All Coptic Links - Coptic Directory - Orthodox Church Directory The Agbeya - The Coptic Book of Prayers (English Agbiya + Arabic Agpeya) English Bible + Holy Bible in other languages - Arabic, French, Ethiopian Amharic Holy Bible, ArabicBible, Enjeel Saint Takla dot org - Main page - English Photo and Image Gallery: Jesus - Mary - Saints - St. Takla - Church - Priests - Bible - Activities - pictures and Icons.. Download and listen to Hymns - Carols - Midnight Praise (Tasbeha) - Midis - Videos - Liturgies - Masses - Sermons - Online Streaming St-Takla.org   Coptic Church Website Logo of Saint Takla Haymanot the Ethiopian Website - Alexandria - Egypt - موقع الأنبا تكلا هيمانوت FAQ - Frequently Asked Questions and Answers - Coptic and Christan Q&A - Faith, Creed, Site, Youth, Family, Holy Bible Contact Us - Address - Map - Online Support Send a free Christian and Coptic Greeting Cards to your friends موقع الكنيسة القبطية باللغة العربية - الموقع العربي StTaklaorg Site News and Updates Downloads.. Winamp Skins - Coptic fonts - Agbeya - Software - Freeware - Icons - Gallery - Mp3s Feedback - Submit URL - ideas - Suggestions.. Kids' Corner - Coloring - Songs - Games - Stories Free Coptic Books - Christian Arabic Books, Orthodox English Books  

Portuguese Bible - BÍBLIA ON-LINE - Antigo Testamento

 

[Jó 1]I. FIEL ATÉ NA MISÉRIA

Jó 1

RETRATO DE UM HOMEM FELIZ
1. Era uma vez um homem chamado Jó, que vivia no país de Hus. Era um homem íntegro e reto, que temia a Deus e evitava o mal.
2. Tinha sete filhos e três filhas.
3. Possuía também sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentas juntas de bois, quinhentas mulas e grande número de empregados. Jó era o mais rico dos homens do Oriente.
4. Os filhos de Jó costumavam fazer banquetes, um dia na casa de cada um, e convidavam as três irmãs para comer e beber com eles.
5. Quando terminavam esses dias de festa, Jó os mandava chamar, para purificá-los. Ele madrugava e oferecia um holocausto para cada um deles, pensando: "Talvez meus filhos tenham pecado, ofendendo Deus em seu coração". E Jó fazia assim todas as vezes.

EXISTE RELIGIÃO GRATUITA?
6. Certo dia, os anjos se apresentaram a Javé e, entre eles, foi também Satã.
7. Então Javé perguntou a Satã: "De onde você vem?" Satã respondeu: "Fui dar uma volta pela terra".
8. Javé lhe disse: "Você reparou no meu servo Jó? Na terra não existe nenhum outro como ele: é um homem íntegro e reto, que teme a Deus e evita o mal".
9. Satã respondeu a Javé: "E é a troco de nada que Jó teme a Deus?
10. Tu mesmo puseste um muro de proteção ao redor dele, de sua casa e de todos os seus bens. Abençoaste os trabalhos dele e seus rebanhos cobrem toda a região.
11. Estende, porém, a mão e mexe no que ele possui. Garanto que ele te amaldiçoará na cara!"
12. Então Javé disse a Satã: "Pois bem! Faça o que você quiser com o que ele possui, mas não estenda a mão contra ele". E Satã saiu da presença de Javé.

A FIDELIDADE DO POBRE
13. Certo dia, os filhos e filhas de Jó comiam e bebiam na casa do irmão mais velho.
14. Um mensageiro chegou à casa de Jó e lhe disse: "Os bois estavam arando e as mulas pastando perto deles.
15. Os sabeus caíram sobre eles, mataram os empregados a fio de espada e levaram o rebanho. Só eu escapei para lhe contar o que aconteceu".
16. Mal acabara de falar, quando chegou outro e disse: "Caiu um raio do céu e queimou e consumiu suas ovelhas e pastores. Só eu escapei para lhe contar o que aconteceu".
17. Mal acabara de falar, quando chegou outro e disse: "Um bando de caldeus, dividido em três grupos, caiu sobre os camelos e os levou embora, depois de matar os empregados a fio de espada. Só eu escapei para lhe contar o que aconteceu".
18. Mal acabara de falar, quando chegou outro e disse: "Seus filhos e filhas estavam comendo e bebendo na casa do irmão mais velho,
19. quando um furacão veio do deserto, atingindo a casa pelos quatro lados, e ela desabou sobre os jovens e os matou. Só eu escapei para lhe contar o que aconteceu".
20. Então Jó se levantou, rasgou a roupa, rapou a cabeça, caiu por terra,
21. e disse: "Nu eu saí do ventre de minha mãe, e nu para ele voltarei. Javé me deu tudo e Javé tudo me tirou. Bendito seja o nome de Javé!"
22. E, apesar de tudo, Jó não pecou e não acusou Deus de ter feito alguma coisa injusta.

[Jó 2]
Jó 2

ATÉ ONDE O POBRE É FIEL?
1. Certo dia,os anjos se apresentaram a Javé e, entre eles, foi também Satã.
2. Então Javé perguntou a Satã: "De onde você vem?" Satã respondeu: "Fui dar uma volta pela terra".
3. Javé lhe disse: "Você reparou no meu servo Jó? Na terra não existe nenhum outro como ele: é um homem íntegro e reto, que teme a Deus e evita o mal. Ele continua firme na sua integridade. E você, a troco de nada, me lançou contra ele para o aniquilar".
4. Satã respondeu a Javé: "Pele por pele! O homem dá tudo o que tem para manter a vida.
5. Estende, porém, a mão e o atinge na carne e nos ossos. Garanto que ele te amaldiçoará na cara!"
6. Então Javé disse a Satã: "Faça com ele o que você quiser, mas poupe a vida dele".
7. E Satã saiu da presença de Javé.

FIDELIDADE ATÉ O FIM Satã feriu Jó com feridas graves, desde a planta do pé até a cabeça.
8. Então Jó pegou um caco de telha para se coçar, sentado no meio da cinza.
9. Sua mulher lhe disse: "E você ainda continua em sua integridade? Amaldiçoe a Deus e morra de uma vez!"
10. Jó respondeu: "Você está falando como louca! Se aceitamos de Deus os bens, não devemos também aceitar os males?" E, apesar de tudo isso, Jó não ofendeu a Deus com palavras.

OS AMIGOS: SOLIDARIEDADE OU ACUSAÇÃO?
11. Nesse meio tempo, três amigos de Jó ficaram sabendo de todas as desgraças que o tinham atingido. Eram eles: Elifaz de Temã, Baldad de Suás e Sofar de Naamat. Cada um partiu de sua terra e se encontraram para compartilhar a dor de Jó e o consolar.
12. Quando o viram de longe, não o reconheceram, e começaram a chorar. Rasgaram a roupa e jogaram pó sobre a cabeça.
13. Depois sentaram-se no chão ao lado dele, por sete dias e sete noites. Vendo o enorme sofrimento de Jó, não lhe disseram nenhuma palavra.

[Jó 3]
II. QUEM ESTÁ ERRADO?

1. PRIMEIRO DEBATE

DESESPERO DE JÓ

Jó 3

MELHOR NÃO TER NASCIDO
1. Então Jóabriu a boca e amaldiçoou o dia do seu nascimento,
2. dizendo:
3. "Morra o dia em que nasci e a noite em que se disse: 'Um menino foi concebido'.
4. Que esse dia se transforme em trevas; que Deus, do alto, não cuide dele e sobre ele não brilhe a luz.
5. Que as trevas e as sombras o reclamem para si, que uma nuvem o cubra e um eclipse o torne pavoroso.
6. Que a escuridão se apodere desse dia, que ele não se some aos dias do ano e não entre na conta dos meses.
7. Que essa noite fique estéril e fechada aos gritos de alegria.
8. Que a maldigam os que maldizem o dia, os que sabem despertar Leviatã.
9. Que as estrelas da sua aurora escureçam, que espere a luz que não vem, e não veja as pálpebras da alvorada.
10. Pois essa noite não fechou as portas do ventre para mim, e não escondeu da minha vista tanta miséria.

MELHOR TER SIDO UM ABORTO
11. Por que não morri ao sair do ventre de minha mãe, ou não pereci ao sair de suas entranhas?
12. Por que dois joelhos me receberam, e dois peitos me amamentaram?
13. Agora eu repousaria tranqüilo e dormiria em paz,
14. junto com os reis e governantes da terra, que construíram túmulos suntuosos para si,
15. ou com os nobres que possuíram ouro e encheram de prata seus mausoléus.
16. Agora eu seria um aborto enterrado, uma criatura que não chegou a ver a luz.
17. Lá embaixo acaba o tumulto dos injustos, e aí repousam os que estão esgotados.
18. Com eles descansam os prisioneiros, e não ouvem mais a voz do capataz.
19. Lá embaixo os pequenos se confundem com os grandes, e o escravo fica liberto do seu patrão.

MELHOR MORRER DO QUE VIVER ASSIM
20. Para que dar luz a um infeliz, e vida para quem vai viver na amargura?
21. Para que dar luz a quem anseia pela morte que não chega, e que a procura mais do que a um tesouro?
22. Para que dar luz a quem se alegra diante de um túmulo e exulta diante da sepultura?
23. Para que dar luz a um homem que não encontra caminho, porque Deus o cercou de todos os lados?
24. Os soluços são meu alimento, e meus gemidos transbordam como água.
25. O que eu mais temia aconteceu para mim, e o que mais me apavorava me atingiu.
26. Vivo sem paz, sem tranqüilidade e sem descanso, em contínuo sobressalto".

[Jó 4]
INTERVENÇÃO DE ELIFAZ

Jó 4

DEUS CASTIGA O INOCENTE?
1. Elifaz deTemã tomou a palavra e disse:
2. "Não sei se você agüentaria se alguém falasse com você. Contudo, quem poderia permanecer calado?
3. Veja! Você instruiu pessoas e fortaleceu braços enfraquecidos.
4. Com suas palavras, você levantou quem vacilava, e sustentou joelhos que se dobravam.
5. Pois bem! Hoje é a sua vez. Você não agüenta? Você se perturba hoje, quando tudo desaba sobre você?
6. O temor de Deus não era a sua confiança, e a sua esperança não era um comportamento íntegro?
7. Lembre-se bem: quando é que um inocente pereceu, e quando é que os homens retos foram destruídos?
8. Pelo que eu sei, os que cultivam injustiça e semeiam miséria, são esses que as colhem.
9. Deus sopra, e eles perecem; o sopro de sua ira os consome.
10. Embora o leão ruja e o leopardo também, os dentes dos filhotes são quebrados:
11. sem a presa, o leão acaba morrendo, e as crias da leoa debandam.

QUEM PODE TER RAZÃO DIANTE DE DEUS?
12. Escutei uma palavra fugidia, meu ouvido percebeu seu leve sussurro:
13. numa visão noturna de pesadelo, quando o torpor cai sobre os homens,
14. fui tomado por um calafrio de terror, e todos os meus ossos estremeceram.
15. Um vento passou pelo meu rosto e me provocou arrepios por todo o corpo.
16. Eu estava em pé, mas não vi quem era. Uma figura apareceu diante de mim, houve um silêncio, e depois ouvi uma voz:
17. 'Pode o homem ter razão diante de Deus? Ou pode um mortal ser puro diante do seu Criador?
18. Ele desconfia até de seus servos, e mesmo em seus anjos descobre defeitos.
19. Quanto mais nesses que moram em casas de barro e que têm alicerces sobre a poeira! Serão esmagados mais depressa do que a traça,
20. aniquilados entre o amanhecer e a tarde. Eles perecem para sempre, pois ninguém os trará de volta.
21. As cordas de sua tenda são arrancadas, e eles morrem sem ter aprendido a lição'.

[Jó 5]
Jó 5

DE ONDE VEM A DESGRAÇA?
1. Grite, para ver se alguém lhe responde. A que anjo você vai recorrer?
2. Porque o despeito mata o insensato, e a inveja causa a morte do imbecil.
3. Vi um insensato lançar raízes, e num momento sua casa foi amaldiçoada.
4. Seus filhos estão longe de prosperar, são esmagados sem defensor no tribunal.
5. O faminto devorou as colheitas dele, e o sedento sugou-lhe os bens.
6. A miséria não nasce do pó, e a fadiga não brota da terra.
7. E o homem gera seu próprio sofrimento, como as faíscas voam para cima.

RECORRER A DEUS
8. Em seu lugar, eu recorreria a Deus, e poria a minha causa nas mãos dele.
9. Ele faz coisas grandiosas e incompreensíveis, e maravilhas sem conta:
10. dá chuva para a terra, e rega os campos;
11. levanta os humildes, e concede prosperidade aos abatidos;
12. malogra os planos do astuto, para que as manobras deste fracassem;
13. apanha os espertos na astúcia deles, e desmonta as tramas do velhaco.
14. Em pleno dia, todos esses caem nas trevas, e ao meio-dia tateiam como se fosse noite.
15. É assim que Deus salva da língua afiada o pobre, e da mão do poderoso o necessitado.
16. Desse modo, o fraco tem esperança, e a injustiça fecha a boca.
17. Feliz o homem a quem Deus corrige. Portanto, não despreze a lição do Todo-poderoso.
18. É Deus quem fere e cura a ferida, quem golpeia e cura com sua própria mão.
19. Ele é quem liberta você de seis perigos, e no sétimo o mal não mais o atingirá.
20. Em tempo de fome, salvará você da morte, e na guerra o protegerá do golpe da espada.
21. Você ficará a salvo do flagelo da língua, e não temerá quando a ruína chegar.
22. Você rirá do desastre e da fome, e não temerá os animais selvagens.
23. Você fará aliança com os espíritos do campo, e viverá em paz com as feras.
24. Você terá prosperidade em sua tenda e, visitando sua propriedade, verá que nada falta.
25. Terá descendência numerosa, e seus filhos serão como erva do campo.
26. Descerá ao túmulo em avançada velhice, como feixe de trigo colhido no tempo certo.
27. Veja bem! Observamos tudo isso, e é coisa certa. Escute bem, e faça bom proveito".

[Jó 6]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 6

SÓ SABE QUEM SOFRE
1. Então Jó respondeu:
2. "Se pudessem pesar a minha aflição, e colocar na balança a minha desgraça,
3. seriam mais pesadas que a areia do mar! Por isso, as minhas palavras são confusas.
4. Levo, cravadas em mim, as flechas do Todo-poderoso, e o meu espírito bebe o veneno delas; os terrores de Deus se enfileiram contra mim.
5. Por acaso o asno selvagem relincha diante do capim? Ou o boi muge diante da forragem?
6. Alguém come sem sal algo que não tem gosto? Que sabor tem a clara do ovo?
7. O que antes me causava nojo de tocar, agora se tornou a minha comida repugnante.

MORRER PARA NÃO SE REVOLTAR
8. Tomara que se cumpra o que eu pedi, e Deus me conceda o que espero:
9. que ele se digne esmagar-me, e solte sua mão para acabar comigo!
10. Para mim, seria um consolo e, mesmo torturado sem piedade, eu daria saltos de alegria, por não ter renegado os decretos do Santo!
11. Que forças me restam para agüentar? E aonde espero chegar, para continuar vivendo?
12. Por acaso tenho a firmeza da pedra? Por acaso eu sou de ferro?
13. Já não encontro apoio em mim mesmo, e todos os recursos me abandonam.

O DEVER DO AMIGO É SOLIDARIZAR-SE
14. A pessoa desesperada tem direito à solidariedade do amigo, mesmo que tivesse abandonado o temor do Todo-poderoso.
15. Mas os meus irmãos me desiludiram como rios temporários, como ribeiros que desaparecem do seu leito:
16. no tempo do degelo, transbordam, e se enchem quando a neve se dissolve;
17. mas no tempo do verão evaporam e, chegando o calor, desaparecem de seus leitos.
18. Por causa deles, as caravanas mudam a rota, entram pelo deserto e se extraviam.
19. As caravanas de Temã os procuram, e os mercadores de Sabá contam com eles.
20. Mas a sua esperança é frustrada e, chegando a esse lugar, ficam desiludidos.
21. Assim são vocês. Tornaram-se um nada para mim, pois estão vendo algo terrível, e sentem medo.

EM QUE FOI QUE ERREI?
22. Por acaso eu pedi que vocês me dessem alguma coisa? Ou que se oferecesse suborno do bolso de vocês?
23. Ou que me livrassem do meu adversário? Ou que me resgatassem do poder de algum tirano?
24. Vocês me expliquem, e eu ficarei em silêncio. Façam-me ver em que foi que errei.
25. Como seria bom ouvir palavras justas! Mas o que é que provam as provas de vocês?
26. Vocês pretendem criticar as minhas palavras? As palavras do desesperado se dirigem ao vento!
27. Vocês seriam capazes de sortear um órfão e vender seu próprio amigo.
28. Pois bem! Olhem atentamente para mim: juro que não vou mentir diante de vocês.
29. Voltem para trás e não sejam injustos. Voltem atrás, pois a minha inocência está em jogo.
30. Por acaso existe falsidade nos meus lábios? Ou a minha boca não distingue mais a desgraça?

[Jó 7]
Jó 7

O TEMPO NÃO PASSA...
1. O homem vive na terra cumprindo um serviço militar, e seus dias são como os do diarista:
2. tal e qual um escravo, ele suspira pela sombra e, como o diarista, espera pelo seu salário.
3. Assim, a minha herança são meses de ilusão, e a mim couberam noites de fadiga.
4. Ao me deitar, fico pensando: 'Quando me levantarei?' A noite é muito longa, e me canso de ficar rolando na cama até a aurora.
5. Minha carne está cheia de vermes e feridas, e minha pele se rompe e supura.

...E A VIDA É UM SOPRO
6. Meus dias correm velozes como a lançadeira, e se consomem sem qualquer esperança.
7. Lembra-te! A minha vida é um sopro, e os meus olhos nunca mais verão a felicidade.
8. Os olhos de quem me vê, não me enxergarão mais. Teus olhos me procurarão, mas eu já não existirei.
9. Como nuvem que passa e se desfaz, quem desce ao túmulo, nunca mais subirá;
10. nunca mais retornará à sua casa, e sua morada nunca mais o reverá.
11. Por isso, não ficarei calado; meu espírito angustiado falará e minha alma entristecida se queixará.
12. Por acaso sou o Mar ou o Dragão, para me colocares mordaça?
13. Quando penso que o leito me aliviará e minha cama abrandará meus gemidos,
14. então me espantas com sonhos e me aterrorizas com pesadelos.
15. Eu preferiria morrer sufocado. Antes a morte do que estas dores!
16. Eu não vou viver para sempre! Deixa-me, pois os meus dias são apenas um sopro.

NÃO É MELHOR PERDOAR?
17. O que é o homem, para fazeres tanto caso dele, para fixares tua atenção sobre ele,
18. a ponto de examiná-lo a cada manhã e testá-lo a cada momento?
19. Por que não paras de me espionar, deixando-me ao menos engolir a saliva?
20. Caso eu tenha pecado, o que foi que eu te fiz? Espião da humanidade, por que me tomaste como alvo, e me transformaste em peso para ti?
21. Por que não perdoas o meu pecado, e não afastas de mim a minha culpa? Olha! Logo eu me deitarei no pó: tu me procurarás tateando, e eu não existirei mais".

[Jó 8]
INTERVENÇÃO DE BALDAD

Jó 8

DEUS É JUSTO
1. Baldad de Suás tomou a palavra e disse:
2. "Até quando você vai falar dessa maneira? Suas palavras são como furacão.
3. Pode Deus torcer o direito? Pode o Todo-poderoso perverter a justiça?
4. Se os seus filhos pecaram contra Deus, ele já os entregou ao poder dos próprios crimes.
5. Mas, se você procurar Deus, se suplicar ao Todo-poderoso,
6. e se conservar puro e reto, ele cuidará de você e o restaurará na sua legítima prosperidade.
7. Sua situação anterior parecerá coisa pequena em comparação com a grandeza do seu futuro.

OS INJUSTOS SÃO CASTIGADOS
8. Consulte as gerações passadas e observe a experiência de nossos antepassados.
9. Nós nascemos ontem e não sabemos nada. Nossos dias são como sombra no chão.
10. Os nossos antepassados, no entanto, vão instruí-lo e falar a você com palavras tiradas da experiência deles.
11. Por acaso, brota o papiro fora do pântano? Ou pode o junco crescer sem água?
12. Ainda verde para ser colhido, ele seca antes de todas as ervas.
13. Tal é o destino de quem se esquece de Deus, e assim desaparece a esperança do injusto.
14. A confiança do injusto é um fio frágil, e sua segurança é uma teia de aranha:
15. se alguém nela se apóia, ela não agüenta; se alguém a ela se agarra, ela não o sustenta.
16. Cheia de seiva ao sol, a árvore estende os ramos por todo o jardim,
17. lança raízes entre as pedras e vive no meio das rochas,
18. mas se for arrancada do seu lugar, este a renega, dizendo: 'Nunca vi você'.
19. Assim termina sua alegre história, e outras plantas brotam do mesmo chão.
20. Note bem: Deus não rejeita o homem íntegro, nem faz aliança com malfeitores.
21. Ele encherá de novo sua boca de sorrisos e seus lábios com gritos de alegria.
22. Seus inimigos ficarão cobertos de vergonha, e a tenda dos injustos desaparecerá".

[Jó 9]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 9

QUEM PODE DISPUTAR COM DEUS?
1. Então Jó respondeu:
2. "Eu sei muito bem que é assim. Como pode um homem ter razão diante de Deus?
3. Se alguém quisesse disputar com Deus, este não lhe responderia uma só vez entre mil.
4. Qual o sábio ou forte que se opôs a ele, e saiu ileso?
5. Ele desloca as montanhas sem que elas percebam e, na sua ira, as arranca do lugar.
6. Ele abala os alicerces da terra, e as colunas dela estremecem.
7. Ele manda que o sol não se levante, e esconde as estrelas.
8. Ele sozinho estende o céu, e caminha sobre as ondas do mar.
9. Ele criou a Ursa e o Órion, as Plêiades e constelações do Sul.
10. Ele faz prodígios insondáveis e maravilhas sem conta.
11. Ele passa junto a mim, e eu não o vejo. Roça em mim, e eu nem sinto.
12. Se apanha uma presa, quem a tirará dele? Quem poderá dizer-lhe: 'O que estás fazendo?'
13. Deus não reprime a sua própria ira, e debaixo dele se curvam as legiões de Raab.

DEUS É ARBITRÁRIO?
14. Muito menos eu lhe poderei responder, ou escolher argumentos contra ele.
15. Mesmo que eu tivesse razão, não receberia resposta, e teria que implorar misericórdia ao meu juiz.
16. Mesmo que eu o convocasse e ele me respondesse, não creio que me daria atenção.
17. Pelo contrário: ele me esmagaria no furacão, e sem motivo multiplicaria as minhas feridas;
18. não me deixaria nem ao menos tomar fôlego, e me encheria de amargura.
19. Recorrer à força? Ele é o mais forte! Recorrer ao tribunal? Quem o convocará?
20. Mesmo que eu fosse inocente, sua boca me condenaria; mesmo que eu fosse inocente, ele me declararia culpado.
21. Será que sou inocente? Já nem sei mais! Desprezo a vida.
22. Garanto a vocês que tudo é a mesma coisa: ele extermina tanto o inocente como o injusto.
23. Se uma catástrofe semeia morte repentina, ele zomba da desgraça do inocente.
24. Ele entrega o país na mão do injusto e fecha os olhos de seus juízes: se não for ele, quem é que faz isso?

SE HOUVESSE UM ÁRBITRO ENTRE DEUS E O HOMEM!
25. Meus dias correm mais depressa que um atleta, e fogem sem ter provado a felicidade;
26. deslizam como barcas de papiro, como águia que cai em cima da presa.
27. Se penso: 'Vou esquecer o meu sofrimento e ficar de rosto alegre',
28. fico com medo de todo tipo de desgraça, pois eu sei que ele não me absolverá.
29. E se por acaso sou culpado, por que me cansar à toa?
30. Ainda que eu me esfregasse com sabão, e lavasse minhas mãos com soda,
31. tu me atirarias na lama, e minhas roupas teriam nojo de mim.
32. É que Deus não é um homem como eu, para que eu possa dizer-lhe: 'Vamos comparecer juntos no tribunal'.
33. Se houvesse entre nós um árbitro, que pusesse as mãos sobre nós dois!
34. Ele afastaria de mim a vara de Deus, para que eu não enlouquecesse com seu terror.
35. Então eu poderia falar sem medo; do contrário, não sou dono de mim mesmo.

[Jó 10]
Jó 10

COMO ENTENDER ISSO?
1. Estou cansado da minha vida! Vou entregar-me às queixas, falando com toda a amargura do meu coração.
2. Vou pedir a Deus: 'Não me condenes! Conta-me o que tens contra mim'.
3. Será que te divertes em me oprimir, desprezando a obra de tuas mãos para favorecer os projetos dos injustos?
4. Por acaso tens olhos de carne, e vês apenas como o homem vê?
5. Por acaso teus dias são como os dias de um mortal, e teus anos como os anos de um ser humano,
6. para sondares a minha culpa e investigares o meu pecado,
7. mesmo sabendo que não sou culpado, e que ninguém me pode livrar da tua mão?

SERÁ QUE DEUS É SÁDICO?
8. Tuas mãos me formaram e modelaram o meu ser inteiro. E agora tu te voltas contra mim, para me aniquilar?
9. Lembra-te! Tu me fizeste do barro. Queres agora fazer-me voltar ao pó?
10. Não me derramaste como leite e me coalhaste como queijo?
11. Tu me revestiste de pele e carne, e me teceste de ossos e nervos.
12. Tu me concedeste vida e favor, e tua providência conservou a minha respiração.
13. Contudo, alguma coisa tu guardavas escondida. Agora eu sei que tinhas esta intenção:
14. Se eu pecasse, tu me surpreenderias em flagrante, e não deixarias a minha culpa sem castigo.
15. Se eu fosse culpado, ai de mim! Se eu fosse inocente, não poderia levantar a cabeça, pois estou cheio de vergonha e embriagado de miséria.
16. Se levanto a cabeça, tu me caças, altivo como leão, e multiplicas tuas proezas contra mim.
17. Tu repetes teus assaltos contra mim, contra mim redobras tua ira, e contra mim lanças tropas descansadas.

DEIXA-ME, E EU VIVEREI UM POUCO
18. Por que me tiraste do ventre materno? Eu poderia ter morrido, e ninguém me teria visto.
19. Eu seria como alguém que nunca existiu, levado do ventre para o túmulo.
20. Como são poucos os dias da minha vida! Deixa-me, para que eu possa respirar um pouco,
21. antes que eu me vá para nunca mais voltar, para o país da treva e da sombra da morte,
22. para o país onde a aurora é noite negra, onde a sombra da morte cobre a confusão, e onde a claridade é escuridão".

[Jó 11]
INTERVENÇÃO DE SOFAR

Jó 11

DEUS CONHECE AS PESSOAS FALSAS
1. Então Sofar de Naamat tomou a palavra e disse:
2. "Será que esse palavreado vai ficar sem resposta? O charlatão acabará tendo razão?
3. Seu palavrório vai calar os outros? Vai ficar zombando, sem que ninguém o repreenda?
4. Você falou: 'Meu comportamento é limpo. Sou puro diante dos teus olhos'.
5. Ah, se Deus quisesse falar, e abrir a boca contra você!
6. Se ensinasse a você os segredos da sabedoria, que são tão difíceis de entender, então você saberia que Deus perdoa parte da sua culpa.
7. Por acaso você pretende sondar o íntimo de Deus, ou penetrar na perfeição do Todo-poderoso?
8. Ela é mais alta do que o céu. O que pode você fazer? Ela é mais profunda que o abismo. O que pode você saber?
9. Ela é mais ampla que a terra e mais larga que o mar.
10. Se ele se apresenta para prender e convocar o tribunal, quem poderá impedi-lo?
11. Ele conhece as pessoas falsas e sem fazer esforço discerne o crime.
12. É mais fácil um asno selvagem ser domesticado, do que um idiota criar juízo.

O JEITO É SE CONVERTER
13. Se você dirigir seu coração a Deus, e para ele estender as mãos;
14. se você afastar de suas mãos a maldade, e não hospedar a injustiça em sua tenda,
15. então você poderá levantar o rosto sem mancha, e não terá medo nas dificuldades.
16. Você esquecerá suas desgraças, ou se lembrará delas como águas passadas.
17. Sua vida brilhará como o sol do meio-dia, e a escuridão será para você como a aurora.
18. Você terá tranqüilidade na esperança e, olhando ao redor, se deitará tranqüilo.
19. Você dormirá sem sobressaltos, e muitos procurarão os seus favores.
20. Quanto aos injustos, os olhos deles ficarão cegos, e não encontrarão escapatória. A esperança deles será o último suspiro".

[Jó 12]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 12

DEUS DESORIENTA OS SÁBIOS
1. Então Jó respondeu:
2. "Como vocês são importantes! A sabedoria vai morrer junto com vocês!
3. Todavia, eu também tenho inteligência, e não sou inferior a vocês. Quem não sabe tudo isso?
4. Eu me tornei motivo de zombaria para os meus amigos, eu que gritava a Deus para ter uma resposta. Zombam de mim, que sou inocente e íntegro.
5. Os que estão satisfeitos dizem: 'Desprezo para o infeliz, empurrão para quem está escorregando'.
6. Enquanto isso, existe paz na tenda dos ladrões e aqueles que desafiam a Deus vivem tranqüilos, pensando que o têm na palma da mão.
7. Pergunte aos animais, que eles instruirão você. Pergunte às aves do céu, que elas o informarão.
8. Pergunte aos répteis do chão, que eles lhe darão lições. Os peixes do mar lhe contarão tudo isso.
9. Entre todos esses seres, quem não sabe que foi a mão de Javé que fez tudo isso?
10. Nas mãos dele está a vida de todos os viventes e a respiração de todo ser humano.
11. Não é o ouvido que distingue as palavras, e o paladar que saboreia os alimentos?
12. Por acaso, os anciãos não estão destinados a ter sabedoria, e os velhos a ter prudência?
13. Em Deus estão a sabedoria e a força, a ele pertencem a perspicácia e a inteligência.
14. O que ele destrói, ninguém reconstrói; se ele aprisiona, não há escapatória.
15. Se ele retém a chuva, tudo se resseca; se ele a solta, a terra se inunda.
16. Ele possui a força e a eficácia, e dele dependem tanto o enganado como o enganador.
17. Ele torna estúpidos os intelectuais, e enlouquece os juízes.
18. Despoja os reis de suas insígnias, e os amarra pela cintura com uma corda.
19. Faz os sacerdotes andar descalços, e transtorna os poderosos.
20. Tira a palavra dos oradores, e priva de sensatez os anciãos.
21. Espalha desprezo sobre os aristocratas, e afrouxa o cinturão dos militares.
22. Arranca das trevas os segredos, e traz à luz as coisas obscuras.
23. Engrandece as nações, e depois as arruína; desenvolve as nações, e as abandona.
24. Torna loucos os chefes de estado, e os extravia numa confusão sem saída.
25. Eles caminham às apalpadelas numa escuridão lúgubre, cambaleando como bêbados.

[Jó 13]
Jó 13

CALEM-SE! VOU PROTESTAR CONTRA DEUS
1. Eu vi tudo isso com os meus próprios olhos, ouvi com os meus próprios ouvidos e compreendi:
2. o que vocês sabem, eu também sei. Não sou inferior a vocês.
3. Contudo, eu quero acusar o Todo-poderoso, desejo discutir com Deus.
4. Vocês são apenas manipuladores de mentiras, são todos meros charlatães.
5. Oxalá vocês ficassem calados! Seria o melhor ato de sabedoria!
6. Ouçam agora a minha defesa, prestem atenção aos meus argumentos.
7. Ou vocês pretendem defender a Deus, usando mentiras e injustiças?
8. Vocês querem tomar o partido de Deus e se tornarem advogados dele?
9. E se ele examinasse vocês? Será que o enganariam como se engana a um homem?
10. Se vocês forem parciais secretamente, ele os reprovará com severidade.
11. A majestade dele não lhes dá medo? O terror dele não cai sobre vocês?
12. As lições que vocês aprenderam são cinzas, e suas defesas são de barro.
13. Calem-se, que agora sou eu que vou falar. Agora eu vou falar, aconteça o que acontecer.
14. Vou arriscar tudo, vou jogar com minha própria vida.
15. Ainda que ele queira me matar, não me importo; diante dele vou defender o meu comportamento.
16. Para mim isso já seria uma vitória, porque nenhum hipócrita pode apresentar-se diante dele.

EU SEI QUE SOU INOCENTE
17. Escutem bem as minhas palavras, prestem atenção ao que vou declarar:
18. Eu preparei a minha defesa, e sei que sou inocente.
19. Alguém quer discutir comigo? Calar agora, seria morrer.
20. Assegura-me, Deus, duas coisas apenas, e eu não me esconderei de tua presença:
21. afasta de mim a tua mão e não me amedrontes com o teu terror.
22. Depois, podes me acusar, e eu te responderei. Ou então falarei primeiro, e tu me responderás depois.
23. Quantas são as minhas culpas e os meus pecados? Mostra-me as minhas transgressões e os meus pecados.
24. Por que escondes o teu rosto, e me tratas como teu inimigo?
25. Por que assustas uma folha que o vento carrega, e persegues uma palha seca?
26. Por que rediges contra mim sentenças amargas e me obrigas a assumir os erros da minha juventude?
27. Por que colocas os meus pés no cepo, vigias todos os meus passos e examinas todas as minhas pegadas?

A CONDIÇÃO HUMANA É FRÁGIL
28. Como odre e como veste roída pela traça, se desgasta

[Jó 14]
Jó 14

1. o homem nascido de mulher: tem vida curta e cheia de inquietação.
2. Ele se abre como flor, e logo murcha; foge como a sombra, sem parar.
3. E tu cravas teus olhos num ser assim, e o citas para um processo contigo?
4. Mas quem pode tirar o puro do impuro? Ninguém.
5. Se os dias do homem já estão contados e tu sabes o número de seus meses; se lhe fixaste um limite intransponível,
6. afasta dele o teu olhar e deixa-o em paz, de modo que ele possa usufruir do seu salário como um empregado.
7. Uma árvore tem esperança: mesmo que a cortem, ela volta a brotar e seus ramos continuam a crescer.
8. Embora suas raízes envelheçam na terra e seu tronco esteja amortecido no solo,
9. ao cheiro da água ela solta brotos e produz folhagem como planta nova.
10. O homem, porém, morre e fica inerte. Para onde vai o homem quando expira?
11. As águas do mar podem acabar, os rios podem baixar e secar,
12. mas o homem que jaz, não se levantará. O céu passará, e o homem não vai despertar, nem acordar do seu sono.

DEUS SENTE SAUDADE DO HOMEM?
13. Oxalá me guardasses escondido no túmulo, até que passasse a tua ira e marcasses um prazo para te lembrares de mim!
14. Quando morre, o homem poderá talvez reviver? Eu ficaria esperando durante todos os dias do meu serviço, até que chegasse a hora da mudança de turno;
15. com saudade da obra de tuas mãos, tu me chamarias e eu responderia.
16. Então tu não controlarias mais os meus passos e não vigiarias os meus pecados.
17. Fecharias num saco os meus erros e passarias cal sobre as minhas culpas.
18. A montanha se inclina e cai, a rocha se move do seu lugar,
19. a água corre e desgasta as pedras, a enxurrada arrasta as terras, e tu destróis a esperança do homem!
20. Tu o abates para sempre, e ele se vai. Desfiguras o rosto dele e o expulsas.
21. Se seus filhos serão felizes, ele não sabe; se seus filhos vão se arruinar, ele desconhece.
22. Ele só sente o tormento da própria carne, sente o sofrimento de sua própria alma".

[Jó 15]
2. SEGUNDO DEBATE

INTERVENÇÃO DE ELIFAZ

Jó 15

VOCÊ ESTÁ DESTRUINDO A RELIGIÃO!
1. Elifaz de Temã tomou a palavra e disse:
2. "Por acaso um sábio responde com doutrinas falsas, ou se incha com o vento leste,
3. argumentando com razões inconsistentes ou palavras sem sentido?
4. Você está destruindo a religião e eliminando a oração!
5. Suas culpas inspiram suas palavras, e você usa a linguagem dos astutos.
6. Quem condena você é sua própria boca, e não eu; são suas palavras que testemunham contra você.
7. Por acaso foi você o primeiro homem a nascer? Será que você veio ao mundo antes das colinas?
8. Por acaso você foi admitido no conselho secreto de Deus e se apropriou da sabedoria?
9. O que sabe você que nós não sabemos? O que entende você que nós não entendemos?
10. Entre nós há anciãos de cabelos brancos, e alguns de nós são mais velhos que o seu pai.
11. Não está você fazendo pouco caso das nossas consolações divinas e das palavras equilibradas que dizemos a você?
12. Como a paixão arrebata você e como seus olhos saltam para fora,
13. quando você joga o seu rancor contra Deus, soltando protestos com a boca!
14. Como pode o homem ser puro, como pode ser inocente quem nasceu de mulher?
15. Deus não confia nem mesmo em seus anjos, nem o céu é puro aos olhos dele.
16. Quanto menos o homem detestável e corrompido, que bebe injustiça como água!

O INJUSTO ACABA SEMPRE MAL
17. Escute-me, que eu vou instruir você. Vou contar-lhe aquilo que vi,
18. aquilo que os sábios transmitiram, sem nada ocultar, conforme receberam de seus antepassados,
19. a quem foi dado o país, sem que nenhum estrangeiro se instalasse no meio deles.
20. O injusto vive em contínuo tormento, e poucos são os anos reservados ao tirano.
21. Gritos de terror ressoam nos ouvidos dele e, quando está em paz, é assaltado pelo bandido.
22. Não tem esperança de voltar das trevas, porque está destinado ao fio da espada;
23. é jogado como pasto dos urubus, e sabe que sua ruína é iminente. O dia tenebroso
24. o apavora, a angústia e a inquietação o assaltam, como rei pronto para o ataque.
25. Porque ele estendeu a mão contra Deus e desafiou o Todo-poderoso.
26. Investiu contra ele de cabeça abaixada, protegido por escudo blindado,
27. com o rosto massageado de gordura e os músculos dos rins bem ungidos.
28. Ele habitará cidades abandonadas, casas desabitadas que ameaçam ruir.
29. Não poderá se enriquecer, e sua fortuna não vai durar, nem poderá levar seus bens para o túmulo,
30. nem escapará das sombras. A chama queimará seus brotos, e o vento arrancará suas flores.
31. Que ele não confie na ilusão que engana, porque a ilusão será a sua recompensa.
32. Antes do tempo, suas folhas murcharão, e seus ramos nunca mais ficarão verdes.
33. Será como videira que deixa cair suas uvas verdes, como oliveira que perde sua florada.
34. A descendência dos injustos é estéril, e o fogo devorará a tenda do homem enganador.
35. Quem concebe a maldade, dá à luz a desgraça, e gera no ventre a desilusão".

[Jó 16]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 16

FALAR É FÁCIL
1. Então Jó respondeu:
2. "Já ouvi mil discursos semelhantes. Vocês são consoladores importunos!
3. Vocês me dizem: 'Será que não há limite para discursos vazios? O que é que leva você a responder assim?'
4. Também eu seria capaz de falar como vocês, se vocês estivessem em meu lugar. Eu os afogaria com palavras, balançando a cabeça contra vocês.
5. Será que eu os confortaria com a minha boca? Ou a compaixão frearia os meus lábios?
6. Mas ainda que eu fale, a minha dor não pára; ainda que eu me cale, ela não se afasta de mim.

DEUS SE LEVANTA CONTRA MIM
7. Agora, porém, Deus me esgotou, e destruiu toda a minha família.
8. Ele se levanta como testemunha contra mim e o meu caluniador me acusa na cara.
9. A ira de Deus me ataca e me dilacera, range os dentes contra mim e crava em mim os seus olhos hostis.
10. Abrem contra mim a boca e me esbofeteiam com suas afrontas, todos em massa contra mim.
11. Deus me entrega como presa aos perversos, e me entrega na mão dos injustos.
12. Eu vivia tranqüilo, e ele me esmagou. Agarrou-me pela nuca e me triturou, fazendo de mim o seu alvo.
13. Com seus arqueiros ele me rodeou, me atravessou os rins sem piedade, e derramou por terra o meu fel.
14. Abriu minha carne com mil brechas, e como guerreiro me assaltou.

TENHO UMA TESTEMUNHA DE DEFESA
15. Costurei um pano de saco, a fim de cobrir a minha pele, e mergulhei o meu rosto no pó.
16. A minha face está vermelha de tanto chorar, e a sombra rodeia as minhas pálpebras,
17. embora não haja violência em minhas mãos, e minha oração seja sincera.
18. Terra, não cubra o meu sangue, nem o meu clamor seja abafado.
19. Desde agora tenho uma testemunha no céu, e o meu defensor está lá em cima.
20. Ele interpretará as minhas queixas diante de Deus, enquanto diante de Deus os meus olhos derramam lágrimas.
21. Que ele julgue entre o homem e Deus, como se costuma fazer entre as pessoas,
22. porque o número limitado dos meus anos passará, e eu farei a viagem sem retorno.

[Jó 17]
Jó 17

ONDE ESTÁ A MINHA ESPERANÇA?
1. A minha respiração se perturba, os meus dias se apagam, e o sepulcro me espera.
2. Estou cercado de zombarias e farto de provocações.
3. Sejas tu o meu fiador diante de ti mesmo, pois nenhum outro se empenharia em ser meu fiador.
4. Tu fechaste a mente deles para o raciocínio e por isso não poderão triunfar.
5. São como alguém que convida os amigos para um banquete, enquanto seus próprios filhos morrem de fome.
6. Eu me tornei motivo de piada no meio do povo, alguém que recebe cuspidas no rosto.
7. Meus olhos se consomem irritados, e meus membros definham como sombra.
8. Ao ver isso, os justos se espantam, e o inocente fica indignado contra o injusto.
9. Mas o justo persiste no seu caminho, e quem tem mãos puras redobra a coragem.
10. Voltem-se todos, e venham, e entre vocês eu não vou encontrar nenhum sábio.
11. Os meus dias passam, e fracassam os meus projetos e os desejos do meu coração.
12. Transformam a noite em dia, e dizem que a luz está perto, quando já estão chegando as trevas.
13. Não espero mais nada. O túmulo é a minha casa, e nas trevas farei a minha cama.
14. Eu digo ao túmulo: 'Você é o meu pai'. E digo aos vermes: 'Vocês são minha mãe e minha irmã'.
15. Onde está a minha esperança? Alguém viu a minha esperança por aí?
16. Ela descerá comigo ao túmulo, quando juntos nos afundarmos no pó".

[Jó 18]
INTERVENÇÃO DE BALDAD

Jó 18

O DESTINO DO INJUSTO
1. Baldad de Suás tomou a palavra e disse:
2. "Quando é que você vai acabar com esse palavreado? Pense bem, e depois conversaremos.
3. Por que você nos considera como animais e pensa que somos idiotas?
4. Você se dilacera com sua própria raiva. Será que a terra vai ficar desabitada por sua causa? Ou será que as rochas vão mudar de lugar?
5. A luz do injusto se apagará, e o fogo do seu lar não brilhará mais.
6. A luz de sua tenda se escurecerá, e a lâmpada que está sobre ele se apagará.
7. Os seus passos vigorosos ficarão curtos, e os seus próprios projetos o derrubarão.
8. Com seus próprios pés ele cai numa rede e caminha sobre uma armadilha.
9. Um laço o prende pelo calcanhar, e o segura firme.
10. A corda está escondida no chão, e a armadilha no seu caminho.
11. Os terrores o rodeiam e amedrontam, perseguindo-o em cada passo.
12. A sua prosperidade se transformará em carestia, e a desgraça estará de pé a seu lado.
13. A doença devora sua pele, e a peste rói seus membros.
14. Será arrancado de sua tenda na qual confiava e será arrastado à presença do rei dos terrores.
15. Já se pode habitar na tenda que não pertence mais a ele, espalhando-se enxofre na sua moradia.
16. Em baixo, suas raízes secarão e, no alto, seus ramos serão cortados.
17. Sua lembrança desaparecerá da terra, e seu nome será esquecido na vizinhança.
18. Será expulso da luz para as trevas, e exilado para fora do mundo.
19. Não terá família nem filhos entre seu povo, e não deixará sobrevivente em seu território.
20. O ocidente se espantará com o destino dele, e o oriente ficará horrorizado.
21. Esse é o destino do injusto, a situação de quem não reconhece a Deus".

[Jó 19]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 19

SOLIDARIEDADE PRODUZ COMPREENSÃO
1. Então Jó respondeu:
2. "Até quando vocês continuarão a me afligir e a magoar-me com suas palavras?
3. Já por dez vezes vocês me insultaram, e não se envergonham de zombar de mim.
4. Se eu por acaso tivesse errado, o erro seria problema meu.
5. Vocês querem cantar vitória, jogando-me na cara a minha vergonha?
6. Fiquem sabendo que foi Deus quem violou o meu direito e me envolveu em suas redes.
7. Eu grito: 'Violência!' E ninguém me responde. Peço socorro, e não me fazem justiça.
8. Deus cercou o meu caminho, e não tenho saída; ele encheu de trevas a minha estrada.
9. Despojou-me da minha honra, e me tirou a coroa da cabeça.
10. Ele destruiu tudo ao meu redor, e tenho de ir embora; arrancou a árvore da minha esperança.
11. Sua ira se inflama contra mim, e ele me trata como a seu inimigo.
12. Seus esquadrões chegam em massa, abrem caminho até mim, e fazem um cerco ao redor da minha tenda.
13. Meus irmãos me abandonam, e meus parentes me tratam como estranho.
14. Os vizinhos e conhecidos desapareceram, e os meus familiares me esqueceram.
15. Minhas empregadas me tratam como estranho, como se eu fosse um desconhecido.
16. Chamo o meu empregado, e ele não me responde, mesmo que eu lhe implore.
17. A minha mulher tem nojo do meu hálito, e os meus irmãos têm nojo do meu cheiro.
18. Até as crianças me desprezam e, quando tento me levantar, elas me cobrem de insultos.
19. As pessoas mais íntimas têm horror de mim, e contra mim se voltam os amigos mais próximos.
20. A minha carne apodrece por baixo da pele, e os meus ossos se desnudam como dentes.
21. Tenham piedade, meus amigos, tenham piedade de mim, porque a mão de Deus me feriu.
22. Por que vocês me perseguem como Deus, e não se cansam de me torturar?

O MEU REDENTOR ESTÁ VIVO
23. Oxalá escrevessem estas minhas palavras e as gravassem numa placa,
24. e com cinzel de ferro e estilete fossem escritas para sempre na rocha:
25. 'Eu sei que o meu redentor está vivo e que no fim se levantará acima do pó.
26. Mesmo com a pele aos pedaços e em carne viva, eu verei a Deus.
27. Eu mesmo o verei, e não outro; eu o verei com os meus próprios olhos'. Minhas entranhas queimam dentro de mim.
28. E se vocês disserem: 'Como vamos persegui-lo? Que pretexto encontraremos para acusá-lo?',
29. temam a espada, pois a espada pune a injustiça, e vocês reconhecerão que existe um juiz".

[Jó 20]
INTERVENÇÃO DE SOFAR

Jó 20

O TRIUNFO DOS INJUSTOS É PASSAGEIRO
1. Sofar de Naamat tomou a palavra e disse:
2. "Meus pensamentos me obrigam a responder, pois eu me sinto inquieto.
3. Acabo de ouvir uma lição insolente, e por isso minha razão me leva a replicar.
4. Você não sabe que desde sempre, desde quando o homem foi colocado sobre a terra,
5. o triunfo dos injustos é passageiro e a alegria do perverso dura apenas um instante?
6. Embora sua ambição se eleve até o céu e toque com sua cabeça as nuvens,
7. ele perecerá para sempre como esterco e os que o viam, agora perguntam: 'Onde está ele?'
8. Ele se desfaz como um sonho, e não o encontram; ele desaparece como visão noturna.
9. Os olhos que o viam, não o verão mais, e a sua morada não mais o reconhecerá.
10. Seus filhos terão que indenizar os pobres; suas próprias mãos devolverão suas riquezas.
11. Seus membros ainda cheios de juventude se deitarão com ele no pó.
12. O mal era doce na sua boca, e ele o escondia debaixo da língua;
13. ele o saboreava sem o engolir, segurando-o no céu da boca.
14. Pois bem! Esse alimento apodrecerá no seu ventre e se transformará em veneno de cobra.
15. Vomitará as riquezas que engoliu, porque Deus as arranca do ventre dele.
16. Sugará veneno de serpente, e as presas da víbora o matarão.
17. Nunca mais verá as fontes de óleo, nem os rios de leite e mel.
18. Terá que devolver, sem usar, os frutos do seu trabalho, e não desfrutará do que ganhou no comércio.
19. Porque explorou e desamparou os pobres, e roubou casas que não tinha construído.
20. Porque não soube acalmar sua cobiça, não salvará nenhum de seus tesouros.
21. Nada escapava de sua voracidade e, por isso, sua prosperidade não durará.
22. Da abundância cairá na miséria, e os golpes da desgraça cairão sobre ele.
23. Para lhe encher o ventre, Deus lhe enviará o incêndio de sua ira, e sobre ele fará chover suas flechas.
24. Caso escape das armas de ferro, uma flecha de bronze o atravessará;
25. a ponta da flecha sai brilhando de suas costas, depois de ter atravessado o fígado, enchendo-o de pavor.
26. Todas as trevas serão reservadas para ele, e um fogo não aceso por homens o devorará, consumindo tudo o que resta de sua tenda.
27. O céu revelará a injustiça dele e contra ele a terra se erguerá.
28. Um dilúvio arrastará sua casa, como as cataratas no dia da ira de Deus.
29. Essa é a parte que Deus reserva para o injusto, essa é a herança que Deus lhe prepara".

[Jó 21]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 21

O SOFREDOR QUER SER OUVIDO
1. Então Jó respondeu:
2. "Escutem com atenção as minhas palavras. Dêem pelo menos esse conforto para mim.
3. Tenham paciência enquanto falo. E quando eu terminar, vocês poderão zombar de mim.
4. Estou por acaso me queixando de algum homem? Estou perdendo a paciência sem motivo?
5. Estejam atentos, e vocês ficarão espantados e colocarão a mão na boca.
6. Só de pensar nisso, fico perturbado, e o meu corpo fica cheio de arrepios.

OS INJUSTOS VIVEM BEM
7. Por que os injustos continuam vivos, e envelhecem cada vez mais ricos?
8. Sua descendência está segura na companhia deles, e eles vêem os seus filhos crescer.
9. Suas casas são tranqüilas e sem temor; o bastão de Deus não os atinge.
10. Seus touros reproduzem sem falhar, e suas vacas dão cria sem abortar.
11. Eles deixam suas crianças correr como cabritos, e seus pequenos saltam alegremente.
12. Cantam ao som de cítaras e pandeiros, e se divertem ao som da flauta.
13. Suas vidas transcorrem docemente, e eles descem tranqüilos à sepultura.

VIVEM BEM PORQUE REJEITAM A DEUS E SEU PROJETO
14. Eles diziam a Deus: 'Passa longe de nós, pois não nos interessa conhecer os teus caminhos.
15. Quem é o Todo-poderoso para que o sirvamos? O que é que ganhamos rezando a ele?'
16. Pois bem! Eles têm na mão a felicidade, e os projetos do injusto estão longe de Deus.
17. Quantas vezes a lâmpada dos injustos se apaga, ou a desgraça cai sobre eles, ou a ira de Deus os castiga com sofrimentos?
18. Por acaso, eles se tornam como folha seca ao vento, ou como palha levada pelo furacão?
19. Dizem que Deus castiga os filhos do injusto! Ora, faça que o injusto mesmo pague e aprenda:
20. que veja com seus próprios olhos a desgraça, e beba a ira do Todo-poderoso.
21. Pois, o que lhe importa a sua família depois de morto, quando o tempo de sua vida tiver chegado ao fim?

OS INJUSTOS LEVAM VANTAGEM ATÉ NA MORTE
22. Pode-se por acaso ensinar a ciência a Deus? Deus governa no céu.
23. Uma pessoa chega à morte em pleno vigor, sempre tranqüila e próspera,
24. com as ancas cobertas de gordura e com a medula dos ossos cheia de energia.
25. Outra pessoa morre cheia de amargura, sem nunca ter provado a felicidade.
26. Ambas se deitam juntas no pó, cobertas de vermes.
27. Eu sei muito bem o que vocês estão pensando, e conheço os maus pensamentos que vocês remoem contra mim.
28. Eu sei que vocês dizem: 'Onde está a casa do poderoso, onde está a moradia dos injustos?'
29. Por que vocês não fazem perguntas aos viajantes e não acreditam no que eles dizem?
30. O perverso é poupado no dia da catástrofe, e no dia da ira consegue escapar.
31. Quem vai reprovar a conduta dele? Quem vai pedir contas do que ele fez?
32. Ele será solenemente acompanhado à sepultura, montarão guarda no seu túmulo,
33. e a terra será leve para ele. Todos os homens o acompanham e uma incontável multidão vai à frente dele.
34. E vocês me querem consolar com banalidades? As respostas de vocês são pura tapeação".

[Jó 22]
3. TERCEIRO DEBATE

INTERVENÇÃO DE ELIFAZ

Jó 22

CASTIGO SUPÕE CULPA
1. Elifaz de Temã tomou a palavra e disse:
2. "Por acaso, pode o homem ser útil a Deus, uma vez que o sábio só pode no máximo ajudar a si próprio?
3. O que importa ao Todo-poderoso se você é justo? O que ele ganha, se você é íntegro?
4. Será que é por causa da fidelidade de você que ele o reprova, ou convoca você para o julgamento?
5. Não será antes pela sua grande maldade e pelas suas incontáveis culpas?
6. De fato, você penhorava os bens de seus irmãos e despojava os outros até deixá-los nus.
7. Você não oferecia água ao sedento, e negava pão ao faminto.
8. Você entregava a terra aos poderosos, e aí se instalavam os privilegiados.
9. Você despedia as viúvas de mãos vazias, e violava o direito dos órfãos.
10. É por isso que você está preso nos laços e perturbado por terrores fulminantes.
11. A escuridão não deixa você enxergar; e você está coberto pela enchente das águas.

OS INJUSTOS SÃO CASTIGADOS
12. Será que Deus não está no mais alto do céu? Veja bem como é alto o arco do céu estrelado!
13. E você ainda diz: 'O que sabe Deus? Será que ele é capaz de distinguir através das nuvens escuras?
14. As nuvens são como véu e o impedem de ver, enquanto ele passeia pelo firmamento do céu'.
15. Por acaso você quer seguir o antigo caminho batido por homens perversos,
16. arrastados antes do tempo, quando a enchente de um rio desmoronou seus alicerces?
17. Eles diziam a Deus: 'Afasta-te de nós. O que pode o Todo-poderoso fazer contra nós?'
18. Deus tinha enchido de bens a casa deles, e eles o excluíam de seus projetos perversos.
19. Os justos agora vêem e se alegram, e os inocentes zombam deles:
20. 'Acabaram as riquezas deles! O fogo devorou o que haviam ganhado!'

CONVERTA-SE, E VOCÊ SERÁ FELIZ
21. Vamos, reconcilie-se e faça as pazes com Deus. E você vai ser novamente feliz.
22. Aceite a instrução da boca de Deus e guarde no coração as palavras dele.
23. Se você voltar para o Todo-poderoso, ele o restabelecerá. Afaste a injustiça de sua tenda,
24. jogue seu ouro ao pó, e o ouro de Ofir entre as pedras do rio.
25. Então o Todo-poderoso será o seu ouro, e também prata aos montes.
26. Então você se alegrará com o Todo-poderoso, e erguerá o rosto para Deus.
27. Ele ouvirá as suas súplicas, e você cumprirá o que havia prometido.
28. Você fará um projeto, que se realizará, e a luz brilhará em seu caminho.
29. Porque ele humilha os arrogantes e salva os que se humilham.
30. Ele liberta o homem inocente, e você será salvo pela pureza de suas próprias mãos".

[Jó 23]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 23

SE EU SOUBESSE COMO ENCONTRAR A DEUS!
1. Então Jó respondeu:
2. "Ainda hoje me queixo e me revolto, porque a mão de Deus agrava os meus gemidos.
3. Oxalá eu soubesse como encontrá-lo, como chegar até o seu tribunal!
4. Diante dele eu apresentaria a minha causa, com a boca cheia de argumentos.
5. Eu saberia finalmente com que palavras ele me replica, e compreenderia o que ele me diz.
6. Será que ele usaria de violência comigo? Não importa. Ele ao menos teria que me escutar.
7. Então eu discutiria lealmente com ele, e definitivamente ganharia a minha causa.
8. Mas, se vou para o oriente, ele aí não está. Se vou para o ocidente, não o distingo.
9. Eu o procuro ao norte, e não o descubro. Eu me volto para o sul, e não o vejo.

DEUS FAZ TUDO O QUE QUER
10. Ele, porém, conhece o meu comportamento. Pode colocar-me à prova, e eu sairei puro como ouro.
11. Meus pés seguiram suas pegadas, andei por seu caminho e não me desviei.
12. Não me afastei de seus mandamentos, e guardei suas palavras no meu peito.
13. Ele toma uma decisão e ninguém pode fazê-lo mudar. Ele faz tudo o que quer.
14. Ele executará a minha sentença, e outras coisas que tem na mente.
15. Por isso, fico perturbado em sua presença, e sinto medo só de pensar,
16. porque Deus me intimidou, o Todo-poderoso me aterrorizou.
17. Oxalá eu desaparecesse nas trevas, e a escuridão cobrisse o meu rosto.

[Jó 24]
Jó 24

POR QUE DEUS NÃO ESCUTA OS OPRIMIDOS?
1. Por que o Todo-poderoso não marca tempos de julgamento, para que os seus fiéis possam presenciar às suas intervenções?
2. Os injustos mudam as fronteiras, roubam rebanhos e os levam a pastar.
3. Apoderam-se do jumento que pertence ao órfão, e penhoram o boi que é da viúva.
4. Empurram os indigentes para fora do caminho, e os pobres da terra têm que se esconder.
5. Como asnos do deserto, saem para trabalhar: desde a madrugada vão em busca de alimentos, e até a tarde procuram o pão para seus filhos.
6. Fazem colheita em campo alheio, e catam os restos na vinha do injusto.
7. Passam a noite nus, sem roupa para se protegerem do frio.
8. Ensopados com as chuvas das montanhas, sem abrigo, eles se apertam entre as rochas.
9. Os injustos arrancam o órfão do peito materno, e penhoram a roupa do pobre.
10. Estes andam nus por falta de roupa, e famintos carregam feixes.
11. Espremem azeite no moinho e, sedentos, pisam a uva nos tanques.
12. Na cidade os moribundos gemem, e os feridos pedem socorro. E Deus não faz caso da súplica deles.
13. Outros são rebeldes à luz, não conhecem os caminhos de Deus, nem freqüentam suas estradas.
14. De madrugada, o assassino se levanta para matar o pobre e o indigente. Durante a noite, o ladrão ronda, cobrindo o rosto com uma máscara.
15. O olho do adúltero aguarda o anoitecer, pensando: 'Ninguém me verá'.
16. Na escuridão, eles arrombam as casas, enquanto de dia se escondem aqueles que não querem nada com a luz.
17. O amanhecer é escuro para eles, pois estão acostumados com o medo das trevas".

INTERVENÇÃO DE SOFAR

O DESAFIO DO PECADOR
18. "Os injustos fogem correndo da luz do dia. Sua propriedade na terra é amaldiçoada, e ninguém mais passa por sua vinha.
19. Como o calor do verão suga a água da neve, também a morada dos mortos suga o pecador.
20. O ventre materno se esquece dele, e os vermes o adoram. Sua memória se acaba, e a injustiça é cortada como se corta uma árvore.
21. Isso porque ele maltratou a estéril sem filhos e não socorreu a viúva.
22. Mas aquele que prende com força os tiranos, aparece e lhe tira a certeza da vida.
23. Deus o deixava apoiar-se numa segurança falsa, porém os olhos de Deus observavam os caminhos dele.
24. Exaltado por breve tempo, ele deixa de existir. Cai como a erva que se colhe, e murcha como as espigas.
25. As coisas não são assim? Quem me poderá desmentir, ou reduzir a nada os meus argumentos?"

[Jó 25]
INTERVENÇÃO DE BALDAD

Jó 25

O HOMEM É UM VERME
1. Baldad de Suás tomou a palavra e disse:
2. "Deus tem poder terrível e mantém a paz no alto do céu.
3. Pode-se, por acaso, contar o número de suas tropas? Sobre quem não se levanta a sua luz?
4. Pode o homem ter razão diante de Deus? Como pode ser puro quem nasceu de mulher?
5. Se nem mesmo a lua é brilhante, nem as estrelas são puras, aos olhos dele,
6. quanto menos o homem, esse verme; o ser humano, essa larva!"

[Jó 26]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 26

CONVERSA INÚTIL
1. Então Jó respondeu:
2. "Como você sabe sustentar o fraco e socorrer um braço sem força!
3. Como você sabe aconselhar o ignorante e dar mostras de profundo conhecimento!
4. A quem você dirigiu a palavra? De onde vem a inspiração que sai de você?"

INTERVENÇÃO DE BALDAD

A GRANDEZA DE DEUS
5. Os mortos estremecem debaixo do mar e seus habitantes.
6. A morada dos mortos está nua aos olhos dele, e o reino da morte está sem véu.
7. Deus estendeu o céu sobre o vazio e suspendeu a terra sobre o nada.
8. Ele prende as águas nas nuvens, sem que estas se rasguem com o peso.
9. Ele encobre a face da lua cheia, estendendo sua nuvem sobre ela.
10. Traçou um círculo sobre a superfície do mar, onde a luz faz fronteira com as trevas.
11. As colunas do céu se abalam, assustadas com a ameaça dele.
12. Com seu poder, ele acalmou o mar e, com sua destreza, domou Raab.
13. O seu sopro clareou os céus, e a sua mão transpassou a serpente fugitiva.
14. Tudo isso não é mais do que a margem de suas obras! Delas, nós só percebemos um eco frágil! Quem poderia compreender o estrondo do seu poder?"

[Jó 27]
RESPOSTA DE JÓ

Jó 27

VOU ME AGARRAR À MINHA JUSTIÇA
1. Jó continuou a dizer:
2. "Pelo Deus vivo, que me nega justiça, pelo Todo-poderoso, que me enche de amargura,
3. enquanto eu puder respirar e o sopro de Deus estiver nas minhas narinas,
4. os meus lábios não dirão falsidades e a minha língua não pronunciará mentiras.
5. Longe de mim dar razões a vocês! Vou me declarar inocente até o meu último suspiro.
6. Vou me agarrar à minha justiça, e não vou ceder. Minha consciência não reprova nenhum dos meus dias.
7. Que meu inimigo seja tratado como injusto, e o meu adversário como malfeitor.
8. Vocês dizem: Que esperança pode ter o injusto, se Deus vai lhe tirar a vida?
9. Será que Deus vai ouvir o grito dele, quando sobre ele cair a desgraça?
10. Se ele se tivesse alegrado com o Todo-poderoso, será que poderia invocar a Deus a qualquer momento?
11. Vou explicar para vocês o poder de Deus, e não lhes esconderei os projetos do Todo-poderoso.
12. Se todos vocês já observaram, por que ainda se perdem em banalidades?"

INTERVENÇÃO DE SOFAR

O DESTINO DO INJUSTO
13. "Esta é a sorte que Deus reserva ao injusto, a herança que os opressores recebem do Todo-poderoso:
14. se tiverem muitos filhos, todos morrerão pela espada, e seus descendentes não terão o que comer.
15. Os sobreviventes serão sepultados pela peste, e suas viúvas não chorarão por eles.
16. O injusto acumula prata como terra e amontoa roupas como barro.
17. Pode amontoar! É o justo quem as vestirá, e a prata é o inocente quem a herdará.
18. A casa por ele construída será como teia de aranha, como a choupana de um guarda.
19. Ele se deita rico, mas é pela última vez, pois ao abrir os olhos não terá mais nada.
20. De dia, os terrores o assaltam, e de noite, o furacão o arrebata.
21. O vento leste o arrasta para longe, arrancando-o de sua residência;
22. o vento o arrasta sem piedade, e ele tenta fugir do seu poder.
23. Todos aplaudem sua ruína, e por onde ele vai todos assobiam".

[Jó 28]
O MISTÉRIO INSONDÁVEL DA SABEDORIA

Jó 28

O LIMITE DA TECNOLOGIA
1. A prata tem suas minas, e o ouro tem o lugar onde é refinado.
2. O ferro é extraído da terra, e ao fundir-se a pedra, dela sai o bronze.
3. O homem põe limite às trevas, e explora até o extremo limite as grutas mais sombrias.
4. Perfura poços em lugares inacessíveis, sem apoio para os pés, balançando suspenso longe dos homens.
5. A terra que dá o pão, por baixo é devorada pelo fogo;
6. suas pedras são jazidas de safiras, e seus torrões contêm pepitas de ouro.
7. O abutre não conhece esse caminho, e o olho do falcão não consegue enxergá-lo;
8. as feras não o trilham, nem o leão o atravessa.
9. O homem estende a mão contra a rocha, e revira as montanhas pela raiz;
10. abre galerias na pedra, atento a tudo o que é precioso;
11. explora as nascentes dos rios, e traz à luz o que está escondido.
12. A sabedoria, porém, de onde é tirada? Onde está a jazida da inteligência?
13. O homem não conhece o caminho para ela, pois ela não se encontra na terra dos vivos.

COMO COMPRAR A SABEDORIA?
14. O abismo diz: "Ela não está em mim". E o mar responde: "Ela não está comigo".
15. Ela não pode ser comprada com o ouro mais fino, nem adquirida a peso de prata;
16. não pode ser paga com ouro de Ofir, nem com ônix precioso ou safira.
17. O ouro e o cristal não se igualam a ela, que não pode ser paga com vasos de ouro fino.
18. Os corais e as pérolas, então, nem se fala; é melhor pescar a sabedoria do que as pérolas.
19. O topázio de Cuch não se iguala a ela, nem pode ser comprada com o ouro mais puro.
20. De onde vem a sabedoria? Onde está a jazida da inteligência?
21. Ela está oculta aos olhos dos seres vivos, e escondida para as aves do céu.
22. O abismo e a morte confessam: "Sua fama chegou aos nossos ouvidos".

SOMENTE DEUS TEM ACESSO À SABEDORIA
23. Só Deus conhece o caminho para a sabedoria, somente ele sabe onde ela se encontra,
24. pois ele contempla os confins do universo e vê tudo o que existe debaixo do céu.
25. Quando fixou um peso para o vento e definiu a medida das águas,
26. quando deu uma lei para a chuva e uma rota para o relâmpago e o trovão,
27. então ele a observou e avaliou, e sondou e estabeleceu.
28. E disse ao homem: "A sabedoria consiste em temer ao Senhor, e a inteligência está em afastar-se do mal".

[Jó 29]
JÓ APELA PARA DEUS

Jó 29

UMA VIDA DIGNA DE RECOMPENSA
1. Jó continuou a dizer:
2. "Quem me dera voltar aos tempos de outrora, aos dias em que Deus me protegia,
3. quando a sua lâmpada brilhava sobre a minha cabeça, e com a sua luz eu caminhava no meio das trevas!
4. Pudesse eu reviver os dias do meu outono, quando Deus era íntimo na minha tenda,
5. quando o Todo-poderoso estava comigo, e os meus filhos me rodeavam!
6. Nesse tempo, eu banhava os pés no leite, e a rocha me dava rios de azeite.
7. Quando eu me dirigia à porta da cidade, e me sentava na praça,
8. ao ver-me, os jovens se escondiam, os anciãos se levantavam e ficavam de pé,
9. os chefes paravam de falar e tapavam a boca com a mão,
10. os políticos emudeciam, e a língua deles ficava colada ao céu da boca.
11. Todos os que ouviam, me elogiavam, e com os olhos me aprovavam,
12. porque eu libertava o pobre que pedia socorro e o órfão indefeso.
13. Eu recebia a bênção do moribundo, e alegrava o coração da viúva.
14. Eu vestia a justiça como túnica, e o direito era o meu manto e o meu turbante.
15. Eu era os olhos do cego e os pés do coxo.
16. Eu era o pai dos pobres, e me empenhava pela causa de um desconhecido.
17. Eu quebrava o queixo do injusto e arrancava a presa dos seus dentes.
18. Eu imaginava então: 'Morrerei dentro do meu ninho, e como a fênix multiplicarei os meus dias.
19. As minhas raízes chegarão até a água, e o orvalho pousará nos meus ramos.
20. A minha honra sempre se renovará, e o meu arco se reforçará em minha mão'.
21. Todos me ouviam com atenção e, em silêncio, esperavam meus conselhos.
22. Depois que eu falava, ninguém me replicava. As minhas palavras gotejavam sobre eles,
23. que esperavam por elas como chuvisco, e as bebiam como chuva da primavera.
24. Se eu brincava, não acreditavam, e não perdiam nenhuma expressão do meu rosto.
25. Sentado como chefe, eu lhes indicava o caminho, como rei entronizado em meio à sua escolta. Eu os guiava, e eles se deixavam conduzir.

[Jó 30]
Jó 30

JUSTIÇA PREMIADA COM MISÉRIA
1. Agora, porém, zombam de mim pessoas mais jovens que eu, cujos pais eu não deixaria entre os cães do meu rebanho.
2. Para que me serviriam os braços deles, sem forças como estavam?
3. Consumidos pela fome e miséria, eles ruminavam as raízes do deserto, em sombria e desolada solidão.
4. Colhiam ervas amargas entre os arbustos, alimentando-se com raízes de plantas.
5. Expulsos da sociedade a gritos, como se fossem ladrões,
6. moravam em barrancos escarpados, em cavernas e grutas do rochedo,
7. rugindo entre as moitas, agachados debaixo dos espinheiros.
8. Gente vil, homens sem nome, expulsos do país!
9. Pois bem! Agora eu me tornei alvo de suas zombarias e tema de suas piadas!
10. Eles me desprezam e se afastam, e até se atrevem a me cuspir no rosto.
11. Deus soltou a corda do meu arco e humilhou-me e eles se desenfreiam contra mim.
12. À minha direita, os canalhas se levantam, olham se estou tranqüilo e me preparam o caminho da destruição.
13. Desfazem a minha trilha, e trabalham juntos para a minha ruína, e ninguém os detém.
14. Irrompem por uma larga brecha em avalanche, como tempestade.
15. Os terrores caem sobre mim, a minha dignidade se dissipa como vento, e a minha felicidade se desfaz como nuvem.

DEUS SE TRANSFORMOU EM ADVERSÁRIO
16. Agora quero desafogar-me. Os dias de tristeza me oprimem.
17. De noite, um mal penetra nos meus ossos, pois as chagas que me corroem não me deixam dormir.
18. Deus me agarra com violência pela roupa e me segura pela gola da túnica,
19. me atira no meio da lama, e eu fico misturado com o pó e a cinza.
20. Clamo para ti, e tu não me respondes. Eu insisto, e tu não te importas comigo.
21. Tu te transformaste em meu carrasco, e me atacas com o teu braço musculoso.
22. Tu me levantas e me fazes cavalgar o vento, sacudindo-me no furacão.
23. Eu sei muito bem que tu me conduzes para a morte, para o lugar onde todos os seres vivos se encontram.

E TUDO SEM MOTIVO
24. Quem não estende os braços quando afunda? No desastre, quem não grita por socorro?
25. Não chorei junto com o oprimido? Não tive compaixão do indigente?
26. Eu esperava a felicidade, mas veio a desgraça; eu esperava a luz, mas veio a escuridão.
27. As minhas entranhas fervem e não se acalmam, dias de aflição me assaltam.
28. Eu caminho no luto, longe do sol, e me levanto na assembléia para pedir auxílio.
29. Tornei-me irmão dos chacais e companheiro dos avestruzes.
30. Minha pele escurece e cai, meus ossos queimam de febre.
31. Minha cítara acompanha o luto, e minha flauta acompanha o pranto.

[Jó 31]
Jó 31

PROTESTO DE INTEGRIDADE PESSOAL
1. Eu tinha feito um pacto com os meus olhos: jamais fixar o olhar nas jovens.
2. E, em troca, que sorte Deus me reserva lá do alto? Que herança o Todo-poderoso me destina lá do céu?
3. Será que a desgraça não é para o criminoso, e o fracasso para o malfeitor?
4. Por acaso Deus não vê os meus caminhos e não conta todos os meus passos?
5. Por acaso caminhei junto com a mentira? Será que os meus pés correram atrás da fraude?
6. Deus pode pesar-me na balança da justiça, e então reconhecerá a minha integridade.
7. Se os meus passos se desviaram do caminho, se o meu coração seguiu o capricho dos olhos, e se qualquer mancha se apegou às minhas mãos,
8. então que outro coma o que semeei e arranquem tudo o que plantei.
9. Se o meu coração se deixou seduzir por mulher e se espiei pela porta do meu vizinho,
10. que minha mulher gire o moinho para um estranho e que outros se deitem com ela.
11. Isso, de fato, seria um escândalo, um crime digno de castigo.
12. Seria um fogo que devora e consome, destruindo todos os meus bens.

PROTESTO DE INTEGRIDADE SOCIAL
13. Se violei o direito do meu empregado ou da minha empregada, quando moviam processo contra mim,
14. o que farei, quando Deus se levantar? O que responderei, quando ele me interrogar?
15. Quem me formou no ventre materno, não formou também a eles? Foi o mesmo Deus que nos formou no seio materno.
16. Por acaso neguei o que o fraco desejava, ou deixei a viúva consumir-se em pranto?
17. Comi sozinho o meu pedaço de pão, sem reparti-lo com o órfão?
18. Desde a minha infância ele me criou como pai, e desde o seio materno me guiou.
19. Por acaso vi um miserável sem roupa e algum indigente sem cobertor,
20. sem que suas costas me agradecessem, aquecidas com a lã das minhas ovelhas?
21. Se levantei a mão contra o órfão, quando eu tinha influência no tribunal,
22. que o meu ombro se desprenda do corpo e o meu braço se quebre no cotovelo.
23. Porque o terror de Deus cairia sobre mim, e eu não agüentaria diante da majestade dele.

PROTESTO DE INTEGRIDADE RELIGIOSA
24. Por acaso coloquei a minha confiança no ouro, ou a minha segurança no metal precioso?
25. Por acaso me alegrei com as minhas grandes riquezas ou com a fortuna acumulada por minhas mãos?
26. Por acaso vendo o sol resplandecente e a lua clara caminhar,
27. meu coração se deixou secretamente seduzir e lhes enviei um beijo com a mão?
28. Isso seria um crime digno de castigo, pois eu teria renegado o Deus do alto.
29. Por acaso me alegrei com a desgraça do meu inimigo e exultei com a sua infelicidade?
30. Ou permiti que a minha boca pecasse, desejando com maldições a morte para ele?
31. As pessoas da minha tenda disseram: 'Quem não se fartou na mesa dele?'
32. O imigrante nunca teve que dormir na rua, porque eu abria minhas portas ao viajante.
33. Não ocultei o meu delito como fazem outros homens, nem escondi no peito a minha culpa,
34. por temor dos comentários da multidão ou por temer o desprezo dos parentes, a ponto de me manter calado e fechado dentro de casa.

DESAFIO: QUE DEUS ME RESPONDA!
35. Oxalá houvesse alguém para me escutar! Esta é a minha última palavra. Que o Todo-poderoso me responda. Que o meu adversário escreva a acusação.
36. Eu a levarei sobre os meus ombros e a usarei como se fosse coroa.
37. Eu lhe prestaria contas de todos os meus passos e me apresentaria a ele como um príncipe.
38. Se a minha terra gritou contra mim e os seus sulcos choraram com ela;
39. se eu comi o seu produto sem ter pago por ele, reduzindo à fome aqueles que a cultivaram,
40. que nasçam espinhos ao invés de trigo e urtigas ao invés de cevada". Fim do protesto de Jó.

[Jó 32]
III. DEUS EDUCA ATRAVÉS DO SOFRIMENTO

INTERVENÇÃO DE ELIÚ

1. DEUS FALA ATRAVÉS DO SOFRIMENTO

Jó 32

É PRECISO DAR UMA RESPOSTA NOVA
1. Os três homens não disseram mais nada a Jó, porque ele se considerava inocente.
2. Todavia, Eliú, filho de Baraquel, natural de Buz, da família de Ram, ficou indignado contra Jó, porque este pretendia ter razão contra Deus.
3. Também se indignou contra os três amigos, porque não acharam resposta e deixaram Deus em situação de culpado.
4. Eliú tinha ficado esperando, enquanto eles falavam com Jó, porque eram mais velhos.
5. Vendo, porém, que nenhum dos três tinha mais respostas, ficou indignado.
6. Então Eliú, filho de Baraquel, natural de Buz, começou a falar: "Eu sou jovem, e vocês são anciãos. Por isso, eu estava intimidado e não me atrevia a expor a vocês o meu conhecimento.
7. Eu fiquei pensando: 'Que falem os anos, e a idade madura ensine a sabedoria'.
8. Mas quem dá inteligência é um espírito no homem, o sopro do Todo-poderoso.
9. Não é a idade avançada que dá sabedoria, nem é a velhice que produz o discernimento do que é justo.
10. Por isso, peço que vocês me escutem, e eu também vou mostrar o que sei.
11. Enquanto vocês falavam, eu esperei, e enquanto conversavam prestei atenção nos argumentos de vocês.
12. Contudo, por mais que eu prestasse atenção, percebi que nenhum de vocês conseguiu refutar Jó e responder aos argumentos dele.
13. Não digam que encontraram uma sabedoria que, além de Deus, ninguém pode refutar.
14. Jó ainda não discutiu comigo, e eu não vou responder a ele com os argumentos de vocês.
15. Aí estão eles, desconcertados, e nada respondem porque lhes faltam argumentos.
16. Será que devo ficar esperando, já que eles não falam mais e não sabem o que responder?
17. Pois bem! Quero tomar parte na discussão. Também eu vou mostrar o que sei,
18. porque tenho muitas coisas a dizer, e elas me pressionam por dentro.
19. Minhas entranhas estão como barris novos que o vinho arrebenta ao fermentar.
20. Vou falar e me desafogar, abrindo os lábios para responder.
21. Não vou tomar partido, nem bajular ninguém,
22. porque não sei bajular e porque o meu Criador me eliminaria.

[Jó 33]
Jó 33

DEUS É MAIOR DO QUE O HOMEM
1. E agora, Jó, ouça as minhas palavras, preste atenção ao que vou dizer.
2. Vou abrir a minha boca, e a minha língua formará palavras com o céu da boca.
3. Falo de coração sincero, e os meus lábios falarão claramente.
4. Foi o sopro de Deus que me criou, o alento do Todo-poderoso me deu vida.
5. Se você puder, responda-me; prepare-se, e argumente contra mim.
6. Veja! Diante de Deus, eu sou igual a você: também eu fui tirado do barro.
7. Não tenha medo de mim, pois a minha autoridade não o inibirá.
8. Você disse e repetiu aos meus ouvidos, e ainda escuto o som de suas palavras:
9. 'Eu sou puro, e não tenho culpa! Sou inocente e não cometi nenhum pecado!
10. Deus, porém, inventa pretextos contra mim e me trata como inimigo.
11. Ele coloca meus pés no cepo e vigia todos os meus passos'.
12. Nisso eu digo que você não tem razão, pois Deus é maior do que o homem.

DEUS FALA DE VÁRIOS MODOS
13. Como você se atreve a levantar um processo contra ele, dizendo que ele não responde a nenhuma de suas acusações?
14. Deus fala, ora de um modo, ora de outro, mas as pessoas não prestam atenção.
15. Ele fala em sonhos ou em visões noturnas, quando o torpor cai sobre o homem adormecido no leito.
16. Então ele abre o ouvido do ser humano, segredando-lhe suas advertências,
17. para afastar o homem do mal e evitar que se encha de orgulho.
18. Dessa forma, ele impede que o homem desça ao túmulo e cruze a fronteira da morte.
19. Às vezes, Deus corrige o homem também com o sofrimento na cama, quando o corpo treme sem parar,
20. e a pessoa recusa comer, com nojo até do seu alimento preferido;
21. quando a pessoa emagrece a olhos vistos e seus ossos começam a aparecer.
22. Então ela se aproxima do túmulo, e sua vida é entregue à morada dos mortos.
23. Contudo, se a pessoa encontra um anjo favorável, um intercessor, entre outros mil, que lhe mostre o seu dever,
24. que tenha compaixão dele e diga a Deus: 'Livra-o de baixar à sepultura, pois encontrei um resgate para ele',
25. então o seu corpo de novo se tornará jovem, e ele voltará aos dias de sua mocidade.
26. Então suplicará a Deus, que o atenderá. Deus lhe mostrará alegremente a sua face, fazendo com que o homem se torne justo.
27. Esse homem contará então diante dos outros, dizendo: 'Eu tinha pecado e violado o direito. Deus, porém, não me castigou como eu merecia.
28. Livrou-me de cair na sepultura, e agora a minha vida pode contemplar a luz'.
29. Veja! Deus faz tudo isso duas e até três vezes em favor do homem,
30. a fim de tirá-lo vivo do túmulo e iluminá-lo com a luz da vida.
31. Preste atenção, Jó, escute-me, fique em silêncio enquanto eu falo.
32. Se você tem algo a dizer, me responda. Pode falar, estou disposto a dar-lhe razão.
33. Se você não tem nada para falar, então escute-me, cale-se, e eu lhe ensinarei a sabedoria".

[Jó 34]
2. DEUS É JUSTO

Jó 34

1. Eliú continuou dizendo:
2. "Sábios, escutem as minhas palavras, e vocês, doutores, prestem atenção.
3. Assim como o ouvido distingue as palavras e o paladar saboreia os alimentos,
4. também nós podemos discernir o que é justo e reconhecer o que é bom.
5. Jó afirmou: 'Sou inocente, mas Deus se nega a fazer-me justiça.
6. Embora esteja no meu direito, passo por mentiroso e, embora não tenha pecado, uma flecha me feriu mortalmente'.
7. Quem é grande como Jó? Ele bebe sarcasmo como água,
8. junta-se aos malfeitores e anda na companhia dos injustos.
9. Ele afirma: 'O homem não ganha nada em satisfazer a Deus'.
10. Escutem-me, homens sensatos. Longe de Deus praticar o mal, longe do Todo-poderoso praticar a injustiça!
11. Deus paga ao homem conforme as suas obras e retribui a cada um conforme a sua conduta.
12. Deus, na verdade, não age de modo injusto. O Todo-poderoso nunca viola o direito.
13. Quem confiou a ele o governo da terra? Quem lhe entregou o mundo inteiro?
14. Se ele pensasse apenas em si mesmo e retirasse o seu espírito e o seu sopro,
15. todas as criaturas morreriam no mesmo instante, e o homem voltaria ao pó.
16. Se você é inteligente, escute-me, preste atenção ao que vou falar.
17. Quem é inimigo do direito conseguiria governar? Você se atreve a condenar o supremo Justo?
18. Ele é capaz de dizer a um rei: 'Você é um homem vil'. E a um príncipe: 'Você é um homem injusto'.
19. Deus não é parcial a favor dos poderosos, nem favorece o rico contra o pobre, porque todos são obras de suas mãos.
20. Eles morrem de repente no meio da noite, os grandes perecem e desaparecem, e o poderoso é derrubado sem esforço humano.
21. Porque os olhos de Deus vêem a conduta do homem e vigiam todos os seus passos.
22. Não há trevas nem sombras onde os malfeitores possam esconder-se.
23. Não cabe ao homem marcar prazo para comparecer perante o tribunal de Deus.
24. Ele aniquila os poderosos sem muitos inquéritos e, no lugar deles, nomeia outros.
25. Deus conhece a fundo as ações deles. Ele os derruba numa noite, e são destruídos.
26. Ele os açoita como criminosos, e os prende em público,
27. porque se afastaram dele, e não seguiram os seus caminhos,
28. fazendo com que o clamor dos fracos chegasse até Deus, e ele ouvisse o clamor dos pobres.
29. Se Deus permanece quieto, quem poderá condená-lo? Se ele esconde o rosto, quem poderá vê-lo? Todavia, ele cuida dos povos e das pessoas,
30. para que não reine o perverso nem alguém que engane o povo.
31. Diga apenas isto a Deus: 'Eu me enganei, não farei mais o mal.
32. Ensina-me aquilo que eu não vejo. Se pratiquei o mal, não voltarei a fazê-lo'.
33. Será que ele deveria retribuir-lhe segundo as idéias que você tem, já que você rejeita o julgamento dele? Quem deve escolher é você, e não eu. Vamos, diga o que você sabe.
34. Os homens sensatos e os sábios que me escutam confessarão:
35. 'Jó está falando sem saber. Suas palavras não têm sentido'.
36. Quero que Jó seja examinado até o fim por suas respostas, dignas de um descrente,
37. porque ao pecado ele ajunta a revolta. Ele semeia a dúvida entre nós e multiplica seus protestos contra Deus".

[Jó 35]
3. DEUS NÃO ATENDE OS ORGULHOSOS

Jó 35

1. Eliú continuou dizendo:
2. "Será que você pretende ter razão, quando diz: 'Sou mais justo do que Deus'?
3. Ou quando diz: 'De que me serviu, e o que foi que eu ganhei em não pecar?'
4. Vou responder a você e também a seus amigos.
5. Olhe atentamente para o céu e observe as nuvens que estão bem acima de você.
6. Se você pecar, que mal estará fazendo a Deus? Se você amontoa crimes, que danos está causando para ele?
7. E se você é justo, o que é que está dando a ele? O que é que ele recebe de sua mão?
8. Sua maldade só pode afetar outro homem igual a você. Sua justiça só atinge outro ser humano como você.
9. As pessoas gemem sob o peso da opressão, e pedem socorro contra os poderosos.
10. Mas ninguém diz: 'Onde está o nosso Deus criador, que restaura as nossas forças durante a noite,
11. que nos instrui mais do que aos animais da terra e nos torna mais sábios do que as aves do céu?'
12. Alguns clamam, porém Deus não responde ao orgulho dos injustos.
13. Não, Deus não ouve a falsidade, e o Todo-poderoso não presta atenção nisso.
14. E você ainda se atreve a dizer que não o vê, que sua causa foi submetida a ele, que você está esperando,
15. que a ira dele não intervém e que ele não cuida de nada.
16. Ora, Jó está abrindo a boca inutilmente e multiplicando palavras sem sentido".

[Jó 36]
4. JUSTIÇA E GRANDEZA DE DEUS

Jó 36

DEUS EDUCA PARA A JUSTIÇA
1. Eliú continuou dizendo:
2. "Tenha um pouco de paciência, e eu ensinarei a você, porque ainda existem outros argumentos para a defesa de Deus.
3. Irei longe para buscar a minha ciência, a fim de dar razão ao meu Criador.
4. Meus argumentos não são falsos; você tem diante de si um sábio consumado.
5. Veja! Deus é poderoso e não despreza o coração sincero.
6. Ele não deixa o ímpio viver; e faz justiça aos pobres.
7. Não afasta seus olhos dos justos. Ao contrário, ele os faz sentar em tronos reais e os exalta para sempre.
8. Quando os prende em correntes e amarra com os laços da aflição,
9. é porque ele só quer denunciar suas ações e seus pecados causados pelo orgulho.
10. E assim, Deus abre os ouvidos deles para a correção e os aconselha a se converterem da injustiça.
11. Se eles derem atenção e se submeterem, terminarão seus dias na prosperidade e seus anos no bem-estar.
12. Se não obedecerem, atravessarão a fronteira da morte e morrerão sem perceber.
13. Os injustos, quando Deus os aflige, acumulam rancor em lugar de pedir auxílio.
14. Eles perdem a vida em plena juventude e morrem com a idade das prostitutas.
15. Deus, porém, salva o pobre através da aflição e lhe abre o ouvido por meio do sofrimento.
16. Ele quer arrancar também você da angústia e levá-lo a um lugar espaçoso e aberto, para servir a você com mesa farta.
17. Você, porém, não faz justiça contra o injusto, nem defende o direito do órfão.
18. Não se deixe seduzir por um presente, nem se perverter com rico suborno.
19. Por acaso, no perigo, suas riquezas e posses valerão alguma coisa diante de Deus?
20. Não esmague pessoas estranhas, para colocar seus parentes no lugar delas.
21. Cuide em não se voltar para a injustiça, porque é por causa dela que você foi provado através da aflição.
22. Veja como Deus é sublime em seu poder! Que mestre pode comparar-se a ele?
23. Quem é que ensina o caminho para ele, ou pode acusá-lo de injustiça?
24. Lembre-se de celebrar as obras dele, que a humanidade cantou.
25. Todos os homens as contemplam, todos os mortais as admiram de longe.

O SENHOR DO OUTONO
26. A grandeza de Deus supera todo conhecimento, e o número de seus anos é incalculável.
27. Ele reúne as gotas d'água, e de suas fontes destila a chuva.
28. As nuvens se derramam em chuvisco, e a chuva cai abundante sobre o solo.
29. Quem pode calcular a extensão das nuvens e a altura de sua tenda celeste?
30. Ele espalha diante de si uma neblina, que cobre o topo das montanhas.
31. Com a chuva, alimenta os povos, dando-lhes comida abundante.
32. Enche as mãos com raios e atira-os no alvo certo.
33. O trovão anuncia a chegada dele, e a sua ira se acende contra a injustiça.

[Jó 37]
Jó 37

1. Ao ver tudo isso, o meu coração treme e salta fora do peito.
2. Atenção! Ouçam o trovão de sua voz e o estrondo que sai de sua boca.
3. Seu relâmpago brilha do céu, atingindo a extremidade da terra.
4. Depois dele, sua voz estronda, ribombando com fragor majestoso. Nada detém os seus raios, depois que se ouve o seu trovão.
5. Deus troveja com voz prodigiosa e realiza maravilhas que não compreendemos.

O SENHOR DO INVERNO
6. Deus ordena à neve: 'Caia sobre a terra'. E à chuva torrencial: 'Desça com violência'.
7. Ele interrompe a atividade dos homens, para que todos reconheçam a sua obra.
8. As feras entram nos seus esconderijos e permanecem nas suas tocas.
9. O furacão avança do sul, e do norte se aproxima o frio.
10. Ao sopro de Deus se forma o gelo, e a superfície das águas se congela.
11. Ele enche as nuvens de umidade e espalha as nuvens de tempestade.
12. Estas, guiadas por ele, giram e circulam, para cumprir todas as suas ordens no mundo inteiro.
13. Ele as envia aos povos da terra para castigá-los ou para beneficiá-los.

O SENHOR DO VERÃO
14. Ouça bem, Jó. Pare, e considere as maravilhas de Deus!
15. Você sabe como Deus dirige as nuvens, fazendo uma nuvem brilhar de relâmpagos?
16. Você sabe como ele equilibra as nuvens, maravilhas de sabedoria consumada?
17. Você sabe por que suas roupas ficam quentes, quando a terra desfalece por causa do vento sul?
18. Por acaso você já estendeu com ele o firmamento, sólido como espelho de metal fundido?
19. Fale-me o que devemos dizer para Deus, pois não podemos argumentar às escuras.
20. Seria preciso avisar a ele que pretendo falar? Ficaria ele informado com o que um homem diz?
21. De repente não se vê mais a luz, escurecida pelas nuvens. No entanto, o vento sopra e as espalha.
22. Do norte chega um clarão dourado, Deus se envolve de majestade terrível.
23. Não podemos alcançar o Todo-poderoso. Ele é sublime em poder, rico de justiça, e não oprime ninguém.
24. Por isso, todos os homens o temem, e ele não leva em conta aqueles que se consideram sábios".

[Jó 38]
IV. O DESAFIO DE DEUS

1. DEUS É O SENHOR DA VIDA

Jó 38

JAVÉ FALA POR DENTRO DO SOFRIMENTO HUMANO
1. Então Javé, do meio da tempestade, respondeu a Jó e disse:
2. "Quem é esse que escurece o meu projeto com palavras sem sentido?
3. Se você é homem, esteja pronto: vou interrogá-lo, e você me responderá.

O SENHOR DA NATUREZA
4. Onde você estava quando eu colocava os fundamentos da terra? Diga-me, se é que você tem tanta inteligência!
5. Você sabe quem fixou as dimensões da terra? Quem a mediu com a trena?
6. Onde se encaixam suas bases, ou quem foi que assentou sua pedra angular,
7. enquanto os astros da manhã aclamavam e todos os filhos de Deus aplaudiam?
8. Quem fechou o mar com uma porta, quando ele irrompeu, jorrando do seio materno?
9. Quando eu coloquei as nuvens como roupas dele e névoas espessas como cueiros?
10. Quando lhe coloquei limites com portas e trancas,
11. e lhe disse: 'Você vai chegar até aqui, e não passará. Aqui se quebrará a soberba de suas ondas'?
12. Alguma vez em sua vida você deu ordens para o amanhecer, ou marcou um lugar para a aurora,
13. a fim de que ela agarre as bordas da terra, e dela sacuda os injustos?
14. Por acaso você deu ordens à terra para ela se transformar como argila debaixo do sinete e se tingir como vestido,
15. negando luz para os injustos e quebrando o braço que ameaça golpear?
16. Você já chegou até as fontes do mar, ou passeou pelas profundezas do oceano?
17. Já mostraram a você as portas da morte, ou por acaso você já viu os portais das sombras?
18. Você examinou a extensão da terra? Se você sabe tudo isso, me diga.
19. Por onde se vai até a casa da luz, e onde é que vivem as trevas,
20. para que você as leve ao território delas e lhes ensine o caminho para casa?
21. Certamente você sabe disso tudo, pois já então havia nascido e já viveu muitíssimos anos.
22. Você entrou nos reservatórios da neve e observou os celeiros do granizo,
23. que eu reservo para o tempo da calamidade, para os dias de guerra e batalha?
24. Por onde se espalha o calor, e se difunde sobre a terra o vento leste?
25. Quem abriu um canal para o aguaceiro, e o caminho para o relâmpago e o trovão,
26. para chover em terras despovoadas e no deserto, onde os homens não habitam,
27. para que as regiões desoladas se saciem, e façam germinar e brotar a erva?
28. Por acaso a chuva tem pai? Quem gera as gotas do orvalho?
29. De que seio vem o gelo, e quem dá à luz a geada do céu?
30. As águas ficam como pedra, e a superfície do lago se congela.
31. Você pode amarrar o laço das Plêiades, ou desatar as ligações de Órion?
32. Você pode fazer que apareçam as constelações do zodíaco na sua estação própria, ou guiar a Ursa com os seus filhos?
33. Você conhece as leis do céu, ou determina as funções delas sobre a terra?
34. Você é capaz de levantar a voz até as nuvens, para que um aguaceiro cubra você?
35. Por acaso você atira os raios e eles partem, dizendo a você: 'Aqui estamos'?
36. Quem deu sabedoria ao íbis e inteligência ao galo?
37. Quem está em grau de contar exatamente as nuvens, e quem entorna os cântaros do céu,
38. quando o pó do chão se transforma em barro e os terrões se amontoam?

O SENHOR DOS ANIMAIS
39. É você, por acaso, que caça a presa para a leoa ou sacia a fome dos leõezinhos,
40. quando eles se recolhem nas tocas ou ficam de emboscada nas moitas?
41. É você que dá alimento ao corvo, quando os filhotes dele gritam a Deus e se agitam por falta de comida?

[Jó 39]
Jó 39

1. Você sabe quando é que as camurças dão cria? Já assistiu o parto das corças?
2. Você conta os meses de gravidez delas ou conhece o momento do parto?
3. Elas se agacham, dão cria e se livram das dores.
4. Os filhotes crescem e ficam fortes, saem para o campo aberto e não voltam mais.
5. Quem dá liberdade ao asno selvagem e solta as rédeas do burro xucro,
6. ao qual dei o deserto como habitação e a planície salgada como moradia?
7. Ele se ri do barulho da cidade e não dá atenção aos xingos de quem o arreia.
8. Ele explora as montanhas em busca de pasto, à procura de lugares verdes.
9. Será que o búfalo aceita servir a você e passar a noite em seu estábulo?
10. Você pode colocar nele uma canga, para que ele are a terra atrás de você?
11. Ele é forte. Mas será que você pode confiar nele para fazer o seu trabalho?
12. Você pode contar com ele, para que volte e venha moer o grão no terreiro?
13. O avestruz bate asas alegremente, como se tivesse penas e plumas de cegonha.
14. Ele deixa seus ovos no chão, para chocá-los na areia,
15. sem pensar que algum pé poderá quebrá-los ou serem pisados por alguma fera.
16. Ele é cruel com os filhotes, como se não fossem seus, e não se importa com a inútil fadiga deles,
17. porque Deus o privou de sabedoria e não lhe concedeu inteligência.
18. Contudo, quando se levanta batendo os flancos, ele se ri de cavalos e cavaleiros.
19. Você pode dar força ao cavalo e vestir de crina o pescoço dele?
20. Você o ensina a saltar como um gafanhoto, relinchando com majestade e terror?
21. Cheio de força, ele pateia o chão e se lança ao encontro das armas.
22. Ele ri do medo, não se assusta e diante da espada não volta para trás.
23. Sobre ele ressoam o barulho do escudo, a lança faiscante e o dardo.
24. Com ímpeto e estrondo, ele devora a distância e não pára, mesmo que soe o clarim.
25. Ao toque da trombeta, ele relincha; fareja de longe a batalha, as ordens de comando e os gritos de guerra.
26. Será pela sabedoria que você tem, que o falcão levanta vôo, estendendo as asas para o sul?
27. Por acaso é com sua ordem que a águia levanta vôo e constrói seu ninho nas alturas?
28. Ela mora nos rochedos, e aí pernoita numa fortaleza de rocha inatingível.
29. Do alto ela espia a sua presa; seus olhos a enxergam de longe.
30. Seus filhotes bebem o sangue, e onde há cadáveres ela aí está".

[Jó 40]
Jó 40

1. Javé continuou falando a Jó, e perguntou:
2. "O adversário vai querer discutir com o Todo-poderoso? Quem critica a Deus irá responder?"

PRIMEIRA RESPOSTA DE JÓ A DEUS

SILÊNCIO DIANTE DO MISTÉRIO
3. Então Jó respondeu a Javé:
4. "Eu me sinto arrasado. O que posso replicar? Vou tapar a boca com a mão.
5. Falei uma vez e não insistirei; falei duas vezes, e não vou acrescentar mais nada".

2. DEUS TRIUNFA SOBRE O MAL

O GRANDE DESAFIO: DEUS É DEUS, E O HOMEM NÃO É DEUS
6. Do meio da tempestade, Javé replicou a Jó:
7. "Se você é homem, esteja pronto: vou interrogá-lo, e você me responderá.
8. Você se atreve a anular a minha justiça e condenar-me, para justificar a si mesmo?
9. Você tem braço como o braço de Deus? Sua voz troveja como a voz de Deus?
10. Então revista-se de majestade e grandeza, e cubra-se de esplendor e glória!
11. Derrame o ardor de sua ira e, com um olhar só, rebaixe todos os orgulhosos.
12. Humilhe com seu olhar o arrogante, e esmague os injustos onde quer que se encontrem.
13. Enterre-os todos juntos no pó, e amarre-os todos juntos na prisão.
14. Então também eu louvarei a você, porque conseguiu a vitória com sua própria mão direita.

DEUS DOMINA A FORÇA BRUTA
15. Veja o Beemot: fui eu que o criei, como criei você. Ele come grama como faz o boi.
16. Veja a força de suas ancas, o vigor do seu ventre musculoso,
17. quando ergue a cauda como cedro, trançando os tendões de suas coxas.
18. Seus ossos são como tubos de bronze, e sua carcaça parece feita de barras de ferro.
19. Ele é a obra-prima de Deus, e somente o seu Criador pode ameaçá-lo com a espada.
20. Deus lhe proíbe a região das montanhas, onde as feras se divertem.
21. Ele se deita debaixo do lótus, e se esconde entre os juncos do pântano.
22. O lótus o cobre de sombra, e os salgueiros da torrente o envolvem.
23. Ainda que o rio transborde, ele não se assusta. Ao contrário, fica tranqüilo, mesmo que o Jordão faça espuma em sua boca.
24. Quem poderá agarrá-lo pela frente ou perfurar suas narinas com o gancho?

DEUS DOMINA O MAL QUE AMEAÇA O HOMEM
25. Por acaso você é capaz de pescar o Leviatã com anzol e amarrar-lhe a língua com uma corda?
26. Você é capaz de furar as narinas dele com junco e perfurar sua mandíbula com gancho?
27. Será que ele viria até você com muitas súplicas ou lhe falaria com ternura?
28. Será que faria uma aliança com você, para você fazer dele o seu criado perpétuo?
29. Você brincará com ele como se fosse um pássaro, ou você o amarrará para suas filhas?
30. Será que os pescadores o negociarão, ou os negociantes o dividirão entre si?
31. Poderá você crivar a pele dele com dardos ou a cabeça com arpão de pesca?
32. Experimente colocar a mão em cima dele: você se lembrará da luta, e nunca mais repetirá isso!

[Jó 41]
Jó 41

1. Veja! Diante dele, toda segurança é apenas ilusão, pois basta alguém vê-lo para ficar com medo.
2. Ninguém é tão corajoso para provocá-lo. Quem poderia enfrentá-lo cara a cara?
3. Quem jamais se atreveu a desafiá-lo, e saiu ileso? Ninguém debaixo de todo o céu.
4. Não deixarei de descrever os membros dele, nem sua força incomparável.
5. Quem abriu sua couraça e penetrou por sua dupla armadura?
6. Quem abriu as duas portas de sua boca, rodeadas de dentes terríveis?
7. Suas costas são fileiras de escudos, ligados com lacre de pedra;
8. são tão unidos uns com os outros, que nem ar passa entre eles;
9. cada um é tão ligado com o outro, que ficam travados e não se podem separar.
10. Seus espirros lançam faíscas, e seus olhos são como a cor rosa da aurora.
11. De sua boca irrompem tochas acesas e saltam centelhas de fogo.
12. De suas narinas jorra fumaça, como de caldeira acesa e fervente.
13. Seu bafo queima como brasa, e sua boca lança chamas.
14. Em seu pescoço reside a força, e diante dele dança o terror.
15. Os músculos do seu corpo são compactos, são sólidos e imóveis.
16. Seu coração é duro como rocha e sólido como pedra de moinho.
17. Quando ele se ergue, os heróis tremem e fogem apavorados.
18. A espada que o atinge não penetra, nem a lança, nem o dardo, nem o arpão.
19. Para ele o ferro é como palha, e o bronze como madeira podre.
20. A flecha não o afugenta, e as pedras da funda se transformam em palha para ele.
21. A maça é para ele como estopa, e ele zomba dos dardos que assobiam.
22. Seu ventre, coberto de escamas pontudas, é uma grade de ferro que se arrasta sobre o lodo.
23. Ele faz ferver o fundo do mar como caldeira, e a água fumegar como vasilha quente cheia de ungüentos.
24. Atrás de si deixa uma esteira brilhante, e a água parece cabeleira branca.
25. Na terra ninguém se iguala a ele, pois foi criado para não ter medo.
26. Ele se confronta com os seres mais altivos, e é o rei das feras soberbas".

[Jó 42]
ÚLTIMA RESPOSTA DE JÓ A DEUS

Jó 42

A EXPERIÊNCIA DO DEUS VIVO
1. Então Jó respondeu a Javé:
2. "Eu reconheço que tudo podes e que nenhum dos teus projetos fica sem realização.
3. Tu disseste: 'Quem é esse que escurece os meus projetos com palavras sem sentido?' Pois bem! Eu falei, sem entender, de maravilhas que superam a minha compreensão.
4. Tu disseste: 'Escute-me, porque vou falar. Vou interrogá-lo, e você me responderá'.
5. Eu te conhecia só de ouvir. Agora, porém, os meus olhos te vêem.
6. Por isso, eu me retrato e me arrependo, sobre o pó e a cinza".

V. APÊNDICE

A INTERCESSÃO DO POBRE
7. Javé terminou de falar com Jó, e se dirigiu a Elifaz de Temã, dizendo: "Estou irritado contra você e seus dois companheiros, porque vocês não falaram corretamente de mim como falou o meu servo Jó.
8. Portanto, peguem sete bezerros e sete carneiros, e vão até o meu servo Jó. Ofereçam os animais em holocausto, e o meu servo Jó intercederá por vocês. Em atenção a ele, eu não os tratarei como a insensatez de vocês merece, porque vocês não falaram corretamente de mim, como falou o meu servo Jó".
9. Então, Elifaz de Temã, Baldad de Suás e Sofar de Naamat fizeram o que Javé lhes tinha ordenado. E Javé atendeu às orações de Jó.

O RETORNO DA FELICIDADE
10. Quando Jó intercedeu por seus companheiros, Javé lhe mudou a sorte e duplicou todas as posses.
11. Seus irmãos e irmãs e os antigos conhecidos foram visitá-lo. Almoçaram em sua casa e o consolaram e confortaram pela desgraça que Javé lhe tinha enviado. Cada um ofereceu a Jó uma soma de dinheiro e um anel de ouro.
12. E Javé abençoou a Jó, mais ainda do que antes. Ele possuía agora catorze mil ovelhas, seis mil camelos, mil juntas de bois e mil jumentas.
13. Teve sete filhos e três filhas:
14. a primeira chamava-se Rola, a segunda Cássia e a terceira Azeviche.
15. Em toda a terra não havia mulheres mais belas do que as filhas de Jó. E o seu pai repartiu a herança entre elas e os irmãos delas.
16. Depois disso, Jó viveu ainda cento e quarenta anos, e conheceu os seus filhos, netos e bisnetos.
17. Depois Jó morreu, velho, em idade avançada.

Send this page to a friend

St. Takla Church - Main IndexIndex of Antigo Testamento - BÍBLIA ON-LINE - Portuguese Bible (Brazil)

Like & share St-Takla.org

_


© Saint Takla Haymanout Website: Coptic Orhtodox Church - Alexandria, Egypt / URL: http://St-Takla.org / Contact us at

http://st-takla.org/Bibles/Portuguese-Bible/01-Antigo-Testamento/20-jo.html