All Coptic Links - Coptic Directory - Orthodox Church Directory The Agbeya - The Coptic Book of Prayers (English Agbiya + Arabic Agpeya) English Bible + Holy Bible in other languages - Arabic, French, Ethiopian Amharic Holy Bible, ArabicBible, Enjeel Saint Takla dot org - Main page - English Photo and Image Gallery: Jesus - Mary - Saints - St. Takla - Church - Priests - Bible - Activities - pictures and Icons.. Download and listen to Hymns - Carols - Midnight Praise (Tasbeha) - Midis - Videos - Liturgies - Masses - Sermons - Online Streaming St-Takla.org   Coptic Church Website Logo of Saint Takla Haymanot the Ethiopian Website - Alexandria - Egypt - موقع الأنبا تكلا هيمانوت FAQ - Frequently Asked Questions and Answers - Coptic and Christan Q&A - Faith, Creed, Site, Youth, Family, Holy Bible Contact Us - Address - Map - Online Support Send a free Christian and Coptic Greeting Cards to your friends موقع الكنيسة القبطية باللغة العربية - الموقع العربي StTaklaorg Site News and Updates Downloads.. Winamp Skins - Coptic fonts - Agbeya - Software - Freeware - Icons - Gallery - Mp3s Feedback - Submit URL - ideas - Suggestions.. Kids' Corner - Coloring - Songs - Games - Stories Free Coptic Books - Christian Arabic Books, Orthodox English Books  

Portuguese Bible - BÍBLIA ON-LINE - Antigo Testamento

Jeremias

 

[Jeremias 1]Jeremias 1

TÍTULO
1. Palavras de Jeremias, filho de Helcias, um dos sacerdotes de Anatot, no território de Benjamim.
2. A palavra de Javé lhe foi dirigida no décimo terceiro ano do reinado de Josias, filho de Amon, rei de Judá.
3. E também no tempo de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá, até o final do décimo primeiro ano de Sedecias, filho de Josias, rei de Judá, ou seja, até a deportação de Jerusalém, que aconteceu no quinto mês.

I. ORÁCULOS CONTRA JUDÁ E JERUSALÉM

1. NO TEMPO DO REI JOSIAS

VOCAÇÃO DE JEREMIAS
4. Recebi a palavra de Javé que me dizia:
5. "Antes de formar você no ventre de sua mãe, eu o conheci; antes que você fosse dado à luz, eu o consagrei, para fazer de você profeta das nações".
6. Mas eu respondi: "Ah, Senhor Javé, eu não sei falar, porque sou jovem".
7. Javé, porém, me disse: "Não diga 'sou jovem', porque você irá para aqueles a quem eu o mandar e anunciará aquilo que eu lhe ordenar.
8. Não tenha medo deles, pois eu estou com você para protegê-lo - oráculo de Javé".
9. Então Javé estendeu a mão, tocou em minha boca e me disse: "Veja: estou colocando minhas palavras em sua boca.
10. Hoje eu estabeleço você sobre nações e reinos, para arrancar e arrasar, para demolir e destruir, para construir e plantar".

JAVÉ ESTÁ VIGILANTE
11. Javé me dirigiu a palavra: "O que você está vendo, Jeremias?" Respondi: "Estou vendo um ramo de amendoeira".
12. Javé continuou: "Você viu bem, Jeremias, porque eu estou vigiando para cumprir a minha palavra".
13. De novo Javé me dirigiu a palavra: "O que você está vendo?" Respondi: "Estou vendo uma panela fervendo, inclinada do Norte para cá".
14. Javé continuou: "Do lado norte se derramará a desgraça sobre todos os moradores do país.
15. Vou convocar todas as tribos dos reinos do Norte - oráculo de Javé -. Elas virão e cada qual colocará o seu trono diante das portas de Jerusalém, contra suas muralhas e contra todas as cidades de Judá.
16. Eu então pronunciarei as minhas sentenças contra eles, por causa de todas as maldades que cometeram, abandonando-me para sacrificar a outros deuses e adorar o trabalho de suas próprias mãos.
17. Quanto a você, arregace as mangas, levante-se e diga a eles tudo o que eu mandar. Não tenha medo; senão eu é que farei você ter medo deles.
18. Eu hoje faço de você uma cidade fortificada, uma coluna de ferro e uma muralha de bronze contra o país inteiro: contra os reis de Judá e seus chefes, contra os sacerdotes e contra os proprietários de terras.
19. Eles farão guerra contra você, mas não o vencerão, pois eu estou com você para protegê-lo" - oráculo de Javé.

[Jeremias 2]
Jeremias 2

VOCÊ ME ABANDONOU
1. Javé me dirigiu a palavra:
2. "Vá e grite aos ouvidos de Jerusalém: Assim diz Javé: Eu me lembro do seu afeto de jovem, do seu amor de noiva, quando você me acompanhava pelo deserto, numa terra sem plantação.
3. Israel era santo para Javé, era o primeiro fruto da sua colheita; aqueles que dele se alimentavam tornavam-se culpados, e a desgraça caía sobre eles" - oráculo de Javé.
4. Escutem a palavra de Javé, casa de Jacó e todas as tribos da casa de Israel:
5. Assim diz Javé: "Qual foi a injustiça que os pais de vocês encontraram em mim, para de mim se afastarem? Correram atrás do vazio, e se esvaziaram.
6. Eles não perguntaram: 'Onde está Javé que nos fez sair da terra do Egito e nos conduziu pelo deserto, por estepes e barrancos, por uma terra seca e sombria, terra que ninguém atravessa e onde ninguém mora?'
7. Depois, eu fiz vocês entrarem numa terra de pomares, para que comessem seus frutos. Mas vocês entraram e contaminaram a minha terra, transformaram minha herança em abominação.
8. Os sacerdotes não perguntaram: 'Onde está Javé?' Os doutores da Lei não me reconheceram, os pastores se rebelaram contra mim, os profetas profetizaram em nome de Baal, seguindo deuses que não servem para nada.
9. Por isso, vou novamente demandar contra vocês - oráculo de Javé - e vou entrar em processo contra os seus netos.
10. Atravessem o mar até as ilhas de Cetim, e vejam. Mandem alguém para Cedar, e observem atentamente. Vejam se já aconteceu alguma coisa semelhante:
11. Por acaso algum povo já trocou os seus deuses? - e eles nem deuses são! Pois o meu povo trocou aquilo que era a sua glória por uma coisa que não vale nada.
12. Que o próprio céu fique admirado com uma coisa dessas, fique assustado e espantado - oráculo de Javé -
13. pois o meu povo praticou dois crimes: abandonaram a mim, fonte de água viva, e cavaram para si poços, poços rachados que não seguram a água.
14. Por acaso Israel é um escravo ou nasceu na escravidão? Como então se tornou presa
15. de leões, que rugiram contra ele com grandes urros? Arrasaram sua terra, incendiaram suas cidades, deixando-as desabitadas.
16. Até os filhos de Mênfis e Táfnis chegaram a raspar-lhe a cabeça.
17. Será que não foi você mesmo quem fez isso, quando deixou de lado Javé, o seu Deus?
18. Então, por que tomar o caminho do Egito, para beber água do Nilo? Por que tomar o caminho da Assíria, para beber água do Eufrates?
19. Seja você castigado pela sua própria maldade, seja corrigido pela própria rebeldia. Que você acabe compreendendo e vendo como é ruim e amargo abandonar Javé seu Deus, e não mais temer a mim" - oráculo do Senhor Javé dos exércitos.

DE NOIVA A PROSTITUTA
20". Já faz muito tempo que você quebrou a sua canga, arrebentou o seu cabresto e disse: 'Não quero servir'. Você se deitava e se prostituía no alto de qualquer colina mais elevada ou debaixo de qualquer árvore frondosa.
21. Eu havia plantado você como lavoura especial, com mudas legítimas. E como é que você se transformou em ramos degenerados de vinha sem qualidade?
22. Mesmo que você se esfregue com sabão e use muito detergente, a mancha de sua culpa continua diante de mim - oráculo do Senhor Javé.
23. Como você se atreve a dizer que nunca se contaminou, que nunca procurou deuses estrangeiros? Olhe o rastro que você deixou no vale, reconheça o que você fez, camela leviana de caminhos extraviados,
24. jumenta selvagem, habituada ao deserto, farejando o vento no calor do cio: quem domará a sua paixão? Quem for procurá-la não vai ter trabalho, pois vai encontrá-la sempre no mês do seu cio.
25. Evite que os seus pés fiquem descalços e a sua garganta sedenta. No entanto, você diz: 'De jeito nenhum! Eu gosto dos estrangeiros; é a eles que eu vou seguir!'

JULGAMENTO CONTRA AS AUTORIDADES
26. Como a vergonha de um ladrão pego em flagrante, assim será a vergonha da casa de Israel: dos seus reis, chefes, sacerdotes e profetas.
27. Eles dizem para um pedaço de madeira: 'Tu és o nosso pai!' E para uma pedra: 'Tu nos geraste!' Eles voltam para mim as costas, e não o rosto. Mas, na hora do aperto, eles me dizem: 'Vem! Salva-nos!'
28. Onde estão os deuses que você mesmo fabricou? Que venham eles salvar você no dia do aperto, pois você, Judá, tem tantos deuses quantas cidades.
29. Por que vocês querem me processar, quando todos vocês foram rebeldes? - oráculo de Javé.
30. Eu feri seus filhos inutilmente, e eles não aprenderam a lição. Como leão violento, a espada de vocês acabou com os profetas.
31. Vocês desta geração, vejam a palavra de Javé: Por acaso, eu fui para Israel um deserto, ou terra escura? Então, por que o meu povo diz: 'Nós nos emancipamos e não voltaremos para ti'?
32. Será que uma jovem esquece os seus enfeites ou uma noiva esquece o seu cinto? No entanto, o meu povo se esqueceu de mim por dias sem conta.
33. Como você ajeitou bem os seus caminhos para procurar o amor! Você chegou a ensinar até as mulheres perdidas!
34. Na barra de sua roupa há sangue de pobres inocentes que não foram surpreendidos no ato de roubar. Apesar de tudo isso,
35. você ainda diz: 'Eu sou inocente! A ira de Deus nunca me alcançará'. Pois bem! Eu vou condenar você, por ter dito que não pecou.
36. Com que facilidade você muda de rumo! O Egito será uma decepção para você, como a Assíria também foi.
37. Também de lá você vai voltar, pondo as mãos na cabeça, pois Javé desprezou aqueles em quem você confia, e com eles nada vai dar certo.

[Jeremias 3]
Jeremias 3

É POSSÍVEL VOLTAR PARA JAVÉ?
1. Se um homem dá o divórcio à sua mulher, e ela se separa dele e casa com outro, por acaso o primeiro terá direito de voltar a ela? Por acaso ela não está contaminada? Você se prostituiu com muitos amantes, e ousa voltar para mim? - oráculo de Javé.
2. Olhe bem para o pico dos morros e me diga: Onde é que você não foi desonrada? Como viajante no deserto, você se sentava à beira dos caminhos, à disposição deles, profanando a terra com suas prostituições e maldades.
3. Por isso faltaram as chuvas, e não houve chuvas tardias. No entanto, você continuou com seu jeito de prostituta, e nem com isso criou vergonha.
4. Agora você me invoca, dizendo: 'Meu Pai, tu és o amigo da minha mocidade'.
5. E cai pensando: 'Não guarde rancor eterno contra mim'. E continua tranqüila, praticando maldades".

VOLTE, REBELDE!
6. No tempo do rei Josias, Javé me disse: "Você viu o que fez Israel, essa rebelde? Ela andou por todos os altos montes e se prostituiu à sombra de toda árvore frondosa.
7. Eu pensava que ela, depois de ter feito tudo isso, voltaria para mim. Mas não voltou. Então sua irmã Judá, a infiel, viu tudo;
8. viu que eu rejeitei a rebelde Israel exatamente por causa de todos os seus adultérios, entregando-lhe o documento de divórcio. Mas a infiel Judá, sua irmã, não teve medo: também ela caiu na prostituição.
9. Com sua prostituição fácil desonrou o país, cometendo adultério com os ídolos de pedra e de madeira.
10. Apesar de tudo isso, a rebelde Judá, irmã de Israel, não voltou para mim de todo o coração, mas apenas de mentira" - oráculo de Javé.
11. Então Javé me disse: "A rebelde Israel é mais correta que a infiel Judá.
12. Vá, pois, e grite lá do Norte esta mensagem: Volte, Israel rebelde - oráculo de Javé. Eu não mostrarei a você uma face indignada, porque sou amoroso - oráculo de Javé - e não guardo rancor eterno.
13. Vamos, reconheça a sua culpa, porque você foi infiel a Javé seu Deus: você se prostituiu com estrangeiros à sombra de toda árvore frondosa, e me desobedeceu - oráculo de Javé.

JERUSALÉM, TRONO DE JAVÉ
14. Voltem, filhos rebeldes - oráculo de Javé - pois eu sou o Senhor de vocês e posso pegar um de cada cidade e dois de cada clã para levar a Sião.
15. Pois aí eu vou lhes dar pastores de acordo com o meu coração, e eles guiarão vocês com ciência e sensatez.
16. Quando crescerem e se multiplicarem no país - oráculo de Javé - então ninguém mais falará na Arca da Aliança de Javé; ninguém pensará nem se lembrará mais dela. Não sentirão falta dela e nem será refeita.
17. Nesse tempo, Jerusalém será chamada 'Trono de Javé'. Todos os povos aí se reunirão em nome de Javé, e não seguirão mais a dureza do seu coração malvado.
18. Nesse dia, a casa de Judá irá ao encontro da casa de Israel, e juntas virão da região do Norte para o país que eu dei como herança aos seus antepassados.

CIRCUNCIDEM O CORAÇÃO
19. Eu tinha pensado contar você entre os meus filhos, dar-lhe uma terra invejável, a pérola das nações como herança, esperando que você me chamasse 'Meu Pai' e não se afastasse de mim.
20. Mas, semelhante à mulher que trai o seu marido, assim me traiu a casa de Israel - oráculo de Javé.
21. Do alto dos montes vem um vozerio: é o choro e os pedidos de piedade dos filhos de Israel que entortaram o seu caminho, esquecidos de Javé, seu Deus.
22. Voltem, filhos rebeldes, e eu os curarei da sua rebeldia! 'Vê: nós estamos de volta para ti, porque tu, Javé, és o nosso Deus.
23. De fato, são mentira as colinas e os barulhos dos montes. Só Javé nosso Deus é a salvação de Israel.
24. Desde a juventude a vergonha devorou o fruto do trabalho de nossos pais: vacas e ovelhas, filhos e filhas.
25. Vamos nos deitar envergonhados, cobertos de humilhação, porque pecamos contra Javé nosso Deus, nós e nossos antepassados, desde a juventude até o dia de hoje, e desobedecemos a Javé nosso Deus'.

[Jeremias 4]
Jeremias 4

1. Se você quiser voltar, Israel, volte para mim - oráculo de Javé. Se você se afastar de suas abominações, não andará mais errante.
2. Seu juramento será este: 'Pela vida de Javé', com fidelidade, direito e justiça. Então as nações se considerarão abençoadas por você, e de você se orgulharão".
3. Assim diz Javé aos homens de Judá e à cidade de Jerusalém: "Cultivem para vocês um campo novo e não semeiem entre espinhos.
4. Circuncidem-se em honra de Javé, circuncidem o coração, homens de Judá e moradores de Jerusalém, para que a minha ira não saia como fogo e queime, e ninguém possa apagá-la, por causa do mal que vocês praticam".

A DESGRAÇA VEM DO NORTE
5. Levem a notícia para Judá, façam que Jerusalém ouça, toquem a trombeta no país, gritem com toda a força: "Reúnam-se, vamos entrar nas fortalezas.
6. Levantem a bandeira para o lado de Sião. Escondam-se! Não fiquem aí parados! Do Norte venho trazendo uma desgraça, uma grande devastação.
7. O leão sai da sua toca, o demolidor de nações levanta acampamento e sai da sua moradia. Vem fazer do seu país uma ruína, e suas cidades ficarão destruídas e sem moradores.
8. Por isso, vistam-se de luto, batam no peito e gritem de dor, porque não conseguimos escapar do fogo da ira de Javé.
9. Nesse dia - oráculo de Javé - o rei e os comandantes vão perder a coragem, os sacerdotes ficarão perturbados e os profetas abismados.
10. Eu disse: 'Ah, Senhor Javé, tu enganaste mesmo este povo e Jerusalém, dizendo que para nós haveria paz, quando a espada já estava em nossa garganta' ".
11. Nesse tempo, vão dizer a este povo e a Jerusalém: "Um vento quente, que não serve para abanar nem para separar a palha, sopra das dunas do deserto em direção à capital do seu povo.
12. É um vento forte que vem trabalhar para mim. Agora, contra eles vou pronunciar as sentenças.
13. Ele avança como nuvens, seus carros são como furacão, seus cavalos mais ligeiros do que águias. Ai de nós, estamos perdidos!
14. Jerusalém, lave a maldade do seu coração para que possa ser salva. Até quando vai continuar deixando no coração esses pensamentos malignos?
15. Porque um grito se levanta de Dã, e desde a montanha de Efraim anuncia a calamidade.
16. Digam às nações, anunciem contra Jerusalém: chegam inimigos de uma terra distante e dão gritos de guerra contra as cidades de Judá.
17. Como guardas de um campo eles a cercam, pois foi contra mim que você se revoltou - oráculo de Javé -.
18. A conduta que você teve e suas ações é que lhe provocaram tudo isso. Como é amarga sua maldade! Ela penetra até o seu coração.
19. Ai, que dor de barriga! Que dor de barriga! Tenho que me contorcer! Ó paredes do meu peito! Meu coração pula aqui dentro! Não agüento ficar calado, pois já escutei o som da trombeta e o grito de guerra.
20. Anunciam derrota sobre derrota, o país está sendo destruído. Derrubaram num instante minhas tendas e os meus abrigos num minuto.
21. Até quando verei as bandeiras e ouvirei o som da trombeta?
22. Meu povo é bobo. Não me conhecem, são pessoas sem bom-senso, que não percebem as coisas. São sábios para fazer o mal, mas não sabem praticar o bem".

GERANDO A PRÓPRIA MORTE
23. Olhei para a terra: estava sem forma e vazia. Olhei para o céu, e não havia luz.
24. Olhei as montanhas: elas tremiam, e todas as colinas se abalavam.
25. Olhei: não havia mais ninguém, e todas as aves do céu haviam fugido.
26. Olhei: o Carmelo era um deserto, e todas as cidades tinham sido destruídas por Javé e pelo calor da sua ira.
27. Porque assim diz Javé: "O país inteiro vai ser arrasado, mas não vou acabar com ele completamente.
28. É por isso que o país fica de luto, e até o céu, lá em cima, se escurece; pois eu falei, eu decidi, e não vou me arrepender nem voltar atrás".
29. Com o grito dos cavaleiros e arqueiros, a cidade inteira fugiu; enfiaram-se no mato, subiram as pedreiras; a cidade inteira está abandonada e sem nenhum morador.
30. E você, Jerusalém, o que está fazendo, ao se vestir de vermelho, enfeitando-se com jóias de ouro, alargando os olhos com pintura? Não adianta nada você se arrumar: seus amantes a desprezam e só atentam contra sua vida.
31. Ouço um grito como de mulher que dá à luz, numa aflição como aquela que dá à luz pela primeira vez; é o grito da capital de Sião, que geme e estende as mãos: "Ai de mim, estou desmaiando diante dos assassinos".

[Jeremias 5]
Jeremias 5

A GESTAÇÃO DA MORTE
1. Percorram as ruas de Jerusalém, olhem bem e procurem saber; procurem também nas praças, tentem achar alguém que esteja praticando o direito e procurando a verdade. Então, eu perdoarei a cidade, diz Javé.
2. Quando eles dizem: "Pela vida de Javé!", na verdade estão jurando falso.
3. Ó Javé, teus olhos não estão voltados somente para a verdade? Tu os feriste, e eles nem sentiram dor! Acabaste com eles, e não quiseram aprender a lição. O rosto deles ficou mais duro do que a pedra: não quiseram se converter.
4. Então eu pensava: "Pobre gente! Eles fazem papel de bobos, porque não conhecem o caminho de Javé, nem o direito do seu Deus.
5. Vou procurar, então, os grandes, e com eles vou conversar, porque eles conhecem o caminho de Javé e o direito do seu Deus". No entanto, eles também quebraram a canga e soltaram as amarras.
6. Por isso, o leão da floresta os ataca, o lobo do campo acaba com eles, e uma pantera fica de tocaia em suas cidades. Quem quiser sair daí acabará estraçalhado; porque suas transgressões se multiplicaram e suas revoltas não têm conta.
7. Será que eu poderia perdoar você? Os seus filhos me deixaram, e agora estão jurando por deuses que não existem. Enquanto eu lhes matava a fome, eles estavam me traindo e procurando a casa da prostituta;
8. são como cavalos reprodutores, gordos e soltos, cada qual relinchando pela mulher do seu próximo.
9. E eu, será que não vou castigar essas coisas? - oráculo de Javé. Será que não me vingarei de uma nação como esta?
10. Subam para os terraços da vinha, e provoquem a destruição, mas não acabem com tudo: arranquem as mudas, porque não são de Javé.

NO FUNDO DO ABISMO
11. Quem me traiu de verdade foi a casa de Israel e a casa de Judá - oráculo de Javé.
12. Eles renegaram a Javé, dizendo: "Javé não existe! Nenhum mal nos atingirá: não veremos nem guerra nem fome!
13. Os profetas não passam de vento, não falam palavras de Javé".
14. Por isso, assim diz Javé, Deus dos exércitos: "Já que falaram uma coisa dessas, vou fazer que a minha palavra seja um fogo na boca de você, e este povo seja a lenha que o mesmo fogo vai devorar.
15. Pois eu vou mandar contra vocês, ó casa de Israel, uma nação distante - oráculo de Javé - uma nação invencível e antiga, uma nação cuja língua vocês não conhecem e não entendem o que ela fala.
16. A aljava deles é como sepultura aberta, e seus homens são todos valentes.
17. Ela vai devorar a colheita e o pão de vocês, vai devorar seus filhos e filhas, suas ovelhas e seu gado, suas parreiras e figueiras; vai destruir pela espada cidades fortificadas em que vocês tanto confiam.
18. Mas nem mesmo nessa ocasião - oráculo de Javé - eu não vou acabar totalmente com vocês.
19. Aí, quando alguém perguntar a você: 'Por que Javé nosso Deus fez tudo isso com a gente?' você responderá: 'Da mesma forma como vocês me abandonaram para servir a deuses estrangeiros na própria terra de vocês, assim agora vocês estão trabalhando como escravos para estrangeiros numa terra que não é de vocês'.

OS PAIS DA MORTE
20. Anunciem isto à casa de Jacó, façam chegar a Judá esta mensagem:
21. 'Ouçam isto, povo sem bom senso e sem inteligência. Eles têm olhos mas não vêem, têm ouvidos mas não ouvem.
22. Nem a mim vocês temem? - oráculo de Javé. Vocês não tremem na minha presença? Fui eu quem fez a areia como limite do mar, uma fronteira eterna que ele não ultrapassa; suas ondas se agitam, mas nada conseguem: elas estrondam, mas não conseguem ultrapassar'.
23. Este povo, porém, é duro e rebelde de coração: eles se afastaram e foram-se embora.
24. Não pensam: 'Vamos temer a Javé nosso Deus, que nos dá a chuva de outono e a chuva da primavera no tempo certo; e ainda guarda para nós as semanas certas para a colheita'.
25. As maldades de vocês transtornaram essas coisas, e os erros de vocês afastaram todos esses bens;
26. porque há ímpios no meio do meu povo, espreitando, como se agacham os caçadores de passarinhos; mas preparam armadilhas para pegar gente.
27. Como gaiola cheia de passarinhos, assim as casas deles estão cheias de coisas roubadas. Por isso, eles progrediram e se tornaram ricos,
28. ficaram gordos e reluzentes. A maldade deles passa dos limites: não julgam conforme o direito, não defendem a causa do órfão, nem julgam a causa dos indigentes.
29. E eu, será que não vou castigar por causa dessas coisas? - oráculo de Javé. Será que não vou me vingar de uma nação como esta?
30. Coisas terríveis e abomináveis acontecem no país:
31. os profetas só falam mentiras, os sacerdotes só querem dinheiro, e o meu povo gosta disso! O que vocês vão fazer quando chegar o fim?"

[Jeremias 6]
Jeremias 6

SALVE-SE QUEM PUDER
1. Benjaminitas, fujam do meio de Jerusalém! Toquem a trombeta em Técua, levantem um mastro em cima de Bet-Acarem, pois do Norte vem uma desgraça, uma enorme destruição.
2. Vou destruir a bela e delicada capital de Sião.
3. Para lá irão pastores, levando os seus rebanhos; ao seu redor armam suas tendas, e cada um apascenta a sua parte.
4. Declarem guerra santa contra Jerusalém! Vamos, ataquem de dia! Ai de nós, pois o dia chega ao fim, e a noite vai estendendo suas sombras.
5. Vamos, ataquem de noite! Vamos arrasar seus palácios!
6. Pois assim diz Javé dos exércitos: "Cortem árvores e façam barreiras de assédio contra Jerusalém. Ela é uma cidade sentenciada, pois dentro dela só existe opressão.
7. De dentro dela só brota maldade, como brota água de um poço. Violência e opressão é o que se ouve nela; ferida e sofrimento estão sempre diante de mim.
8. Corrija-se, Jerusalém, para que eu não me afaste de você; para que eu não faça de você um lugar arrasado, uma região desabitada".

NÃO SOBROU NENHUM JUSTO
9. Assim diz Javé dos exércitos: "Rebusquem o que sobrar de Israel, como se rebusca uma vinha: repassem a mão pelos ramos, como faz o vindimador".
10. A quem vou falar e testemunhar, para que me ouçam? Eles têm ouvidos de pagãos, e não são capazes de entender. Para eles a palavra de Javé é objeto de gozação; não gostam dela.
11. Estou cheio da indignação de Javé, já não agüento mais me segurar. "Então descarregue essa raiva em cima das crianças da rua, ou em cima dos jovens. Tanto o homem quanto a mulher serão presos, tanto o ancião quanto o velho no fim da vida.
12. Suas casas vão passar para estrangeiros, e também suas terras e mulheres, pois eu vou estender a mão contra os habitantes deste país" - oráculo de Javé.
13. Porque, do pequeno até o grande, são todos gananciosos; desde o profeta até o sacerdote, são todos contadores de mentiras.
14. Sem responsabilidade, querem curar a ferida do meu povo, dizendo: "Paz! Paz!", quando não existe paz.
15. Eles deviam envergonhar-se porque praticaram coisas abomináveis, mas não se envergonham, nem sabem o que é sentir vergonha. "Por isso, eles vão cair junto com os que tombam; no tempo em que eu os visitar, eles vão tropeçar" - disse Javé.

O FIM É INEVITÁVEL
16. Assim diz Javé: "Parem no caminho e vejam, informem-se quanto às estradas do passado: qual era o caminho da felicidade? Andem por ele, e vocês encontrarão descanso". Mas eles responderam: "Não caminharemos nele!"
17. "Coloquei sentinelas para guardar vocês! Prestem atenção quando a trombeta tocar!" Mas eles responderam: "Não vamos prestar atenção!"
18. "Por isso escutem, nações; e você, assembléia, conheça o que vai acontecer a eles.
19. Ouça também você, ó terra: Vou trazer uma desgraça para este povo, fruto daquilo mesmo que eles tramaram; porque não obedeceram às minhas palavras e desprezaram a minha lei.
20. Que me importa o incenso que vem de Sabá, e a canela perfumada que vem de países distantes? Os holocaustos de vocês não me agradam, seus sacrifícios não são do meu gosto".
21. Por isso, assim diz Javé: "Vou colocar pedras no caminho deste povo, e eles vão tropeçar: pais e filhos, vizinhos e amigos vão se acabar todos juntos".
22. Assim diz Javé: "Virá um povo do Norte, uma grande nação se levantará dos limites da terra;
23. eles são fortes no arco e na lança, são cruéis e sem compaixão. O estrondo que fazem parece o das ondas do mar; vêm todos montados a cavalo, em ordem de batalha, como se fossem um só homem. Eles vêm atacar você, capital de Sião!"
24. Só de ouvir a fama deles, nossas mãos amoleceram, ficamos tomados pela angústia e pela dor, como a mulher que está dando à luz.
25. Ninguém saia para o campo, nem ande pela estrada, porque a espada inimiga espalha terror por todos os lados.
26. Vista-se de luto, capital do meu povo, role no chão, ponha-se a chorar como pela morte de um filho único; faça uma lamentação amarga, porque chega de repente aquele que nos vai destruir.

PRATA DE REFUGO
27. Eu nomeio você o examinador do meu povo, para que conheça e examine o comportamento dele.
28. Eles todos são rebeldes e semeadores de calúnias. Parecem bronze ou ferro, e estão todos corrompidos.
29. O foleiro sopra para atiçar o fogo e derreter o chumbo; mas o trabalho do fundidor é inútil, pois a ganga não se desprende.
30. Prata de refugo é o nome deles, porque Javé os rejeitou.

[Jeremias 7]
2. ORÁCULOS NO TEMPO DO REI JOAQUIM.

Jeremias 7

RELIGIÃO COMO ÓPIO
1. Palavra de Javé, que foi dirigida a Jeremias:
2. "Coloque-se na porta do Templo e diga o seguinte: Escutem a palavra de Javé, vocês todos de Judá que entram por esta porta, a fim de adorar a Javé.
3. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Endireitem seus caminhos e sua maneira de agir, e eu morarei com vocês neste lugar.
4. Não se iludam com palavras mentirosas, dizendo: 'Este é o Templo de Javé, Templo de Javé, Templo de Javé!'
5. Se vocês endireitarem seus caminhos e sua maneira de agir; se começarem a praticar o direito cada um com seu próximo;
6. se não oprimirem o estrangeiro, o órfão e a viúva; se não derramarem sangue inocente neste lugar e não correrem atrás dos deuses estrangeiros que lhes trazem a desgraça:
7. então eu continuarei morando com vocês neste lugar, nesta terra que eu dei aos seus antepassados há muito tempo e para sempre.
8. Vocês se iludem com palavras mentirosas que não trazem proveito nenhum.
9. Não é assim? Roubar, matar, cometer adultério, jurar falso, queimar incenso a Baal, seguir deuses estrangeiros que vocês nunca conheceram...
10. E depois vocês se apresentam diante de mim, neste Templo, onde o meu nome é invocado, e dizem: 'Estamos salvos!', para depois continuarem praticando essas abominações.
11. Este Templo, onde o meu nome é invocado, será por acaso esconderijo de ladrões? Estejam atentos, porque eu estou vendo tudo isso - oráculo de Javé.
12. Agora vão até o meu lugar em Silo, onde antes eu fiz habitar o meu nome, e vejam o que eu fiz lá por causa da maldade do meu povo Israel.
13. Mas agora, visto que vocês fizeram tudo o que fizeram - oráculo de Javé - visto que eu falava sem parar e vocês não me davam atenção, chamava e vocês não me respondiam,
14. vou tratar este Templo, onde é invocado o meu nome, no qual vocês tanto confiam, e também este lugar que dei a vocês e a seus antepassados, vou tratá-lo do mesmo modo como tratei Silo.
15. Vou expulsar vocês da minha presença, da mesma forma como expulsei todos os seus irmãos e toda a descendência de Efraim.
16. Quanto a você, não reze por este povo, não faça preces nem súplicas em favor deles. Não insista comigo, porque eu não vou atender.
17. Você não está vendo o que eles fazem nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém?
18. Os filhos recolhem lenha, os pais acendem o fogo e as mulheres preparam a massa para fazer broas em honra da rainha do céu; depois derramam vinho em homenagem aos deuses estrangeiros, só para me insultar.
19. Mas será a mim que eles ofendem? - oráculo de Javé. Não será a eles mesmos, para sua própria vergonha?"
20. Por isso, assim diz o Senhor Javé: "Minha ira ardente se derramará sobre este lugar, sobre as pessoas e os animais, sobre as árvores do campo e os frutos da terra. Minha ira vai pegar fogo, e não se apagará".
21. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: "Ajuntem os holocaustos que vocês queimam, com seus sacrifícios, e comam essas carnes.
22. Pois quando tirei do Egito os antepassados de vocês, eu não falei nada nem dei ordem alguma sobre holocaustos e sacrifícios.
23. A única coisa que eu lhes falei e mandei, foi isto: Obedeçam-me, e eu serei o Deus de vocês, e vocês serão o meu povo. Andem sempre no caminho que eu lhes ordenar, para que sejam felizes.
24. Eles, porém, não obedeceram nem deram ouvidos, e continuaram procedendo conforme a obstinação do seu coração perverso. E, ao invés de voltarem o rosto para mim, voltaram-me as costas.
25. Desde o dia em que seus antepassados saíram da terra do Egito até hoje, todos os dias, estou mandando para eles, sem cansar, meus servos, os profetas.
26. Mas não obedeceram a eles, nem me deram ouvidos; ao contrário, endureceram ainda mais a nuca e tornaram-se piores que seus antepassados.
27. Você dirá essas coisas a eles, mas eles não lhe obedecerão; você os convocará, mas eles não responderão.
28. Aí, você lhes dirá: Esta é uma nação que nunca obedeceu a Javé seu Deus e nem aceita correção. A fidelidade morreu: foi expulsa da sua boca.

JAVÉ NÃO QUER A MORTE
29. Jerusalém, corte seus cabelos consagrados, e jogue-os fora; entoe uma lamentação lá no alto dos montes, porque Javé rejeitou e abandonou a geração que incendiou a ira dele.
30. Sim, os filhos de Judá praticaram o que é mau aos meus olhos - oráculo de Javé. Cometeram sacrilégio, colocando essas abominações no Templo, onde o meu nome é invocado.
31. Depois construíram os lugares altos de Tofet, no vale de Ben-Enom, para queimar no fogo filhos e filhas, coisa que não mandei e que jamais passou pela minha mente.
32. É por isso que chegarão dias - oráculo de Javé - em que não se chamará mais vale de Tofet ou de Ben-Enom, mas vale da Matança. Por falta de lugar, vão fazer de Tofet um cemitério,
33. pois os cadáveres desse povo servirão de comida para as aves do céu e para os animais da terra. E ninguém os espantará.
34. Nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, farei cessar o som da música e os gritos de alegria, a voz do noivo e da noiva, pois o país se transformará numa ruína completa.

[Jeremias 8]
Jeremias 8

1. Nessa ocasião - oráculo de Javé - serão retirados de suas sepulturas os ossos dos reis de Judá, dos seus chefes, dos sacerdotes, dos profetas e dos moradores de Jerusalém.
2. Esses ossos ficarão expostos ao sol, à lua e às estrelas, aos quais amaram e serviram, seguiram, consultaram e adoraram. Ninguém recolherá nem sepultará novamente esses ossos; ficarão servindo de esterco para o campo.
3. O resto que sobrar dessa gente perversa achará bem melhor morrer do que ficar vivo, em qualquer lugar para onde eu os dispersar" - oráculo de Javé dos exércitos.

UM POVO DESORIENTADO
4. "Diga-lhes isto: Assim fala Javé: Por acaso quem cai não se levanta? Quem se desvia do caminho não volta atrás?
5. Então, por que este povo se revolta, e Jerusalém se revolta continuamente? Persistem na sua má fé, recusando converter-se.
6. Prestei atenção e ouvi: eles não falam como deveriam. Ninguém se arrepende do mal cometido, dizendo: 'O que foi que eu fiz?' Cada um vai em frente sem voltar atrás: parece cavalo que se lança na batalha.
7. Até a cegonha no céu conhece o seu tempo; a rola, a andorinha e o grou observam o tempo da sua volta. Mas o meu povo não compreende o direito de Javé".
8. Eles dizem: "Somos sábios, temos a Lei de Javé". Mas a caneta falsa do escriba transformou em mentira a Lei de Deus.
9. Os sábios ficarão confusos, desnorteados, e cairão no laço, pois rejeitaram a palavra de Javé. Que sabedoria podem ter eles?
10. Por isso vou entregar suas mulheres a estrangeiros e suas terras a conquistadores. Pois, do primeiro ao último, são todos ávidos de lucro; do profeta ao sacerdote, todos praticam a mentira.
11. Sem responsabilidade, querem curar a ferida do meu povo, dizendo apenas: "Paz! Paz!", quando não existe paz.
12. Eles deviam envergonhar-se, pois o que fizeram foi abominável. Mas não se envergonham, não sabem o que é sentir vergonha. Por isso cairão com os que tombam, eles vacilarão no dia da prestação de contas - diz Javé.
13. Eu queria colher alguma coisa deles - oráculo de Javé - mas não há uvas na parreira nem figos na figueira, e até suas folhas secaram. Eu os entregarei à escravidão.

O PAÍS É DEVORADO
14. Por que estamos sentados? Reúnam-se! Entremos nas cidades fortificadas para morrermos dentro delas, porque Javé nosso Deus nos faz perecer. Ele nos faz beber água envenenada, pois pecamos contra ele.
15. Esperávamos a paz, e nada de bom aconteceu; tempo para se curar, e aí está o terror.
16. Desde Dã já se pode ouvir o resfolegar dos cavalos, e a terra estremece com o relinchar dos seus corcéis. Eles vieram para acabar com o país e tudo o que nele existe, para acabar com a cidade e os seus habitantes.
17. Vou mandar contra vocês cobras venenosas, contra as quais não existe encantamento, e elas picarão vocês - oráculo de Javé.
18. O sofrimento me acabrunha e meu coração desfalece,
19. pois ouço de longe os gritos da capital do meu povo: "Será que Javé não está mais em Sião? O seu rei não está mais aqui?" Por que foi que eles provocaram minha ira com os seus ídolos, com seus deuses estrangeiros?
20. Passou a colheita, acabou a apanha, e nós não fomos socorridos.
21. Eu também fiquei ferido por causa do ferimento da capital do meu povo; fiquei deprimido, e a solidão me agarrou.
22. Será que não existe bálsamo em Galaad? Não há médico por aí? Por que não se cicatriza a ferida da capital do meu povo?
23. Quem fará da minha cabeça uma fonte de água, e dos meus olhos uma mina de lágrimas, para que eu possa chorar dia e noite os mortos da capital do meu povo?

[Jeremias 9]
Jeremias 9

O REINO DA MENTIRA
1. Quem poderia dar-me no deserto um abrigo de viajantes? Então eu deixaria o meu povo e iria para longe deles, pois todos eles são adúlteros, um bando de traidores.
2. Retesam a língua como arco; o que manda no país é a mentira, e não a verdade. Pois eles saem de um crime para outro, e não me conhecem - oráculo de Javé.
3. Cada um se cuide do seu próximo e não confie em nenhum dos irmãos, pois todo irmão engana o seu irmão, e todo amigo espalha calúnias.
4. Todo mundo logra o seu próximo, e ninguém fala a verdade; treinam a língua para falar mentiras, e praticam a injustiça até se cansar.
5. Vivem no meio da falsidade e, por causa da falsidade, recusam conhecer-me - oráculo de Javé.
6. Por isso, assim diz Javé dos exércitos: Eu os fundirei e os provarei: que outra coisa poderia eu fazer com a capital do meu povo?
7. A língua deles é uma flecha envenenada: tudo o que falam é pura tapeação. Cada um fala de paz com o próximo, mas, no íntimo, está preparando armadilhas.
8. Não deveria eu puni-los por essas coisas? - oráculo de Javé. Não deveria eu vingar-me de um povo como esse?
9. Sobre as montanhas desato a chorar e a gemer, pelos campos da baixada solto o meu lamento, pois tudo está arrasado; por ali não passa mais ninguém, e já nem se escuta mais o barulho do gado; desde as aves do céu até as criações, todos fugiram e desapareceram.
10. Vou fazer de Jerusalém um montão de ruínas: ela se tornará esconderijo de chacais; das outras cidades de Judá vou fazer um lugar desolado, onde não haja morador nenhum.

O PAÍS DESTRUÍDO
11. Quem será sábio para entender tudo isso? A quem foi que Javé falou, para que o explique? Por que o país ficou destruído, desolado como deserto por onde não passa ninguém?
12. Javé responde: Foi porque eles abandonaram a Lei que eu lhes tinha dado, desobedeceram à minha palavra e não a seguiram.
13. Pelo contrário: seguiram seu coração obstinado, indo atrás dos deuses cananeus que seus antepassados já haviam seguido.
14. Por isso, assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Farei com que esse povo coma erva amarga e beba água envenenada;
15. vou espalhá-los no meio de nações que nem eles nem seus pais conheceram, e ainda mandarei a espada persegui-los até que eu consiga acabar com essa gente.
16. Assim diz Javé dos exércitos: Atenção! Chamem as carpideiras, mandem vir as mais hábeis.
17. Que comecem logo e cantem sobre nós uma lamentação. Nossos olhos derramem lágrimas e nossas pálpebras despejem água,
18. porque um grito de dor vem de Sião: "Como fomos arrasados! Nossa vergonha é enorme, pois temos que abandonar o país e deixar nossas casas".
19. Portanto, mulheres, escutem a palavra de Javé. Que os ouvidos de vocês recebam a palavra de sua boca. Ensinem a suas filhas como fazer um pranto, cada qual ensine à vizinha uma lamentação:
20. "A morte subiu pelas nossas janelas e entrou em nossos palácios; matou as crianças nas ruas e os jovens nas praças;
21. os cadáveres humanos vão caindo como esterco que se joga no chão e como feixes de trigo atrás daquele que está colhendo, sem haver quem os recolha".

A VERDADEIRA SABEDORIA
22. Assim diz Javé: Que o sábio não se glorie da sua sabedoria, o forte não se glorie da sua força, e o rico não se glorie da sua riqueza.
23. Se alguém quer gloriar-se, que se glorie de conhecer e compreender que eu sou Javé, que na terra estabeleço o amor, o direito e a justiça, pois é disso que eu gosto - oráculo de Javé.

CORAÇÃO DE PAGÃO
24. Eis que chegam dias - oráculo de Javé - em que eu vou castigar todos aqueles que são circuncidados, e no entanto continuam pagãos:
25. os egípcios, os judeus, os edomitas, os amonitas, os moabitas, e também aqueles de cabeça raspada que vivem no deserto; pois todos os povos são pagãos, e a casa de Israel é pagã de coração.

[Jeremias 10]
Jeremias 10

JAVÉ E OS ÍDOLOS
1. Escutem as palavras de advertência que Javé lhes dirige, ó casa de Israel.
2. Assim diz Javé: Não imitem o comportamento dos outros povos e não fiquem com medo dos sinais do céu, porque os outros povos costumam ter medo disso.
3. Pois o que é terror para os povos não passa de um nada, é apenas um pedaço de pau cortado no mato, obra de quem trabalha com machado.
4. Com prata e ouro eles enfeitam o que fizeram, com pregos e martelo o firmam num lugar, para que não fique balançando.
5. Os ídolos são como espantalho numa plantação de pepinos: não sabem falar e precisam ser carregados, porque também não sabem andar. Não tenham medo deles, pois nada de mal podem fazer, e não são capazes de fazer o bem.
6. Eles não são como tu, ó Javé: tu és grande, e grande é o poder do teu nome.
7. Quem não temeria a ti, ó rei das nações? Isso convém a ti, pois ninguém é igual a ti entre todos os sábios das nações e em todos os seus reinos.
8. Eles são ignorantes e insensatos: o ensinamento dos ídolos é só madeira.
9. Eles trazem de Társis prata batida e de Ofir trazem ouro, tudo trabalho de carpinteiro e de ourives; roxo e vermelho são as cores de suas roupas, tudo trabalho de mestres no ofício.
10. No entanto, Javé é o Deus verdadeiro, ele é o Deus vivo e rei eterno. Diante de sua ira a terra estremece, e as nações não suportam o seu furor.
11. É assim que vocês devem responder a eles: "Os deuses que não fizeram o céu e a terra devem desaparecer da terra e sumir de debaixo do céu".
12. Com seu poder Javé fez a terra; com sua sabedoria firmou o mundo, e com sua inteligência estendeu o céu.
13. Ao barulho do seu trovão, as águas no céu se agitam; ele faz as nuvens subirem do extremo da terra, produz os raios para a chuva e faz o vento sair de seus depósitos.
14. Todo mundo fica bobo, sem entender, e todo ourives fica envergonhado com o ídolo que esculpiu, pois a sua estátua é mentira e não tem vida.
15. Os ídolos são vazios, uma coisa ridícula; eles desaparecerão na hora do acerto de contas.
16. A porção de Jacó não é como eles, porque Javé é o formador de todas as coisas, e Israel é a tribo da sua herança. O nome dele é Javé dos exércitos.

CHEFES QUE TRAEM O POVO
17. Pegue do chão a tua bagagem, você que está cercada pelo inimigo.
18. Porque assim diz Javé: Desta vez vou expulsar os habitantes do país; e vou apertá-los, para que me encontrem.
19. "Ai de mim, por causa da minha ferida; minha chaga é incurável. Apesar disso, eu dizia: É só uma dor que posso suportar.
20. Minha tenda foi derrubada e todas as cordas foram cortadas. Meus filhos foram embora e não existem mais, não há ninguém para armar minha tenda e estender a lona".
21. Os pastores perderam o bom-senso e deixaram de procurar Javé; por isso não tiveram sucesso, e o rebanho que eles conduziam se espalhou.
22. Ouçam o barulho que avança com grande estrondo lá do país do Norte; vem fazer das cidades de Judá um lugar arrasado, um esconderijo de chacais.

CORRIGE-ME, JAVÉ
23. Javé, eu sei que o homem não é dono do próprio caminho; que não pertence ao homem que caminha dirigir seus próprios passos.
24. Javé, corrige-me, mas com justa medida, e não conforme a tua ira, para que não me tornes pequeno demais.
25. Derrama o teu furor sobre as nações que não te conhecem, e sobre os povos que não invocam o teu nome. Porque eles devoraram Jacó, devoraram até acabar com ele, e devastaram o seu território.

[Jeremias 11]
Jeremias 11

UMA RENOVAÇÃO SUPERFICIAL
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias:
2. "Escute as palavras desta aliança, e as comunique depois aos cidadãos de Judá e aos moradores de Jerusalém.
3. Diga-lhes: Assim diz Javé, o Deus de Israel: Maldito o homem que não obedece às palavras desta aliança,
4. que eu ordenei aos seus antepassados, quando tirei vocês da terra do Egito, da fornalha de ferro, dizendo: Obedeçam-me e façam tudo como lhes ordenei; então vocês serão o meu povo e eu serei o Deus de vocês.
5. Dessa forma se há de cumprir o juramento que fiz aos antepassados de vocês, de dar-lhes uma terra onde corre leite e mel, como está acontecendo hoje". E eu respondi: "Amém, Javé!"
6. Então Javé me disse: "Proclame tudo isso nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, dizendo: Escutem as palavras desta aliança e ponham tudo em prática.
7. Eu falei com toda a seriedade aos seus antepassados, quando os tirei do Egito, e até hoje ainda continuo falando com toda a seriedade e com toda a firmeza: Obedeçam-me!
8. Eles, porém, não quiseram obedecer, nem se deram ao trabalho de prestar atenção. Ao contrário, cada qual foi seguindo a maldade de seu coração obstinado. Foi então que eu trouxe, para castigo deles, todas as maldições dessa aliança, pois eles não fizeram o que eu lhes ordenei".
9. Javé então me falou: "Formou-se uma conspiração entre os cidadãos de Judá e os habitantes de Jerusalém:
10. eles voltaram aos pecados de seus antepassados, que não quiseram obedecer-me e seguiram e serviram a deuses estrangeiros. As famílias de Israel e de Judá quebraram a aliança que eu tinha feito com seus antepassados.
11. Por isso, assim diz Javé: Para castigo deles, vou trazer uma desgraça da qual não poderão escapar. Gritarão por mim, e eu não os ouvirei.
12. Então as cidades de Judá e os habitantes de Jerusalém irão pedir socorro aos deuses para os quais costumam oferecer incenso, mas eles não serão capazes de livrá-los do tempo da desgraça.
13. O número de seus deuses, ó Judá, é igual ao número das cidades que você tem; igual ao número de suas ruas, Jerusalém, é o número de altares, onde você oferece sacrifícios a Baal, essa coisa vergonhosa.
14. Você, porém, não interceda por este povo. Não faça por ele nenhuma súplica ou prece. Quando eles clamarem por mim na hora da desgraça, eu não os ouvirei".

A DEUS NINGUÉM ENGANA
15. O que é que a minha amada procura em meu Templo, com o seu comportamento perverso? Poderão, por acaso, as promessas e as carnes dos sacrifícios limpar você de sua maldade, para que você possa celebrar com gritos de alegria?
16. Javé chamou você de "oliveira verde com belos frutos", mas com grande barulho ateou fogo em suas folhas, e seus ramos se queimaram.
17. Javé dos exércitos, que a plantou, agora pronuncia uma desgraça contra você, por causa do mal que a casa de Judá e de Israel fez a si mesma quando queimou incenso a Baal, para me irritar.

POR QUE OS ÍMPIOS PROSPERAM?
18. Javé me ensinou e me fez compreender as intrigas que eles faziam.
19. Como um cordeiro manso eu estava sendo levado para o matadouro. Eu não percebia que eles estavam tramando contra mim, dizendo: "Vamos derrubar esta árvore enquanto está verde, vamos tirá-la da terra dos vivos, e que o seu nome nunca mais seja lembrado!"
20. Tu, porém, Javé dos exércitos, és um juiz justo. Tu sondas os rins e o coração. Que eu possa ver a tua vingança contra eles, pois a ti confio a minha causa.
21. Por isso, assim diz Javé aos homens de Anatot, que atentam contra a minha vida, dizendo: "Não profetize em nome de Javé, senão você vai morrer em nossas mãos".
22. Assim diz Javé dos exércitos: Aqui estou eu para castigá-los. Os seus jovens morrerão à espada, seus filhos e suas filhas morrerão de fome.
23. Não sobrará ninguém, pois eu vou trazer a desgraça contra os homens de Anatot, no ano do seu castigo.

[Jeremias 12]
Jeremias 12

1. Tu és justo, ó Javé, para que eu possa discutir contigo. No entanto, eu gostaria de fazer-te uma pergunta em questão de direito: Por que o caminho dos ímpios prospera e os traidores vivem todos em paz?
2. Tu os plantaste e eles criaram raízes; e agora crescem e produzem frutos. Tu estás perto da boca, mas longe do coração deles.
3. Mas tu, Javé, me conheces e me vês, e sabes que o meu coração está contigo. Arranca essa gente como ovelhas para o matadouro; separa-os para o dia da matança.
4. Até quando o país ficará de luto, e estará seco tudo o que era verde nos campos? Pela maldade dos seus moradores, perecem as feras e os pássaros. Pois eles dizem: "Deus não vê os nossos passos".
5. Se correndo com os pedestres você se cansa, como poderá competir com os cavalos? Se você não se sente seguro numa região pacífica, o que fará na floresta do Jordão?
6. Porque até os seus irmãos e a família do seu pai, até eles traíram você e o caluniaram pelas costas. Não confie neles, mesmo quando falarem coisas boas.

HERANÇA REJEITADA
7. Eu abandonei a minha casa e rejeitei a minha herança; entreguei o amor da minha vida nas mãos de seus inimigos,
8. porque minha herança se voltou contra mim, rugindo como leão feroz; por isso, eu comecei a odiá-la.
9. Minha herança se transformou em leopardo e os urubus giram sobre ela: venham, feras selvagens, cheguem perto para devorar.
10. Muitos pastores devastaram a minha vinha e pisotearam a minha propriedade; transformaram minha propriedade querida num deserto desolado;
11. dela fizeram um lugar devastado, e a deixaram em estado deplorável; está desolada diante de mim: o país inteiro foi devastado, e ninguém se preocupa com isso.
12. Sobre todos os montes de areia do deserto chegam os devastadores, porque Javé empunha uma espada que devora de uma extremidade a outra do país, e não há paz para ninguém.
13. Eles semearam trigo e colheram espinhos; e se cansaram sem proveito nenhum. Ficaram envergonhados com a colheita por causa da flamejante ira de Javé.
14. Assim diz Javé a todos os meus vizinhos maus que puseram a mão na minha herança, que eu tinha dado em propriedade ao meu povo, Israel: Eu os arrancarei de seus campos e também arrancarei daí a casa de Judá.
15. Depois de arrancá-los, tornarei a compadecer-me deles e farei que voltem, cada um para a sua propriedade, cada um para a sua herança.
16. Se eles aprenderem de verdade os caminhos do meu povo e jurarem pelo meu nome, dizendo: "Pela vida de Javé!" da mesma forma como acostumaram o meu povo a jurar por Baal, então eles poderão se estabelecer no meio do meu povo.
17. Mas eu arrancarei e destruirei a nação que não quiser obedecer - oráculo de Javé.

[Jeremias 13]
Jeremias 13

DESTINO DO POVO INFIEL
1. Javé me ordenou: "Vá comprar para você um cinto de linho e coloque-o logo na cintura, sem molhá-lo".
2. Comprei o cinto como Javé havia ordenado, e o coloquei na cintura.
3. Javé me ordenou de novo:
4. "Pegue o cinto que você comprou e que está na cintura, vá até o rio Eufrates e esconda-o na fenda de uma pedra".
5. Eu fui e escondi o cinto na beira do Eufrates, conforme Javé me havia ordenado.
6. Depois de muito tempo, Javé me disse: "Vá até o Eufrates e pegue o cinto que eu mandei você esconder lá".
7. Fui ao rio Eufrates, procurei e peguei o cinto no lugar onde eu o tinha escondido. Mas o cinto estava podre, não servia mais para nada.
8. Veio-me, então, a palavra de Javé, dizendo:
9. Assim fala Javé: É dessa forma que vou acabar com o orgulho de Judá e com a vaidade desmedida de Jerusalém.
10. Este povo é mau, não quer obedecer-me, tem o coração obstinado e anda atrás dos deuses estrangeiros para prestar-lhes culto e adorá-los. Esse povo ficará imprestável como esse cinto.
11. Da mesma forma como o cinto fica preso na cintura de uma pessoa, assim também eu quis prender a mim a casa de Israel e a casa de Judá, para que eles fossem meu povo, minha fama, minha glória e minha honra - oráculo de Javé. Mas eles não me obedeceram.

CONFUSÃO E DESORDEM
12. Você deverá dizer o seguinte a esse povo: Assim fala Javé, o Deus de Israel: "As vasilhas se enchem de vinho". Eles responderão: "Como se nós não soubéssemos que as vasilhas se enchem de vinho!"
13. Então, você lhes dirá: Assim fala Javé: "Eu mesmo encherei de embriaguez todos os moradores deste país: os reis que sentam no trono de Davi, os sacerdotes, os profetas e todos os habitantes de Jerusalém.
14. Assim eu vou quebrá-los, uns contra os outros: os pais contra os filhos - oráculo de Javé. Nem a piedade, nem o perdão, nem a compaixão me impedirão de destruí-los".

DIA DE TREVAS
15. Escutem, prestem atenção! Não sejam orgulhosos, pois é Javé quem fala.
16. Dêem glória a Javé, o Deus de vocês, antes que escureça, antes que os pés de vocês tropecem pelos montes, quando cair a noite. Vocês esperam a luz, mas ele a transformará em trevas e a mudará numa densa escuridão.
17. Se vocês não ouvirem, eu chorarei em segredo diante da soberba de vocês. Meus olhos se derreterão em lágrimas, porque o rebanho de Javé será exilado.

O REI DEPOSTO
18. Diga ao rei e à rainha mãe: "Sentem-se no chão, pois a coroa real caiu de suas cabeças.
19. As cidades do Negueb estão cercadas e não há ninguém capaz de romper o cerco. Judá inteiro foi levado para o exílio, numa deportação total".

POR QUE ME ACONTECE TUDO ISSO?
20. Levantem os olhos para ver os que estão vindo do Norte. Onde foi parar o rebanho que lhe foi dado e as ovelhas maravilhosas que você possuía?
21. O que vai dizer você, quando sobre você forem colocados como chefes aqueles que você mesma se acostumou a ter como seus amigos? E agora, não é que vai tomando conta de você uma dor como da mulher que está para dar à luz?
22. Talvez você pense: "Por que me acontece tudo isso?" Por causa do grande número dos pecados que você cometeu é que eles levantaram a sua saia para violentá-la.
23. Pode o negro mudar a cor da sua pele? Pode o leopardo mudar as suas pintas? E podem vocês, viciados no mal, vir um dia a praticar o bem?
24. Pois eu vou espalhar vocês como palha soprada pelo vento do deserto.
25. É essa a parte que eu lhe dou, na sua exata medida - oráculo de Javé - porque você se esqueceu de mim para confiar na mentira.
26. Agora sou eu que lhe levanto a saia até a altura do seu rosto, para que os outros possam ver as suas partes vergonhosas.
27. Os adultérios que você comete, os seus gemidos de prazer, a vergonha da sua prostituição: eu vi os seus horrores sobre as colinas e campos. Ai de você, Jerusalém, que não se purifica! Até quando, afinal?

[Jeremias 14]
Jeremias 14

FERIDA INCURÁVEL
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias, por ocasião da seca:
2. Judá está de luto e suas cidades desfalecem; elas se inclinam sombrias, e Jerusalém lança gritos.
3. Os ricos mandam seus servos em busca de água. Eles vão até aos poços, mas não encontram água, e voltam com os baldes vazios. Envergonhados e frustrados, cobrem a cabeça.
4. Por causa do chão que está rachando, pois não chove na região, os lavradores cobrem a cabeça envergonhados e frustrados.
5. A corça no mato dá cria e abandona o filhote, pois não há capim.
6. Os jumentos bravos ficam em pé no alto das colinas, em busca de ar puro, como chacais, porém a vista deles se apaga por falta de capim.
7. Se os nossos pecados depõem contra nós, toma uma providência, Javé, por causa do teu nome. A nossa rebeldia é muito grande, nós pecamos contra ti.
8. Ó Esperança de Israel, Salvador na hora da aflição: por que queres ser como forasteiro no país, ou como viajante que se desvia para passar a noite?
9. Por que és como homem surpreendido ou guerreiro que não pode salvar? Tu, porém, Javé, estás em nosso meio, e sobre nós foi invocado o teu nome. Não nos abandones!
10. Assim diz Javé a respeito deste povo: "Eles gostam de andar errantes e seus pés não param. Por isso Javé não gosta deles, e faz questão de lembrar os erros deles e de lhes castigar os pecados".
11. Javé me disse: "Não interceda em favor do bem-estar desse povo.
12. Ainda que façam jejum, eu não ouvirei a súplica deles. Se oferecerem holocaustos e sacrifícios, não terei prazer nenhum com isso. É com a espada, a fome e a peste que eu os exterminarei".
13. Então eu disse: "Ah! Senhor Javé, os profetas falam: 'Vocês não verão a espada, não sofrerão a fome, pois eu lhes concederei uma paz perfeita neste lugar' ".
14. Javé respondeu-me: "É mentira o que esses profetas falam em meu nome. Eu não os enviei, não lhes dei ordem nenhuma, nem falei com eles. Eles anunciam a vocês visões mentirosas, oráculos vazios e fantasias da imaginação deles.
15. Por isso, assim diz Javé: Os profetas que pregam em meu nome sem que eu os tenha enviado e afirmam: 'A espada e a fome não existirão no país', esses profetas cairão pela espada e pela fome.
16. O povo a quem eles pregam ficará jogado pelas ruas de Jerusalém, mortos pela fome e pela espada, e ninguém os sepultará, nem a eles, nem as suas mulheres, filhos e filhas. Farei voltar contra eles o próprio mal que cometeram".
17. Você lhes dirá estas palavras: Que meus olhos derramem lágrimas, noite e dia sem parar, pela terrível desgraça da capital do meu povo, por sua ferida incurável.
18. Se saio para o campo, aí estão os transpassados pela espada; se entro na cidade, aí está o horror da fome. Tanto o profeta como o sacerdote percorrem o país, e não sabem o que fazer.
19. Javé, será que rejeitaste completamente Judá? Será que sentes nojo de Sião? Por que nos feriste, sem que haja quem nos cure? Esperávamos a paz, e nada de bom acontece; esperávamos o tempo da salvação, e aí está o terror.
20. Nós reconhecemos, Javé, a nossa culpa e a culpa dos nossos antepassados: nós pecamos contra ti.
21. Mas, por causa do teu nome, não nos abandones, não humilhes o trono da tua glória. Lembra-te! Não quebres a Aliança que fizeste conosco.
22. Entre os ídolos vazios das nações, existe por acaso algum que mande a chuva? Ou será o céu que nos dá sozinho a chuva grossa? Não és tu que fazes isso, Javé nosso Deus? Em ti nós esperamos, porque és tu que fazes tudo isso.

[Jeremias 15]
Jeremias 15

1. Javé disse-me: Mesmo que Moisés e Samuel se apresentassem na minha frente, nem assim eu me comoveria em favor desse povo. Mande que ele vá embora da minha presença, que saia!
2. Se, por acaso, eles perguntarem a você: "Para onde iremos?" você responderá: "Assim diz Javé: Quem está destinado para a morte, vá para a morte; quem para a espada, vá para a espada; quem para a fome, vá para a fome; quem para o exílio, vá para o exílio".
3. Vou mandar contra eles quatro espécies de males - oráculo de Javé: a espada para matá-los, os cães para estraçalhá-los, as aves do céu e as feras para devorá-los e destruí-los.
4. Farei desse povo um objeto de espanto para todos os reinos da terra, por causa de Manassés, filho de Ezequias, rei de Judá, por aquilo que ele fez em Jerusalém.

A SENTENÇA DE JAVÉ
5. Quem terá pena de você, Jerusalém, quem terá compaixão de você? Quem se voltará para perguntar como você está passando?
6. Você me abandonou - oráculo de Javé - virou as costas para mim. Eu estendi a mão para aniquilar você. Estou cansado de ter piedade.
7. Eu os espalhei como palha ao vento pelas cidades do país. Deixei-a sem filhos e destruí o meu povo, porque eles não se converteram de sua conduta.
8. Para mim, as suas viúvas são mais numerosas que a areia do mar. Em pleno meio-dia, mandei o invasor sobre as mães e sobre os jovens; num instante, fiz cair sobre eles o medo e o terror.
9. Está abatida a mãe de sete filhos, e sua alma desfalece. Ainda é dia, e o sol já se põe. Ela está envergonhada e confusa. Eu entregarei seus sobreviventes à espada, como presa aos seus inimigos - oráculo de Javé.

TODOS ME MALDIZEM
10. Ai de mim, minha mãe, por que me puseste no mundo! Eu sou homem de litígios e discórdias com todo mundo. Ninguém me deve, e eu também não devo nada; no entanto, todos me amaldiçoam.
11. Javé, será que eu não te servi do melhor modo possível? No perigo e na desgraça, intercedi em favor dos meus inimigos.
12. (Poderá o ferro quebrar o ferro do Norte e o bronze?
13. Por causa de todos os pecados que você cometeu por todo o país, eu entregarei de graça à pilhagem suas riquezas e seus tesouros.
14. Farei de você um escravo de seus inimigos, numa terra que você não conhece. Pois o fogo da minha ira se acendeu e arderá contra vocês).
15. Tu bem sabes! Javé, lembra-te de mim, ajuda-me e vinga-me de meus perseguidores. Por tua paciência não me deixes perecer! Olha como suporto insultos por tua causa.
16. Quando recebi as tuas palavras, eu as devorava. A tua palavra era festa e alegria para o meu coração, porque eu levava o teu nome, ó Javé, Deus dos exércitos.
17. Nunca me sentei numa roda alegre para me divertir. Forçado por tua mão, eu me sentava sozinho, pois me encheste de cólera.
18. Por que será que a minha dor não tem fim e a minha ferida é tão grave e sem remédio? Ou será que tu te transformaste para mim em rio enganoso e água inconstante?
19. Javé me respondeu: "Se você voltar, farei você voltar e estar a meu serviço. Se você separar o metal da escória, você será a minha boca. Que eles procurem você, e não você a eles.
20. Vou fazer de você, diante desse povo, qual muralha de bronze invencível. Lutarão contra você, e não o vencerão; porque eu estou com você para livrá-lo e salvá-lo - oráculo de Javé.
21. Vou livrar você da mão dos malvados e do punho dos violentos".

[Jeremias 16]
Jeremias 16

UM SÍMBOLO VIVO
1. Javé me enviou esta palavra:
2. Não se case com mulher nenhuma, nem arrume filhos ou filhas neste lugar.
3. Porque assim diz Javé a respeito dos filhos e filhas que nascem neste lugar, das mães que os puseram no mundo e dos pais que geraram essas crianças neste país:
4. Morrerão com enfermidades graves, e não serão chorados nem sepultados, mas servirão de esterco para a terra. Morrerão pela espada ou pela fome, e seus cadáveres servirão de comida para as aves do céu e para os animais da terra.
5. Porque assim diz Javé: Não entre numa casa onde há velório, não chore nem dê os pêsames, pois eu decidi tirar desse povo a minha paz, o meu amor e compaixão - oráculo de Javé.
6. Morrerão tanto os grandes como os pequenos neste país, e ninguém vai sepultá-los ou chorar por eles, nem vai fazer incisões ou cortar o cabelo em sinal de luto.
7. Ninguém repartirá o pão no velório, em meio às condolências; não haverá quem dê algo de beber, quando vai dar os pêsames pelo pai ou mãe de alguém.
8. Também não entre numa casa onde há festa, para sentar-se, comer e beber com eles,
9. porque assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Diante dos olhos de vocês e ainda nos seus dias, eu expulsarei deste país o som da música e os gritos de alegria, a voz do noivo e da noiva.
10. Quando você anunciar esta mensagem a este povo, eles lhe perguntarão: "Por que Javé nos ameaça com essas desgraças tão grandes? Quais foram os erros ou pecados que cometemos contra Javé, o nosso Deus?"
11. Você então lhes responderá: "É porque os antepassados de vocês me abandonaram - oráculo de Javé - e seguiram deuses estrangeiros, servindo-os e adorando-os. Mas a mim, eles abandonaram e deixaram de cumprir a minha lei.
12. Vocês, porém, fizeram pior que os seus antepassados: cada um de vocês seguiu a maldade do seu coração obstinado, sem nunca me dar ouvidos.
13. Por isso, vou expulsá-los daqui para um país que nem vocês nem seus antepassados conheceram. Lá, vocês servirão dia e noite, a divindades estrangeiras, porque eu não terei misericórdia de vocês".

UMA NOVA CONFISSÃO DE FÉ
14. Virão dias - oráculo de Javé - em que ninguém mais vai falar assim: "Pela vida de Javé, que tirou os filhos de Israel do Egito!"
15. Mas dirão: "Pela vida de Javé, que fez os filhos de Israel saírem do país do Norte e de todas as regiões onde os tinha espalhado!" Eu vou trazê-los de volta para a terra que eu tinha dado aos antepassados deles.

O PREÇO DA IDOLATRIA
16. Enviarei numerosos pescadores para pescá-los - oráculo de Javé. Depois disso, vou mandar numerosos caçadores, que os caçarão pelas montanhas, colinas e até nas fendas das rochas.
17. Porque meus olhos observam os caminhos dessa gente: eles não conseguem escondê-los de mim, nem ocultar os seus pecados diante dos meus olhos.
18. Cobrarei em dobro os erros e pecados desse povo, pois eles profanaram minha terra com os cadáveres de seus ídolos e encheram minha herança com suas abominações.

CONVERSÃO DAS NAÇÕES
19. Javé, minha força e defesa, meu refúgio na hora do perigo, as nações virão procurar-te, e das extremidades da terra virão dizendo: "A herança de nossos pais é falsa, é coisa inútil e sem proveito".
20. Pode o homem fabricar deuses? Não serão deuses.
21. Por isso, vou fazer que eles conheçam; desta vez eu vou mostrar-lhes de verdade minha mão e minha força. E eles aprenderão que o meu nome é Javé.

[Jeremias 17]
Jeremias 17

O PECADO ENRAIZADO
1. O pecado de Judá está escrito com estilete de ferro, está gravado com ponta de diamante na pedra do seu coração e também nas pontas de seus altares.
2. É para que seus filhos se lembrem de seus altares e dos postes sagrados debaixo das árvores verdes, sobre as colinas elevadas,
3. sobre os montes e em campo aberto. Por causa de todos os pecados que você cometeu em todos os seus territórios, vou entregar à pilhagem os bens e todos os tesouros que você possui.
4. Você terá que renunciar à herança que eu lhe havia dado; eu o tornarei escravo de seus inimigos numa terra que você não conhece, porque vocês acenderam o fogo da minha ira, que arderá para sempre.

A ÚNICA SEGURANÇA
5. Assim diz Javé: Maldito o homem que confia no homem e que busca apoio na carne, e cujo coração se afasta de Javé.
6. Será como a árvore solitária no deserto, que não chega a ver a chuva: habitará no deserto abrasador, na terra salgada e inabitável.
7. Bendito o homem que confia em Javé, e em Javé deposita a sua segurança.
8. Ele será como a árvore plantada à beira d'água e que solta raízes em direção ao rio. Não teme quando vem o calor, e suas folhas estão sempre verdes; no ano da seca, não se perturba, e não pára de dar frutos.
9. O coração é mais enganador que qualquer outra coisa, e dificilmente se cura: quem de nós pode entendê-lo?
10. Eu, Javé, penetro o coração e sondo os pensamentos, para pagar a cada um conforme o seu comportamento e segundo o fruto de suas ações.
11. Como a perdiz que choca ovos que não pôs, assim é aquele que acumula riquezas, mas sem justiça: no meio da sua vida, deverá deixá-las e no fim parecerá um idiota.
12. O lugar do nosso Templo é trono glorioso e altaneiro desde o princípio.
13. Javé, tu és a esperança de Israel! Todos aqueles que te abandonam ficarão envergonhados; aqueles que se afastam de ti terão seus nomes inscritos na poeira, porque abandonaram Javé, a fonte de água viva.

REALIZA TUA PALAVRA, JAVÉ
14. Cura-me, Javé, e eu ficarei curado; salva-me, e eu serei salvo, porque tu és o meu louvor.
15. Eles me dizem: "Onde está a palavra de Javé? Que ela se cumpra!"
16. Eu nunca insisti contigo pedindo desgraças, nem fiquei desejando um dia de desastre, tu bem o sabes; tudo o que saiu de meus lábios está diante de ti.
17. Não sejas motivo de medo para mim, pois é em ti que eu me refugio no dia da desgraça.
18. Que fiquem envergonhados aqueles que me perseguem, e não eu; fiquem eles com medo, e não eu. Faze chegar para eles o dia da desgraça, destrói com dupla destruição.

O REPOUSO SAGRADO
19. Assim me falou Javé: Coloque-se junto à porta de Benjamim, por onde entram e saem os reis de Judá; depois fique junto a todas as portas de Jerusalém.
20. Diga então às pessoas: Escutem a palavra de Javé, reis de Judá, todo o povo de Judá e moradores de Jerusalém, vocês todos que costumam passar por estas portas.
21. Assim diz Javé: Por amor à vida que vocês têm, tomem cuidado para não carregar nenhum peso em dia de sábado e não entrar com ele pelas portas de Jerusalém.
22. Da mesma forma, não tirem peso nenhum de dentro de suas casas em dia de sábado, e não façam nenhum trabalho. Pelo contrário, santifiquem o dia de sábado, conforme a ordem que dei a seus antepassados.
23. Mas eles não atenderam, nem deram ouvidos, e ainda endureceram o pescoço para não me obedecer, nem aprender a lição.
24. Se vocês me obedecerem - oráculo de Javé - e não entrarem mais pelas portas desta cidade carregando peso em dia de sábado, mas santificarem esse dia, e também ficarem sem fazer qualquer outro trabalho,
25. então pelas portas desta cidade entrarão reis e príncipes, que se assentarão no trono de Davi, montados em carros e cavalos, tanto os reis como seus oficiais, assim como os cidadãos de Judá e os moradores de Jerusalém. E esta cidade será habitada para sempre.
26. E então, virá gente das cidades de Judá, das redondezas de Jerusalém, da região de Benjamim, da planície, das montanhas e do Negueb, trazendo até o Templo de Javé holocaustos, sacrifícios, oferendas, incenso e oferendas de ação de graças.
27. Porém, se vocês não me obedecerem, e não santificarem o sábado, e em dia de sábado carregarem peso ao entrar pelas portas de Jerusalém, então porei fogo nestas portas; ele queimará os palácios de Jerusalém e nunca mais se apagará.

[Jeremias 18]
Jeremias 18

DEUS MOLDA A HISTÓRIA
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias:
2. "Levante-se e desça até a casa do oleiro; aí eu comunicarei minha palavra a você".
3. Desci até a casa do oleiro e o encontrei fazendo um objeto no torno.
4. O objeto que ele estava fazendo se deformou, mas ele aproveitou o barro e fez outro objeto, conforme lhe pareceu melhor.
5. Então veio a mim a palavra de Javé:
6. Por acaso será que não posso fazer com vocês, ó casa de Israel, da mesma forma como agiu esse oleiro? - oráculo de Javé. Como barro nas mãos do oleiro, assim estão vocês em minhas mãos, ó casa de Israel.
7. De repente, eu falo contra um povo e contra um reino, ameaçando arrancar, derrubar e destruir.
8. Se esse povo, do qual eu falei, recua da prática do mal, então eu também desisto do mal que pensei fazer contra ele.
9. Outras vezes, falo a um povo e a um reino prometendo construir e plantar.
10. Mas se eles praticam o que é mau diante de mim e não obedecem à minha palavra, então eu desisto de dar a eles aquilo de bom que eu prometi.
11. Agora, diga ao cidadão de Judá e ao habitante de Jerusalém: "Assim fala Javé: Vejam: estou preparando uma calamidade e tramando um projeto contra vocês. Cada um procure abandonar seu mau caminho, melhorar seus hábitos e as coisas que pratica".
12. Mas eles responderão: "Não adianta! Nós continuaremos seguindo nossos projetos". E cada um seguirá a maldade do seu coração obstinado.
13. Por isso, assim diz Javé: Procurem saber entre as nações: Qual delas ouviu coisa igual? A capital de Israel praticou coisas horríveis.
14. Será que a neve do Líbano se desvia das rochas escarpadas? Ou secam as águas que vêm de longe, frias e correntes?
15. No entanto, o meu povo se esqueceu de mim e queimou incenso para um ídolo vazio. Foi assim que tropeçaram em seus caminhos, caminhos antigos, e foram andando por desvios, por uma estrada não aplainada.
16. Fizeram do seu próprio país um lugar arrasado, motivo de vaia contínua. Quem passa por aí fica espantado e abana a cabeça.
17. Como vento oriental, eu vou fazer que eles se espalhem diante do inimigo; no dia da derrota, voltarão as costas e não o rosto.

O PROFETA INCOMODA
18. Eles disseram: "Vamos tramar um plano contra Jeremias, pois o sacerdote não ficará sem a instrução, nem o sábio sem o conselho, nem o profeta sem a palavra. Vamos ferir Jeremias com a nossa língua, e não vamos fazer caso de suas palavras".
19. Escuta-me tu, Javé, e ouve o que dizem os meus adversários.
20. Será que o bem deve ser pago com o mal? Pois eles cavaram um buraco para me pegar. Lembra-te de como eu me coloquei na tua presença, para interceder por eles, para desviar deles a tua ira.
21. Por isso, agora, entrega à fome os filhos deles, lança-os ao poder da espada; que as mulheres deles fiquem sem filhos e viúvas, que seus maridos sejam mortos pela peste e seus jovens atingidos pela espada no combate.
22. Que se escutem gritos de socorro vindos de suas casas, quando fizeres de repente cair bandidos sobre eles. Pois eles cavaram um buraco para me pegar, armaram laços para meus pés.
23. Mas tu, Javé, conheces muito bem todos os planos de morte que eles tramam contra mim. Não deixes impune a injustiça, nem tires da tua lembrança os pecados deles. Que eles tropecem na tua presença; executa-os no momento da tua ira.

[Jeremias 19]
Jeremias 19

DESTINO DA NAÇÃO REBELDE
1. Assim disse Javé a Jeremias: Vá comprar uma bilha de barro. Leve com você alguns anciãos do povo e alguns sacerdotes,
2. e siga em direção ao vale de Ben-Enom, que fica na entrada da porta dos Cacos. Aí você anunciará as palavras que eu vou lhe dizer.
3. Você dirá: Escutem a palavra de Javé, ó reis de Judá e habitantes de Jerusalém! Assim fala Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Vou mandar contra este lugar uma calamidade tão grande, que zunirá nos ouvidos de quem a ouvir.
4. Porque eles me abandonaram e profanaram este lugar, queimando incenso a outros deuses, que vocês não conheciam, nem seus antepassados, nem os reis de Judá. Encheram este lugar com sangue de inocentes,
5. e construíram lugares altos para Baal, para queimar seus filhos no fogo em holocausto a Baal. Uma coisa dessas eu nunca mandei fazer, nem falei, nem me passou pelo pensamento.
6. Por isso - oráculo de Javé - virão dias em que este lugar já não se chamará mais Tofet ou vale de Ben-Enom, mas vale da Matança.
7. Esvaziarei neste lugar os planos de Judá e de Jerusalém. Vou fazê-los cair ao fio da espada diante do inimigo e por meio daqueles que querem matá-los. Vou entregar seus cadáveres como alimento para as aves do céu e para as feras.
8. Transformarei esta cidade em lugar deserto e motivo de vaias, e todos os que por ela passarem ficarão assustados e começarão a assobiar por causa de todos os seus ferimentos.
9. Farei que eles devorem a carne dos próprios filhos e filhas. Eles se devorarão entre si por causa do cerco e da angústia que seus inimigos vão impor a eles.
10. Então você quebrará a bilha diante dos homens que o acompanharem.
11. Depois dirá a eles: Assim fala Javé dos exércitos: Vou quebrar este povo e esta cidade como objeto de barro que se quebra e não tem mais conserto. As pessoas serão enterradas no lugar chamado Tofet, pois não haverá outro lugar para sepultá-las.
12. É assim que vou fazer contra este lugar - oráculo de Javé - e contra os seus habitantes: tornarei esta cidade como Tofet.
13. Ficarão impuras como Tofet as casas de Jerusalém e as casas dos reis de Judá, todas as casas em cujos terraços queimaram incenso para os astros do céu e onde derramaram vinho em honra de deuses estrangeiros.
14. Jeremias foi-se embora de Tofet, onde Javé o tinha mandado para falar em seu nome, e colocou-se na entrada do Templo de Javé. Aí falou a todo o povo:
15. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Vejam que eu vou mandar, contra esta cidade e contra todas as outras cidades do país, todos os males que anunciei, pois eles endureceram o pescoço e não me obedeceram.

[Jeremias 20]
Jeremias 20

REPRESSÃO CONTRA O PROFETA
1. O sacerdote Fassur, filho de Emer, que era administrador-chefe do Templo de Javé, ouviu essas palavras de Jeremias.
2. Fassur mandou bater no profeta Jeremias e colocá-lo na prisão que fica na porta superior de Benjamim e que dá para o Templo de Javé.
3. No dia seguinte, Fassur mandou soltar Jeremias. Então Jeremias lhe disse: "Para Javé você já não se chama Fassur, mas Terror-ao-redor".
4. Porque assim diz Javé: Vou transformá-lo em terror para si mesmo e para todos os que são caros a você. Estes cairão mortos pela espada de seus inimigos. E você verá isso com seus próprios olhos. Entregarei Judá inteiro nas mãos do rei da Babilônia; ele os levará cativos para a Babilônia e os matará à espada.
5. Toda a riqueza desta cidade, toda a sua produção, tudo o que ela tem de valor e também os tesouros dos reis de Judá, eu entregarei nas mãos de seus inimigos. Eles vão saquear, vão se apossar de tudo e levar para a Babilônia.
6. Você, porém, Fassur, terá de ir para o exílio na Babilônia com todos os que moram na sua casa. Aí você morrerá e será sepultado, você e todos aqueles que lhe são caros, para os quais você profetizava mentiras.

JAVÉ SEDUZ O PROFETA
7. Tu me seduziste, Javé, e eu me deixei seduzir. Foste mais forte do que eu e venceste. Sirvo de piada o dia todo e todo mundo caçoa de mim.
8. Quando falo, é aos gritos, clamando: "Violência! Opressão!" A palavra de Javé ficou sendo para mim motivo de vergonha e gozação o dia todo.
9. Eu me dizia: "Não pensarei mais nele, não falarei mais no seu nome!" Era como se houvesse no meu coração um fogo ardente, fechado em meus ossos. "Estou cansado de suportar, não agüento mais!"
10. Eu escutava muita gente comentando: "Terror ao redor. Denunciem, vamos denunciá-lo". Todos os meus amigos esperam que eu tropece: "Quem sabe ele se deixe seduzir! Então o dominaremos e nos vingaremos dele".
11. Javé, porém, está ao meu lado como valente guerreiro. Por isso, aqueles que me perseguem tropeçarão e não conseguirão vencer; eles ficarão profundamente envergonhados, porque não terão êxito, e a vergonha deles será eterna e inesquecível.
12. Javé dos exércitos, tu que examinas o justo e vês os rins e o coração, que eu possa ver a tua vingança contra eles, pois foi a ti que eu confiei a minha causa.
13. Cantem a Javé, louvem a Javé, pois ele livrou a vida do pobre das mãos dos malvados.
14. Maldito seja o dia em que eu nasci. Que jamais seja bendito o dia em que minha mãe me deu à luz!
15. Maldito o homem que levou a notícia a meu pai, dizendo: "Nasceu um filho homem para você!", enchendo-o de alegria.
16. Que essa pessoa sofra igual às cidades que Javé destruiu sem compaixão; ouça gritos pela manhã e rumores de guerra ao meio-dia.
17. Por que não me fez morrer no ventre materno? Minha mãe teria sido a minha sepultura, e seu ventre estaria grávido para sempre!
18. Por que saí do ventre materno? Só para ver tormentos e dores, e terminar meus dias na vergonha?

[Jeremias 21]
3. ORÁCULOS PROFERIDOS DEPOIS DO REI JOAQUIM

Jeremias 21

JAVÉ CONTRA O SEU POVO
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias quando o rei Sedecias lhe mandou Fassur, filho de Melquias, e o sacerdote Sofonias, filho de Maasias, para lhe dizer:
2. "Interceda junto a Javé por nós, porque Nabucodonosor, rei da Babilônia, está em guerra contra nós. Quem sabe Javé faça em nosso favor algum de seus numerosos prodígios, e Nabucodonosor se afaste de nós".
3. Jeremias respondeu: Digam a Sedecias:
4. Assim diz Javé, o Deus de Israel: Veja! As armas com as quais vocês estão combatendo, eu as passarei ao rei da Babilônia e aos caldeus que cercam vocês fora da muralha, e os reunirei no meio desta cidade.
5. Eu mesmo vou guerrear contra vocês com mão forte e braço estendido, com ira, com ódio e com furor muito grande.
6. Ferirei os moradores desta cidade, e as pessoas e animais morrerão numa epidemia muito grande.
7. Depois disso - oráculo de Javé - pegarei Sedecias, rei de Judá, os funcionários, o povo, os que tiverem escapado da peste, da espada e da fome, e os entregarei nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, nas mãos dos inimigos, daqueles que procuram matá-los, e eles os matarão a fio de espada, não os pouparão, nem terão piedade ou compaixão.
8. Para o povo, porém, você dirá: Assim diz Javé: Estou colocando diante de vocês o caminho da vida e o caminho da morte.
9. Quem ficar na cidade morrerá pela espada, pela fome e pela peste; quem sair e se entregar aos caldeus, que cercam vocês, continuará vivo. E sua vida lhe será deixada como despojo.
10. Pois eu me voltarei contra esta cidade, para a desgraça e não para a felicidade dela - oráculo de Javé. Ela será entregue nas mãos do rei da Babilônia, e ele a incendiará.

PRATIQUEM O DIREITO E A JUSTIÇA
11. Você dirá ao palácio do rei de Judá: Escute a palavra de Javé.
12. Casa de Davi, assim diz Javé: Vocês, de manhã, administrem a justiça e libertem o oprimido da mão do opressor. Se não, a minha ira devorará como fogo; ela se acenderá, e ninguém poderá apagá-la, por causa de todo o mal que vocês praticam.
13. Eu estou chegando, Moradora do vale, Rochedo da planície - oráculo de Javé. Vocês dizem: "Quem poderá vir para nos atacar? Quem entrará em nossas casas?"
14. Eu castigarei vocês conforme o fruto de suas ações - oráculo de Javé. Porei fogo na floresta de vocês e ele devorará tudo em volta.

[Jeremias 22]
Jeremias 22

1. Assim diz Javé: Desça ao palácio do rei de Judá. Chegando aí, diga o seguinte:
2. Rei de Judá, você que está sentado no trono de Davi, escute a palavra de Javé. Que seus funcionários também escutem, como todo o povo que costuma entrar por estas portas.
3. Assim diz Javé: Pratiquem o direito e a justiça. Libertem o oprimido da mão do opressor; não tratem com violência, nem oprimam o imigrante, o órfão e a viúva; e não derramem sangue inocente neste lugar.
4. Se vocês obedecerem de verdade a esta ordem, os reis que se sentam no trono de Davi, e também os seus funcionários e todo o seu pessoal, continuarão entrando pelas portas deste palácio, montados em carros e cavalos.
5. Mas se vocês não obedecerem a estas palavras, eu juro por mim mesmo - oráculo de Javé - que este palácio se transformará numa ruína.
6. Assim diz Javé ao palácio do rei de Judá: Você era para mim como Galaad e o cume do Líbano; juro que transformarei você num deserto, numa cidade desabitada.
7. Consagrarei os destruidores que virão contra você, cada um com suas armas: eles cortarão os melhores cedros que você possui e os lançarão no fogo.
8. Muitas nações atravessarão esta cidade, e as pessoas perguntarão umas às outras: "Por que Javé tratou assim esta grande cidade?"
9. E responderão: "Foi porque eles abandonaram a aliança de Javé seu Deus, e adoraram outros deuses e os serviram".

CHOREM POR QUEM PARTIU
10. Não chorem pelo morto e não façam lamentações por ele. Chorem por quem partiu, pois ele nunca mais voltará para rever a sua terra natal.
11. Assim diz Javé a respeito de Selum, filho de Josias, rei de Judá, que começou a reinar no lugar de seu pai Josias, e saiu deste lugar. Ele nunca mais voltará aqui.
12. Ele morrerá no lugar para onde o exilaram, e nunca mais verá esta terra.

PRATICAR O DIREITO E A JUSTIÇA
13. Ai daquele que constrói a sua casa sem justiça e seus aposentos sem direito, que faz o próximo trabalhar por nada, sem dar-lhe o pagamento,
14. e que diz: "Vou construir uma casa grande, com imensos aposentos". E faz janelas, recobre a casa com cedro e a pinta de vermelho.
15. Você pensa que é rei porque tem mais cedro que os outros? O seu pai não comeu e não bebeu? Pois ele fez o que é justo e o que é direito, e no seu tempo tudo correu bem para ele.
16. Ele julgava com justiça a causa do pobre e do indigente; e tudo corria bem para ele! Isto não é conhecer-me? - oráculo de Javé.
17. Mas você não vê outra coisa e não pensa a não ser no lucro, em derramar sangue inocente e em praticar a opressão e a violência.
18. Por isso, assim diz Javé a Joaquim, rei de Judá, filho de Josias: Ninguém vai chorar por ele, dizendo "Ai meu irmão, ai minha irmã!" Ninguém vai chorar por ele: "Ai meu senhor, ai majestade!"
19. Ele será sepultado como jumento, será arrastado e jogado fora, longe das portas de Jerusalém.

CONFUSÃO E VERGONHA
20. Suba o Líbano e grite por socorro; em Basã faça ouvir a sua voz: grite por socorro desde Abarim, porque foram esmagados todos os seus amantes.
21. Falei com você quando você estava tranqüila, mas você me respondeu: "Não quero te ouvir". É este o seu caminho desde a mocidade: você jamais me obedeceu.
22. Todos os seus pastores se tornarão pasto do vento; seus amantes irão para o exílio. Nessa hora, você se sentirá confusa e envergonhada por causa de toda a sua maldade.
23. Moradora do Líbano, aninhada nos mais altos cedros, você gemerá ao chegarem as suas dores, as convulsões, como para a mulher no parto.

VASILHA IMPRESTÁVEL
24. Pela minha vida - oráculo de Javé: Conias, filho de Joaquim, rei de Judá, ainda que você fosse um anel na minha mão direita, eu o arrancaria.
25. Vou entregar você nas mãos daqueles que o querem matar, daqueles de quem você tem medo: Nabucodonosor, rei da Babilônia, e os caldeus.
26. Expulsarei você e sua mãe, aquela que o pôs no mundo, para um país onde vocês não nasceram. E aí, vocês morrerão.
27. Mas para a terra aonde eles desejam voltar, não voltarão.
28. Será uma vasilha imprestável, quebrada, esse tal de Conias, ou é um objeto que ninguém quer? Por que será que ele e sua família foram expulsos e jogados fora para uma terra que não conhecem?
29. Terra, terra, terra! Escute a palavra de Javé.
30. Assim diz Javé: Registrem esse homem como alguém que não tem filhos, indivíduo sem sucesso na vida, porque ninguém de sua família conseguirá sentar-se no trono de Davi, para governar novamente em Judá.

[Jeremias 23]
Jeremias 23

JAVÉ, NOSSA JUSTIÇA
1. Ai dos pastores que espalham e extraviam as ovelhas do meu rebanho - oráculo de Javé.
2. Por isso assim diz Javé, o Deus de Israel, contra os pastores encarregados de cuidar do meu povo: Vocês espalharam e expulsaram minhas ovelhas e não se preocuparam com elas. Pois agora sou eu que vou pedir contas a vocês pelo mal que praticaram - oráculo de Javé.
3. Eu mesmo vou reunir o que sobrou das minhas ovelhas de todas as regiões para onde eu as tinha expulsado. Vou trazê-las de volta para as suas pastagens, para que cresçam e se multipliquem.
4. Vou dar-lhes pastores que cuidem delas, e elas não terão mais medo ou susto, nem se perderão - oráculo de Javé.
5. Vejam que vão chegar dias - oráculo de Javé - em que eu farei brotar para Davi um broto justo. Ele reinará como verdadeiro rei e será sábio, pondo em prática o direito e a justiça no país.
6. Em seus dias, Judá estará a salvo e Israel viverá em paz; e a ele darão o nome de "Javé, nossa justiça".
7. Vejam que vão chegar dias - oráculo de Javé - em que não se dirá mais: "Viva Javé, que tirou os israelitas do Egito".
8. Em lugar disso, dirão: "Viva Javé, que tirou a descendência de Israel do país do Norte e de todos os países para onde os havia expulsado, trazendo-os de novo para a sua terra".

VENDEDORES DE ILUSÕES
9. Sobre os profetas. O meu coração está estraçalhado dentro do peito, os meus ossos todos tremem. Pareço um bêbado embriagado de vinho; mas é por causa de Javé e de suas santas palavras.
10. O país está cheio de adúlteros. Por causa da maldição, todo o país está de luto e os pastos dos campos ficaram secos. O caminho deles é a maldade, e a sua força é a injustiça.
11. Até o profeta, até o sacerdote são ímpios, até em minha casa encontrei a maldade deles - oráculo de Javé.
12. Por isso, o caminho deles se tornará escorregadio, serão empurrados para as trevas e nelas cairão. Pois eu mandarei sobre eles a desgraça, no ano do seu castigo - oráculo de Javé.
13. Entre os profetas da Samaria vi coisas absurdas: eles profetizam por Baal e extraviam meu povo Israel.
14. Entre os profetas de Jerusalém, o que eu vi era horrível: cometem adultério e praticam a mentira, dão a mão aos malfeitores, para que ninguém se converta da sua maldade. Para mim, todos eles são como Sodoma, e os habitantes de Jerusalém são como Gomorra.
15. Por isso, assim diz Javé dos exércitos contra os profetas: Farei vocês comerem absinto e beber água envenenada, porque dos profetas de Jerusalém se espalhou a impiedade para todo o país.
16. Assim diz Javé dos exércitos: Não dêem atenção às palavras dos profetas que profetizam para vocês. Eles enganam vocês, a visão que eles anunciam é fruto da imaginação, e jamais saiu da boca de Javé.
17. Eles dizem aos que desprezam a palavra de Javé: "Vocês terão paz". E aos que seguem seu próprio coração obstinado dizem: "O mal nunca atingirá vocês".
18. Quem assistiu às deliberações de Javé? Quem viu e ouviu a sua palavra? Quem ouviu a sua palavra e obedeceu?
19. Eis a tempestade de Javé, seu furor se desencadeia, um furacão gira sobre a cabeça dos ímpios.
20. A ira de Javé não recuará, enquanto não realizar, enquanto não executar os projetos do seu coração. Nos últimos dias, vocês compreenderão tudo.
21. Eu não enviei nenhum desses profetas, mas eles foram correndo; com eles eu nada falei, e no entanto eles profetizam.
22. Se eles tivessem assistido às minhas deliberações e tivessem levado ao meu povo a minha mensagem, o povo teria recuado do seu mau caminho, teria deixado o mal que praticava.
23. Será que eu sou Deus só de perto? - oráculo de Javé. De longe eu não sou Deus?
24. Pode alguém esconder-se em algum lugar onde eu não possa vê-lo? - oráculo de Javé. Será que eu não ocupo o céu e a terra? - oráculo de Javé.
25. Eu ouvi o que dizem os profetas que em meu nome profetizam mentiras, dizendo: "Eu tive um sonho! Eu tive um sonho!"
26. Até quando os profetas continuarão profetizando mentiras e fantasias de sua imaginação?
27. Eles pretendem fazer o meu povo esquecer o meu nome, usando os sonhos que contam uns aos outros, da mesma forma como os seus antepassados me esqueceram por causa de Baal.
28. O profeta que teve um sonho, que conte o seu sonho; aquele que recebeu uma palavra minha, que transmita essa palavra fielmente. O que é que a palha tem com o grão? - oráculo de Javé.
29. Minha palavra não é como fogo? - oráculo de Javé - ou como um martelo que tritura a pedra?
30. Por isso, estou contra os profetas - oráculo de Javé - que roubam a minha palavra uns dos outros.
31. Estou contra os profetas - oráculo de Javé - que abrem a boca para soltar oráculos.
32. Estou contra os profetas - oráculo de Javé - que sonham de mentira, depois contam para os outros, e com suas mentiras e seus enganos desorientam o meu povo. Eu não enviei nenhum deles, nem lhes dei ordem nenhuma, e eles não têm serventia alguma para esse povo - oráculo de Javé.

A CARGA DE JAVÉ SÃO VOCÊS
33. Se alguém deste povo, seja um profeta ou um sacerdote, lhe perguntar: "Qual é a carga de Javé?", você lhe responderá: "Vocês é que são a carga de Javé, e eu os rejeitarei" oráculo de Javé.
34. E o profeta, sacerdote ou gente do povo que falar mais uma vez: "Carga de Javé", eu acertarei contas com essa pessoa e sua família.
35. Vocês deverão falar assim uns para os outros, irmão para irmão: "O que foi que Javé respondeu? O que foi que Javé falou?"
36. Vocês não deverão mais lembrar esta expressão: "Carga de Javé". A palavra de cada um será a sua própria carga, pois vocês mudaram o sentido da palavra do Deus vivo, de Javé dos exércitos, o nosso Deus.
37. Você perguntará ao profeta: "O que foi que Javé respondeu? O que foi que Javé falou?"
38. Se vocês disserem: "Carga de Javé", então eis o que Javé diz: Visto que vocês repetem "Carga de Javé", quando eu lhes mandei que não falassem mais "Carga de Javé",
39. exatamente por isso eu carregarei vocês como um peso e os lançarei para longe da minha face, vocês e a cidade que dei a vocês e a seus antepassados.
40. Eu os cobrirei com vergonha eterna e confusão permanente, que nunca serão esquecidas.

[Jeremias 24]
Jeremias 24

DEUS QUER A CONVERSÃO
1. Javé me mostrou dois cestos de figos, colocados na frente do Templo. Isso aconteceu depois que Nabucodonosor, rei da Babilônia, exilou Jeconias, filho de Joaquim, rei de Judá, com seus chefes, ferreiros e serralheiros, e os levou para a Babilônia.
2. Um dos dois cestos tinha figos muito bons, como do princípio da colheita; o outro continha figos ruins, tão ruins que não serviam nem mesmo para comer.
3. Javé me disse: "O que é que você está vendo, Jeremias?" Eu respondi: "Figos. Os figos bons são muito bons, os figos ruins são muito ruins, tão ruins que nem servem para comer".
4. Então veio a mim esta palavra de Javé:
5. Assim diz Javé, o Deus de Israel: Eu considero bons, semelhantes a estes figos bons, os exilados de Judá, que eu expulsei deste país para o país dos caldeus.
6. Lançarei o meu olhar sobre eles, para o bem deles; vou trazê-los de volta para este país, vou restabelecê-los para nunca mais destruí-los, vou plantá-los para nunca mais arrancá-los.
7. Darei a eles um coração capaz de me conhecer, pois eu sou Javé. Eles serão o meu povo e eu serei o Deus deles, se eles se converterem para mim de todo o coração.
8. Como se trata a estes figos ruins, tão ruins que nem servem para comer - assim diz Javé - de igual modo tratarei a Sedecias, rei de Judá, a seus chefes, ao resto de Jerusalém, aos que ficaram no país e aos que foram morar no Egito.
9. Eu os tornarei motivo de espanto para todos os reinos do mundo, motivo de vergonha, de provérbio, de caçoada e de maldição em todos os lugares para onde eu os expulsar.
10. Enviarei contra eles a espada, a fome e a peste, até desaparecerem da face da terra que eu tinha dado a eles e a seus antepassados.

[Jeremias 25]
4. BABILÔNIA, INSTRUMENTO DE JAVÉ

Jeremias 25

O JULGAMENTO DE DEUS
1. Palavra dirigida a Jeremias para todo o povo de Judá, no quarto ano de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá. Foi no primeiro ano do domínio de Nabucodonosor, rei da Babilônia.
2. Palavra que o profeta Jeremias anunciou a todo o povo de Judá e aos habitantes de Jerusalém, dizendo:
3. Desde o décimo terceiro ano de Josias, filho de Amon, rei de Judá, até hoje, há vinte e três anos, eu estou recebendo a palavra de Javé e transmitindo para vocês sem parar, mas vocês não escutaram.
4. Javé sempre lhes mandou, sem parar, todos os seus servos, os profetas, mas vocês não quiseram escutar, nem quiseram voltar os ouvidos para ouvir,
5. quando se dizia a vocês: "Cada um se converta dos seus maus caminhos e das maldades que costuma praticar, para continuarem morando na terra que Javé deu a vocês e a seus antepassados, desde os tempos antigos e para sempre.
6. Não sigam os deuses estrangeiros, para servi-los e adorá-los, e não me provoquem com as obras das mãos de vocês, e eu não lhes farei mal.
7. Mas vocês não me obedeceram - oráculo de Javé - e vocês me provocaram com as obras de suas mãos para sua própria desgraça.
8. Por isso, assim diz Javé dos exércitos: Já que vocês não ouviram minhas palavras,
9. eu mandarei buscar todas as tribos do Norte - oráculo de Javé - e também o meu servo Nabucodonosor, rei da Babilônia, para virem contra este país, contra os seus habitantes e contra todas as nações vizinhas. Vou condenar todos ao extermínio, vou fazer deles um objeto de horror, de vaia e de vergonha permanente.
10. Eliminarei do meio deles o som da música, os gritos de alegria, a voz do noivo e da noiva, o barulho do moinho e a luz da lâmpada.
11. O país inteiro será entregue à destruição e desolação, e o povo ficará escravo do rei da Babilônia durante setenta anos.
12. Depois de completados os setenta anos, eu castigarei o rei da Babilônia e seu povo - oráculo de Javé - isto é, o país dos caldeus, por causa de seus crimes. Vou transformá-lo em desolação permanente.
13. Farei vir sobre esse país todas as palavras que eu disse contra ele, tudo o que está escrito neste livro, e que Jeremias tinha predito contra todas as nações.
14. Estas nações, por sua vez, servirão a muitas nações e a reis poderosos; eu cobrarei as suas ações, as obras de suas mãos.

II. O JULGAMENTO UNIVERSAL DE JAVÉ
15. Assim me disse Javé, o Deus de Israel: "Pegue da minha mão esta taça de vinho da minha ira e faça que bebam dela todas as nações para as quais eu envio você.
16. Elas beberão, ficarão embriagadas e perderão o juízo diante da espada que eu mandarei para o meio delas."
17. Eu peguei a taça da mão de Javé e fiz que bebessem dela todas as nações para as quais Javé me enviou:
18. Jerusalém e as cidades de Judá com os seus reis e chefes, para entregá-los à destruição, desolação, vergonha e maldição, como acontece ainda hoje;
19. o Faraó, rei do Egito, com seus ministros, seus nobres e todo o seu povo;
20. gente de todas as raças e todos os reis da terra de Hus; todos os reis da região dos filisteus: Ascalon, Gaza, Acaron e os sobreviventes de Azoto;
21. Edom, Moab e o povo de Amon;
22. os reis de Tiro, de Sidônia e da ilha que está no além-mar;
23. Dadã, Tema e Buz, todos os de cabeça raspada,
24. os reis árabes que moram no deserto;
25. todos os reis de Zambri; os reis de Elam e os reis da Média;
26. por fim, todos os reis do Norte, tanto os mais próximos como os mais distantes. Um depois do outro, eu fiz com que todos os reinos que existem sobre a face da terra bebessem. E o rei da Babilônia beberá depois deles.
27. Você dirá a eles: "Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Bebam até ficar tontos, até vomitar e cair sem poderem mais se levantar, diante da espada que eu envio para o meio de vocês".
28. Se recusarem pegar a taça de sua mão para beber, você dirá a eles: "Assim diz Javé dos exércitos: É claro que vocês beberão!
29. Pois se eu começo a castigar precisamente a cidade sobre a qual é invocado o meu nome, pretendem vocês ficar impunes? Não, vocês não ficarão impunes, pois eu convocarei a espada contra todos os habitantes da terra - oráculo de Javé dos exércitos".
30. Você, porém, anunciará todas essas coisas e dirá a eles: Javé ruge lá do alto, da sua santa morada ele faz ouvir a sua voz; ruge contra a pastagem dele; como aquele que pisa a uva, ele solta gritos de alegria contra todos os habitantes da terra.
31. O barulho chega até aos confins do mundo, porque Javé entra em processo contra as nações, ele faz o julgamento de toda criatura e abandona os ímpios à espada - oráculo de Javé.
32. Assim diz Javé dos exércitos: A desgraça passa de nação para nação. Um grande furacão se levanta das extremidades da terra.
33. Nesse dia, as vítimas de Javé cobrirão a terra de ponta a ponta; ninguém as recolherá, nem as enterrará, nem fará luto por elas: ficarão como esterco sobre o chão.
34. Gemam, pastores, gritem! Rolem na poeira, chefes do rebanho! Pois chegou para vocês o dia da matança, o dia de serem expulsos um para cada lado; vocês cairão como carneiros escolhidos.
35. Não há escapatória para os pastores, nem saída para os chefes do rebanho.
36. Ouçam os gritos dos pastores, o urro dos chefes do rebanho! Porque Javé destruiu suas pastagens;
37. os prados tranqüilos foram devastados, por causa da ardente ira de Javé.
38. O leão abandona a toca, pois a terra deles virou um deserto, por causa da espada devastadora, por causa da ardente ira de Javé.

[Jeremias 26]
III. PROFECIAS DE ESPERANÇA

1. O VERDADEIRO PROFETA

Jeremias 26

1. No começo do reinado de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá, Javé dirigiu esta palavra a Jeremias:
2. Assim diz Javé: Fique no átrio do Templo de Javé e diga a todos os cidadãos de Judá, que entram no Templo para adorar Javé, tudo o que eu estou mandando dizer, sem tirar nada.
3. Quem sabe, eles se convertam, cada um de sua má conduta, e eu me arrependa do castigo que preparo contra eles por causa de suas más ações.
4. Você dirá o seguinte: Assim diz Javé: Se vocês não me obedecerem, seguindo a Lei que promulguei para vocês,
5. e se não escutarem o que dizem os meus servos, os profetas, que eu lhes envio sem cessar, embora vocês não os escutem,
6. então, eu vou fazer deste Templo o que fiz com o santuário de Silo, e desta cidade farei uma coisa maldita para todos os povos da terra.
7. Os sacerdotes, os profetas e todo o povo ouviram Jeremias falando isso no Templo de Javé.
8. Depois que Jeremias terminou de falar tudo o que Javé lhe havia ordenado que dissesse ao povo, os sacerdotes e os profetas o prenderam, dizendo: "Você deve morrer.
9. Por que você profetizou em nome de Javé, dizendo que vai acontecer a este Templo o que aconteceu com o santuário de Silo, e que esta cidade será destruída e ficará sem moradores?" E o povo todo se aglomerou no Templo de Javé contra Jeremias.
10. Ao ouvirem falar disso, os chefes de Judá foram do palácio do rei para o Templo de Javé, e se assentaram no tribunal da Porta Nova do Templo de Javé.
11. Então os sacerdotes e os profetas disseram aos chefes e a todo o povo: "Este homem deve ser condenado à morte, pois profetizou contra esta cidade, conforme vocês mesmos ouviram".
12. Jeremias respondeu aos chefes e a todo o povo: "Foi Javé quem me mandou profetizar, contra este Templo e contra esta cidade, tudo o que vocês ouviram.
13. Agora, corrijam sua conduta e suas ações; obedeçam a Javé, o Deus de vocês, e Javé desistirá das ameaças que proferiu contra vocês.
14. Quanto a mim, eu estou na mão de vocês. Façam de mim o que acharem melhor.
15. Mas fiquem sabendo: se vocês me matarem, estarão jogando a culpa da morte de um inocente sobre vocês mesmos, sobre esta cidade e seus habitantes, pois foi de fato Javé quem me ordenou falar para vocês escutarem tudo isso".
16. Os chefes e todo o povo disseram aos sacerdotes e profetas: "Esse homem não deve ser condenado à morte, pois foi em nome de Javé, o nosso Deus, que ele nos falou".
17. Alguns anciãos do país tomaram, então, a palavra e, dirigindo-se a todo o povo reunido, disseram:
18. "Miquéias de Morasti foi um profeta no tempo de Ezequias, rei de Judá. Ele disse a todo o povo de Judá: 'Assim diz Javé dos exércitos: Sião será arada como um campo, Jerusalém se tornará um montão de ruínas, e o monte do Templo uma colina cheia de mato'.
19. Por acaso, Ezequias, rei de Judá, ou o próprio povo de Judá mataram Miquéias? Por acaso, não temeram a Javé e o acalmaram? E Javé não desistiu da ameaça que havia lançado contra eles? Nós, porém, estamos para cometer um grande crime contra nós mesmos".
20. Houve também outro profeta que profetizou em nome de Javé: Urias, filho de Semeías, natural de Cariat-Iarim. Ele profetizou contra a cidade e o país, da mesma forma que Jeremias.
21. O rei Joaquim, os seus guardas e chefes o ouviram e o rei procurou matá-lo. Mas, ao ouvir isso, Urias ficou com medo e fugiu para o Egito.
22. O rei Joaquim enviou ao Egito Elnatã, filho de Acobor, com alguns homens.
23. Eles trouxeram Urias do Egito e o levaram até o rei Joaquim. O rei mandou matá-lo a fio de espada e jogar o seu corpo na vala comum.
24. Jeremias, porém, foi protegido por Aicam, filho de Safã, de modo que não foi entregue nas mãos do povo para ser morto.

[Jeremias 27]
2. MENSAGEM PARA OS EXILADOS

Jeremias 27

UM REALISMO CRÍTICO
1. No começo do reinado de Sedecias, filho de Josias, rei de Judá, Javé dirigiu esta palavra a Jeremias:
2. Assim me diz Javé: Faça para você cordas e uma canga, e coloque-a no pescoço.
3. Depois, através dos emissários que vieram a Jerusalém para estar com Sedecias, rei de Judá, mande uma mensagem aos reis de Edom, Moab, Amon, Tiro e Sidônia.
4. Diga-lhes que informem a seus senhores: Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Digam a seus senhores:
5. Eu criei a terra, os homens e todos os animais sobre a face da terra, com minha grande força e braço estendido, e os dou a quem eu quero.
6. Pois bem! Entrego todos esses territórios nas mãos do meu servo Nabucodonosor, rei da Babilônia. Eu colocarei até as feras a serviço dele.
7. Todas as nações ficarão submetidas a ele, a seu filho e a seu neto, até que chegue para seu país a hora de se tornar escravo de numerosas nações e reis poderosos.
8. Se uma nação e seu rei não se submeterem a Nabucodonosor, rei da Babilônia, e não colocarem o pescoço sob o jugo do rei da Babilônia, eu castigarei essa nação com espada, fome e peste, até entregá-la em suas mãos - oráculo de Javé.
9. Quanto a vocês, não façam caso de seus profetas e adivinhos, intérpretes de sonhos, feiticeiros e magos, que lhes dizem: "Vocês não ficarão submetidos ao rei da Babilônia".
10. Porque eles profetizam mentiras, para tirar vocês da própria terra e para que eu espalhe e destrua vocês.
11. A nação, porém, que dobrar o pescoço e se submeter ao rei da Babilônia, eu a deixarei tranqüila em sua terra, para que a cultive e fique morando nela - oráculo de Javé.
12. Palavras iguais a essas eu disse também a Sedecias, rei de Judá: Coloquem o pescoço sob o jugo do rei da Babilônia, submetam-se a ele e a seu povo, e vocês viverão.
13. Por que você e seu povo haveriam de morrer pela espada, pela fome e pela peste, como Javé anunciou à nação que não se submeter ao rei da Babilônia?
14. Não façam caso dos profetas que lhes dizem: "Vocês não ficarão submetidos ao rei da Babilônia", pois é mentira o que eles profetizam.
15. Não fui eu quem os enviou - oráculo de Javé. Eles profetizam mentiras em meu nome, para que eu tenha que expulsar e destruir vocês e os profetas que profetizam para vocês.
16. Aos sacerdotes e a todo o povo eu disse: Assim diz Javé: Não escutem esses profetas que lhes profetizam, dizendo: "Vejam! Logo, logo, os objetos do Templo de Javé serão trazidos de volta da Babilônia". É mentira o que eles profetizam.
17. Não façam caso deles. Aceitem ser escravos do rei da Babilônia, que vocês ficarão vivos, e esta cidade não se transformará em ruínas.
18. Se eles são profetas e se a palavra de Javé está com eles, então rezem a Javé dos exércitos para que o resto dos objetos que existem no Templo de Javé e no palácio do rei de Judá e em Jerusalém não sejam levados também para a Babilônia.
19. Pois assim diz Javé dos exércitos a respeito das colunas, do mar de bronze e dos pedestais, de todos os outros objetos do Templo que ficaram nesta cidade,
20. que não foram levados por Nabucodonosor, rei da Babilônia, quando ele levou para o exílio Jeconias, filho de Joaquim, rei de Judá, transferindo-o de Jerusalém para a Babilônia, com toda a classe dirigente de Judá e de Jerusalém.
21. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel, a respeito dos objetos que ficaram no Templo de Javé e no palácio do rei de Judá e em Jerusalém:
22. Serão levados para a Babilônia e aí ficarão até o dia em que vou buscá-los de novo - oráculo de Javé. Então, eu os trarei de volta e os colocarei de novo neste lugar.

[Jeremias 28]
Jeremias 28

O FALSO PROFETA
1. Nesse mesmo ano, ao começar o reinado de Sedecias em Judá, no quarto ano, no quinto mês, Hananias, filho de Azur, que era profeta em Gabaon, falou comigo no Templo de Javé, diante dos sacerdotes e de todo o povo, dizendo:
2. "Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Quebro o jugo do rei da Babilônia.
3. Dentro de dois anos vou trazer de volta para este lugar todos os objetos do Templo de Javé que Nabucodonosor, rei da Babilônia, pegou e levou para a Babilônia.
4. Também vou trazer de volta Jeconias, filho de Joaquim, rei de Judá, e todos os exilados de Judá levados para a Babilônia - oráculo de Javé - porque vou quebrar o jugo do rei da Babilônia".
5. Na presença dos sacerdotes e de todo o povo que estava no Templo de Javé, o profeta Jeremias respondeu ao profeta Hananias,
6. dizendo: "Amém! Que assim faça Javé. Que Javé confirme o que você profetizou, trazendo da Babilônia para cá os objetos do Templo de Javé e todos os exilados.
7. Entretanto, escute o que eu vou dizer a você e a todo o povo:
8. Os profetas que existiram antes de mim e antes de você, desde os tempos antigos, profetizaram guerra, calamidade e peste para muitos países e reinos poderosos.
9. E quanto ao profeta que prometia felicidade, só quando a sua profecia se realizar é que ele será reconhecido como profeta realmente enviado por Javé".
10. Então Hananias pegou a canga que estava no pescoço de Jeremias e a quebrou.
11. Em seguida, falou diante do povo: "Assim diz Javé: Desta mesma forma, dentro de dois anos, eu quebrarei o jugo de Nabucodonosor, rei da Babilônia, que está no pescoço de todas as nações". E o profeta Jeremias foi embora.
12. Depois que Hananias quebrou a canga que estava no pescoço de Jeremias, este recebeu uma palavra de Javé:
13. "Vá dizer a Hananias o seguinte: Assim diz Javé: Você quebrou uma canga de madeira, e eu vou substituí-la por uma canga de ferro.
14. Porque assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: É uma canga de ferro que eu vou colocar no pescoço de todas as nações, para que estejam subjugadas a Nabucodonosor, rei da Babilônia".
15. Em seguida, o profeta Jeremias falou ao profeta Hananias: "Escute-me, Hananias: não foi Javé quem mandou você, e você está fazendo esse povo acreditar numa mentira.
16. Por isso, assim diz Javé: Mandarei você embora da face da terra; ainda este ano você morrerá, por ter anunciado revolta contra Javé".
17. E Hananias morreu nesse mesmo ano, no sétimo mês.

[Jeremias 29]
Jeremias 29

NÃO SE DEIXEM ILUDIR
1. Texto da carta que o profeta Jeremias enviou de Jerusalém para os exilados na Babilônia. Escreveu-a para os anciãos, sacerdotes, profetas e o povo, levados por Nabucodonosor para o exílio.
2. Ele enviou a carta depois que saíram de Jerusalém o rei Jeconias com a rainha-mãe, o pessoal do palácio, os chefes de Judá e de Jerusalém, os ferreiros e os serralheiros.
3. Ele enviou a carta por intermédio de Elasa, filho de Safã, e por intermédio de Gamarias, filho de Helcias, que Sedecias, rei de Judá, tinha enviado à Babilônia em missão junto ao rei Nabucodonosor. A carta dizia o seguinte:
4. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel, a todo o povo que levei de Jerusalém para o exílio na Babilônia:
5. Construam casas para vocês morarem, plantem pomares para comerem de suas frutas,
6. casem-se, gerem filhos e filhas, arranjem esposas para seus filhos e maridos para suas filhas, e que eles também gerem filhos e filhas. Multipliquem-se aí, não diminuam.
7. Lutem pelo progresso da cidade para onde eu os exilei e rezem a Deus por ela, pois o progresso desse lugar será o progresso de vocês.
8. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Não se deixem enganar pelos profetas que existem no meio de vocês, não escutem os adivinhos e nem os sonhos que eles dizem que têm,
9. porque eles profetizam mentiras em meu nome. Eu não enviei nenhum deles - oráculo de Javé.
10. Assim diz Javé: Quando se completarem setenta anos na Babilônia, eu olharei para vocês e cumprirei minhas promessas, trazendo-os de volta para este lugar.
11. Conheço meus projetos sobre vocês - oráculo de Javé: são projetos de felicidade e não de sofrimento, para dar-lhes um futuro e uma esperança.
12. Quando vocês me invocarem, rezarão a mim, e eu os ouvirei.
13. Vocês me procurarão, e me encontrarão se me buscarem de todo o coração;
14. eu me deixarei encontrar e mudarei a sorte de vocês - oráculo de Javé. Vou reuni-los de todas as nações e lugares por onde os espalhei, oráculo de Javé e tornarei a trazê-los para o lugar de onde os exilei.
15. Vocês dizem: "Javé suscitou profetas para nós na Babilônia".
16. Pois bem! Assim diz Javé a respeito dos seus irmãos que não foram levados juntos com vocês para o exílio, isto é, o rei que está no trono de Davi e o povo todo que ainda está morando nesta cidade:
17. Assim diz Javé dos exércitos: Estou mandando contra eles a espada, a fome e a peste, e estou fazendo com eles o que se faz com figos podres que de tão ruins não servem para comer.
18. Perseguirei essa gente com a espada, a fome e a peste; farei deles uma coisa horripilante para todos os reinos da terra, maldição e espanto, objeto de vaia e de vergonha entre todos os povos para onde os expulsei.
19. Isso tudo porque não me obedeceram - oráculo de Javé. Porque eu lhes enviei constantemente meus servos, os profetas, mas aqueles não fizeram caso - oráculo de Javé.
20. Quanto a vocês, que foram exilados de Jerusalém para a Babilônia, ouçam a palavra de Javé.
21. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel, contra Acab, filho de Colias, e contra Sedecias, filho de Maasias, que profetizam mentiras em meu nome: Vou entregar os dois na mão de Nabucodonosor da Babilônia. Ele vai matar os dois na presença de vocês.
22. Depois surgirá uma nova espécie de maldição entre os exilados de Judá na Babilônia. Aí se dirá: "Que Javé faça com você como fez com Acab e com Sedecias, que o rei da Babilônia assou no fogo!"
23. Pois eles fizeram coisas horríveis em Israel: praticaram adultério com as mulheres de seus amigos e falaram mentiras usando o meu nome, quando eu não mandei ninguém falar. Eu sei e sou testemunha disso - oráculo de Javé.
24. Mensagem que você deverá pronunciar contra Semeías de Naalam:
25. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Você mandou cartas por sua conta, especialmente ao sacerdote Sofonias, filho de Maasias, e a todos os sacerdotes, dizendo:
26. "Javé o colocou como sacerdote no lugar de Joiada, para você se responsabilizar pelo Templo de Javé e para mandar que seja amarrado e preso todo indivíduo fanático que queira passar por profeta.
27. Então por que você não repreendeu esse Jeremias de Anatot, que se meteu a profetizar?
28. Ele nos mandou uma carta aqui para a Babilônia, dizendo: 'A coisa vai demorar. Construam casas para morar e plantem pomares para comer frutas' ".
29. O sacerdote Sofonias leu essa carta na presença de Jeremias.
30. Então a palavra de Javé foi dirigida a Jeremias:
31. Mande a todos os exilados a seguinte mensagem: Assim diz Javé a respeito de Semeías de Naalam: Já que Semeías está se fazendo de profeta para vocês - e não fui eu quem o enviou - e está fazendo vocês acreditarem na mentira,
32. então assim diz Javé: Castigarei Semeías e seus filhos. Nenhum deles ficará morando no meio desse povo, nem verá a felicidade que estou preparando para o meu povo - oráculo de Javé - porque ele pregou rebeldia contra Javé.

[Jeremias 30]
3. LIVRO DA CONSOLAÇÃO

Jeremias 30

A VOLTA DA ESPERANÇA
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias:
2. Assim diz Javé, o Deus de Israel: Escreva num livro tudo o que eu vou lhe dizer,
3. pois virão dias - oráculo de Javé - em que mudarei a sorte do meu povo, Israel e Judá, diz Javé. Farei com que voltem ao país que eu dei a seus antepassados e que tomem posse dele.
4. São estas as palavras que Javé pronunciou para Israel e Judá:
5. Ouvimos um grito de pavor, de terror, sem paz.
6. Informem-se e observem: é possível um homem dar à luz? Como é, então, que eu estou vendo esses homens todos de mãos nos quadris, como se fossem mulheres em trabalho de parto? Por que ficaram todos com o rosto tão pálido?
7. Ah! Esse dia é muito importante, e outro igual não existe. É uma hora de aflição para Jacó, mas ele se salvará.
8. Nesse dia - oráculo de Javé dos exércitos - eu quebrarei a canga que está no pescoço de vocês e arrebentarei as correntes que os prendem, e vocês não serão mais escravos de estrangeiros.
9. Servirão a Javé, o seu Deus, e também a Davi, o rei que farei surgir para eles.
10. Não tenha medo, meu servo Jacó - oráculo de Javé - não se apavore, Israel, pois aqui estou eu, libertando você do país distante, libertando a sua descendência do país do seu exílio. Jacó voltará e viverá tranqüilo e em paz, sem que o perturbem.
11. Porque eu estou com você para salvá-lo - oráculo de Javé. Eu destruirei todas as nações por onde havia espalhado você, mas não o destruirei: eu o corrigirei com justiça, mas não deixarei você sem castigo.
12. Assim diz Javé: Sua ferida é incurável, sua chaga é muito grave.
13. Não há remédio para sua chaga, nem emplastro para fechar sua ferida.
14. Todos os seus amantes se esqueceram de você e não o procuram mais. Pois eu feri você como se eu fosse inimigo seu, e dei-lhe um castigo terrível, porque eram muitos os seus erros e seus pecados pesavam muito.
15. Por que você grita por causa da sua ferida? A sua chaga é incurável. Foi porque seus erros eram muitos e seus pecados pesavam demais que eu tratei você assim.
16. Mas todos os que devoram você, serão devorados; todos os seus inimigos serão levados para o exílio; os que saqueiam você, serão saqueados; os que despojam você, serão despojados.
17. Eu cicatrizarei a sua ferida e curarei as suas chagas - oráculo de Javé. Porque chamam você de "Rejeitada", "A Sião de quem ninguém pergunta".
18. Mas assim diz Javé: Agora vou mudar a sorte das tendas de Jacó, terei compaixão de suas moradas. A cidade será reconstruída sobre suas ruínas, e o palácio se erguerá de novo no seu lugar.
19. Daí sairão ação de graças e gritos de alegria. Eu vou multiplicá-los, e eles nunca mais diminuirão; vou devolver-lhes a honra, e eles nunca mais serão humilhados.
20. Seus filhos serão como antigamente e a sua assembléia continuará firme diante dos meus olhos; mas castigarei todos os seus opressores.
21. Dela surgirá o seu chefe, e do seu meio sairá o seu governante. Eu farei que ele se aproxime e chegue até junto a mim. Pois quem iria arriscar a vida, chegando perto de mim? - oráculo de Javé.
22. Vocês serão o meu povo e eu serei o Deus de vocês.
23. Eis a tempestade de Javé, seu furor se desencadeia, um furacão gira sobre a cabeça dos ímpios.
24. A ira ardente de Javé não recuará enquanto não realizar, enquanto não executar os projetos do seu coração. Nos últimos dias, vocês compreenderão tudo.

[Jeremias 31]
Jeremias 31

1. Nesse tempo - oráculo de Javé - eu serei o Deus de todas as tribos de Israel, e elas serão o meu povo.
2. Assim diz Javé: O povo que escapa da espada encontra graça no deserto! Israel caminha para o seu repouso.
3. De longe, Javé lhe apareceu: Eu amei você com amor eterno; por isso, conservei o meu amor por você.
4. Eu vou reconstruí-la, e você ficará construída, ó capital de Israel. Você há de sair novamente enfeitada e com pandeiros entre os grupos que dançam.
5. De novo plantará vinhedos sobre as colinas da Samaria: e os que plantarem, eles mesmos colherão.
6. Chegará o dia em que os guardas gritarão na montanha de Efraim: "De pé! Vamos a Sião visitar Javé, o nosso Deus".
7. Porque assim diz Javé: Dêem vivas por Jacó, aclamem a primeira das nações! Gritem, louvem e digam: "Javé salvou o seu povo, o resto de Israel!"
8. Eu vou trazê-los de volta lá do país do Norte, vou ajuntá-los das extremidades da terra. No meio deles estarão o cego e o aleijado, a mulher grávida junto com aquela que deu à luz, todos juntos: é uma grande assembléia de retorno!
9. Eles partiram chorando, eu os trarei de volta entre consolos. Eu os levarei para os córregos de água, por um caminho plano, onde não tropeçarão. Serei um pai para Israel, e Efraim será o meu primogênito.
10. Nações, escutem a palavra de Javé. Anunciem às ilhas distantes: "Aquele que espalhou Israel, vai ajuntá-lo de novo e vai guardá-lo como um pastor guarda o seu rebanho".
11. Porque Javé resgatou Jacó, e o redimiu das mãos de um outro mais forte.
12. Eles virão festejar na altura de Sião, afluirão para os bens de Javé: trigo, vinho, azeite e crias de ovelhas e de gado. Serão uma horta bem irrigada: não tornarão a desfalecer.
13. Então a jovem dançará com alegria, os velhos junto com os jovens. Mudarei o luto deles em alegria, vou consolá-los e torná-los felizes, sem aflições.
14. Vou alimentar seus sacerdotes com gordura, e o meu povo se fartará com meus bens - oráculo de Javé.
15. Assim diz Javé: Escutem! Ouvem-se gemidos e pranto amargo em Ramá: é Raquel que chora inconsolável por seus filhos que já não existem mais.
16. Pois assim diz Javé: Segure os soluços e enxugue as lágrimas, porque há uma recompensa para a sua dor - oráculo de Javé: eles voltarão do país inimigo;
17. existe esperança de um futuro - oráculo de Javé: seus filhos voltarão para a pátria.
18. Eu escuto Efraim que se lamenta: "Tu me corrigiste e eu fui corrigido, como um garrote ainda não amansado. Faze-me voltar, e eu voltarei, porque tu és Javé, meu Deus.
19. Afastei-me, mas depois me arrependi; e, ao entender, bati no peito. Fracassei, fiquei confuso, pois carrego a vergonha da minha juventude".
20. Será que Efraim não é o meu filho predileto? Será que não é um filho querido? Quanto mais o repreendo, mais me lembro dele. Por isso, minhas entranhas se comovem, e eu cedo à compaixão - oráculo de Javé.
21. Coloque marcos na estrada, finque estacas para sua orientação, preste atenção na estrada, no caminho que você percorreu. Volte, ó virgem de Israel, volte para as cidades que são suas.
22. Até quando você vai ficar indecisa, filha rebelde? Porque Javé está criando uma coisa nova no país: a mulher seduz o homem!

UMA ALIANÇA NOVA
23. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: No país de Judá e nas suas cidades, quando eu trouxer de volta os exilados, todos voltarão a dizer: "Javé a abençoe, morada da justiça, monte santo!"
24. Em Judá e em suas cidades habitarão juntos os lavradores e os que pastoreiam rebanhos,
25. pois eu saciarei as gargantas sedentas e satisfarei os famintos.
26. Então, eu acordei, e vi que o meu sonho era agradável.
27. Eis que chegarão dias - oráculo de Javé - em que eu semearei em Israel e Judá semente de homens e semente de animais.
28. Assim como os vigiei para arrancar e arrasar, para demolir, desfazer e maltratar, agora vou vigiar para construir e plantar - oráculo de Javé.
29. Nesses dias, ninguém mais dirá: "Os pais comeram uva verde e a boca dos filhos ficou amarrada".
30. Ao contrário, cada um morrerá por causa do seu próprio pecado; quem comeu uva verde sente a boca amarrar.
31. Eis que chegarão dias - oráculo de Javé - em que eu farei uma aliança nova com Israel e Judá:
32. Não será como a aliança que fiz com seus antepassados, quando os peguei pela mão para tirá-los da terra do Egito; aliança que eles quebraram, embora fosse eu o Senhor deles - oráculo de Javé.
33. A aliança que eu farei com Israel depois desses dias é a seguinte - oráculo de Javé: Colocarei minha lei em seu peito e a escreverei em seu coração; eu serei o Deus deles, e eles serão o meu povo.
34. Ninguém mais precisará ensinar seu próximo ou seu irmão, dizendo: "Procure conhecer a Javé". Porque todos, grandes e pequenos, me conhecerão - oráculo de Javé. Pois eu perdôo suas culpas e esqueço seus erros.
35. Assim diz Javé, aquele que estabelece o sol para iluminar o dia e ordena à lua e às estrelas para iluminarem a noite, aquele que agita o mar e as ondas rugem, aquele cujo nome é Javé dos exércitos:
36. Quando essas leis falharem diante de mim - oráculo de Javé - então o povo de Israel também deixará de ser diante de mim uma nação para sempre.
37. Assim diz Javé: Quando alguém puder medir o tamanho do céu nas alturas ou examinar com cuidado os profundos alicerces da terra, só então eu rejeitarei o povo inteiro de Israel, por causa de tudo o que ele fez - oráculo de Javé.
38. Eis que chegarão dias - oráculo de Javé - em que Jerusalém será reconstruída para Javé, desde a torre de Hananeel até a porta do Ângulo.
39. A corda de medir será estendida até a colina do Gareb e, de lá, até Goa.
40. Todo o vale dos Cadáveres e das Cinzas, até o vale do riacho do Cedron, até o ângulo da porta dos Cavalos, no lado do oriente, toda essa área estará consagrada a Javé e nunca será arrasada ou destruída.

[Jeremias 32]
Jeremias 32

A FÉ NA PROMESSA DE DEUS
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias no décimo ano de Sedecias, rei de Judá, que corresponde ao décimo oitavo ano de Nabucodonosor.
2. Nessa ocasião, o exército do rei da Babilônia estava cercando a cidade de Jerusalém e o profeta Jeremias estava preso no pátio da prisão que existia no palácio do rei de Judá.
3. Sedecias, rei de Judá, o tinha lançado na prisão, acusando-o: "Você profetizou: 'Assim diz Javé: Eu entregarei esta cidade nas mãos do rei da Babilônia e ele vai tomá-la;
4. Sedecias, rei de Judá, não escapará das mãos dos caldeus, mas será entregue ao rei da Babilônia e terá de falar pessoalmente com ele, olhando um nos olhos do outro;
5. Sedecias será levado para Babilônia e aí ficará até que eu olhe para ele - oráculo de Javé. Se vocês lutarem contra os caldeus, não vencerão'. Por que você profetizou isso?"
6. Jeremias respondeu: "Eu recebi de Javé a seguinte palavra:
7. Hanameel, filho do seu tio Selum, está vindo dizer a você: 'Compre o terreno que eu tenho em Anatot, porque, por direito, você tem a preferência para comprá-lo'.
8. De acordo com a palavra de Javé, Hanameel, filho do meu tio Selum, foi me procurar onde eu estava, no pátio da prisão, e me disse: 'Vamos! Compre o meu terreno em Anatot, no território de Benjamim, pois o direito é seu por herança; você é que deve ficar com ele. Compre-o, então'. Eu entendi que isso era uma palavra de Javé.
9. Comprei o terreno que meu primo Hanameel tinha em Anatot. Paguei por ele duzentos gramas de prata.
10. Escrevi o contrato, selei, chamei as testemunhas, depois pesei a prata numa balança.
11. Em seguida, peguei o contrato de compra fechado, conforme as normas legais, e também a cópia aberta.
12. Entreguei o contrato a Baruc, filho de Nerias, neto de Maasias, na presença do meu primo Hanameel, das testemunhas que assinaram o documento e de todos os judeus que estavam no pátio da prisão.
13. Diante de todos eles, dei a seguinte ordem a Baruc:
14. 'Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Pegue esses dois contratos, o contrato de compra que está fechado e também a cópia aberta, e coloque-os dentro de um vaso de cerâmica, para que se conservem por muito tempo.
15. Pois assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Nesta terra ainda se comprarão casas, campos e vinhedos'.
16. Depois de entregar o contrato a Baruc, filho de Nerias, rezei a Javé:
17. 'Senhor Javé! Tu fizeste o céu e a terra com teu grande poder e com teu braço estendido. Para ti nada é impossível.
18. Tu praticas o amor para com milhares, mas também castigas a maldade dos pais nas costas dos filhos que vêm depois deles. Deus grande e poderoso, teu nome é Javé dos exércitos.
19. Grande em projetos e poderoso em ações, teus olhos estão abertos sobre a conduta dos homens, para dar a cada um conforme a conduta deles e conforme o que merecem suas ações.
20. Tu fizeste sinais e prodígios no país do Egito, e até hoje ainda os fazes em Israel e entre os homens. Foi assim que ganhaste a fama que tens até hoje.
21. Tu tiraste Israel, o teu povo, do país do Egito com sinais e prodígios, com mão forte e braço estendido, espalhando grande terror.
22. Deste a eles esta terra, que tinhas prometido com juramento aos seus antepassados, terra onde corre leite e mel.
23. Eles chegaram aqui e tomaram posse da terra, mas não te obedeceram, não se comportaram conforme a tua lei, não fizeram nada daquilo que tu lhes tinhas mandado fazer. Por isso, chamaste todas essas desgraças contra eles.
24. As trincheiras dos inimigos já estão chegando até a cidade, para a tomarem. Ela cairá nas mãos dos caldeus, que a atacam com espada, fome e peste. O que disseste, está acontecendo, e tu o vês.
25. Tu me disseste, Senhor Javé, para comprar um terreno a peso de prata e chamar testemunhas, enquanto a cidade cai nas mãos dos caldeus'.
26. A palavra de Javé foi dirigida a Jeremias:
27. Eu sou Javé, Deus de todas as criaturas. Existe algo impossível para mim?
28. Por isso, assim diz Javé: Estou para entregar esta cidade nas mãos dos caldeus, nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e ele vai tomá-la.
29. Os caldeus que estão guerreando contra ela entrarão nesta cidade, atearão fogo nela e queimarão as casas onde nos terraços se queimava incenso a Baal e onde se derramava vinho aos deuses estrangeiros, para me irritar.
30. Pois, desde a juventude, israelitas e judeus só praticaram o que eu considero errado, só me irritaram com as obras de suas mãos - oráculo de Javé.
31. Esta cidade sempre foi para mim motivo de ira e de cólera, desde que a construíram até o dia de hoje. Terei que afastá-la da minha presença
32. por todo o mal que os israelitas e judeus fazem para me irritar; todos eles: seus reis e autoridades, sacerdotes e profetas, cidadãos de Judá e habitantes de Jerusalém.
33. Eles voltavam para mim as costas, e não o rosto. Eu os ensinava continuamente, e ninguém ouvia para aprender a lição.
34. Eles colocavam abominações na Casa que levava o meu nome, profanando-a;
35. construíram lugares altos a Baal no vale de Ben-Enom, para aí queimar seus filhos e filhas em honra de Moloc: coisa que eu nunca mandei, nem jamais passou pelo meu pensamento. Eles fizeram abominações semelhantes, ensinando Judá a pecar.
36. Agora, assim diz Javé, o Deus de Israel, sobre Jerusalém, cidade que foi entregue, conforme eu disse, nas mãos do rei da Babilônia, pela força da espada, da fome e da peste:
37. Vejam! Eu os reunirei de todos os países por onde os espalhei na minha ira, na minha cólera e no meu grande furor. Vou trazê-los de volta para este lugar, e os farei morar tranqüilos.
38. Então eles serão o meu povo e eu serei o Deus deles.
39. Vou dar-lhes um só coração e um só modo de se comportar, para que me temam a vida inteira, para felicidade deles e dos filhos que vierem depois.
40. Farei com eles uma aliança eterna e nunca deixarei de fazer-lhes o bem. Colocarei no coração deles o meu temor, para que não se afastem de mim.
41. O meu prazer será fazer que eles sejam felizes. Vou plantá-los de maneira estável nesta terra, com todo o meu coração e com toda a minha alma.
42. Pois assim diz Javé: Da mesma forma que eu fiz cair sobre este povo essa grande desgraça, eu também lhes enviarei toda a felicidade que estou prometendo.
43. Comprarão campos neste país, que vocês dizem estar deserto, sem gente e sem criações, e entregue nas mãos dos caldeus.
44. Comprarão campos a peso de prata, fazendo contratos, selando e chamando testemunhas. Tudo isso, no território de Benjamim e nos arredores de Jerusalém, nas cidades de Judá e nas cidades da Montanha, nas cidades da Planície e nas cidades do Negueb, porque eu vou mudar a sorte deles - oráculo de Javé".

[Jeremias 33]
Jeremias 33

O AMOR DE JAVÉ É PARA SEMPRE
1. Quando ainda estava detido na prisão, Jeremias recebeu novamente a palavra de Javé:
2. Assim diz Javé, que fez a terra e lhe deu forma, fazendo dela uma coisa firme; o seu nome é Javé:
3. Chame por mim que eu lhe responderei, anunciando coisas grandiosas e sublimes, que você não conhece.
4. Pois assim diz Javé, o Deus de Israel, sobre as casas desta cidade e os palácios dos reis de Judá, agora arrasados pelas trincheiras e pela espada:
5. Agora os caldeus vêm para batalhar contra a cidade e para cobri-la de cadáveres, porque eu a feri com ira e cólera, e para esta cidade escondi o meu rosto, por causa de todas as suas maldades.
6. Vejam! Eu mesmo vou trazer para ela restabelecimento e cura, e lhe mostrarei uma abundância de paz e fidelidade.
7. Mudarei a sorte de Judá e Israel, e farei que eles cresçam como antigamente.
8. Eu vou purificá-los de toda injustiça com que pecaram contra mim, e vou perdoar todas as injustiças que cometeram contra mim.
9. Jerusalém será para mim nome de alegria, louvor e honra, por entre todas as nações da terra que ouvirem falar de todo o bem que eu lhe fiz. Elas serão tomadas de temor e respeito diante de todo o bem e de toda a felicidade que eu vou dar a Jerusalém.
10. Assim diz Javé: Vocês dizem que as cidades de Judá e as ruas desertas de Jerusalém são um lugar arrasado, sem gente, sem morador e sem criações. Pois bem, neste mesmo lugar se ouvirão novamente
11. o som da música, os gritos de alegria, a voz do noivo e da noiva, a voz dos que cantam ao entrar com ação de graças no Templo de Javé: "Agradeçam a Javé dos exércitos, porque ele é bom, porque o seu amor é para sempre". Pois eu mudarei a sorte deste país, farei voltar ao que era antes, diz Javé.
12. Assim diz Javé dos exércitos: Neste lugar agora arruinado, sem gente e sem criações, e também em todas as suas cidades haverá pastagens, onde os pastores farão suas ovelhas repousar.
13. Nas cidades da Montanha e nas cidades da Planície, nas cidades do Negueb e no território de Benjamim, nos arredores de Jerusalém e nas cidades de Judá, as ovelhas ainda vão desfilar ao alcance da mão de quem as conta, diz Javé.

NÃO PERCAM A ESPERANÇA
14. Eis que chegarão dias - oráculo de Javé - em que eu cumprirei as promessas que fiz à casa de Israel e à casa de Judá.
15. Nesses dias e nesse tempo, farei brotar para Davi um broto justo, que exercerá o direito e a justiça no país.
16. Nesses dias, Judá será salvo e Jerusalém viverá tranqüila e será chamada "Javé, nossa justiça".
17. Porque assim diz Javé: Não faltará um descendente de Davi para se assentar no trono da casa de Israel.
18. Também não faltará um descendente dos sacerdotes e levitas para oferecer em minha presença holocaustos, incensar as ofertas e oferecer sacrifícios todos os dias.
19. Javé dirigiu a palavra a Jeremias:
20. Assim diz Javé: Se vocês puderem romper a minha aliança com o dia e com a noite, de modo que já não haja mais dia e noite no tempo certo,
21. também será rompida a minha aliança com o meu servo Davi, de modo que lhe falte um descendente no trono, e a aliança com os levitas sacerdotes que me servem.
22. Multiplicarei a descendência do meu servo Davi e dos levitas que me servem, como as estrelas do céu que não dá para contar, como a areia da praia que ninguém pode calcular.
23. Javé dirigiu a palavra a Jeremias:
24. Você não ouve o que essa gente diz? Eles dizem: "Javé rejeitou as duas famílias que havia escolhido". Assim desprezam o meu povo e não o consideram como nação.
25. Assim diz Javé: Como é certo que eu criei o dia e a noite e estabeleci as leis do céu e da terra,
26. também é certo que não rejeitarei a descendência de Javé e de meu servo Davi, deixando de escolher entre seus descendentes os chefes da descendência de Abraão, Isaac e Jacó. Porque eu mudarei a sorte deles, e deles terei compaixão.

[Jeremias 34]
4. TEXTOS DIVERSOS

Jeremias 34

A ÚNICA SAÍDA
1. Quando Nabucodonosor, rei da Babilônia, estava guerreando contra Jerusalém e as outras cidades que dela dependem, acompanhado não só com o seu exército, mas também com os reis dos países que ele tinha dominado e com seus exércitos, Javé dirigiu a palavra a Jeremias:
2. Assim diz Javé, o Deus de Israel: Fale com Sedecias, rei de Judá, e diga-lhe: Assim diz Javé: Eu estou para entregar esta cidade nas mãos do rei da Babilônia, para que a incendeie.
3. Você não escapará das mãos dele, mas será preso e entregue nas mãos dele: você terá que olhar nos olhos do rei da Babilônia e falar pessoalmente com ele, e depois será levado para a Babilônia.
4. Sedecias, rei de Judá, ouça a palavra de Javé: Assim diz Javé: Você não morrerá pela espada;
5. morrerá em paz. Da mesma forma como se queimam perfumes por seus antepassados, aqueles reis que o precederam, também se queimarão perfumes por você, e também lamentarão por você cantando: "Ah, Majestade!" Sou eu quem o declaro - oráculo de Javé.
6. O profeta Jeremias falou tudo isso ao rei Sedecias, rei de Judá em Jerusalém.
7. O exército do rei da Babilônia estava atacando Jerusalém e outras cidades de Judá: Laquis e Azeca, as duas últimas fortalezas que ainda resistiam.

LIBERTAÇÃO OU MANIPULAÇÃO
8. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias depois que o rei Sedecias fez um acordo com todo o povo que havia em Jerusalém, para proclamar a liberdade dos escravos:
9. cada um deveria dar liberdade ao seu escravo ou escrava hebreu ou hebréia, para que nenhum judeu fosse escravo do seu irmão.
10. As autoridades todas e também todo o povo respeitaram o acordo que tinham feito de cada um dar liberdade aos seus escravos e escravas, de modo a não mais escravizarem uns aos outros. Obedeceram e os puseram em liberdade.
11. Mas depois disso, eles voltaram atrás e fizeram voltar de novo seus escravos e escravas, que tinham libertado, e os submeteram de novo à escravidão.
12. Então Javé dirigiu a palavra a Jeremias:
13. Assim diz Javé, o Deus de Israel: Eu mesmo fiz uma aliança com os antepassados de vocês, quando os tirei da terra do Egito, da casa da escravidão, dizendo:
14. "Ao fim de cada sete anos, todos darão liberdade ao seu irmão hebreu, que haviam comprado e que já lhes havia servido durante seis anos. Deve dar-lhe então a liberdade". Mas os antepassados de vocês não me escutaram nem me obedeceram.
15. Hoje vocês haviam se convertido para fazer o que eu aprovo: cada um proclamar a liberdade do seu próximo e fazer uma aliança sobre isso na minha presença, no Templo em que o meu nome é invocado.
16. Mas depois vocês recuaram e profanaram o meu nome, ao trazer de volta os escravos e escravas que tinham libertado, submetendo-os de novo à escravidão.
17. Por isso, assim diz Javé: Já que vocês não me obedeceram quando eu mandei que cada um desse liberdade ao seu irmão e ao seu próximo, então agora eu proclamarei a liberdade - oráculo de Javé - para a espada, a fome e a peste. Vou fazer de vocês uma coisa que causa espanto entre os reinos da terra.
18. Aqueles homens não respeitaram a minha aliança: não cumpriram a palavra da aliança que fizeram comigo. Vou fazê-los ter a sorte do novilho que cortaram ao meio e passaram entre as duas metades.
19. Quanto aos chefes de Judá e Jerusalém, aos funcionários, sacerdotes e pessoas do povo que passaram entre as metades do novilho,
20. vou entregá-los nas mãos de seus inimigos, daqueles que querem a morte deles. Seus cadáveres servirão de comida para as aves do céu e para as feras da terra.
21. Quanto a Sedecias, rei de Judá, e a seus chefes, também vou entregá-los nas mãos de seus inimigos, dos que querem a morte deles: o exército do rei da Babilônia, que agora se afastou de vocês.
22. Eu os mandei - oráculo de Javé - e vou trazê-los de volta contra esta cidade, para atacá-la, conquistá-la e incendiá-la. Também transformarei as cidades de Judá num deserto, sem habitante nenhum.

[Jeremias 35]
Jeremias 35

UM EXEMPLO DE FIDELIDADE
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias na época de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá:
2. "Vá aonde moram os recabitas, converse com eles e traga-os até o Templo de Javé, até uma das salas, para fazê-los beber vinho".
3. Tomei, então, Jezonias, filho de Jeremias, neto de Habsanias, junto com seus irmãos e filhos, toda a família dos recabitas.
4. Levei-os ao Templo de Javé, até a sala de Ben-Joanã, filho de Jegdalias, o homem de Deus, ao lado da sala dos chefes, em cima da sala de Maasias, filho de Selum, o porteiro.
5. Coloquei diante dos recabitas jarras cheias de vinho e cálices, dizendo: "Bebam vinho".
6. Eles responderam: "Não bebemos vinho, pois o nosso antepassado Jonadab, filho de Recab, deu-nos esta ordem: 'Não bebam vinho, nem vocês nem seus filhos, para sempre.
7. Também não construam casas, nem plantem cereais, nem formem vinhedos. Nada disso vocês terão, pois habitarão em tendas todos os dias da vida, para que assim vivam bastante sobre esta terra, onde vocês vivem como forasteiros'.
8. Nós obedecemos sempre ao que nos mandou o nosso antepassado Jonadab, filho de Recab: durante a vida toda jamais bebemos vinho, nem nós, nem nossas esposas, nem nossos filhos ou filhas;
9. não construímos casas para morar e não temos vinhedos ou qualquer terreno plantado;
10. moramos em tendas, obedecemos e fazemos tudo conforme nos mandou nosso antepassado Jonadab.
11. Agora, quando Nabucodonosor, rei da Babilônia, invadiu o país, dissemos: 'Vamos entrar em Jerusalém, para fugir do exército dos caldeus e dos arameus'. É por isso que viemos morar em Jerusalém".
12. Então Javé dirigiu a palavra a Jeremias:
13. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Vá dizer ao cidadão de Judá e ao habitante de Jerusalém: Será que vocês não vão aprender a lição, nem obedecer à minha palavra? - oráculo de Javé.
14. Cumpre-se a ordem de Jonadab, filho de Recab, que proibiu seus filhos de beberem vinho, e eles não bebem vinho até hoje, porque obedecem às ordens do antepassado deles. E ao contrário, falei com vocês, tornei a falar, e vocês não me obedecem.
15. Eu tenho mandado continuamente os meus servos, os profetas, para dizer a vocês: "Cada um se converta de sua má conduta e corrija suas ações; não sigam e nem sirvam os deuses estrangeiros; só assim vocês continuarão morando na terra que eu dei a vocês e a seus antepassados". Mas vocês não quiseram me escutar, nem me obedeceram.
16. Os filhos de Jonadab, filho de Recab, observam as ordens do antepassado deles, mas este povo não faz caso de mim.
17. Por isso, assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Farei cair sobre Judá e sobre os moradores de Jerusalém toda a desgraça com que os ameacei, porque falei com eles e não me obedeceram: chamei-os e não me responderam.
18. Quanto à família dos recabitas, assim disse Jeremias: "Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Porque vocês obedecem às ordens do Jonadab, antepassado de vocês, e observam tudo o que ele ordenou e fazem tudo de acordo com as ordens dele,
19. assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Para Jonadab, filho de Recab, nunca faltará alguém que esteja sempre na minha presença".

[Jeremias 36]
IV. SOFRIMENTOS DE JEREMIAS

Jeremias 36

O DESTINO DA PALAVRA PROFÉTICA
1. No quarto ano de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá, Javé dirigiu esta palavra a Jeremias:
2. Tome um pergaminho e escreva nele tudo o que eu lhe disse sobre Israel, sobre Judá e todas as nações, desde o dia em que comecei a falar com você, no tempo de Josias, até hoje.
3. Quem sabe a gente de Judá toma conhecimento de toda a desgraça que eu estou planejando fazer contra eles, para ver se cada um se converte de sua má conduta e eu possa perdoar suas faltas e pecados.
4. Então Jeremias chamou Baruc, filho de Nerias, que escreveu num pergaminho tudo o que Javé tinha dito a Jeremias e que este ia ditando.
5. Depois Jeremias disse a Baruc: "Estou preso e não posso ir ao Templo de Javé.
6. Vá você e leia neste pergaminho as palavras de Javé, que eu ditei e você escreveu. Leia para que o povo possa ouvir, quando ele estiver no Templo de Javé no dia do jejum. Leia em voz alta também para todos os de Judá que vêm de suas cidades.
7. Talvez eles se humilhem com súplicas diante de Javé, e cada um se converta de sua má conduta, pois é grande a ira e o furor que Javé demonstra contra esse povo".
8. Baruc, filho de Nerias, fez como o profeta Jeremias lhe ordenara, e leu no Templo as palavras de Javé.
9. No nono mês do quinto ano de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá, foi convocado um jejum em honra de Javé para todo o povo de Jerusalém e para todos os que vinham das outras cidades de Judá para Jerusalém.
10. Então Baruc leu, no Templo de Javé, para o povo todo ouvir, as palavras de Jeremias que ele tinha escrito no pergaminho. Baruc estava no compartimento de Gamarias, filho do escrivão Safã, no balcão de cima, à entrada da Porta Nova do Templo de Javé.
11. Miquéias, filho de Gamarias e neto de Safã, ouviu as palavras de Javé lidas no pergaminho.
12. Em seguida, ele desceu até o palácio do rei e foi ao compartimento do escrivão. Aí encontrou todas as autoridades: o escrivão Elisama; Dalaías, filho de Semeías, Elnatã, filho de Acobor; Gamarias, filho de Safã; Sedecias, filho de Hananias; e outras autoridades.
13. Miquéias contou-lhes tudo o que tinha ouvido, quando Baruc leu o pergaminho na presença do povo.
14. Essas autoridades enviaram, então, Judi, filho de Natanias, e Selemias, filho de Cusi, para dizerem a Baruc que pegasse o pergaminho que tinha lido para o povo e fosse aonde eles estavam. Baruc, filho de Nerias, pegou o pergaminho e foi procurá-los.
15. Eles lhe disseram: "Agora sente-se aí e leia para nós". Baruc leu para eles ouvirem.
16. Quando acabaram de ouvir tudo, olharam assustados uns para os outros, e disseram a Baruc: "Temos que contar para o rei tudo o que está escrito aí!"
17. E perguntaram a Baruc: "Conte-nos: como foi que você escreveu tudo isso?"
18. Baruc respondeu: "Jeremias foi ditando para mim e eu fui escrevendo tudo a tinta no pergaminho".
19. Então as autoridades disseram a Baruc: "Vá e esconda-se com Jeremias. E que ninguém fique sabendo onde vocês estão".
20. Depois foram encontrar o rei no pátio do palácio. Deixaram o pergaminho no compartimento do escrivão Elisama, e contaram tudo ao rei.
21. Imediatamente o rei mandou que Judi fosse buscar o pergaminho. Ele pegou o pergaminho na sala do escrivão Elisama e leu para o rei e para as autoridades que estavam junto dele.
22. O rei estava na ala de inverno do palácio, pois era o nono mês; e havia um braseiro aceso diante do rei.
23. Cada vez que Judi acabava de ler três ou quatro colunas do pergaminho, o rei cortava os pedaços com a faca do escrivão e os atirava no fogo do braseiro. Fez assim até que todo o pergaminho foi queimado no braseiro.
24. Ninguém se impressionou, ninguém rasgou as vestes, nem o rei nem os seus ministros, ao ouvirem aquelas palavras.
25. Somente Elnatã, Dalaías e Gamarias pediram ao rei para não queimar o pergaminho, mas ele não lhes deu ouvidos.
26. Por fim, o rei mandou Jeremiel, oficial do palácio, Saraías, filho de Azriel, e Selemias, filho de Abdeel, que fossem prender o escrivão Baruc e o profeta Jeremias. Javé, porém, os escondeu.
27. Depois que o rei queimou o pergaminho que continha as palavras escritas por Baruc e ditadas por Jeremias, Javé dirigiu esta palavra a Jeremias:
28. Pegue de novo outro pergaminho e escreva nele tudo o que estava escrito no primeiro pergaminho que Joaquim, rei de Judá, queimou.
29. Você deverá dizer o seguinte a Joaquim, rei de Judá: Assim diz Javé: Você queimou o pergaminho, dizendo: "Por que você escreveu nele que o rei da Babilônia virá sem dúvida nenhuma destruir este país e dele fará desaparecer os homens e os rebanhos"?
30. Por isso, assim diz Javé sobre Joaquim, rei de Judá: Ele não terá um descendente no trono de Davi. O seu cadáver ficará exposto ao calor do dia e ao frio da noite.
31. Eu castigo nele, na sua família e nos seus ministros, os pecados que cometeram; trarei para eles, para os habitantes de Jerusalém e para os cidadãos de Judá, todas as desgraças de que eu falei e eles não quiseram ouvir.
32. Jeremias pegou então outro pergaminho e o entregou ao escrivão Baruc, filho de Nerias, que escreveu tudo o que estava no pergaminho que Joaquim, rei de Judá, havia queimado. Acrescentou ainda muitas outras palavras semelhantes.

[Jeremias 37]
Jeremias 37

NÃO SE ILUDAM
1. Sedecias, filho de Josias, sucedeu no trono a Jeconias, filho de Joaquim. Sedecias foi nomeado rei de Judá por Nabucodonosor, rei da Babilônia.
2. Mas nem Sedecias, nem seus ministros, nem os proprietários de terra obedeceram ao que Javé tinha dito por meio do profeta Jeremias.
3. O rei Sedecias mandou Jucal, filho de Selemias, e o sacerdote Sofonias, filho de Maasias, levarem a Jeremias o seguinte recado: "Reze por nós a Javé, o nosso Deus".
4. Jeremias podia andar livremente no meio do povo, pois eles ainda não o tinham posto na prisão.
5. O exército do Faraó tinha saído do Egito, e quando os caldeus, que estavam cercando Jerusalém, ouviram a notícia, abandonaram o cerco da cidade.
6. Então Javé dirigiu esta palavra a Jeremias:
7. "Assim diz Javé, o Deus de Israel: Ao rei de Judá, que mandou me procurar, você dirá: Fique sabendo que o exército do Faraó, que se pôs em marcha para vir ajudar vocês, acaba de voltar para o seu país, o Egito.
8. Os caldeus voltarão para atacar esta cidade, ocupá-la e incendiá-la.
9. Assim diz Javé: Não se iludam pensando que os caldeus acabarão o cerco, pois eles não irão embora.
10. E mesmo que vocês arrasassem todo o exército dos caldeus que está em guerra contra vocês, e só deixassem sobrar feridos, cada um deles se levantaria de sua tenda para incendiar esta cidade".
11. Quando o exército dos caldeus se afastou de Jerusalém, por medo do exército do Faraó,
12. Jeremias saiu de Jerusalém para ir ao território de Benjamim, receber uma herança de seus parentes.
13. Quando ele se encontrava na porta de Benjamim, estava aí um chefe da guarda chamado Jerias, filho de Selemias, neto de Hananias, que o prendeu, dizendo: "Você está passando para o lado dos caldeus!"
14. Jeremias respondeu: "É mentira! Claro que não estou passando para o lado dos caldeus!" Jerias, porém, não acreditou e prendeu Jeremias, levando-o em seguida às autoridades.
15. As autoridades ficaram indignadas com Jeremias. Depois de torturá-lo, o prenderam na casa do escrivão Jônatas, que eles tinham transformado em cadeia.
16. Jeremias foi levado para uma cela subterrânea, onde ficou preso por muito tempo.
17. O rei Sedecias mandou buscar Jeremias. No seu palácio, secretamente, o rei lhe perguntou: "Você tem alguma palavra de Javé?" Jeremias respondeu: "Tenho: você vai ser entregue nas mãos do rei da Babilônia".
18. Depois Jeremias disse ao rei Sedecias: "Que mal eu fiz a você ou a seus ministros, ou a este povo, para que vocês me mandassem colocar na prisão?
19. Onde é que estão os profetas de vocês que diziam: 'O rei da Babilônia não virá contra vocês, nem invadirá o país'?
20. Agora, por favor, que Vossa Majestade me atenda, e que a minha súplica chegue até o rei: não me mande de volta para a casa do escrivão Jônatas, não me deixe morrer aí!"
21. O rei Sedecias mandou deixar Jeremias no pátio da prisão e dar-lhe todo dia um pão vindo da rua dos padeiros, enquanto houvesse pão na cidade. Foi assim que Jeremias ficou no pátio da prisão.

[Jeremias 38]
Jeremias 38

O PROFETA NÃO SE CALA
1. Safatias, filho de Matã; Gedalias, filho de Fassur; Jucal, filho de Selemias; e Fassur, filho de Melquias, ouviram o que Jeremias disse a todo o povo:
2. "Assim diz Javé: quem ficar nesta cidade morrerá pela espada, pela fome e pela peste; quem passar para os caldeus, será tomado como despojo, mas conservará a vida.
3. Assim diz Javé: Esta cidade será entregue nas mãos do exército do rei da Babilônia, para que a conquiste".
4. Então os altos funcionários disseram ao rei: "Mande matar esse homem, pois ele, falando assim, está desencorajando os soldados que ainda restam nesta cidade e também todo o povo. Este homem não busca o bem do povo e sim a desgraça!"
5. O rei Sedecias respondeu: "Ele está nas mãos de vocês, pois o rei não tem força nenhuma contra vocês".
6. Então eles pegaram Jeremias e, com uma corda, o puseram dentro do poço do príncipe real Melquias, no pátio da prisão. Como no poço não havia água, mas só barro, Jeremias ficou atolado no barro.
7. O etíope Ebed-Melec, que era eunuco e servia no palácio do rei, ouviu falar que eles tinham colocado Jeremias no poço. Enquanto o rei estava sentado junto à porta de Benjamim,
8. Ebed-Melec saiu do palácio e disse ao rei:
9. "Majestade, esses homens agiram mal contra o profeta Jeremias, jogando-o no poço: ali ele vai morrer de fome, pois não existe mais pão na cidade".
10. Então o rei ordenou a Ebed-Melec, o etíope: "Leve com você três homens e tirem o profeta Jeremias do poço, antes que ele morra".
11. Ebed-Melec levou os homens, entraram no palácio, foram até o porão, onde pegaram uns trapos e uns panos velhos. Depois, jogaram esses trapos na ponta de uma corda para Jeremias.
12. Ebed-Melec, o etíope, disse a Jeremias: "Coloque esses panos velhos debaixo do braço, onde vai passar a corda". Assim fez Jeremias.
13. Então puxaram Jeremias pela corda, tirando-o do poço. E Jeremias ficou no pátio da prisão.

CONCILIAÇÃO IMPOSSÍVEL
14. O rei Sedecias mandou buscar o profeta Jeremias na terceira entrada do Templo de Javé. O rei disse a Jeremias: "Vou perguntar-lhe uma coisa: não me esconda nada".
15. Jeremias respondeu: "Se eu lhe falar, você certamente me matará, e se eu lhe der um conselho, você não ouvirá".
16. O rei Sedecias jurou em segredo a Jeremias: "Pela vida de Javé, que nos deu a vida: não o matarei nem o entregarei nas mãos desses homens que estão querendo matá-lo".
17. Então Jeremias disse ao rei Sedecias: "Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Se você sair da cidade para se entregar aos generais do rei da Babilônia, você conservará a vida, e esta cidade não será incendiada; você e sua família conservarão a vida.
18. Se você não se entregar aos generais do rei da Babilônia, esta cidade cairá nas mãos dos caldeus, que a incendiarão, e você não escapará".
19. O rei Sedecias disse: "Tenho medo dos judeus que passaram para o lado dos caldeus; temo ser entregue nas mãos deles e que me maltratem".
20. Jeremias disse: "Não vão entregá-lo. Preste atenção nesta palavra de Javé, que eu lhe transmiti: Tenha confiança, e você salvará a sua vida.
21. Se você não estiver disposto a se entregar, este é o oráculo que Javé me comunicou:
22. Todas as mulheres que sobrarem na corte do rei de Judá serão levadas para os generais do rei da Babilônia, e cantarão assim: 'Os seus bons amigos o enganaram e o venceram; afundaram os pés de você na lama e foram embora!'
23. As mulheres e os filhos de vocês vão ser levados para os caldeus e nem você escapará das mãos deles; ao contrário, você vai ficar prisioneiro do rei da Babilônia e esta cidade será incendiada".
24. Sedecias disse a Jeremias: "Que ninguém fique sabendo dessa mensagem, senão você morre.
25. Se os chefes souberem que eu estive conversando com você, e vierem lhe perguntar: 'Conte-nos o que foi que você disse ao rei e o que ele disse a você; não esconda nada, que nós não vamos matá-lo',
26. você então responderá: 'Eu estava pedindo ao rei que não me mandasse de volta para a casa de Jônatas, para não morrer aí' ".
27. Todos os chefes foram procurar Jeremias para fazer-lhe perguntas, mas ele respondeu tudo de acordo com o que o rei lhe tinha mandado falar. Eles, então, ficaram quietos, pois a conversa não fora ouvida.
28. Jeremias ficou no pátio da prisão até a tomada de Jerusalém.

[Jeremias 39]
Jeremias 39

QUEDA DE JERUSALÉM
1. No décimo mês do nono ano de Sedecias, rei de Judá, chegou a Jerusalém Nabucodonosor, rei da Babilônia, com todo o seu exército, e cercou a cidade.
2. Foi no nono dia do quarto mês do décimo primeiro ano de Sedecias que ele conseguiu abrir uma brecha para entrar na cidade.
3. Por aí entraram os oficiais do rei da Babilônia, que se colocaram na porta do Meio. Eram eles: Nergalsareser, Samgar-Nabu, Sar-Saquim, chefe dos eunucos, Nergalsareser, grande mago, e todos os outros oficiais do rei da Babilônia.
4. Sedecias, rei de Judá, e seus soldados, quando viram tudo isso, tentaram fugir. Saíram da cidade à noite pelo jardim do rei, que vai dar na porta entre as duas muralhas, e se dirigiram para o deserto.
5. Mas o exército dos caldeus os perseguiu, e alcançou Sedecias nas planícies de Jericó. Prenderam o rei Sedecias e o levaram a Nabucodonosor, rei da Babilônia, que estava em Rebla, na região de Emat, e que aí mesmo decretou a sentença de Sedecias.
6. O rei da Babilônia mandou matar os filhos de Sedecias aí mesmo em Rebla, diante dos olhos de Sedecias; e mandou matar também os nobres de Judá.
7. Em seguida, furou os olhos de Sedecias e o algemou, a fim de levá-lo para a Babilônia.
8. Quanto ao palácio do rei e às casas particulares, os caldeus incendiaram tudo e derrubaram as muralhas de Jerusalém.
9. Nabuzardã, chefe da guarda, mandou para a Babilônia o resto da população que ainda tinha ficado na cidade, os desertores que se entregaram a ele e os artistas profissionais que ainda havia.
10. Os mais pobres do povo, os que não possuíam nada, Nabuzardã os deixou na terra de Judá e deu-lhes vinhas e terra para cultivar.
11. Quanto a Jeremias, Nabucodonosor, o rei da Babilônia, deu a seguinte ordem a Nabuzardã, chefe da guarda:
12. "Você mesmo vai buscá-lo e cuidar dele. Não lhe faça mal nenhum; ao contrário, faça tudo conforme ele pedir".
13. Nabuzardã, chefe da guarda; o comandante Nabusezbã, oficial superior; Nergalsareser, grande mago; e os outros oficiais do rei da Babilônia
14. mandaram tirar Jeremias do pátio da prisão e o entregaram a Godolias, filho de Aicam, neto de Safã, para que o levasse para casa. E Jeremias ficou livre, no meio do povo.
15. Enquanto Jeremias estava preso no pátio da prisão, Javé lhe dirigiu a seguinte palavra:
16. "Vá dizer ao etíope Ebed-Melec: Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Eis que vou cumprir contra esta cidade as minhas palavras, para desgraça e não para salvação. Nesses dias, tudo vai se realizar diante de você.
17. No entanto, nesse dia eu livrarei você - oráculo de Javé. E você não cairá nas mãos desses homens, dos quais você tem medo.
18. Farei com que você escape e não caia sob a espada. Você terá a sua vida como despojo, porque confiou em mim - oráculo de Javé".

[Jeremias 40]
Jeremias 40

O PROFETA NÃO É OPORTUNISTA
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias, depois que Nabuzardã, chefe da guarda, o enviou de volta de Ramá, onde ele estava amarrado na corrente junto com os presos de Judá e Jerusalém, que estavam sendo levados para o exílio na Babilônia.
2. Ao tirá-lo do meio dos prisioneiros, o chefe da guarda lhe disse: "Javé, o seu Deus, predisse esta desgraça para este lugar,
3. e a realizou. Javé fez conforme havia falado, pois vocês pecaram contra ele e não lhe obedeceram. Foi por esse motivo que aconteceu tudo isso a vocês.
4. Eu soltei as algemas do seu pulso. Se você acha bom ir para a Babilônia comigo, vamos, que eu olharei por você. Mas se você não acha bom ir comigo para a Babilônia, pode ficar: o país inteiro está aí à sua frente, pode ir para onde você achar melhor e mais correto".
5. Antes de Jeremias tomar um rumo, o chefe da guarda continuou: "Você pode ir para a casa de Godolias, filho de Aicam, neto de Safã, que o rei da Babilônia colocou como governador das cidades de Judá. Pode ficar com ele, no meio do povo. Ou então, pode ir para onde achar preferível". O chefe da guarda deu-lhe provisões e presentes, e o deixou livre.
6. Jeremias foi para a casa de Godolias, filho de Aicam, em Masfa, e ficou com ele, vivendo no meio do povo que ficara no país.

ESPERANÇA DE RENOVAÇÃO
7. Os comandantes das guarnições que estavam fora da cidade, juntamente com todos os seus homens, ficaram sabendo que o rei da Babilônia tinha colocado Godolias, filho de Aicam, como governador, e que tinha confiado a ele os homens, mulheres e crianças, e os pobres do país que não tinham sido levados para o exílio na Babilônia.
8. Ismael, filho de Natanias; Joanã e Jônatas, filhos de Carea; Saraías, filho de Taneumet; os filhos de Ofi de Netofa; e Jezonias, filho de Maacati, foram procurar Godolias em Masfa. Foram eles e seus comandados.
9. Godolias, filho de Aicam, neto de Safã, jurou para eles e seus comandados: "Não tenham medo de servir aos caldeus. Permaneçam na terra e sirvam ao rei da Babilônia, e tudo irá bem para vocês.
10. Quanto a mim, fiquei aqui em Masfa como responsável diante dos caldeus que vêm até nós. E vocês, vão fazer a colheita do vinho, das frutas e do azeite; encham suas vasilhas e fiquem nas cidades que vocês estão ocupando".
11. Também os judeus que estavam em Moab, entre os amonitas, em Edom e outras regiões, ouviram falar que o rei da Babilônia tinha deixado um resto em Judá e que havia colocado Godolias, filho de Aicam, neto de Safã, como governador deles.
12. Então começaram a voltar judeus de todos os lugares por onde haviam se espalhado; entraram em Judá, junto a Godolias, em Masfa, e fizeram uma colheita muito abundante de vinho e frutas.

FANATISMO IRRESPONSÁVEL
13. Joanã, filho de Carea, e os comandantes do exército que estavam no interior, foram procurar Godolias em Masfa.
14. Disseram-lhe: "Você sabe que Baalis, rei dos amonitas, mandou Ismael, filho de Natanias, matar você?" Mas Godolias, filho de Aicam, não acreditou neles.
15. Mesmo assim, Joanã, filho de Carea, falou em particular a Godolias, em Masfa: "Eu vou matar Ismael, filho de Natanias, e ninguém ficará sabendo. Por que ele haveria de matar você? Por que todos esses judeus que se reuniram em torno de você teriam de se espalhar? Por que seria destruído o resto de Judá?"
16. Mas Godolias, filho de Aicam, respondeu a Joanã, filho de Carea: "Não faça isso, pois o que você está falando de Ismael é falso".

[Jeremias 41]
Jeremias 41

1. No sétimo mês, Ismael, filho de Natanias, neto de Elisama, de estirpe real, foi com dez homens à procura de Godolias, filho de Aicam, em Masfa. E enquanto comiam juntos em Masfa,
2. Ismael, filho de Natanias, e os dez homens que estavam com ele atacaram de espada a Godolias, filho de Aicam, neto de Safã. Foi assim que mataram aquele que o rei da Babilônia tinha colocado como governador no país.
3. Ismael matou também todos os judeus que estavam com Godolias em Masfa, bem como os soldados caldeus que aí se encontravam.
4. No dia seguinte ao assassinato de Godolias, ninguém ainda sabia.
5. Foram, então, uns oitenta homens de Siquém, de Silo e de Samaria, com a barba raspada, roupas rasgadas e ferimentos no corpo; levavam ofertas e incenso para o Templo de Javé.
6. Ismael, filho de Natanias, saiu de Masfa ao encontro deles, fora da cidade, andando e chorando. Ao encontrá-los, disse: "Venham até onde está Godolias, filho de Aicam".
7. Logo, porém, que eles chegaram ao centro da cidade, Ismael, filho de Natanias, junto com seus homens, estrangulou-os e mandou jogar os corpos dentro de uma cisterna.
8. Houve, porém, dez desses homens que disseram a Ismael: "Não nos mate! Nós temos trigo, cevada, azeite e mel escondidos no mato". Então Ismael parou e não matou esses dez junto com seus irmãos.
9. A cisterna onde Ismael jogou os corpos dos homens que ele matou é aquela grande que o rei Asa fizera por medo de Baasa, rei de Israel. Foi essa cisterna que Ismael, filho de Natanias, encheu com os cadáveres dos homens que matou.
10. Depois Ismael aprisionou todo o resto do povo que estava em Masfa: desde as filhas do rei até o povo que ficou em Masfa e que Nabuzardã, chefe da guarda, tinha confiado a Godolias, filho de Aicam. Ismael, filho de Natanias, levou-os como prisioneiros e partiu para o país dos amonitas.
11. Joanã, filho de Carea, e os outros comandantes das guarnições, seus companheiros, ouviram falar de todos os crimes que Ismael, filho de Natanias, havia praticado.
12. Convocaram, então, todos os seus soldados e partiram para atacar Ismael, filho de Natanias. E o alcançaram perto da represa grande de Gabaon.
13. Todo o pessoal que estava com Ismael, quando viu Joanã, filho de Carea, e todos os comandantes das guarnições que estavam com ele, ficou muito contente.
14. Então todo esse pessoal que Ismael levava cativo desde Masfa, deu meia volta e passou para o lado de Joanã, filho de Carea.
15. Ismael, filho de Natanias, ainda conseguiu escapar de Joanã, junto com oito homens, e foi para o país dos amonitas.
16. Então Joanã, filho de Carea, e todos os comandantes de guarnições que estavam com ele, reuniram todo o resto do povo que Ismael, filho de Natanias, tinha levado como prisioneiro desde Masfa, depois de ter assassinado Godolias, filho de Aicam. Eram homens guerreiros, mulheres, crianças e eunucos, que foram libertados em Gabaon.
17. Partiram e fizeram uma parada no refúgio de Camaã, perto de Belém, para depois seguirem a caminho do Egito,
18. pois estavam com medo dos caldeus, porque Ismael, filho de Natanias, tinha matado Godolias, filho de Aicam, que o rei da Babilônia colocara como governador do país.

[Jeremias 42]
Jeremias 42

O ANTIÊXODO
1. Os comandantes, junto com Joanã, filho de Carea, e Azarias, filho de Osaías, com todo o povo, grandes e pequenos, foram procurar Jeremias
2. e lhe disseram: "Nós lhe suplicamos, por favor: interceda junto a Javé, o seu Deus, por nós e por este resto, pois de muitos sobramos poucos, como você mesmo pode ver.
3. Que Javé, o seu Deus, nos mostre o caminho que devemos seguir e o que devemos fazer".
4. O profeta Jeremias respondeu: "De acordo. Vou interceder junto a Javé, Deus de vocês, conforme vocês estão pedindo. Então tudo o que Javé mandar responder a vocês, eu falarei, sem esconder coisa alguma".
5. Eles disseram a Jeremias: "Que o próprio Javé seja testemunha verdadeira e correta contra nós, se não agirmos conforme a palavra que Javé, o seu Deus, mandar você nos dizer.
6. Seja coisa boa, seja coisa ruim, obedeceremos a Javé, o nosso Deus, a quem enviamos você, para que tudo nos corra bem, se obedecermos a Javé, o nosso Deus".
7. Depois de dez dias, a palavra de Javé foi dirigida a Jeremias.
8. Então ele chamou Joaná, filho de Carea, os comandantes de guarnições que o acompanhavam e também todo o povo, pequenos e grandes,
9. e disse-lhes: Assim disse Javé, o Deus de Israel, a quem vocês me mandaram implorar em seu favor:
10. Se vocês permanecerem neste país, eu os construirei e não os destruirei, eu os plantarei e não os arrancarei, pois estou arrependido do mal que fiz a vocês.
11. Não tenham medo do rei da Babilônia, diante de quem agora vocês têm medo. Não tenham medo - oráculo de Javé - pois eu estou com vocês para salvá-los e livrá-los das mãos deles.
12. Eu os tratarei com piedade e ele terá compaixão de vocês e os fará voltar à terra que lhes pertence.
13. Mas se vocês desobedecerem à palavra de Javé, o Deus de vocês, dizendo: "Não vamos ficar neste país;
14. ao contrário, vamos para o Egito, onde não se vê guerra nem se vive escutando o som da trombeta e ninguém passa fome; é lá que nós queremos ficar";
15. nesse caso, resto de Judá, ouça a palavra de Javé: Assim disse Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Se vocês decidirem ir para o Egito e se entrarem para lá ficar,
16. a espada que amedronta vocês aqui, irá alcançá-los na terra do Egito; a fome que os assusta aqui, seguirá seus passos no Egito: lá vocês morrerão.
17. Todos os homens que decidirem partir para o Egito e lá permanecer, morrerão pela espada, pela fome e pela peste, sem que seja possível escapar ou fugir da desgraça que eu atrairei sobre eles.
18. Javé dos exércitos, o Deus de Israel, disse ainda: Da mesma forma como derramei a minha ira e o meu furor sobre os habitantes de Jerusalém, assim também derramarei o meu furor sobre vocês, quando entrarem no Egito. Vocês serão objeto de maldição e espanto, desprezo e zombaria, e não voltarão a ver este lugar.
19. É assim que Javé falou para vocês, resto de Judá. Não vão para o Egito; saibam bem que hoje eu os adverti solenemente.
20. Vocês se enganaram quando mandaram que eu procurasse Javé, Deus de vocês, dizendo: "Interceda junto a Javé, nosso Deus, por nós, e tudo o que Javé, nosso Deus, lhe disser, anuncie a nós para que possamos fazê-lo".
21. Pois eu acabo de lhes anunciar hoje, mas vocês não obedecerão a Javé, Deus de vocês, em nada do que ele ordenou a vocês através de mim.
22. E agora saibam bem: vocês morrerão pela espada, pela fome e pela peste no lugar onde quiseram entrar e se estabelecer.

[Jeremias 43]
Jeremias 43

1. Quando Jeremias terminou de comunicar a todo o povo as palavras que Javé, o seu Deus, lhe mandara falar,
2. então Azarias, filho de Osaías, Joanã, filho de Carea, e todos aqueles homens, cheios de petulância, disseram a Jeremias: "É mentira o que você está falando! Javé, o nosso Deus, não enviou você para nos dizer: 'Não vão para o Egito, para morar lá'.
3. Foi Baruc, filho de Nerias, quem jogou você contra nós, para nos entregar nas mãos dos caldeus, para eles nos matarem ou nos exilarem na Babilônia".
4. Foi assim que Joanã, filho de Carea, os comandantes e todo o povo não quiseram obedecer a Javé, que lhes mandara ficar na terra de Judá.
5. Joanã, filho de Carea, e os comandantes de guarnições juntaram o resto de Judá e os que tinham voltado das outras nações para onde tinham sido expulsos, a fim de morarem por uns tempos em Judá.
6. Eram homens, mulheres, crianças, as filhas do rei, enfim todos os viventes que o chefe da guarda, Nabuzardã, tinha deixado com vida juntamente com Godolias, filho de Aicam, neto de Safã. Levaram também o profeta Jeremias com Baruc, filho de Nerias.
7. E desobedecendo a Javé, foram para o Egito, chegando até Táfnis.
8. Em Táfnis, a palavra de Javé foi dirigida a Jeremias:
9. Pegue umas pedras grandes e, na presença dos judeus, enterre essas pedras com massa na praça que fica à entrada do palácio do Faraó, em Táfnis.
10. Em seguida, você dirá a eles: Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Mandarei buscar o meu servo Nabucodonosor, rei da Babilônia, e colocarei o seu trono sobre essas pedras que enterrei. Sobre elas, ele estenderá o seu dossel.
11. Ele virá para atacar o Egito: quem está destinado para a morte, morrerá; quem está destinado para o exílio, será exilado; quem está destinado para a espada, morrerá pela espada.
12. Ele porá fogo nos templos dos deuses do Egito, os queimará e levará os deuses para o exílio. Ele vai limpar tudo como o pastor tira os piolhos do seu manto, e sairá daí em paz.
13. Quebrará os obeliscos do templo do Sol e incendiará os templos de todos os deuses do Egito.

[Jeremias 44]
Jeremias 44

NÃO HÁ COMO ESCAPAR
1. Palavra que Javé dirigiu a Jeremias a respeito dos judeus que estavam morando no Egito, em Magdol, em Táfnis, em Mênfis e na região de Patros:
2. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Vocês mesmos viram toda a desgraça que eu trouxe sobre Jerusalém e sobre as outras cidades de Judá. Hoje elas estão mortas, sem nenhum habitante.
3. Isso aconteceu por causa de todo o mal que eles fizeram, irritando-me, queimando incenso e prestando culto a deuses estrangeiros, que nem eles, nem vocês, nem os seus antepassados jamais conheceram.
4. Apesar disso, eu enviei continuamente meus servos, os profetas, e eles sempre diziam: "Não façam essas abominações, que eu odeio".
5. Mas eles não escutaram e nem quiseram prestar atenção, para não terem que voltar atrás da sua maldade e para não deixarem de queimar incenso aos deuses estrangeiros.
6. Então minha ira e meu furor se alastraram como fogo pelas cidades de Judá e pelas ruas de Jerusalém, e elas se transformaram num deserto e numa desolação até o dia de hoje.
7. Agora, assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: por que vocês fazem esse mal tão grande a vocês mesmos? Vocês estão acabando com homens, mulheres, crianças e bebês em Judá. Desse modo não vai ficar nenhum sobrevivente entre vocês,
8. porque vocês me provocam com a obra de suas mãos, queimando incenso a deuses estrangeiros neste país do Egito, onde vocês estão morando. Assim, estão trabalhando para o próprio extermínio e se transformando em maldição e vergonha para todas as nações do mundo.
9. Vocês já se esqueceram dos pecados de seus antepassados, dos reis de Judá, das suas autoridades, dos pecados de vocês e das suas mulheres? Vocês cometeram esses pecados pelo país de Judá afora e pelas ruas de Jerusalém. Já se esqueceram?
10. E, até hoje, ninguém baixou a cabeça, ninguém teve medo, ninguém começou a andar de acordo com a instrução e os estatutos que eu dei a vocês e a seus antepassados.
11. Por isso, assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Volto a minha face contra vocês para a desgraça, para exterminar Judá totalmente.
12. Pegarei o resto de Judá que se empenhou em ir para o Egito e aí morar, e todos eles, pequenos e grandes, morrerão aí no Egito, derrubados pela espada e consumidos pela fome. Morrerão pela espada e pela fome e se tornarão uma coisa maldita, espantosa, desprezível e vergonhosa.
13. Castigarei os que moram no Egito, como castiguei Jerusalém: com a espada, a fome e a peste.
14. Desse resto de Judá que foi para o Egito, ninguém conseguirá sobreviver, ninguém escapará, ninguém conseguirá voltar para Judá, aonde anseiam voltar para aí viver. Ninguém voltará, a não ser alguns fugitivos.
15. Os homens que sabiam que suas mulheres queimavam incenso a deuses estrangeiros e todas as mulheres que estavam presentes, uma grande multidão, e todo o povo que morava no país do Egito e em Patros, disseram a Jeremias:
16. "Nenhum de nós vai obedecer a isso que você acabou de nos falar em nome de Javé.
17. Nós faremos aquilo que prometemos: queimaremos incenso para a rainha do céu e derramaremos vinho em honra dela. Faremos da mesma forma como fizemos, assim como nossos antepassados, nossos reis e nossos chefes fizeram nas cidades de Judá ou nas ruas de Jerusalém, quando nos fartávamos de pão, éramos felizes e não conhecíamos a desgraça.
18. Pois quando paramos de queimar incenso para a rainha do céu e de derramar vinho em sua honra, começou a faltar tudo, e nós morremos pela espada e pela fome".
19. As mulheres disseram: "Quando nós estamos queimando incenso à rainha do céu e derramando vinho em sua honra, é por acaso sem o consentimento de nossos maridos que nós fazemos bolos com a figura dela e derramamos vinho em sua honra?"
20. A todo o povo que lhe tinha respondido dessa forma, homens ou mulheres, assim disse Jeremias:
21. "Será que Javé não se lembra e não tem mais em mente todo o incenso que vocês queimavam nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, exatamente como faziam seus antepassados, reis, chefes e proprietários de terra?
22. Javé não foi capaz de agüentar mais a maldade que vocês faziam, as abominações que vocês praticavam. Por isso, o país se converteu em ruína, espanto e maldição, sem nenhum habitante, até o dia de hoje.
23. Vocês queimaram incenso e pecaram contra Javé, desobedecendo a Javé, não procedendo conforme sua lei, seus estatutos e ordens; por isso aconteceu a vocês essa desgraça, que dura até o dia de hoje".
24. Jeremias falou também a todo o pessoal, especialmente às mulheres: "Ouça a palavra de Javé, Judá inteiro que está no Egito:
25. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Vocês e suas mulheres não só falaram, mas também cumpriram com suas próprias mãos o que disseram: 'Nós cumpriremos os votos que fizemos de queimar incenso à rainha do céu e de derramar vinho em sua honra'. Mantenham, pois, a promessa e cumpram o voto.
26. Contudo, ouçam a palavra de Javé, judeus todos que moram no Egito: Eu juro por meu nome grandioso, diz Javé, que nenhum judeu, em todo o país do Egito, invocará mais o meu nome, dizendo: 'Pela vida do Senhor Javé'.
27. Eu os vigiarei para o mal e não para o bem deles; e todo judeu que estiver morando no Egito vai morrer pela espada e pela fome, até acabarem todos.
28. Um pequeno número que escapar da espada voltará do Egito para o país de Judá. Então o resto de Judá que foi para o Egito saberá qual é a palavra que vai valer, se a deles ou a minha.
29. Para vocês ficarem sabendo que minhas palavras de ameaça contra vocês prevalecerão e que eu castigarei vocês neste país - oráculo de Javé - haverá este sinal:
30. Assim diz Javé: Eu entregarei o Faraó Hofra, rei do Egito, nas mãos de seus inimigos, daqueles que o querem matar, assim como entreguei Sedecias, rei de Judá, nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, que era inimigo dele e que o queria matar".

[Jeremias 45]
Jeremias 45

O DOM DA VIDA
1. Palavra que o profeta Jeremias disse a Baruc, filho de Nerias, quando este copiava num pergaminho as palavras ditadas por Jeremias, no quarto ano de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá:
2. Assim diz Javé, o Deus de Israel, para você, Baruc:
3. Você disse: "Pobre de mim! Javé soma tristeza à minha dor! Estou cansado de gemer e não tenho descanso!"
4. Assim você dirá a Baruc: Assim diz Javé: Estou derrubando o que eu mesmo construí, estou arrancando o que eu mesmo plantei, e isso em todo o país.
5. E você está preocupado com grandezas? Não as procure. Pois eu já estou fazendo chegar uma desgraça para todo mundo - oráculo de Javé. Quanto a você, porém, eu lhe darei a vida como despojo, em qualquer lugar para onde você for.

[Jeremias 46]
V. JAVÉ JULGA AS NAÇÕES

Jeremias 46

NÃO HÁ CURA PARA O EGITO
1. Palavra de Javé dirigida ao profeta Jeremias sobre as nações.
2. Contra o Egito. Contra o exército do Faraó Necao, rei do Egito, que esteve em Carquemis, à margem do rio Eufrates, onde foi derrotado por Nabucodonosor, rei da Babilônia, no quarto ano de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá:
3. Preparem o escudo pequeno e o grande, e avancem para a guerra.
4. Cavaleiros, selem os cavalos e montem. Apresentem-se com os capacetes, afiem as lanças, vistam a armadura.
5. Por que eu vi todos apavorados e correndo para trás? Seus valentes foram derrotados e estão fugindo sem olhar para trás. O terror está em toda parte - oráculo de Javé.
6. Que o ligeiro não escape, nem fuja o valente. Foi lá no Norte, à beira do rio Eufrates, que eles tropeçaram e caíram.
7. Quem é esse que sobe como o rio Nilo e como um rio de águas agitadas?
8. É o Egito que sobe como o Nilo e como um rio de águas agitadas. Ele diz: "Eu vou subir e cobrir a terra; vou arrasar cidades com todos os seus habitantes".
9. Vamos, cavalos; depressa com os carros; que partam os guerreiros; etíopes e líbios armados de escudo, e ludianos que retesam o arco.
10. É hoje o dia do Senhor Javé dos exércitos: dia de vingança, para vingar-se de seus inimigos. A espada devora, fica saciada e se embriaga de sangue, porque isso é um sacrifício para o Senhor Javé dos exércitos, no país do Norte, à beira do rio Eufrates.
11. Vá até Galaad buscar bálsamo, jovem filho do Egito; não adianta multiplicar remédios, não há cura para você.
12. As nações souberam da sua desonra, seus gritos de dor encheram o mundo. Soldado tropeçou em soldado e caíram juntos os dois.

O EGITO CASTIGADO
13. Palavra que Javé dirigiu ao profeta Jeremias quando Nabucodonosor, rei da Babilônia, chegou para derrotar o país do Egito.
14. Anunciem no Egito, levem a notícia a Magdol, contem tudo em Mênfis e Táfnis. Digam: "Levante-se e prepare-se, porque a espada está devorando tudo ao redor".
15. Por que Ápis fugiu e seu touro sagrado não resiste? Foi porque Javé o derrubou.
16. Ele multiplicou os que tropeçam, um cai por cima do outro. E gritam: "De pé! Voltemos para o nosso povo, para a nossa terra natal, longe da espada mortífera".
17. Será dado ao Faraó, rei do Egito, o nome de Trovão-fora-de-hora.
18. Eu juro por mim mesmo - oráculo do Rei, que se chama Javé dos exércitos: Alguém chegará, tão certo como o Tabor está entre as montanhas e o monte Carmelo à beira mar.
19. Prepare a bagagem para o exílio, habitante do Egito, porque Mênfis será transformada em deserto, será devastada e ficará sem moradores.
20. O Egito parecia uma novilha bonita, mas a mutuca veio do Norte e pousou sobre ela.
21. Seus soldados contratados pareciam novilhos de estábulo, mas também eles viraram para trás e fugiram todos juntos, não resistiram, porque chegou para eles o dia da desgraça, a hora do seu castigo.
22. Sua voz é como da serpente que silva, porque avançam em bloco; e avançam contra ela como lenhadores com machados.
23. Cortam a sua floresta onde ninguém penetrava - oráculo de Javé. São mais numerosos que gafanhotos, são inumeráveis.
24. Foi derrotada a capital do Egito e entregue ao povo do Norte.
25. Javé dos exércitos, o Deus de Israel, é quem diz: Eu castigarei o deus Amon de Tebas, o Egito com seus deuses e reis, o Faraó e todos os que nele confiam.
26. Vou entregá-los nas mãos daqueles que os querem matar, Nabucodonosor, rei da Babilônia, e seus ministros. Depois disso, porém, o Egito será habitado de novo, como nos tempos antigos - oráculo de Javé.

NÃO TENHA MEDO, JACÓ
27. Não tenha medo, meu servo Jacó; não se apavore, Israel! Eu o trarei são e salvo do país longínquo, e sua descendência voltará do exílio. Jacó voltará e viverá tranqüilo, em paz, sem que o perturbem.
28. Não tenha medo, meu servo Jacó - oráculo de Javé - porque eu estou com você: vou arrasar todas as nações por onde espalhei você. Não vou arrasar você. Vou castigar você com justiça, mas não o deixarei sem castigo.

[Jeremias 47]
Jeremias 47

CONTRA OS FILISTEUS
1. Palavra de Javé ao profeta Jeremias contra os filisteus, antes que o Faraó atacasse a cidade de Gaza.
2. Assim diz Javé: Olhe para as águas que se avolumam no Norte: elas se tornam uma torrente que transborda, alagando o país e tudo o que nele existe, as cidades e seus habitantes. Todos gritam e a população do país geme,
3. ouvindo o tropel dos cavalos dos guerreiros mais valentes do inimigo, ouvindo o rumor dos seus carros, o barulho de suas rodas. Os pais, com as mãos fracas, já não olham por seus filhos,
4. por causa do dia que chegou para destruir todos os filisteus, para cortar de Tiro e Sidônia todo o resto que os possa socorrer: Javé destrói os filisteus, o resto da ilha de Creta.
5. Em Gaza raspam a cabeça e Ascalon emudece. E você, resto dos enacim, até quando vai ferir o próprio corpo?
6. Espada de Javé, até quando estará sem descanso? Recolha-se na bainha, pare e se acalme!
7. Como ela pode descansar, se Javé lhe deu uma ordem contra Ascalon e o litoral?

[Jeremias 48]
Jeremias 48

CONTRA MOAB
1. Contra Moab. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Pobre do monte Nebo, que foi arrasado; Cariataim foi vergonhosamente destruída; a fortaleza vergonhosamente abatida!
2. Acabou a fama de Moab! Em Hesebon tramaram a desgraça contra ela: "Vamos eliminar esta cidade do meio das nações". Também você, Madmena, será reduzida ao silêncio: a espada persegue você.
3. De Oronaim se ouve um grito: "Devastação! Um desastre imenso!"
4. Moab foi esmagada: seus pequenos fazem ouvir um grito.
5. Chorando, sobe-se a ladeira de Luit, e na descida de Oronaim se ouvem gritos de derrota.
6. Fujam, salvem a vida, como o burro selvagem no deserto.
7. Porque você pôs a confiança nas suas obras e tesouros, você também irá presa, e Camos irá para o exílio junto com seus sacerdotes e chefes.
8. Virá um devastador contra toda cidade, e nenhuma escapará. O vale será destruído e o planalto será arrasado, conforme diz Javé.
9. Dêem asas a Moab, para que ele possa voar. As suas cidades se tornarão um deserto, porque não haverá nenhum habitante.
10. Maldito aquele que cumpre com negligência a missão que Javé lhe deu; maldito aquele que poupa a sua espada de derramar sangue.
11. Desde a juventude, Moab viveu tranqüilo, descansava como o vinho com sua borra, sem nunca ser mudado de uma vasilha para outra. Moab nunca foi levado para o exílio; por isso, conservava seu sabor, e seu perfume não mudava.
12. Chegarão dias - oráculo de Javé - quando eu mandarei gente para mudar Moab de vasilha. Esvaziarão as antigas vasilhas e as quebrarão.
13. Então Moab ficará decepcionado com o seu deus Camos, como a casa de Israel se decepcionou com Betel, na qual confiava.
14. Como vocês podem dizer: "Nós somos valentes, prontos para a guerra"?
15. Moab será destruído, suas cidades foram invadidas e a nata da sua juventude desceu ao matadouro oráculo do Rei, que se chama Javé dos exércitos.
16. Está próxima a ruína de Moab, sua desgraça vem depressa.
17. Chorem por ele todos os seus vizinhos, todos aqueles que o conhecem pelo nome. E digam: "Como pôde quebrar um galho tão forte, um ramo tão bonito?"
18. Desça da sua glória e sente no chão árido, povo que mora em Dibon, pois até aí chegou aquele que devastou Moab, e ele destruiu suas fortalezas.
19. Coloque-se no caminho e observe, habitante de Aroer: a quem fugiu ou escapou, pergunte o que foi que aconteceu.
20. Moab está envergonhado, porque foi destruído. Gritem e clamem, anunciem sobre o rio Arnon que Moab foi destruído.
21. O julgamento veio contra a Planície, contra Helon, Jasa, Mefaat,
22. Dibon, Nebo, Bet-Deblataim,
23. Cariataim, Bet-Gamul, Maon,
24. Cariot, Bosra, contra todas as cidades do país de Moab, tanto as mais vizinhas como as mais distantes.
25. Cortaram a força de Moab, quebraram-lhe os braços - oráculo de Javé.
26. Embriaguem Moab, porque se levantou contra Javé. Moab cairá sobre o seu próprio vômito, tornando-se motivo de caçoada.
27. Será que Israel também não foi motivo de caçoada para você? Ou será que Israel foi encontrado no meio de ladrões, para que você abane a cabeça sempre que fala dele?
28. Habitantes de Moab, abandonem as cidades, vão morar nos rochedos! Sejam como pomba que constrói seu ninho à beira do abismo.
29. Ouvimos falar da soberba de Moab, do seu orgulho sem medida, de sua soberba, vaidade e arrogância, e da altivez do seu coração.
30. Conheço a sua arrogância - oráculo de Javé - a inconsistência de suas tagarelices e o vazio de suas obras.
31. Por isso, eu lamento por Moab, grito de dor por Moab inteiro, gemo pelos habitantes de Quir-Hares.
32. Choro por você mais do que chorei por Jazer, ó vinhedo de Sábama. Os seus ramos atingiam o mar e chegavam até Jazer. O invasor caiu sobre sua colheita e sobre as uvas que você apanhou.
33. A alegria e a animação sumiram dos pomares e do país de Moab. Acabei com o vinho dos tonéis, não há mais ninguém amassando uvas, já que não se ouve mais o canto de alegria.
34. Os gritos de Hesebon e Eleale chegam até Jasa. O grito vai de Segor até Oronaim e Eglat-Salisia, pois até as águas de Nemrim se tornaram um deserto.
35. Farei desaparecer em Moab - oráculo de Javé - quem sacrifica nos lugares altos e aquele que queima incenso a seus deuses.
36. Por isso o meu coração chora por Moab como flauta, chora como flauta pelos habitantes de Quir-Hares, pois foi destruído tudo o que ela acumulou.
37. Sim, toda cabeça foi raspada e toda barba foi cortada, todos feriram as próprias mãos, todos se vestiram de luto.
38. Em todos os terraços de Moab e em todas as praças estão todos de luto, pois eu quebrei Moab como se fosse uma vasilha inútil - oráculo de Javé.
39. Como está arrasado! Chorem! Como Moab voltou vergonhosamente as costas! Como Moab se tornou motivo de caçoada e espanto para seus vizinhos!
40. Assim diz Javé: Olhem! O inimigo voa como águia, estendendo suas asas sobre Moab:
41. tomou suas cidades, capturou suas fortalezas. Nesse dia, o ânimo dos guerreiros de Moab será como o ânimo da mulher em dores de parto.
42. Moab foi arrasado para não ser mais um povo, pois ele quis ser grande diante de Javé.
43. Terror, armadilha e laço é tudo o que espera por você, morador de Moab - oráculo de Javé.
44. Quem fugir do terror, cairá na armadilha; se conseguir sair da armadilha, será pego pelo laço, pois eu faço chegar para Moab o ano do seu castigo - oráculo de Javé.
45. Os fugitivos pararam perto de Hesebon, já sem forças, pois um fogo subia de Hesebon, labaredas saíam do palácio de Seon. Queimavam as têmporas de Moab e o crânio dos homens turbulentos.
46. Ai de você, Moab! Você está perdido, povo do deus Camos, pois seus filhos foram levados para o cativeiro, e suas filhas para a escravidão.
47. Mas nos últimos dias eu mudarei a sorte de Moab - oráculo de Javé. Aqui termina o julgamento de Moab.

[Jeremias 49]
Jeremias 49

CONTRA AMON
1. Contra os amonitas. Assim diz Javé: Será que Israel não tem filhos, será que não tem herdeiros? Por que o deus Melcom se apossou das terras de Gad e o povo dele passou a morar em suas cidades?
2. Chegarão dias - oráculo de Javé - quando eu farei ouvir gritos de guerra em Rabá, capital de Amon; a cidade se tornará um montão de ruínas e os outros povoados serão destruídos pelo fogo. Então Israel despojará os que o despojaram, diz Javé.
3. Gema, Hesebon, pois o devastador está chegando. Gritem de dor, povoados de Rabá, vistam-se de luto, batam no peito, marquem o próprio corpo, pois o deus Melcom irá para o exílio junto com seus sacerdotes e chefes.
4. Como você se orgulhava do seu vale, cidade rebelde, confiando em seus tesouros! Você pensava: "Quem virá contra mim?"
5. Veja! Eu vou mandar contra você o terror - oráculo do Senhor Javé dos exércitos - o terror que virá de todos os lados: cada um fugirá numa direção e ninguém reagrupará os fugitivos.
6. Depois disso, porém, eu mudarei a sorte dos amonitas - oráculo de Javé.

CONTRA EDOM
7. Contra Edom. Assim diz Javé dos exércitos: Será que não existe mais sabedoria em Temã, será que desapareceu o conselho dos homens prudentes e jogaram fora a sabedoria?
8. Fujam, partam, escondam-se bem, moradores de Dadã, porque eu trarei para Esaú a desgraça que lhe cabe, a hora do seu castigo.
9. Se os vindimadores vierem até você, não deixarão sobrar nada; se ladrões vierem à noite, saquearão à vontade.
10. Porque eu pretendo tirar a roupa de Esaú e descobrir seus esconderijos; e ele não poderá se esconder. A sua raça acabou, seus parentes e vizinhos já não existem mais.
11. Deixe seus órfãos, e eu os farei viver; as suas viúvas podem confiar em mim.
12. Porque assim diz Javé: Se aqueles que não mereciam beber este cálice acabaram bebendo, será que você vai ficar sem esse castigo? Não! Você não ficará impune, mas deverá bebê-lo.
13. Juro por mim mesmo - oráculo de Javé - que a sua capital Bosra será objeto de espanto e zombaria; será ruína e maldição, e suas cidades todas se transformarão em ruína eterna.
14. Eu ouvi uma mensagem de Javé, um mensageiro foi enviado às nações: "Reúnam-se, e marchem contra Edom! Levantem-se para a guerra".
15. Veja! Eu o tornarei pequeno em meio às nações e desprezado entre os homens.
16. O terror que você provoca e a arrogância do seu coração o enganaram: você mora nos cumes da rocha e se agarra nos picos da montanha! Mesmo que você faça o seu ninho no alto como águia, eu o jogarei de lá de cima - oráculo de Javé.
17. Edom se tornará objeto de espanto: todos os que por aí passarem assobiarão, espantados, ao ver suas feridas.
18. Será como na destruição de Sodoma e Gomorra e cidades vizinhas, diz Javé: "Aí ninguém mais vai morar, aí ninguém mais vai se hospedar".
19. Como leão que sobe do deserto do Jordão para os pastos verdes, assim, de repente, eu os expulsarei daí e, no seu lugar, colocarei quem for escolhido. Quem é como eu? Quem poderá me desafiar? Qual é o pastor que pode resistir a mim?
20. Por isso, escutem a decisão de Javé, decisão que ele tomou sobre Edom; escutem o plano que ele traçou contra os habitantes de Temã: As menores ovelhas serão arrastadas para longe e as pastagens desaparecerão diante delas!
21. Com o barulho de sua queda, a terra vai tremer, e seu grito de dor será ouvido no mar Vermelho.
22. O inimigo voa como águia, estendendo suas asas sobre Bosra. Nesse dia, o ânimo dos guerreiros de Edom será como o ânimo da mulher em dores de parto.

CONTRA DAMASCO
23. Contra Damasco. Emat e Arfad estão confusas, porque ouviram uma notícia terrível. Elas se agitam de aflição como o mar, e não podem acalmar-se.
24. Damasco desfalece e prepara a fuga; o medo se apodera dela: está possuída de angústia e dores, como a mulher que está dando à luz.
25. Está abandonada a cidade famosa, a capital da alegria!
26. Nesse dia, seus jovens cairão pelas praças e a morte calará seus guerreiros - oráculo de Javé dos exércitos.
27. Porei fogo nas muralhas de Damasco, para incendiar os palácios de Ben-Adad.

CONTRA CEDAR
28. Contra Cedar e os reinos de Hasor, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, derrotou. Assim diz Javé: Vamos! Para a luta contra Cedar! Vamos destruir os orientais.
29. Peguem suas tendas e seus rebanhos, suas lonas e objetos, carreguem seus camelos e gritem contra eles: "Terror de todos os lados!"
30. Fujam, corram depressa, escondam-se bem, moradores de Hasor - oráculo de Javé - pois Nabucodonosor, rei da Babilônia, tomou uma decisão, traçou um plano contra vocês:
31. "Vamos! Para a guerra contra essa nação tranqüila, que vive tão segura. Eles não têm portas nem trancas e vivem isolados.
32. Seus camelos serão uma presa e seus numerosos rebanhos um despojo". Espalharei por todos os ventos essas têmporas raspadas, e de todos os lados vou levar a ruína para eles - oráculo de Javé.
33. Hasor se tornará abrigo de chacais e deserto para sempre. Aí ninguém mais vai habitar, nenhum homem vai morar nela.

CONTRA ELAM
34. Palavra de Javé contra Elam, dirigida ao profeta Jeremias no início do reinado de Sedecias, rei de Judá:
35. Assim diz Javé dos exércitos: Olhe! Eu vou quebrar o arco de Elam e os melhores de seus soldados.
36. Vou trazer sobre Elam quatro ventos, dos quatro cantos do céu. Espalharei o seu povo na direção desses ventos, e não haverá nação no mundo onde não se encontre alguém expulso de Elam.
37. Farei que os elamitas tremam diante de seus inimigos, diante daqueles que querem matá-los. Vou trazer a desgraça sobre eles, o furor da minha ira - oráculo de Javé. Mandarei a espada persegui-los até que acabe com eles.
38. Colocarei o meu trono em Elam e exterminarei aí reis e chefes - oráculo de Javé.
39. Mas, nos últimos dias, mudarei a sorte de Elam - oráculo de Javé.

[Jeremias 50]
Jeremias 50

CONTRA A BABILÔNIA
1. Palavra de Javé contra a Babilônia, terra dos caldeus, por meio do profeta Jeremias:
2. Anunciem entre as nações, façam ouvir, levantem a bandeira, façam ouvir, não se calem; digam: "Babilônia foi tomada, o deus Bel fracassou, Merodac foi arrasado, seus ídolos foram derrotados e suas imagens destruídas".
3. Porque uma nação do Norte atacou a Babilônia e transformará o país num lugar arrasado, onde não mora ninguém. Homens e animais fugiram todos, foram-se embora.
4. Nesses dias e nesse tempo - oráculo de Javé - os filhos de Israel virão chorando juntamente com os filhos de Judá, à procura de Javé, o Deus deles.
5. Perguntarão por Sião, e a face deles estará voltada para ela: "Venham! Vamos fazer com Javé uma aliança eterna, que jamais será esquecida!"
6. O meu povo era um rebanho perdido, que seus pastores deixavam extraviar-se pelos montes; andavam dos montes para as colinas, e esqueceram o seu curral.
7. E quem encontrava as minhas ovelhas, as agarrava para comer, dizendo: "Nós não somos culpados, foram eles que pecaram contra Javé, morada da Justiça, a esperança de seus antepassados!"
8. Fujam da Babilônia, do país dos caldeus. Saiam como cabritos, na frente do rebanho.
9. Pois eu farei levantar-se e vir contra a Babilônia um grupo de nações poderosas, vindas do Norte, organizadas contra ela; e elas tomarão o país pelo Norte. Suas flechas são como de guerreiro bem treinado, que não volta de mãos vazias.
10. Os caldeus se tornarão objeto de saque, e seus saqueadores se fartarão - oráculo de Javé.
11. Juntem-se, triunfem, devastadores da minha herança! Pulem como novilhas no pasto, relinchem como potros.
12. A mãe de vocês ficará envergonhada, aquela que os gerou está coberta de vergonha. Vejam! É a última das nações, é um lugar descampado, seco e deserto.
13. Por causa do furor de Javé, ela nunca mais será habitada: o país inteiro será uma ruína só. E quem passar pela Babilônia, assobiará, assustado com tanta desgraça.
14. Arqueiros todos, estejam a postos para atacar a Babilônia por todos os lados. Atirem contra ela, sem poupar suas flechas, pois ela pecou contra Javé.
15. Gritem contra ela por todos os lados. Ela já ergueu as mãos: seus pilares caíram, suas muralhas foram derrubadas, porque esta é a vingança de Javé: vinguem-se dela. Façam com ela o mesmo que ela fez.
16. Eliminem da Babilônia o lavrador que planta e o que puxa a foice na hora da colheita. Diante da espada devastadora, cada um volte para o seu povo, cada qual fuja para a sua terra.
17. Israel era uma ovelha desgarrada, que os leões afugentaram. Quem primeiro a devorou foi o rei da Assíria; depois, Nabucodonosor, rei da Babilônia, quebrou-lhe os ossos.
18. Por isso, assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: Olhem! Eu vou castigar o rei da Babilônia e o seu país, como castiguei o rei da Assíria.
19. Farei Israel voltar para sua pastagem, a fim de pastar no Carmelo e em Basã; ele ficará saciado na montanha de Efraim e em Galaad.
20. Nesses dias e nesse tempo - oráculo de Javé - procurarão a culpa de Israel, mas ela não existirá mais; procurarão os pecados de Judá, mas não serão encontrados; porque eu perdoarei tudo o que eu mesmo tiver deixado como resto.
21. Avancem contra o país de Merataim, subam contra ele e contra os habitantes de Facud. Massacre-os, extermine-os até o último - oráculo de Javé. Faça tudo conforme eu lhe ordenei.
22. Barulho de guerra no país. É uma grande derrota!
23. Como foi quebrado e destruído o martelo de toda a terra? Como Babilônia se tornou espanto entre as nações?
24. Preparei uma armadilha para você, Babilônia, e você ficou presa sem o perceber. Você foi surpreendida e dominada, porque se rebelou contra Javé.
25. Javé abriu o seu arsenal e tirou as armas da sua ira, pois há um serviço para o Senhor Javé dos exércitos na terra dos caldeus.
26. Venham a ela de todas as partes, abram os celeiros, amontoem seus feixes e destruam tudo, sem deixar nada.
27. Matem todos os seus touros: que venham ao matadouro. Ai deles! Chegou o dia e a hora do seu castigo.
28. Ouçam os fugitivos que escaparam da Babilônia! Eles levam a Sião a notícia da vingança de Javé, o nosso Deus, a vingança do seu Templo.
29. Convoquem para a Babilônia os arqueiros, aqueles que sabem manejar o arco. Fechem o cerco: que ninguém escape. Cobrem dela os seus atos; façam com ela tudo o que fez, porque foi arrogante contra Javé, contra o Deus santo de Israel.
30. Por isso, nesse dia, os seus jovens ficarão caídos pelas praças, e a morte vai calar seus guerreiros - oráculo de Javé.
31. Aqui estou eu contra você, ó Arrogante, oráculo de Javé dos exércitos - pois chegou o dia, a hora do seu castigo.
32. A Arrogante tropeçará, cairá, e ninguém a levantará. Porei fogo nas suas cidades para queimar tudo ao redor.
33. Assim diz Javé dos exércitos: Os filhos de Israel e de Judá sofrem juntos a opressão, e aqueles que os exilaram os retêm e se negam a soltá-los.
34. Mas o redentor deles é forte: Javé dos exércitos é o seu nome. Ele cuidará da causa deles, tornará o país tranqüilo, abalando os habitantes da Babilônia.
35. Espada contra os caldeus - oráculo de Javé - contra os habitantes da Babilônia; contra seus chefes e contra seus sábios.
36. Espada contra seus adivinhos, para que enlouqueçam. Espada contra seus valentes, para que se amedrontem.
37. Espada contra seus cavalos e carros, e contra toda a multidão que aí existe, para que fiquem como as mulheres. Espada contra seus tesouros, para que sejam saqueados.
38. Espada contra seus canais, para que fiquem secos, porque é um país de ídolos, que se gloria de seus espantalhos.
39. Por isso, aí habitarão chacais, hienas e avestruzes; não será mais habitada nem povoada de geração em geração.
40. Como quando Javé destruiu Sodoma e Gomorra e cidades vizinhas - oráculo de Javé - ninguém mais habitará aí, nem homem algum nela residirá.
41. Vejam! Um povo está chegando do Norte, uma grande nação e reis numerosos surgem das extremidades da terra:
42. armados de arcos e dardos, são violentos e sem compaixão. Seus gritos ressoam como o mar, avançam a cavalo, formados em ordem de batalha, como se fossem um só homem, contra você, Babilônia.
43. Ao ouvir a fama deles, o rei da Babilônia se acovarda; cada vez em maior aperto, sofre como se estivesse dando à luz.
44. Como leão que sobe da planície do Jordão para pastos verdes, assim, de repente, eu os expulsarei daí da Babilônia; e, no seu lugar, colocarei quem for escolhido. Quem é como eu? Quem poderá me desafiar? Qual é o pastor que pode resistir a mim?
45. Por isso, escutem a decisão de Javé, decisão que ele tomou sobre a Babilônia; escutem o plano que ele traçou contra a terra dos caldeus: As menores ovelhas serão arrastadas para longe, e as pastagens desaparecerão diante delas!
46. Com o barulho de sua queda, a terra vai tremer, e o seu grito de dor será ouvido pelas nações.

[Jeremias 51]
Jeremias 51

1. Assim diz Javé: Mobilizarei contra a Babilônia e os caldeus um vento destruidor.
2. Mandarei contra a Babilônia abanadores que a abanarão e esvaziarão o seu território, porque de todos os lados virão contra ela, no dia da desgraça.
3. Que o arqueiro não deponha o arco, nem tire a couraça. Não tenham compaixão dos mais jovens; exterminem o exército dela.
4. Feridos estarão tombados pelo país dos caldeus afora, espalhados pelas ruas da cidade,
5. porque Israel e Judá não são viúvas do seu Deus Javé dos exércitos, enquanto o país dos caldeus é devedor ao Santo de Israel.
6. Fujam da Babilônia; salve-se quem puder! Não morram pelo crime dela, porque é a hora da vingança de Javé, é o pagamento que a Babilônia merece.
7. Nas mãos de Javé, a Babilônia era uma taça de ouro, que embriagava o mundo inteiro. As nações beberam do seu vinho e, por isso, enlouqueceram.
8. De repente, a Babilônia caiu e se quebrou. Gemam por ela, ponham bálsamo na sua ferida, para ver se ela sara.
9. Nós tratamos Babilônia, mas ela não sara. Vamos deixá-la! Vamos cada um para a nossa terra, pois a sentença contra Babilônia chegou até o céu e sobe até às nuvens.
10. Javé fez brilhar nossos direitos; vamos contar em Sião tudo o que fez Javé, o nosso Deus.
11. Afiem as flechas e encham com elas as aljavas. Javé instigou os reis dos medos, porque ele quer destruir a Babilônia: é a vingança de Javé, a vingança do seu Templo.
12. Levantem a bandeira contra as muralhas da Babilônia, reforcem a guarda, ponham sentinelas, preparem armadilhas, porque assim como planejou, Javé executará tudo o que disse contra os moradores da Babilônia.
13. Moradora da beira dos grandes canais, rica em tesouros, chegou o seu fim, o limite da sua existência.
14. Javé dos exércitos jura por sua própria vida: "Eu vou enchê-la de homens como gafanhotos, e eles cantarão vitória sobre você".
15. Com seu poder, Javé fez a terra; com sua sabedoria, firmou o mundo; e, com sua inteligência, estendeu o céu.
16. Ao barulho do seu trovão, as águas se agitam no céu, no horizonte ele faz subir as nuvens; produz raios para derramar a chuva e faz o vento sair dos seus reservatórios.
17. Todo homem se torna ignorante e não entende nada; o ourives fica desiludido com o seu ídolo: sua estátua é de mentira, nela não existe vida.
18. Os ídolos são vazios e ilusórios; na hora do acerto de contas serão destruídos.
19. Não é assim a Herança de Jacó, pois ele formou todas as coisas, e Israel é a tribo da sua herança. E o nome dele é Javé dos exércitos.
20. Você, Babilônia, foi o martelo, a minha arma de guerra: contigo martelei nações, contigo destruí reinos,
21. contigo martelei cavalo e cavaleiro, contigo martelei carro e cocheiro,
22. contigo martelei homens e mulheres, contigo martelei velhos e jovens, contigo martelei moços e moças,
23. contigo martelei pastores e rebanhos, contigo martelei lavradores e juntas de bois, contigo martelei governadores e prefeitos.
24. Mas eu devolverei à Babilônia e a todos os caldeus, bem diante dos olhos de vocês, todo o mal que eles fizeram a Sião - oráculo de Javé.
25. Aqui estou eu contra você, montanha devastadora, que exterminou a terra inteira - oráculo de Javé. Levantarei minha mão contra você, e a farei rolar da altura das rochas, e a transformarei em montanha queimada.
26. Nunca mais tirarão de você uma pedra angular, nem pedra de alicerce, porque você será transformada em ruína eterna - oráculo de Javé.
27. Ergam a bandeira no mundo, toquem a trombeta entre as nações, convocando para a guerra santa. Convoquem contra ela os reinos de Ararat, Meni e Asquenez; nomeiem contra ela um general, que os cavalos avancem como gafanhotos espinhosos.
28. Convoquem as nações para a guerra santa: os reis da Média com os seus governadores, todos os seus prefeitos com os territórios que eles governam.
29. A terra tremerá e se retorcerá quando se cumprir o plano de Javé contra a Babilônia, quando transformar Babilônia num deserto despovoado.
30. Os guerreiros da Babilônia desistem de lutar: estão sentados dentro de seus quartéis; acabou a valentia, tornaram-se mulheres. As casas da Babilônia foram incendiadas, suas trancas foram arrebentadas.
31. Um correio vai correndo, alcança o outro, e um mensageiro alcança o outro, para levar ao rei da Babilônia a notícia de que a sua cidade foi tomada de todos os lados:
32. fecharam as passagens, puseram fogo nos quartéis e os soldados ficaram tomados de pânico.
33. Assim diz Javé dos exércitos, o Deus de Israel: A capital da Babilônia é como o terreiro no tempo em que é pisado: logo chegará para ela o tempo da colheita.
34. Nabucodonosor, rei da Babilônia, me devorou, rapou tudo, deixou-me como prato limpo; como dragão ele me engoliu, ficou de barriga cheia e me vomitou.
35. "Recaia sobre a Babilônia o meu sofrimento e a minha carne ferida", diz o morador de Sião. "Recaia o meu sangue sobre os caldeus", diz Jerusalém.
36. Por isso, assim diz Javé: Aqui estou eu para defender sua causa e executar sua vingança. Secarei o mar da Babilônia e esgotarei suas fontes,
37. e então Babilônia se tornará um montão de ruínas, um esconderijo de chacais, motivo de espanto e caçoada, e sem habitantes.
38. Como leões, rugirão em coro, rugirão como filhotes de leão.
39. Quando estiverem bem quentes, farei com que bebam até se embriagarem e caírem no sono, um sono eterno, para nunca mais acordarem - oráculo de Javé.
40. Farei com que desçam para o matadouro como cordeiros, como carneiros e bodes.
41. Como foi conquistada Babilônia, capturado esse orgulho do mundo! Como a Babilônia se transformou num espanto para as nações!
42. Parece que o mar subiu até Babilônia, e ela foi coberta pelas ondas impetuosas.
43. Suas cidades ficaram desoladas como terra seca e deserta, terra que ninguém habita, que nenhum mortal atravessa.
44. Acertarei contas com o deus Bel na Babilônia; tirarei da sua boca tudo o que ele engoliu. Nunca mais as nações irão para ele. Até as muralhas da Babilônia cairão.
45. Saia daí, povo meu! Salve-se da ardente ira de Javé.
46. Não fiquem desanimados, nem tenham medo por causa dos boatos que se escutam no país. Cada ano é um boato: violência no país, um tirano depois do outro.
47. Porque chegarão dias em que acertarei contas com os ídolos da Babilônia: o país ficará confuso, e cadáveres ficarão caídos no meio dele.
48. O céu e a terra e o que neles existe clamarão contra a Babilônia, quando do Norte vier sobre ela o destruidor - oráculo de Javé.
49. Babilônia cairá pelas vítimas de Israel, como por Babilônia caíram vítimas do mundo inteiro.
50. Vocês que escaparam da espada, vão embora, não fiquem aí parados. Mesmo de longe, invoquem a Javé, lembrando-se de Jerusalém:
51. "Nós estamos envergonhados, pois ouvimos falar do desaforo, e a desonra nos faz cobrir o rosto, pois estrangeiros chegaram a entrar no lugar mais santo do santuário de Javé".
52. Por isso, dias chegarão - oráculo de Javé - em que eu acertarei contas com os seus ídolos: então na Babilônia inteira haverá feridos gemendo.
53. Mesmo que a Babilônia suba até o céu, mesmo que ponha a sua fortaleza fora do alcance, lá nas alturas, eu lhe mandarei destruidores - oráculo de Javé.
54. Da Babilônia saem gritos de socorro, uma grande derrota na terra dos caldeus,
55. porque Javé destrói a Babilônia e põe fim a seus gritos, por mais que as suas ondas estrondem como oceano e ressoe o barulho de suas vozes.
56. Sim, chegou a destruição para a Babilônia: seus guerreiros serão presos e seus arcos se romperão, porque Javé é um Deus que recompensa e lhes dará seu pagamento.
57. Embriagarei seus ministros e conselheiros, governadores, prefeitos e militares; eles dormirão um sono eterno, e nunca mais acordarão - oráculo do Rei, cujo nome é Javé dos exércitos.
58. Assim diz Javé dos exércitos: Os muros da imensa Babilônia serão arrancados pela base e suas altas portas serão devoradas pelo fogo. Os povos trabalharam por nada, e as nações se cansaram para o fogo.
59. Ordem dada pelo profeta Jeremias a Saraías, filho de Nerias, neto de Maasias, quando Saraías viajou para a Babilônia com Sedecias, rei de Judá, no quarto ano do seu reinado. Saraías era o chefe dos camareiros.
60. Jeremias escreveu num livro todas as desgraças que iriam acontecer à Babilônia, tudo o que foi escrito sobre a Babilônia.
61. Depois disse a Saraías: "Logo que você chegar à Babilônia, leia em voz alta tudo o que aí está.
62. Em seguida, você dirá: 'Javé, tu ameaçaste destruir este lugar até deixá-lo desabitado, sem pessoas nem animais, transformando-o em desolação perpétua'.
63. Quando terminar de ler o livro, você o amarrará a uma pedra e o jogará no rio Eufrates,
64. dizendo: 'Assim se afundará a Babilônia, por causa das desgraças que eu envio contra ela'. " Aqui terminam as palavras de Jeremias.

[Jeremias 52]
VI. APÊNDICE HISTÓRICO

Jeremias 52

1. Sedecias tinha vinte e um anos de idade quando começou a reinar. Foi rei em Jerusalém por onze anos. Sua mãe chamava-se Hamital e era filha de Jeremias de Lebna.
2. Ele praticou o que é mau aos olhos de Javé, da mesma forma que o rei Joaquim.
3. Isso aconteceu em Jerusalém e Judá por causa da ira de Javé, a ponto de Javé expulsá-los de sua presença. Sedecias revoltou-se contra o rei da Babilônia.
4. No décimo dia do décimo mês do nono ano do reinado de Sedecias, Nabucodonosor, rei da Babilônia, chegou com todo o seu exército até Jerusalém, acampou perto da cidade e construiu torres de assalto em torno dela.
5. A cidade ficou sitiada até o décimo primeiro ano do reinado de Sedecias.
6. No nono dia do quarto mês, a fome dominava a cidade e já não havia comida para o cidadão comum.
7. Então abriu-se uma brecha na cidade. Todos os soldados fugiram de noite, pela porta que fica entre as duas muralhas junto ao jardim do rei. Havia caldeus vigiando a cidade por todos os lados. E os soldados tomaram o caminho do deserto.
8. Mas o exército dos caldeus saiu em perseguição ao rei e alcançou Sedecias nos campos de Jericó, enquanto suas tropas se espalharam, abandonando-o.
9. Prenderam o rei e o levaram até o rei da Babilônia, que estava em Rebla, no território de Emat, para que este decretasse a sentença contra ele.
10. O rei da Babilônia matou os filhos de Sedecias diante dos seus olhos. Matou também em Rebla todas as autoridades de Judá.
11. Depois furou os olhos de Sedecias, prendeu-o com algemas e mandou-o para a Babilônia, onde o colocou na prisão até a morte.
12. No décimo dia do quinto mês - que corresponde ao décimo nono ano do reinado de Nabucodonosor, rei da Babilônia - chegou a Jerusalém Nabuzardã, funcionário da corte do rei da Babilônia, chefe da guarda.
13. Ele pôs fogo no Templo de Javé, no palácio do rei e nas casas de Jerusalém, e incendiou todos os palácios.
14. A guarnição do exército dos caldeus, que acompanhava o chefe da guarda, derrubou as muralhas que rodeavam Jerusalém.
15. Nabuzardã, chefe da guarda, mandou para o exílio o resto que sobrou do povo na cidade, os que tinham passado para o lado do rei da Babilônia e o resto da multidão.
16. Só deixou ficar uma parte dos pobres da terra como trabalhadores das vinhas e pequenos lavradores.
17. Os caldeus quebraram as colunas de bronze, a bacia, os suportes, tudo o que havia de bronze no Templo de Javé, e levaram o bronze para a Babilônia.
18. Levaram também as panelas, pás, facas, aspersórios e bandejas, enfim, todos os outros objetos de bronze utilizados no culto.
19. O próprio chefe da guarda levou os copos, braseiros, aspersórios, panelas, castiçais, bandejas e cálices, que eram de ouro ou de prata.
20. Nem dá para calcular o peso do bronze que tinham esses objetos, que o rei Salomão mandara fazer para o Templo de Javé: as duas colunas de bronze, o mar de bronze com os doze bois que o sustentavam e que também eram de bronze.
21. Cada coluna tinha cerca de oito metros de altura, mais de dois metros e meio de circunferência e oito centímetros de espessura, e era oca.
22. Sobre ela havia um capitel de bronze de dois metros e meio de altura, enfeitado com trançados e romãs ao redor. A outra coluna era igual.
23. Havia noventa e seis romãs nos quatro lados, perfazendo o total de cem romãs em volta do trançado.
24. O chefe da guarda prendeu também o chefe dos sacerdotes, chamado Saraías, o segundo sacerdote, Sofonias, e três porteiros.
25. Da cidade ele prendeu um funcionário do palácio que comandava alguns soldados, sete homens do serviço pessoal do rei, que ainda se achavam na cidade, o escrivão-chefe que alistava os cidadãos no exército e ainda sessenta proprietários de terra que foram encontrados dentro da cidade.
26. Nabuzardã, chefe da guarda, os levou ao rei da Babilônia que estava em Rebla.
27. E o rei mandou matá-los aí em Rebla, na região de Emat. Assim, Judá foi exilado do seu país.
28. Foi o seguinte o número de pessoas que Nabucodonosor levou embora do país: no sétimo ano do seu reinado, três mil e vinte e três judeus;
29. no décimo oitavo ano, oitocentos e trinta e duas pessoas;
30. no vigésimo terceiro ano, o chefe da guarda Nabuzardã levou setecentos e quarenta e cinco judeus. Total: quatro mil e seiscentas pessoas.
31. No trigésimo sétimo ano do exílio de Joaquin, rei de Judá, no vigésimo quinto dia do décimo segundo mês, Evil-Merodac, rei da Babilônia, no ano em que começava a reinar, anistiou o rei Joaquin e o tirou da prisão.
32. Tratou-o com simpatia e colocou o seu assento acima de todos os outros reis que moravam com ele na Babilônia.
33. Joaquin deixou sua roupa de prisioneiro e passou a tomar refeições na presença do rei, permanentemente, até o fim da vida.
34. O rei da Babilônia lhe garantiu o sustento, sem falhar, até o fim da vida.

Send this page to a friend

St. Takla Church - Main IndexIndex of Antigo Testamento - BÍBLIA ON-LINE - Portuguese Bible (Brazil)

Like & share St-Takla.org

_


© Saint Takla Haymanout Website: Coptic Orhtodox Church - Alexandria, Egypt / URL: http://St-Takla.org / Contact us at

http://st-takla.org/Bibles/Portuguese-Bible/01-Antigo-Testamento/28-jeremias.html