?" Então Arioc contou o caso a Daniel.
16. E Daniel mandou pedir ao rei que lhe fosse dado um prazo, a fim de que pudesse dar a interpretação do sonho.

DEUS DIRIGE A HISTÓRIA
17. Daniel voltou para casa e contou o fato aos companheiros Ananias, Misael e Azarias.
18. Disse para pedirem ao Senhor do céu a graça de desvendar o segredo, para não serem mortos com os outros sábios da Babilônia.
19. Então o mistério foi revelado a Daniel numa visão noturna. E ele glorificou ao Deus do céu:
20. "Que o nome do Senhor seja louvado, desde agora e para sempre, pois a ele pertencem a sabedoria e o poder,
21. Ele modifica os tempos e estações, depõe e entroniza os reis, dá sabedoria aos sábios e ciência aos inteligentes.
22. Ele revela os segredos mais profundos e sabe o que as trevas escondem, pois a luz mora com ele.
23. A ti, ó Deus de pais, eu louvo e celebro, porque me deste sabedoria e poder. Tu me revelaste o que eu te pedi e me revelaste o caso do rei".

DEUS VENCE OS IMPÉRIOS
24. Depois disso Daniel procurou Arioc, a quem o rei tinha encarregado de matar os sábios da Babilônia. Chegando a ele, disse-lhe: "Não precisa matar os sábios. Leve-me até o rei, e eu interpretarei o sonho que ele teve".
25. Mais que depressa, Arioc levou Daniel até a presença do rei, dizendo-lhe: "Encontrei este moço entre os judeus aqui exilados e que é capaz de interpretar o sonho do rei".
26. O rei perguntou a Daniel, cujo nome era Baltassar: "Você é mesmo capaz de me contar e interpretar o sonho que tive?"
27. Daniel respondeu ao rei: "Os sábios, astrólogos, magos e adivinhos não são capazes de desvendar o segredo que Vossa Majestade lhes propôs.
28. Mas há no céu um Deus que revela os segredos. Ele contou ao rei Nabucodonosor o que acontecerá nos últimos dias. Este é o sonho de Vossa Majestade, que viu quando estava deitado:
29. Vossa Majestade estava em sua cama e pensava naquilo que ia acontecer no futuro. Então, Aquele que revela os segredos lhe contou o que acontecerá.
30. Não é porque tenho maior sabedoria que outros homens que desvendo essa questão; é apenas para que eu possa dar a Vossa Majestade a explicação e interpretação das imagens que lhe povoaram a mente.
31. Vossa Majestade teve uma visão: Era uma grande estátua, alta e muito brilhante. Ela estava bem à frente de Vossa Majestade e tinha aparência impressionante.
32. A cabeça da estátua era de ouro maciço, o peito e os braços eram de prata, a barriga e as coxas eram de bronze,
33. as canelas de ferro e os pés eram parte de ferro, parte de barro.
34. Vossa Majestade estava contemplando a estátua, quando, sem ninguém jogar, caiu uma pedra que veio bater exatamente nos pés de ferro e barro da estátua, quebrando-os.
35. Ao mesmo tempo quebrou-se tudo o que era de ferro, de barro, de bronze, de prata e de ouro. Ficou tudo como se fosse palha no terreiro em final de colheita, palha que o vento carrega sem deixar sinal. Depois, a pedra que tinha atingido a estátua se transformou numa enorme montanha que cobriu o mundo inteiro.
36. O sonho foi esse. Agora vamos dar à Vossa Majestade a interpretação.
37. Vossa Majestade é o rei dos reis, a quem o Deus do céu concedeu o reino e o poder, o domínio e a glória.
38. Em todo o mundo habitado ele lhe entregou os seres humanos, as feras e as aves do céu, para que Vossa Majestade domine sobre tudo isso. Assim, Vossa Majestade é a cabeça de ouro.
39. Depois de Vossa Majestade, vai aparecer outro reino, menor que o seu; depois, um terceiro reino, o de bronze, que dominará sobre toda a terra.
40. O quarto reino será duro como o ferro, pois assim como o ferro esmaga e esmigalha tudo, assim também ele quebrará e esmigalhará todos os outros.
41. Os pés e os dedos que Vossa Majestade viu, parte de ferro e parte de barro, significam um reino dividido. Ele tem a dureza do ferro, pois Vossa Majestade viu ferro misturado com uma parte feita de barro.
42. Os dedos dos pés, metade de ferro e metade de barro, significam um reino firme por um lado, mas fraco por outro.
43. O ferro que Vossa Majestade viu misturado com barro significa que as pessoas se juntarão por casamentos, mas não se ligarão umas com as outras, assim como o ferro não faz liga com o barro.
44. Durante este último reinado, o Deus do céu fará aparecer um reino que nunca será destruído. Será um reino que não passará para as mãos de outro povo, mas, ao contrário, humilhará e liquidará todos os outros reinos, enquanto ele mesmo continuará firme para sempre.
45. Esse reino é a pedra que rolou do monte sem ninguém tocá-la e esmigalhou o que era de barro, ferro, bronze, prata e ouro. O grande Deus mostrou ao rei o que acontecerá daqui para frente. O sonho tem sentido e a sua interpretação é digna de fé".
46. Então o rei Nabucodonosor deitou-se com o rosto por terra na frente de Daniel, mandando oferecer-lhe sacrifícios e queimar-lhe incenso.
47. E o rei falou a Daniel: "De fato, o Deus de vocês é o Deus dos deuses, o Senhor dos reis; ele revela os mistérios, pois só você foi capaz de desvendar esse segredo".
48. Em seguida, o rei promoveu Daniel: deu-lhe uma quantidade enorme de presentes e quis fazer dele o governador de todas as províncias da Babilônia e o chefe geral de todos os sábios do país.
49. Daniel, porém, pediu ao rei que nomeasse Sidrac, Misac e Abdênago para a administração das províncias, enquanto Daniel ficaria servindo na ante-sala do rei.

[Daniel 3]
RESISTÊNCIA À IDOLATRIA

Daniel 3

A RESISTÊNCIA DA FÉ
1. O rei Nabucodonosor mandou fazer uma estátua de ouro com trinta metros de altura por três metros de diâmetro; e colocou-a na planície de Dura, província da Babilônia.
2. Depois, mandou reunir os governadores, ministros, prefeitos, conselheiros, tesoureiros, letrados, magistrados e autoridades das províncias para assistirem à inauguração da estátua que o rei Nabucodonosor havia erguido.
3. Reuniram-se os governadores, ministros, prefeitos, conselheiros, tesoureiros, letrados, magistrados e autoridades das províncias para a inauguração da estátua construída pelo rei Nabucodonosor. Todos estavam de pé em frente à estátua.
4. Então o porta-voz do rei gritou forte: "Esta é a mensagem para todos os povos, nações e línguas:
5. quando ouvirem o som da corneta, flauta, cítara, harpa, saltério, gaita e outros instrumentos musicais, devem todos cair de joelhos para adorar a estátua de ouro erguida pelo rei Nabucodonosor.
6. Quem não fizer isso, na mesma hora será jogado dentro da fornalha ardente".
7. Quando todo o mundo ouviu o som da corneta, flauta, cítara, harpa, saltério, gaita e outros instrumentos musicais, todos os povos, nações e línguas caíram de joelhos, adorando a estátua de ouro erguida pelo rei Nabucodonosor.
8. Alguns caldeus foram denunciar os judeus.
9. Procuraram o rei Nabucodonosor e disseram: "Viva o rei para sempre!
10. Vossa Majestade decretou que todo indivíduo que ouvisse o som da corneta, flauta, cítara, harpa, saltério, gaita e outros instrumentos musicais, deveria imediatamente cair de joelhos, adorando a estátua de ouro.
11. E quem não se ajoelhasse para adorar, seria jogado na fornalha ardente.
12. Pois bem! Alguns judeus que Vossa Majestade nomeou administradores das províncias da Babilônia - e são eles: Sidrac, Misac e Abdênago - não obedecem à ordem do rei. Eles não veneram os deuses nem adoram a estátua de ouro erguida por Vossa Majestade".
13. Nabucodonosor, com raiva e ódio, mandou buscar Sidrac, Misac e Abdênago. Eles chegaram à presença do rei;
14. e este lhes perguntou: "Sidrac, Misac e Abdênago, é verdade que vocês não veneram os meus deuses nem adoram a estátua de ouro que eu ergui?
15. Então, fiquem preparados, e quando ouvirem o som da corneta, flauta, cítara, harpa, saltério, gaita e outros instrumentos musicais, vocês cairão de joelhos para adorar a estátua de ouro que eu fiz. Se não adorarem, na mesma hora serão jogados na fornalha ardente; e quero ver qual é o deus que livrará vocês de minha mão".
16. Sidrac, Misac e Abdênago responderam ao rei: "Não precisamos responder nada a essa ordem.
17. Existe o nosso Deus, a quem adoramos, e que nos pode livrar da fornalha ardente, libertando-nos da mão de Vossa Majestade.
18. Mesmo que isso não aconteça, fique Vossa Majestade sabendo que nós não adoraremos o seu deus, nem adoraremos a estátua de ouro construída por Vossa Majestade".
19. Nabucodonosor ficou tão furioso contra Sidrac, Misac e Abdênago que seu rosto empalideceu. Então mandou acender na fornalha um fogo sete vezes mais forte que o de costume,
20. e depois mandou que os soldados mais fortes do seu exército amarrassem Sidrad, Misac e Abdênago e os jogassem na fornalha ardente.
21. Então os amarraram, vestidos com suas túnicas, calções, gorros e outras roupas, e os atiraram na fornalha ardente.
22. Como a ordem do rei era rigorosa e o fogo da fornalha era extremamente forte, aconteceu que as labaredas de fogo mataram aqueles que foram jogar aí Sidrac, Misac e Abdênago.
23. Os três rapazes, porém, foram cair, amarrados, dentro da fornalha ardente.

O CÂNTICO DE AZARIAS
24. Sidrac, Misac e Abdênago ficaram passeando no meio das labaredas, cantando hinos a Deus e louvando o Senhor.
25. Azarias, de pé, soltando a voz no meio do fogo, rezou:
26. "Bendito sejas tu, Senhor, Deus de nossos pais, tu és digno de louvor e o teu nome é glorificado para sempre!
27. Porque tu és justo em tudo o que nos fizeste, e todas as tuas obras são verdadeiras; os teus caminhos são retos, e todos os teus julgamentos são justos.
28. Foi justa a sentença que decretaste, todo o sofrimento que mandaste para nós e para Jerusalém, a cidade santa dos nossos antepassados. Pois é segundo a verdade e o direito que fizeste acontecer para nós todas essas coisas, por causa de nossos pecados.
29. Sim! Pecamos, cometendo um crime ao nos afastarmos de ti; sim, pecamos gravemente em tudo. Não obedecemos aos teus mandamentos,
30. nem os observamos, nem agimos conforme nos ordenavas, para que tudo nos corresse bem.
31. Por isso, o que nos fizeste acontecer, tudo o que tu mesmo nos fizeste, foi com julgamento justo que o fizeste.
32. Tu nos entregaste em mãos de nossos inimigos, a uma gente sem lei, aos piores dos ímpios, a um rei injusto, o mais malvado de toda a terra.
33. Nesta hora, não nos deixam nem abrir a boca; a decepção e a vergonha chegaram sobre os teus servos e sobre os que te adoram.
34. Não nos entregues para sempre, não rejeites a tua aliança, por causa do teu nome.
35. Não retires de nós a tua misericórdia, por amor a Abraão, o teu amigo, por amor a Isaac, o teu servo, e a Israel, o teu santo.
36. A eles tu falaste, prometendo que a descendência deles seria tão numerosa como as estrelas do céu e como a areia que existe à beira-mar.
37. No entanto, Senhor, nós estamos diminuídos no meio de todas as nações; estamos hoje humilhados na terra inteira, por causa dos nossos pecados.
38. Neste nosso tempo, não há chefe, profeta ou dirigente, nem holocausto, sacrifício, oferenda ou incenso; não existe lugar onde te oferecer os primeiros frutos e alcançar misericórdia.
39. Mas, com alma despedaçada e espírito humilhado, sejamos aceitos como se viéssemos com holocaustos de carneiros, touros e milhares de gordos carneiros.
40. Seja esse o sacrifício que te oferecemos, e, diante de ti, que ele seja completo, pois jamais haverá decepção para os que confiam em ti.
41. Mas agora nós vamos seguir-te de todo o coração; nós vamos temer-te e procurar a tua face.
42. Ah! Não nos deixes decepcionados, mas age conosco com toda a tua bondade e conforme a abundância de tua misericórdia.
43. Liberta-nos, segundo as tuas maravilhas, e glorifica o teu nome, Senhor.
44. Fiquem envergonhados aqueles que prejudicam os teus servos; que fiquem cobertos de vergonha, privados de todo o seu poder, e que a força deles seja esmagada.
45. Fiquem eles sabendo, Senhor, que tu és o único Deus, glorioso sobre toda a terra".
46. Contudo, os funcionários do rei que tinham jogado os três jovens na fornalha não paravam de alimentar o fogo com óleo combustível, piche, estopa e gravetos,
47. tanto que as labaredas subiam uns vinte e dois metros acima da fornalha,
48. alcançando e queimando os caldeus que estavam por perto.
49. O Anjo do Senhor, porém, desceu na fornalha para perto de Azarias e seus companheiros. Tocou para fora da fornalha as labaredas de fogo
50. e formou no meio da fornalha um vento úmido refrescante. O fogo nem tocou neles, nem lhes causou sofrimento algum ou incômodo.

CÂNTICO DOS TRÊS JOVENS
51. Os três cantavam hinos, glorificavam e louvavam a Deus, a uma só voz, dentro da fornalha:
52. "Bendito és tu, Senhor, Deus de nossos pais; a ti, glória e louvor para sempre. Bendito é o teu nome santo e glorioso; a ele, glória e louvor para sempre.
53. Bendito és tu em teu Templo santo e glorioso; a ti, glória e louvor para sempre.
54. Bendito és tu no trono do teu reino; a ti, glória e louvor para sempre.
55. Bendito és tu, que sondas os abismos, sentado sobre os querubins; a ti, glória e louvor para sempre.
56. Bendito és tu, no firmamento do céu; a ti, glória e louvor para sempre.
57. Bendigam o Senhor, todas as obras do Senhor; exaltem o Senhor com hinos para sempre.
58. Anjos do Senhor, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
59. Céus, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
60. Águas todas acima do céu, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
61. Todas as potências, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
62. Sol e lua, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
63. Estrelas do céu, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
64. Chuva e orvalho, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
65. Ventos todos, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
66. Fogo e calor, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
67. Frio e ardor, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
68. Orvalhos e aguaceiros, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
69. Gelo e frio, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
70. Geada e neve, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
71. Noites e dias, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
72. Luz e trevas, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
73. Relâmpagos e nuvens, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
74. Terra, bendiga o Senhor; louve e exalte o Senhor para sempre.
75. Montanhas e colinas, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
76. Tudo o que brota do chão, bendiga o Senhor; louve e exalte o Senhor para sempre.
77. Fontes, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
78. Mares e rios, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
79. Baleias e peixes, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
80. Aves do céu, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
81. Animais selvagens e domésticos, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
82. Criaturas humanas, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
83. Israelitas, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
84. Sacerdotes do Senhor, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
85. Servos do Senhor, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
86. Espíritos e almas dos justos, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
87. Santos e humildes de coração, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre.
88. Ananias, Azarias e Misael, bendigam o Senhor; louvem e exaltem o Senhor para sempre. Porque ele nos tirou da mansão dos mortos e nos salvou do poder da morte; livrou-nos da chama da fornalha ardente e retirou-nos do meio do fogo.
89. Dêem graças ao Senhor, porque ele é bom, porque a sua misericórdia é para sempre.
90. Todos os que adoram o Senhor, Deus dos deuses, bendigam o Senhor: louvem e dêem graças ao Senhor, porque a sua misericórdia é para sempre".

RECONHECER O ÚNICO DEUS
91. Nabucodonosor ficou muito admirado. Levantou-se depressa e disse a seus ministros: "Não foram três os jovens que jogamos amarrados na fornalha?" Eles responderam ao rei: "Sem dúvida, Majestade".
92. Então ele disse: "Como é que estou vendo quatro jovens soltos e andando dentro da fornalha ardente, sem qualquer incômodo, e a aparência do quarto é de um filho de deuses?"
93. Nabucodonosor chegou à boca da fornalha ardente e disse: "Sidrac, Misac e Abdênago, servos do Deus altíssimo, saiam daí". Imediatamente os três jovens saíram da fornalha.
94. Reuniram-se os governadores, ministros, prefeitos e conselheiros para ver os jovens. A fornalha não teve força nenhuma sobre os corpos deles, nem os cabelos de suas cabeças ficaram queimados, nem suas roupas sofreram coisa alguma e nem mesmo o cheiro da fumaça os atingiu.
95. Nabucodonosor disse então: "Bendito seja o Deus de Sidrac, Misac e Abdênago, que mandou o seu anjo libertar os seus servos que nele confiaram. Eles não fizeram caso do decreto do rei e entregaram o próprio corpo, pois não cultuam nem adoram nenhum outro deus que não seja o Deus deles.
96. Faço, pois, um decreto, mandando que qualquer povo, raça ou língua que disser uma blasfêmia contra o Deus de Sidrac, Misac e Abdênago, seja feito em pedaços e sua casa seja totalmente destruída, pois deus igual a este, capaz de salvar, não existe outro".
97. E promoveu Sidrac, Misac e Abdênago a cargos públicos na província da Babilônia.

A LOUCURA DO OPRESSOR
98. "O rei Nabucodonosor a todos os povos, nações e línguas que existem na terra: paz e prosperidade.
99. Tantos sinais e prodígios fez comigo o Deus altíssimo, que me pareceu bom publicá-los.
100. Como são grandiosos os seus sinais, quanta força em seus prodígios! O seu reino é eterno e o seu poder atravessa as gerações!

[Daniel 4]
Daniel 4

1. Eu, Nabucodonosor, vivia tranqüilo em minha casa, feliz em meu palácio.
2. Então tive um sonho que me assustou; as imaginações que me vieram enquanto estava na cama e as visões que me passaram pela mente me perturbaram.
3. Por isso, publiquei um decreto em que mandava trazer à minha presença todos os sábios da Babilônia, para que me dessem a interpretação do meu sonho.
4. Vieram os magos, astrólogos, agoureiros e adivinhos. Eu lhes contei o meu sonho, mas eles não foram capazes de dar a interpretação.
5. Então veio Daniel, chamado Baltassar em honra do meu deus. Ele tinha o espírito dos deuses santos. Contei-lhe, então, o meu sonho:
6. Baltassar, chefe dos magos, eu sei que você possui o espírito dos deuses santos e que nenhum segredo é difícil para você. Escute a visão que tive num sonho e, depois, dê-me a interpretação dele.
7. Na cama, estava eu observando as imagens que me vinham à cabeça, quando vi: havia uma árvore gigantesca bem no centro da terra.
8. A árvore cresceu e ficou forte, e a sua copa chegou até o céu: podia ser vista até o extremo da terra.
9. Sua folhagem era bonita e tinha frutos com fartura; nela havia alimentos para todos. À sua sombra se abrigavam as feras da terra e em seus galhos se aninhavam as aves do céu. Dela se alimentava todo ser vivo.
10. Eu estava na cama, observando as imagens que se formavam em minha cabeça, quando apareceu um guardião sagrado, descendo do céu.
11. Com voz forte, ele gritou: 'Derrubem a árvore, cortem os galhos, arranquem as folhas, e joguem fora seus frutos. Feras, fujam da sua sombra; pássaros, fujam dos seus galhos.
12. Mas deixem no chão o toco com as raízes, com correntes de ferro e bronze, no meio da grama do campo. Que ele seja banhado pelo sereno do céu e que a erva do campo seja sua parte com as feras do campo.
13. Perderá o instinto de homem e adquirirá instinto de fera. E ficará desse jeito sete anos.
14. Esta é a sentença dos guardiães, é o que anunciam os santos, para que todo ser vivente reconheça que o Altíssimo domina sobre os reinos dos homens; ele concede o reino a quem ele quiser e coloca no trono o mais humilde'.
15. Esse foi o sonho que tive eu, o rei Nabucodonosor. Agora, você, Baltassar, vai dar-me a interpretação desse sonho. Nenhum sábio do meu reino foi capaz de me dar essa explicação, mas você pode, porque tem o espírito dos deuses santos".
16. Daniel, que tinha também o nome de Baltassar, ficou assustado e perturbado em seus pensamentos. O rei lhe disse: "Baltassar, não deixe que esse sonho ou seu significado assustem você". Baltassar respondeu: "Meu senhor, que o sonho valha para os seus inimigos, que o seu significado seja para os seus adversários.
17. Vossa Majestade viu uma árvore muito grande e forte; sua copa atingia o céu e podia ser vista do mundo inteiro;
18. sua folhagem era bonita e tinha frutos abundantes para alimentar o mundo todo; à sombra dela viviam as feras do campo e nos seus galhos se aninhavam as aves do céu.
19. Pois bem! Essa árvore é Vossa Majestade, tão grandioso e magnífico. O domínio de Vossa Majestade alcança até o céu e o seu império chega até os confins do mundo.
20. Vossa Majestade viu também um guardião sagrado, descendo do céu e dizendo: 'Derrubem e destruam a árvore. Mas deixem no chão o toco com as raízes numa corrente de ferro e bronze, no meio da grama do campo. Que ele seja banhado pelo sereno do céu e que a erva do campo seja sua parte com as feras do campo. E ficará desse jeito sete anos'.
21. Esta é a explicação, Majestade, e estes são os decretos do Altíssimo que atingem Vossa Majestade, meu senhor:
22. Vossa Majestade será tirado da companhia dos homens e irá morar com as feras do campo. Comerá capim com os bois e ficará molhado pelo sereno. E ficará assim por sete anos, até aprender que o Altíssimo domina sobre os reinos dos homens e dá o poder a quem ele quer.
23. Mandaram deixar o toco com as raízes, porque Vossa Majestade voltará a reinar quando reconhecer que Deus é soberano.
24. Agora lhe dou um conselho: pague seus pecados com obras de justiça e seus crimes socorrendo aos pobres. Talvez assim a sua felicidade possa durar".
25. Tudo isso aconteceu ao rei Nabucodonosor.
26. Doze meses depois, ele estava passeando no terraço do seu palácio em Babilônia.
27. Dizia: "Aí está a grande Babilônia que eu construí para moradia do rei, com o poder da minha autoridade e para esplendor da minha glória!"
28. Ele ainda estava falando, quando uma voz do céu lhe disse: "Rei Nabucodonosor, é com você que estou falando: você perderá o reino
29. e será tirado da companhia dos homens, viverá no meio das feras do campo, comerá capim como os bois, ficará molhado pelo sereno e assim viverá até reconhecer que o Altíssimo é quem domina sobre os reinos dos homens e dá o poder a quem ele quer".
30. Na mesma hora, essa palavra se cumpriu para Nabucodonosor: ele foi retirado da companhia das pessoas, passou a comer capim como boi e a viver no sereno. Seu cabelo ficou comprido como penas de águia e suas unhas cresceram como garras de aves de rapina.
31. "Passado o tempo, eu, Nabucodonosor, levantei os olhos para o céu e recuperei a razão. Então passei a bendizer o Altíssimo, a louvar e glorificar Aquele que vive eternamente, dizendo: 'Seu domínio é eterno e seu reino atravessa gerações.
32. Os habitantes do mundo para ele nada valem; ele trata como quer os astros do céu e os habitantes do mundo. Ninguém pode atentar contra ele ou pedir-lhe contas do que faz'.
33. Nessa hora, recuperei a razão e, para o esplendor da minha autoridade de rei, também voltaram minha glória e majestade. Meus conselheiros e ministros foram me procurar, e eu fui restabelecido na minha autoridade de rei, e o meu poder ficou ainda maior.
34. Agora, eu, Nabucodonosor, louvo, exalto e glorifico o Rei do céu, porque suas obras são justas e seus caminhos são retos, e a quem anda com soberba ele sabe rebaixar".

[Daniel 5]
DISCERNIR AS SITUAÇÕES

Daniel 5

1. O rei Baltazar fez um grande banquete para mil altos funcionários seus e ele se pôs a beber vinho na presença desses mil.
2. Tocado pelo vinho, Baltazar mandou trazer os cálices de ouro e prata, que seu pai Nabucodonosor havia tirado do Templo de Jerusalém, para neles beberem o rei, os altos funcionários, suas mulheres e concubinas.
3. Trouxeram os cálices de ouro tirados do Templo de Jerusalém; então o rei, os altos funcionários, mulheres e concubinas começaram a beber nesses cálices.
4. Bebiam vinho e louvavam seus deuses de ouro, prata, bronze, ferro, madeira e pedra.
5. De repente, surgiram dedos de mão humana riscando, por detrás do candelabro, na cal da parede do palácio do rei. O rei viu a mão rabiscando
6. e mudou de cor; seus pensamentos se embaralharam, a espinha desconjuntou e os joelhos batiam um no outro.
7. Aos gritos, ele chamou os astrólogos, magos e adivinhos, e disse aos sábios da Babilônia: "Quem conseguir decifrar esse escrito e dar a sua interpretação, vestirá o manto vermelho com o cordão de ouro no pescoço, e será a terceira autoridade do reino".
8. Chegaram todos os sábios da Babilônia, mas ninguém conseguia decifrar o escrito nem dar a sua interpretação.
9. Com isso, o rei ficava cada vez mais desorientado e pálido, e os seus funcionários perdidos de susto.
10. Foi então que a rainha, atraída pelos gritos do rei e funcionários, entrou na sala do banquete e disse: "Viva o rei para sempre! Não deixe embaralhar suas idéias, nem fique pálido desse jeito!
11. Existe uma pessoa no seu reino que tem o espírito dos deuses santos: no tempo do rei seu pai, achavam que ele tinha uma luz e uma inteligência parecidas com a sabedoria dos deuses. Seu pai, o rei Nabucodonosor, fez dele o chefe dos magos, astrólogos, agoureiros e adivinhos.
12. Pois bem! Já que esse Daniel, a quem o rei deu o nome de Baltassar, tem tanto espírito, conhecimento e luz para interpretar sonhos, decifrar enigmas e resolver problemas, seja ele convocado para que dê a interpretação disso".
13. Daniel foi levado à presença do rei, que lhe perguntou: "Então você é Daniel, um dos judeus exilados que meu pai trouxe de Judá?
14. O que se ouve falar é que você tem o espírito dos deuses, muita luz, muita inteligência e muita sabedoria.
15. Compareceram à minha presença os sábios e astrólogos para decifrarem o escrito e dar a interpretação, mas eles não foram capazes de mostrar o significado de coisa nenhuma.
16. Ouvi falar que você é capaz de interpretar e resolver problemas. Se for capaz de decifrar o escrito e explicar o seu significado, vestirá o manto vermelho com o cordão de ouro no pescoço, e será a terceira autoridade no reino".
17. Daniel respondeu ao rei: "Fique com os seus presentes e dê para outros os seus prêmios. No entanto, eu vou decifrar o escrito e explicar o seu significado.
18. O Deus Altíssimo deu império e poder, glória e honra ao seu pai Nabucodonosor.
19. Por causa da grandeza que Deus lhe deu, todos os povos, nações e línguas temiam e tremiam diante dele, pois ele possuía poder sobre a vida e a morte, exaltava e humilhava conforme queria.
20. Mas quando ficou com idéias de grandeza e espírito soberbo, tornando-se orgulhoso, foi derrubado do seu trono real e perdeu a dignidade:
21. foi afastado da companhia dos seres humanos e, com instinto de fera, passou a morar com burros selvagens e a se alimentar de capim como os bois, enquanto o sereno banhava o seu corpo. Assim ficou até reconhecer que o Deus Altíssimo domina sobre os reinos dos homens e dá o trono a quem ele quer.
22. Você, porém, Baltazar, filho dele, mesmo sabendo de tudo isso, não quis se humilhar.
23. Você se revoltou contra o Senhor do céu e trouxe para cá os cálices do Templo, para que você, seus funcionários, mulheres e concubinas bebessem vinho neles, louvando deuses de prata, ouro, bronze, ferro, madeira e pedra, deuses que não enxergam, não escutam, não entendem. Você não glorificou o Deus em cujas mãos está a sua vida e todo o seu caminho.
24. Por isso, Deus mandou essa mão escrever isso.
25. Eis o que está escrito: 'Contado, pesado, dividido'.
26. A explicação é a seguinte: 'Contado': Deus contou os dias do seu reinado e já marcou o limite.
27. 'Pesado': Deus pesou você na balança e faltou peso.
28. 'Dividido': o seu reino será dividido e entregue aos medos e persas".
29. Baltazar mandou vestir Daniel com o manto vermelho e colocar-lhe o cordão de ouro no pescoço, proclamando-o terceira autoridade no reino.
30. Nessa mesma noite, porém, Baltazar, rei dos caldeus, foi morto.

[Daniel 6]
Daniel 6

1. E Dario, o medo, lhe sucedeu no trono, com a idade de sessenta e dois anos.

JUSTIÇA PARA GOVERNAR
2. Dario decidiu nomear, em todo o reino, cento e vinte sátrapas com autoridade.
3. Acima deles havia três ministros, aos quais os governadores deviam prestar contas, para que o rei não fosse fraudado. Um dos três era Daniel.
4. Contudo, Daniel estava tão acima dos outros ministros e governadores por causa do seu talento extraordinário, que o rei decidiu dar-lhe autoridade sobre todo o império.
5. Então os ministros e governadores procuraram uma oportunidade para pegar Daniel em algum deslize nas coisas de interesse do império. Mas nada conseguiram encontrar de errado, pois ele era muito honesto, e nada conseguiram achar de incorreto.
6. Reconheceram, então: "Não encontraremos coisa alguma em que pegar Daniel, a não ser em assunto da sua religião".
7. Então os ministros e governadores foram correndo dizer ao rei: "Viva o rei Dario para sempre!
8. Todos os ministros, prefeitos, governadores, autoridades das províncias e conselheiros estão de acordo que Vossa Majestade determine e faça um decreto, segundo o qual toda pessoa que, no prazo de trinta dias, fizer alguma prece a outro deus ou homem que não seja Vossa Majestade, tal pessoa seja jogada na cova dos leões.
9. Majestade, sancione essa lei, assinando este documento, para que ela não possa mais ser alterada ou revogada, de acordo com a legislação dos medos e dos persas".
10. E o rei Dario assinou o documento, sancionando a lei.
11. Ao saber que o rei tinha assinado o documento, Daniel foi para casa. No andar de cima havia uma janela que dava para o lado de Jerusalém. Três vezes por dia ele se ajoelhava ali para rezar e louvar o seu Deus, e assim fazia sempre.
12. Aqueles homens correram até lá e pegaram Daniel rezando e fazendo preces ao seu Deus.
13. Depois foram dizer ao rei: "Vossa Majestade não assinou um decreto, segundo o qual toda pessoa que, no prazo de trinta dias, fizer alguma prece a outro deus ou homem que não seja Vossa Majestade, tal pessoa será jogada na cova dos leões?" O rei respondeu: "A decisão é definitiva e não pode ser revogada, em conformidade com a legislação dos medos e dos persas".
14. Eles disseram ao rei: "Daniel, um dos exilados da Judéia, não deu importância ao decreto de Vossa Majestade, à lei que Vossa Majestade assinou, e continua fazendo suas orações três vezes ao dia".
15. Ao ouvir essa notícia, o rei sentiu-se mal e ficou preocupado com Daniel, querendo salvá-lo. Até o pôr-do-sol, ficou tentando livrá-lo.
16. Aqueles homens foram procurar o rei e disseram: "Vossa Majestade sabe que é lei entre os medos e persas que um decreto sancionado pelo rei não pode ser modificado".
17. Então o rei mandou trazer Daniel e jogá-lo na cova dos leões. E o rei disse a Daniel: "O seu Deus, a quem você adora, vai livrá-lo".
18. Levaram uma pedra para tampar a entrada da cova. Em seguida, o rei lacrou a pedra com a sua marca e a marca dos seus secretários, para que ninguém pudesse alterar nada em favor de Daniel.
19. O rei voltou para o seu palácio e ficou em jejum aquela noite; não lhe levaram as mulheres e ele perdeu o sono.
20. No dia seguinte, ele se levantou bem cedo e foi depressa à cova dos leões.
21. Ao chegar à cova onde estava Daniel, o rei, aflito, gritou: "Daniel, servo do Deus vivo, o seu Deus, a quem você sempre adora, foi capaz de livrá-lo dos leões?"
22. Daniel disse ao rei: "Viva o rei para sempre!
23. O meu Deus mandou o seu anjo para fechar a boca dos leões, e eles não me incomodaram, pois fui considerado inocente diante dele, como também nada fiz de errado contra Vossa Majestade".
24. O rei ficou contentíssimo e mandou que tirassem Daniel da cova. Quando o tiraram, não encontraram nele nenhum arranhão, pois ele confiou no seu Deus.
25. Então o rei mandou trazer aqueles homens que tinham caluniado Daniel e mandou jogá-los na cova dos leões junto com os filhos e mulheres deles. Antes que chegassem ao fundo, os leões já os tinham agarrado e despedaçado.
26. Então o rei Dario escreveu a todos os povos, nações e línguas da terra: "Paz e prosperidade!
27. Estou promulgando o seguinte decreto: Por toda parte onde chega o poder da minha autoridade de rei, todos estão obrigados a temer e respeitar o Deus de Daniel, pois ele é o Deus vivo, que permanece para sempre; seu reino nunca será destruído e seu domínio não conhecerá fim.
28. Ele salva e liberta, faz sinais e prodígios no céu e na terra. Ele salvou Daniel das garras dos leões".
29. Daniel teve muito sucesso, tanto no reinado de Dario, quanto no de Ciro, rei dos persas.

[Daniel 7]
II. TRIUNFO DO REINO DE DEUS

OS IMPÉRIOS E O REINO

Daniel 7

A HISTÓRIA E OS IMPÉRIOS
1. No primeiro ano de Baltazar, rei da Babilônia, Daniel teve um sonho. Imediatamente escreveu as imagens que lhe povoaram a mente enquanto dormia.
2. Daniel fez o seguinte relato: Durante a noite, tive esta visão: os quatro ventos reviravam o mar imenso.
3. Quatro enormes feras surgiram do meio do mar, cada uma diferente da outra.
4. A primeira parecia um leão com asas de águia. Eu estava olhando, quando lhe arrancaram as asas e as patas foram se erguendo do chão: ela ficou de pé como um homem, e deram-lhe um coração de gente.
5. Depois apareceu uma segunda fera, que parecia um urso. Estava de pé de um lado só e tinha na boca três costelas entre os dentes. Disseram-lhe: "Vamos! Coma bastante carne".
6. Depois vi uma outra fera parecida com leopardo. Tinha no lombo quatro asas de ave e quatro cabeças. E lhe deram o poder.
7. Em seguida, tive outra visão noturna: Vi uma quarta fera, que era medonha, terrível e muito forte. Tinha enormes dentes de ferro, com os quais comia e esmagava tudo, e macetava com os pés o que sobrava. Era diferente das outras feras, porque tinha dez chifres.
8. Eu observava esses chifres, quando no meio deles apontou um outro chifre pequeno. Os três chifres que estavam mais perto deste foram arrancados para lhe ceder o lugar. Nesse chifre havia olhos humanos e uma boca que falava com arrogância.

DEUS DIRIGE E JULGA A HISTÓRIA
9. Eu continuava olhando: uns tronos foram instalados e um Ancião se assentou, vestido de veste branca como a neve, cabelos claros como a lã. O seu trono era como labaredas de fogo, com rodas de fogo em brasa.
10. Um rio de fogo brotava da frente dele. Milhares e milhares o serviam e milhões estavam às suas ordens. Começou a sessão e os livros foram abertos.
11. Eu continuava olhando, atraído pelos insultos que aquele chifre gritava; vi que mataram a fera, fazendo-a em pedaços e jogando-a no fogo.
12. Quanto às outras feras, o poder delas foi tirado, mas foi-lhes dado um prolongamento de vida até um tempo determinado.
13. Em imagens noturnas, tive esta visão: entre as nuvens do céu vinha alguém como um filho de homem. Chegou até perto do Ancião e foi levado à sua presença.
14. Foi-lhe dado poder, glória e reino, e todos os povos, nações e línguas o serviram. O seu poder é um poder eterno, que nunca lhe será tirado. E o seu reino é tal que jamais será destruído.

O POVO DE DEUS TRIUNFARÁ
15. Eu, Daniel, me senti com o espírito perturbado dentro de mim. As visões de minha mente me deixaram apavorado.
16. Cheguei perto de um dos presentes e lhe perguntei o que era tudo aquilo. Ele me respondeu, dando-me a explicação completa:
17. "As quatro feras enormes são os quatro reinos que surgirão na terra,
18. mas os santos do Altíssimo receberão o reino e o possuirão para sempre".
19. Depois eu quis saber o que significava a quarta fera, que era diferente das outras: medonha, com enormes dentes de ferro e unhas de bronze; que comia, esmagava e triturava todo o resto com os pés.
20. Quis saber também o que significavam os dez chifres que havia na sua cabeça, e aquele outro chifre que foi aparecendo e fazendo cair os três que lhe estavam mais perto, e que tinha olhos e uma boca que falava com arrogância e tinha uma envergadura maior que dos outros chifres.
21. Observando, vi que esse chifre fazia guerra contra os santos e os derrotava,
22. até chegar o Ancião para fazer justiça aos santos do Altíssimo. E chegou a hora, quando os santos tomaram posse do reino.
23. Ele então me explicou: "Surgirá no mundo um quarto reino, que será diferente dos outros reinos. Ele devorará o mundo inteiro e, depois, pisará e esmagará.
24. Seus dez chifres são dez reis que surgirão nesse reino, e depois deles surgirá outro rei. Ele será diferente dos dez primeiros e derrubará do trono três reis.
25. Blasfemará contra o Altíssimo e perseguirá seus santos; pretenderá modificar o calendário e a lei de Deus. Os fiéis serão entregues em suas mãos por três anos e meio.
26. O tribunal, porém, se instalará e retirará dele o poder e esse rei será destruído e aniquilado até o fim.
27. O reino, o império e a grandeza de todos os reinos que existem debaixo do céu serão entregues ao povo dos santos do Altíssimo. O seu reino será um reino eterno, e todos os impérios o servirão e lhe prestarão obediência".
28. Aqui termina a história. Eu, Daniel, fiquei com os pensamentos embaralhados, empalideci e guardei tudo na memória.

[Daniel 8]
O OPRESSOR SERÁ DESTRUÍDO

Daniel 8

1. No terceiro ano do reinado de Baltazar, eu, Daniel, tive uma visão, depois daquela que já havia tido.
2. Observando, vi que estava em Susa, capital da província de Elam. Eu estava olhando e vi que me encontrava junto ao rio Ulai.
3. Levantei os olhos e vi junto ao rio, de pé, um carneiro. Tinha chifres altos, e um era mais alto que o outro, e esse mais alto foi o que apareceu por último.
4. Notei que o carneiro dava chifradas para o poente, para o norte e para o sul. E nenhum animal lhe resistia. Ninguém escapava dele, pois fazia o que queria, e progredia sempre.
5. Eu pensava nisso, quando apareceu um bode, vindo do poente, sobrevoando o mundo inteiro sem tocar o chão. O bode tinha um chifre bem visível entre os olhos.
6. Ele veio na direção do carneiro de dois chifres, que eu tinha visto postado junto ao rio Ulai, e se atirou contra ele com toda a fúria.
7. Eu vi que ele atacou o carneiro, agredindo-o furiosamente e quebrando-lhe os dois chifres. O carneiro não teve forças para resistir. Ele derrubou o carneiro no chão, pisou-lhe em cima e não houve quem livrasse o carneiro do seu poder.
8. O bode progrediu muito mais ainda; porém no auge da sua grande força, o seu grande chifre se quebrou e, no lugar dele, brotaram quatro chifres, cada um voltado para um lado da terra.
9. De um desses chifres nasceu um chifre pequeno, que depois cresceu muito na direção sul, para o nascer do sol e para o lado da nossa terra deliciosa.
10. Cresceu até as alturas do exército do céu e derrubou no chão algumas estrelas desse exército e pisou em cima delas.
11. Até contra o Comandante do exército do céu ele quis se engrandecer, abolindo o sacrifício permanente e abalando as bases do santuário.
12. Entregaram-lhe o exército e o sacrifício cotidiano e expiatório; ele jogou por terra a verdade; e tudo o que fez prosperou.
13. Ouvi dois santos que conversavam. Um perguntava: "Quanto tempo vai durar a visão do sacrifício cotidiano e expiatório, do ídolo abominável, do santuário e do exército calcados aos pés?"
14. O outro respondeu: "Vai durar duas mil e trezentas tardes e manhãs. Depois será feita justiça ao santuário".
15. Eu, Daniel, estava olhando e procurando entender a visão, quando de repente apareceu de pé diante de mim a figura de um homem.
16. Então, vinda do rio Ulai, ouvi uma voz que gritava: "Gabriel, explica a visão para ele".
17. Ele se dirigiu para o lugar onde eu estava. Quando se aproximou, eu me assustei e caí de bruços por terra. Ele disse: "Homem, entenda que a visão se refere ao tempo final".
18. Ele falava comigo e eu, desmaiado, continuava de bruços no chão. Tocou em mim e me fez ficar de pé como estava antes.
19. Depois continuou: "Eu explicarei a você o que acontecerá no tempo final da ira, porque é do tempo final que se trata.
20. O carneiro de dois chifres que você viu é o reino dos medos e dos persas.
21. O bode é o rei da Grécia, e o chifre enorme que tinha entre os olhos é o primeiro rei.
22. Quebrado este, os quatro chifres que cresceram no seu lugar são os quatro reis que substituirão o primeiro, mas não com o mesmo poder.
23. E, no final dos seus reinados, depois de se completarem os seus crimes, surgirá um rei ousado e esperto nas intrigas,
24. de força indomável, prodigiosamente destruidor e bem sucedido em tudo o que faz. Destruirá poderosos e também o povo dos santos.
25. Com a sua astúcia, fará triunfar a fraude em suas ações. Ele se engrandecerá a seus próprios olhos, tranqüilamente destruindo muita gente. Até contra o Chefe dos chefes ele se colocará; mas, sem ninguém fazer nada, ele será destruído.
26. A visão das tardes e manhãs é verdadeira; você, porém, guardará em segredo a visão, porque ela é coisa para daqui a muito tempo".
27. Eu, Daniel, desmaiei e fiquei doente por alguns dias. Depois, levantei-me e continuei cuidando dos assuntos do rei. Ainda estava assustado com a visão e sem poder compreendê-la.

[Daniel 9]
RESISTIR ATÉ O FIM

Daniel 9

1. No primeiro ano do reinado de Dario, filho de Xerxes, que era da linhagem dos medos e tinha sido colocado como rei dos caldeus,
2. no primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, lia atentamente no livro das profecias de Jeremias o número dos anos que Jerusalém devia permanecer em ruínas: eram setenta anos.
3. Voltei o meu olhar para o Senhor Deus, procurando fazer preces e súplicas com jejum, vestido de pano de saco e coberto de cinza.
4. Então, fiz uma oração ao Senhor Deus, confessando e dizendo: "Ah! Senhor, Deus imenso e terrível, cumpridor da aliança e do amor para com os que te amam e observam os teus mandamentos!
5. Pecamos, praticamos crimes e impiedades, fomos rebeldes e nos desviamos dos teus mandamentos e das tuas sentenças.
6. Não quisemos escutar os profetas, teus servos, que em teu nome falavam aos nossos reis e autoridades, aos nossos pais e a todos os cidadãos.
7. Senhor, do teu lado está a justiça, e para nós fica a vergonha que hoje estamos passando, tanto o cidadão de Judá como o habitante de Jerusalém, e todo o Israel: tanto os que estão perto, quanto os que estão longe, por todos os países por onde tu os espalhaste, por causa dos crimes que praticaram contra ti.
8. Sim, ó Javé, para nós, para nossos reis, nossas autoridades e nossos pais, só fica a vergonha que estamos passando, pois pecamos contra ti.
9. Com o Senhor nosso Deus está a misericórdia e o perdão, porque nos revoltamos contra ele.
10. Não obedecemos a Javé nosso Deus, para andarmos de acordo com as leis que ele nos deu por meio dos profetas, seus servos.
11. Todo o Israel desrespeitou a tua lei e se afastou para não te obedecer. Então caíram sobre nós as maldições e ameaças que estão escritas na lei de Moisés, servo de Deus, pois pecamos contra o Senhor.
12. Ele cumpriu as ameaças que tinha feito contra nós e nossos governantes, mandando sobre Jerusalém uma calamidade como jamais aconteceu debaixo do céu.
13. Toda essa desgraça nos veio tal qual está escrita na lei de Moisés, mas nós não procuramos agradar a Javé nosso Deus, arrependendo-nos de nossos pecados e levando a sério a sua fidelidade.
14. Javé se encarregou dessa desgraça e fez que ela chegasse até nós, pois Javé nosso Deus nos trata com justiça, porque não lhe obedecemos.
15. Agora, Senhor nosso Deus, tu que tiraste o teu povo da terra do Egito com mão forte, criando para ti essa fama que dura até hoje, nós pecamos e praticamos a impiedade.
16. Senhor, conforme a tua justiça, afasta de Jerusalém, a tua cidade, e do teu santo monte, a ira e a cólera. Por causa dos nossos erros, por causa dos pecados de nossos antepassados, Jerusalém e o teu povo são desprezados pelos povos vizinhos.
17. Agora, Deus nosso, ouve a oração e as súplicas do teu servo e, por causa da tua honra, faze brilhar a tua face sobre o teu Templo destruído.
18. Meu Deus, inclina teu ouvido e escuta-me; abre os olhos e vê a desolação e olha para a cidade sobre a qual foi invocado o teu nome, porque não é confiando em nossa justiça que te pedimos misericórdia, mas sim na tua imensa compaixão.
19. Ouve, Senhor! Perdoa, Senhor! Atende, Senhor! E começa a agir sem demora, por causa da tua honra, meu Deus, pois o teu nome foi invocado sobre esta cidade e sobre o teu povo".
20. Eu ainda falava, fazendo a minha prece, confessando o meu pecado e do meu povo Israel; eu estava apresentando minha súplica a Javé meu Deus em favor do seu monte santo;
21. eu ainda estava fazendo a minha súplica, quando Gabriel, o homem que eu tinha visto no começo da visão, veio voando rápido para perto de mim. Era a hora em que se faz a oferta da tarde.
22. Ele chegou e falou comigo: "Daniel, eu vim dar-lhe uma explicação.
23. Quando você começou a sua súplica, foi pronunciada uma sentença e eu vim lhe contar, porque você é querido. Preste atenção na mensagem e compreenda a visão:
24. setenta semanas foram determinadas para o seu povo e sua cidade santa, para fazer cessar a transgressão, selar o pecado, expiar o crime, para trazer uma justiça perene, até se realizarem a visão e a profecia e ser ungido o lugar santíssimo.
25. Fique sabendo: desde que foi decretada a volta e a reconstrução de Jerusalém, até o príncipe ungido, sete semanas se passarão. Em sessenta e duas semanas, praças e muralhas serão reconstruídas, mas em tempos difíceis.
26. Depois das sessenta e duas semanas, o ungido inocente será eliminado, e a cidade e o Templo serão destruídos por um príncipe que virá. Seu fim será no cataclismo e, até o fim, estão decretadas guerra e destruição.
27. Com muitos ele fará uma aliança que durará uma semana e, durante meia semana, fará cessar ofertas e sacrifícios. Colocará sobre a nave do Templo o ídolo abominável, até que chegue para o destruidor o fim decretado".

[Daniel 10]
LIBERTAÇÃO DO POVO DE DEUS

Daniel 10

A APARIÇÃO DO ANJO
1. No terceiro ano de Ciro, rei da Pérsia, certa mensagem foi revelada a Daniel, que era chamado de Baltassar. Era mensagem autêntica e falava de uma grande luta. Ele compreendeu a mensagem, graças à visão.
2. Nessa ocasião, eu, Daniel, fiquei de luto por três semanas.
3. Não comi nada que tivesse algum sabor, nem carne e nem vinho entraram em minha boca, nem usei tipo algum de perfume durante três semanas completas.
4. No vigésimo quarto dia do primeiro mês do ano, eu estava à beira do grande rio, o Tigre,
5. quando, de repente, levantei os olhos e vi: era um homem vestido de linho e tendo na cintura um cinturão de ouro puro;
6. o seu corpo era como pedra preciosa e o seu rosto como relâmpago; seus olhos eram como lâmpadas acesas, e seus braços e pernas tinham o brilho do bronze polido; sua voz parecia o clamor de grande multidão.
7. Só eu, Daniel, vi a aparição. Os outros que estavam comigo não viram nada; mesmo assim, caiu sobre eles um medo tão grande que fugiram para se esconder.
8. Fiquei sozinho. Ao ver essa magnífica aparição, me senti desfalecer, meu rosto empalideceu e eu não conseguia me controlar.
9. Ouvi o som de palavras e, ao ouvi-lo, caí sem sentidos com o rosto por terra.
10. A mão de alguém me tocou e sacudiu, fazendo-me ficar de joelhos, com a palma das mãos no chão.
11. Ele me disse: "Daniel, homem querido, entenda a mensagem que vou lhe transmitir. Fique de pé, pois Deus me mandou a você". Ele falou e eu me levantei tremendo.
12. Ele continuou: "Daniel, não tenha medo, pois desde o primeiro dia em que você começou a meditar para entender e se humilhou diante de Deus, as suas palavras foram ouvidas, e é por causa delas que eu vim.
13. Durante vinte e um dias o príncipe dos reis da Pérsia me resistiu, porém Miguel, um dos príncipes supremos, veio em minha ajuda. Eu o deixei lá enfrentando os reis da Pérsia,
14. e vim explicar a você o que acontecerá ao seu povo nos últimos dias, pois ainda existe para esses dias uma visão".
15. Enquanto ele falava essas coisas comigo, caí de bruços e fiquei sem fala.
16. Alguém com aparência de um ser humano tocou meus lábios. Abri a boca e falei para aquele que estava à minha frente: "Meu senhor, a visão me fez retorcer de dor e não consegui me controlar.
17. Como poderia falar o servo do meu senhor, se minhas forças tinham sumido e eu tinha perdido até o fôlego?"
18. De novo, alguém semelhante a um homem me tocou e me deu forças.
19. Ele me disse: "Não tenha medo, homem querido. Tenha calma e seja forte". Foi só ele falar comigo, e eu me senti mais forte. Então eu disse: "Fale então o meu senhor que me devolveu as forças".
20. Ele disse: "Muito bem! Você sabe por que vim procurá-lo? Agora devo voltar para combater contra o príncipe da Pérsia. Quando eu terminar, o príncipe da Grécia chegará.
21. Vou contar-lhe o que está escrito no livro da verdade. Ninguém me dá uma força na luta contra eles, a não ser Miguel, o príncipe de vocês,

[Daniel 11]
Daniel 11

1. assim como eu estive ao lado dele, dando-lhe força e ajudando-o no primeiro ano do reinado de Dario.

A PERSEGUIÇÃO DE ISRAEL
2. Agora eu vou lhe contar a verdade. Ainda surgirão três reis na Pérsia, mas o quarto rei que virá depois será o mais rico de todos e empregará toda a sua força e toda a sua riqueza contra os reis da Grécia.
3. Depois aparecerá um rei guerreiro, que terá um grande império e poder absoluto.
4. Logo, porém, que ele surgir, o seu império será dividido e repartido pelos quatro ventos da terra. Seus descendentes não herdarão o seu império, nem será tão poderoso; seu império cairá em mãos alheias.
5. O rei do sul será forte, mas um dos seus generais ficará mais forte do que ele e terá um império maior que o dele.
6. Depois de alguns anos, os dois farão aliança e a filha do rei do sul se casará com o rei do norte, para confirmar acordos. Mas ela não será capaz de sustentar a própria força nem a do seu filho, e acabará derrotada com a sua comitiva, com o seu filho e com o marido que ia dar-lhe força. A seu tempo, porém,
7. surgirá das mesmas raízes dela um broto que ficará no lugar do seu marido. Ele irá com o exército até o esconderijo do rei do norte, e aí vai tratá-lo com dureza.
8. Até os deuses deles, suas estátuas com seus objetos preciosos de ouro e prata, ele os levará como troféu para o Egito. Depois, por alguns anos, deixará em paz o rei do norte.
9. Este tentará invadir o reino do rei do sul, mas será obrigado a voltar para a sua terra.
10. Contudo os filhos do rei do norte vão se armar, reunindo grande e forte exército, e um deles avançará, passando como enchente; e voltará a lutar contra o rei do sul na própria fortaleza deste.
11. E despeitado, o rei do sul sairá para lutar contra ele. O rei do norte procurará resistir com numeroso exército, mas toda essa multidão cairá em poder do rei do sul.
12. Depois de dominar tanta gente, ele ficará com idéias de grandeza. Mas, apesar de vencer tanta gente, ele ficará sem forças.
13. O rei do norte montará outro exército mais numeroso ainda, e no final de algum tempo, alguns anos, ele virá com imenso poderio e muitos recursos.
14. Durante esse tempo, muitos estarão querendo enfrentar o rei do sul, até mesmo alguns indivíduos mais violentos do povo de vocês. Vão querer revoltar-se, pensando estar cumprindo a profecia, mas fracassarão.
15. Então virá o rei do norte, fará um aterro e tomará a cidade cercada de muralhas. As forças do sul não poderão resistir, nem a tropa de elite; para resistir faltarão forças.
16. Depois da invasão, o rei do norte fará o que bem quiser e ninguém será capaz de opor-lhe resistência. Ele se estabelecerá em nossa terra deliciosa, e esta será completamente sua.
17. O rei do norte terá em mente conquistar todo o reino do sul. Fará um acordo com o rei do sul e, para tentar arruiná-lo, lhe dará sua filha em casamento. Mas o projeto não terá êxito.
18. Ele se voltará, então, contra as cidades do litoral e conquistará muitas delas. Contudo, um chefe dará fim à sua arrogância, sem que ele seja capaz de retrucar.
19. Então ele se voltará para o lado das fortalezas do seu próprio país, mas tropeçará e desaparecerá.
20. No seu lugar surgirá outro rei, que vai mandar um cobrador para requisitar o tesouro do Templo. Mas, depois de alguns dias, ele será derrotado sem ira e sem guerra.
21. Em seu lugar, sucederá um miserável, a quem não se dariam as honras da realeza. Mas ele virá sorrateiramente e, com intrigas, tomará o poder.
22. Varrerá exércitos inimigos, aniquilando-os, e vencendo também o príncipe da Aliança.
23. Embora dispondo de pouca gente, com seus cúmplices e à força de traições, pouco a pouco se tornará forte.
24. Sorrateiramente entrará nas regiões mais férteis da província, fazendo o que nem seus pais nem seus avós fizeram: entre seus amigos repartirá os saques, despojos e riquezas e, com tramas, atacará as fortalezas. Mas isso vai durar pouco tempo.
25. Em seguida, contando com grande exército, ele atacará o rei do sul. Este se aprontará para a guerra com exército muito grande e muito forte, mas não poderá resistir, porque cairá vítima de conspirações:
26. os mais íntimos, que comem com ele, é que o derrotarão. O seu exército será arrasado, e muitos morrerão.
27. Os dois reis, com o pensamento voltado para a prática do mal, se assentarão à mesa para falar mentiras; no entanto, não vão conseguir nada, porque o fim vai esperá-los no prazo marcado.
28. Depois o rei do norte voltará para a sua terra com muitas riquezas. O seu pensamento estará voltado contra a santa Aliança. Depois de fazer o que planejava, ele retornará para a sua terra.
29. No prazo marcado ele invadirá novamente o sul, mas desta vez não será como da primeira.
30. Os navios de Cetim lhe virão contra, e ele ficará com medo e voltará atrás para descarregar sua cólera contra a santa Aliança. Ele favorecerá os que abandonaram a santa Aliança.
31. As tropas enviadas por ele se porão em guerra e profanarão o santuário da fortaleza. Abolirão o sacrifício cotidiano e aí instalarão um ídolo abominável.
32. Com lisonjas, ele perverterá os que violam a Aliança, mas o povo dos que reconhecem o seu Deus agirá com firmeza.
33. Os mais conscientes entre o povo esclarecerão muita gente, mas acabarão mortos pela espada, nas fogueiras, castigados com a prisão e o confisco de seus bens, por um período bem longo.
34. Quando eles caírem na desgraça, poucos serão os que virão ajudá-los, e muitos se ajuntarão a eles por adulação.
35. A desgraça de algumas dessas pessoas esclarecidas servirá para purificar, lavar e alvejar, até que chegue o fim, pois o prazo está marcado.
36. Esse rei fará o que bem entender: ele se engrandecerá e se exaltará acima de todos os deuses, e dirá coisas arrogantes até mesmo contra o Deus dos deuses. Terá sucesso até a hora da vingança, porque o que está marcado se cumprirá.
37. Ele não respeitará o deus de seus pais, nem o deus favorito das mulheres, nem qualquer outro deus, pois se julgará superior a todos eles.
38. No lugar desses deuses, ele cultuará o deus das fortalezas. A esses deuses que seus pais não conheceram, ele oferecerá ouro, prata, pedras preciosas e jóias.
39. Para reforçar suas fortalezas, estabelecerá o povo desse deus estrangeiro. A esses preferidos seus ele vai enriquecer muito, vai dar-lhes autoridade sobre muita gente e entre eles repartirá terras como recompensa.

A VITÓRIA FINAL
40. No tempo final, o rei do sul pretenderá lutar contra o rei do norte, mas o rei do norte se lançará contra ele com carros de guerra, cavalos e numerosos navios, invadindo suas terras como enchente.
41. Invadirá também a nossa terra deliciosa, e muita gente vai morrer. Escaparão de suas mãos os edomitas, os moabitas e um resto dos amonitas.
42. Ele porá a mão em todos os países, e nem o Egito escapará dele.
43. Passará a ser dono das riquezas em ouro e prata e de tudo o que houver de mais valioso no Egito. Até os líbios e etíopes formarão a sua comitiva.
44. Contudo, notícias chegadas do oriente e do norte virão assustá-lo. Ele se porá em marcha, cheio de fúria e raiva, para matar e liquidar muita gente.
45. Armará as tendas da sua nobre residência entre o mar e a deliciosa montanha santa. Então chegará o fim, e ninguém o defenderá.

[Daniel 12]
Daniel 12

1. Nesse tempo se levantará Miguel, o grande príncipe que protege o povo ao qual você pertence: será uma hora de grandes apertos, tais como jamais houve, desde que as nações começaram a existir, até o tempo atual. Então o seu povo será salvo, todos os que estiverem inscritos no livro.
2. Muitos que dormem no pó despertarão: uns para a vida eterna, outros para a vergonha e a infâmia eternas.
3. Os sábios brilharão como brilha o firmamento, e os que ensinam a muitos a justiça brilharão para sempre como estrelas.
4. Você, Daniel, guarde em segredo esta mensagem, lacre este livro até o tempo final. Muitos o examinarão, e o conhecimento deles aumentará".

O TEMPO DA PERSEGUIÇÃO
5. Eu, Daniel, vi também outros dois homens de pé, à beira do rio, um do lado de cá e o outro do lado de lá.
6. Um deles disse ao homem vestido de linho que estava sobre as águas do rio: "Quando se realizarão essas coisas maravilhosas?"
7. Ouvi o homem vestido de linho que estava sobre as águas do rio. Ele levantou as duas mãos e jurou por Aquele que vive eternamente: "Daqui a um ano e dois anos e meio. Quando acabar a opressão do povo santo, aí é que se realizará tudo isso".
8. Eu ouvi, mas não entendi. E perguntei: "Meu senhor, como é que tudo isso vai terminar?"
9. Ele respondeu: "Vá, Daniel! Essa mensagem ficará guardada e lacrada até o tempo final.
10. Muitos ainda serão separados, limpos e expurgados, enquanto os ímpios continuarão praticando a injustiça. Os ímpios não entenderão essas coisas, mas os sábios as compreenderão.
11. A partir do dia em que acabar o sacrifício cotidiano e for instalado no Templo o ídolo abominável, passarão mil, duzentos e noventa dias.
12. Feliz quem souber esperar com perseverança, alcançando mil, trezentos e trinta e cinco dias.
13. Quanto a você, vá em frente até que chegue o seu fim e repouse: você se levantará para receber a sua parte no final dos dias".

Send this page to a friend

St. Takla Church - Main IndexIndex of Antigo Testamento - BÍBLIA ON-LINE - Portuguese Bible (Brazil)

Like & share St-Takla.org

_


© Saint Takla Haymanout Website: Coptic Orhtodox Church - Alexandria, Egypt / URL: http://St-Takla.org / Contact us at

http://st-takla.org/Bibles/Portuguese-Bible/01-Antigo-Testamento/32-daniel.html