All Coptic Links - Coptic Directory - Orthodox Church Directory The Agbeya - The Coptic Book of Prayers (English Agbiya + Arabic Agpeya) English Bible + Holy Bible in other languages - Arabic, French, Ethiopian Amharic Holy Bible, ArabicBible, Enjeel Saint Takla dot org - Main page - English Photo and Image Gallery: Jesus - Mary - Saints - St. Takla - Church - Priests - Bible - Activities - pictures and Icons.. Download and listen to Hymns - Carols - Midnight Praise (Tasbeha) - Midis - Videos - Liturgies - Masses - Sermons - Online Streaming St-Takla.org   Coptic Church Website Logo of Saint Takla Haymanot the Ethiopian Website - Alexandria - Egypt - موقع الأنبا تكلا هيمانوت FAQ - Frequently Asked Questions and Answers - Coptic and Christan Q&A - Faith, Creed, Site, Youth, Family, Holy Bible Contact Us - Address - Map - Online Support Send a free Christian and Coptic Greeting Cards to your friends موقع الكنيسة القبطية باللغة العربية - الموقع العربي StTaklaorg Site News and Updates Downloads.. Winamp Skins - Coptic fonts - Agbeya - Software - Freeware - Icons - Gallery - Mp3s Feedback - Submit URL - ideas - Suggestions.. Kids' Corner - Coloring - Songs - Games - Stories Free Coptic Books - Christian Arabic Books, Orthodox English Books  

Portuguese Bible - BÍBLIA ON-LINE - Antigo Testamento

I Samuel

 

I Samuel 1
I. SAMUEL: SACERDOTE, PROFETA E JUIZ

1. SAMUEL E A PALAVRA DE JAVÉ

JAVÉ ATENDE O PEDIDO DO POVO
1. Havia um homem de Ramataim, um sufita da região montanhosa de Efraim, que se chamava Elcana, filho de Jeroam, filho de Eliú, filho de Toú, filho de Suf. Era um efraimita.
2. Elcana tinha duas mulheres: uma se chamava Ana e a outra Fenena. Fenena tinha filhos; Ana, porém, não tinha nenhum.
3. Todos os anos, Elcana subia de sua cidade para Silo, a fim de adorar e oferecer sacrifícios a Javé dos exércitos. Em Silo, estavam Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli, que eram sacerdotes de Javé.
4. No dia em que oferecia sacrifícios, Elcana repartia porções para sua mulher Fenena e para todos os filhos e filhas dela.
5. Embora tivesse maior amor por Ana, Elcana lhe dava apenas uma porção, porque Javé a tornara estéril.
6. Com humilhações, Fenena irritava Ana, a quem Javé tinha deixado estéril.
7. Isso acontecia todos os anos; e sempre que eles subiam ao santuário de Javé, Fenena ofendia Ana. E Ana começava a chorar e ficava sem comer.
8. Elcana, seu marido, lhe perguntava: "Ana, por que você fica chorando e não come nada? Por que você está triste? Por acaso, eu não sou melhor para você do que dez filhos?"
9. Depois de terem comido e bebido em Silo, Ana se levantou e se apresentou diante de Javé. O sacerdote Eli estava sentado em sua cadeira junto à porta do santuário de Javé.
10. Cheia de amargura, Ana rezou a Javé, chorou muito,
11. e fez uma promessa, dizendo: "Javé dos exércitos, se quiseres dar atenção à miséria da tua serva e te lembrares de mim, e não te esqueceres da tua serva, e lhe deres um filho homem, então eu o consagrarei a Javé por todos os dias de sua vida, e a navalha não passará sobre a cabeça dele".
12. Como Ana continuasse rezando a Javé, Eli observava os lábios dela.
13. Ana apenas murmurava: seus lábios se moviam, mas não dava para ouvir o que ela dizia. Por isso, Eli pensou que ela estivesse embriagada.
14. Então Eli perguntou: "Até quando você vai ficar embriagada? Acabe primeiro com essa bebedeira!"
15. Ana, porém, respondeu: "Não, meu senhor. Eu sou uma mulher que sofre; não bebi vinho, nem bebida forte. Eu estava apenas me desafogando diante de Javé.
16. Não pense que esta sua serva seja vadia. Falei até agora, porque estou muito triste e aflita".
17. Então lhe disse Eli: "Vá em paz. Que o Deus de Israel conceda o que você lhe pediu".
18. Ana respondeu: "Que esta sua serva possa encontrar sempre o seu favor". Ana foi embora, comeu, e já não parecia a mesma de antes.
19. Levantaram-se de madrugada, adoraram a Javé e voltaram para casa. Chegando a Ramá, Elcana se uniu à sua mulher Ana, e Javé se lembrou dela.
20. Ana ficou grávida e, no tempo certo, deu à luz um filho, e lhe deu o nome de Samuel, dizendo: "Eu o pedi a Javé".
21. Um ano depois, seu marido Elcana subiu com toda a família para oferecer a Javé o sacrifício anual e cumprir a promessa.
22. Ana, porém, não foi junto. Ela disse ao marido: "Quando o menino for desmamado, então eu o levarei para apresentá-lo a Javé, e ele vai ficar lá para sempre".
23. Seu marido Elcana respondeu: "Faça o que achar melhor e espere até que ele seja desmamado. E Javé permita que você possa cumprir a promessa". Desse modo, Ana ficou em casa, e criou o menino até o desmamar.
24. Logo que o desmamou, o levou até o santuário de Javé em Silo, com um bezerro de três anos, quarenta e cinco quilos de farinha e quarenta e cinco litros de vinho. O menino era ainda muito pequeno.
25. Eles imolaram o bezerro e levaram o menino a Eli.
26. Ana disse: "Desculpe, senhor. Eu sou aquela mulher que esteve aqui junto ao senhor, rezando a Javé.
27. O que eu pedia era este menino, e Javé atendeu o meu pedido.
28. Agora, eu o entrego a Javé por toda a vida, para que pertença a ele". E se prostraram diante de Javé.

[I Samuel 2]
I Samuel 2

ESPERANÇA DE UM REINO JUSTO
1. Então Ana rezou esta oração: Meu coração se alegra com Javé, em Deus me sinto cheia de força. Agora, que eu possa responder aos meus inimigos, pois me sinto feliz com tua salvação.
2. Ninguém é santo como Javé, não existe Rocha como o nosso Deus.
3. Não multipliquem palavras soberbas, nem saia arrogância da boca de vocês, porque Javé é um Deus que sabe, é ele quem pesa as ações.
4. O arco dos poderosos é quebrado, e os fracos são fortalecidos.
5. Os saciados se empregam por comida, enquanto os famintos engordam com despojos. A mulher estéril dá à luz sete filhos, e a mãe de muitos filhos se esgota.
6. Javé faz morrer e faz viver, faz descer ao abismo e dele subir.
7. Javé torna pobre e torna rico, ele humilha e também levanta.
8. Ele ergue da poeira o fraco e tira do lixo o indigente, fazendo-os sentar-se com os príncipes e herdar um trono glorioso; pois a Javé pertencem as colunas da terra, e sobre elas ele assentou o mundo.
9. Ele guarda o passo de seus fiéis, enquanto os injustos perecem nas trevas - pois não é pela força que o homem triunfa.
10. Javé derrota seus adversários, o Altíssimo troveja lá do céu. Javé julga os confins da terra. Ele dá força ao seu rei e aumenta o poder do seu ungido".

CORRUPÇÃO E CASTIGO
11. Depois Elcana foi para sua casa em Ramá. O menino, porém, ficou a serviço de Javé, sob as ordens do sacerdote Eli.
12. No entanto, os filhos de Eli eram desonestos e não se preocupavam, nem com Javé,
13. nem com as obrigações de sacerdotes para com o povo. Toda vez que alguém oferecia um sacrifício, enquanto se cozinhava a carne, o ajudante do sacerdote ia com um garfo de três dentes,
14. enfiava-o no caldeirão ou na panela, no tacho ou na travessa, e tudo o que o garfo prendia pertencia ao sacerdote. Assim faziam com todos os israelitas que iam a Silo.
15. Antes de queimar a gordura, o ajudante do sacerdote também dizia à pessoa que ia oferecer o sacrifício: "Dê-me a carne, para que o sacerdote asse como quiser. Deve ser carne crua, porque ele não aceitará carne cozida".
16. Se a pessoa respondia: "Primeiro é preciso queimar a gordura, depois você poderá levar o que quiser", o ajudante dizia: "Não. Ou você me dá a carne agora mesmo, ou a tomarei pela força".
17. O pecado desses ajudantes era grave diante de Javé, porque desonravam a oferta feita a Javé.
18. Samuel, por sua vez, prestava serviço diante de Javé, conforme podia fazer uma criança, e vestia um efod de linho.
19. Sua mãe costumava fazer uma pequena túnica, e a levava para ele todo ano, quando ia com o marido para fazer o sacrifício anual.
20. Eli abençoava Elcana e a esposa, e dizia: "Que Javé dê a você descendência por meio desta mulher, como pagamento pelo empréstimo que ela fez a Javé". E eles voltaram para casa.
21. Javé visitou Ana, e ela ficou grávida; deu à luz três filhos e duas filhas. Enquanto isso, Samuel crescia diante de Javé.
22. Apesar de Eli já ser muito velho, estava sempre informado de tudo o que seus filhos faziam com todos os israelitas, e que eles se deitavam com as mulheres que prestavam serviço na entrada da tenda da reunião.
23. Eli dizia a eles: "Por que vocês fazem isso? As pessoas me contam como vocês se comportam mal.
24. Não, meus filhos, o que me contam não é nada bom. Vocês estão escandalizando o povo de Javé.
25. Se um homem ofende outro homem, Deus poderá intervir em favor dele. Mas se alguém peca contra Javé, quem poderá interceder por ele?" Eles, porém, não deram ouvidos ao pai, porque Javé tinha decidido tirar-lhes a vida.
26. Enquanto isso, o jovem Samuel crescia e era estimado por Javé e pelo povo.
27. Um homem de Deus se apresentou a Eli, e lhe disse: "Assim diz Javé: Eu me revelei à família de seu pai, quando eles estavam no Egito e eram escravos do Faraó.
28. Eu a escolhi entre todas as tribos de Israel para exercer o meu sacerdócio, para subir ao meu altar a fim de queimar a oferta e trazer o efod diante de mim. Eu concedi à família de seu pai toda a carne que os israelitas oferecessem a Javé.
29. Por que vocês tratam com desprezo os sacrifícios e as ofertas que mandei fazer em meu santuário? Por que você respeita mais os seus filhos do que a mim, engordando-os com todas as ofertas de Israel, meu povo, diante de mim?
30. Por causa disso - oráculo de Javé, Deus de Israel -, embora eu tenha prometido que sua família e a família de seu pai estariam sempre na minha presença, agora - oráculo de Javé não será mais assim. Porque eu honro os que me honram, mas aqueles que me desprezam serão humilhados.
31. Veja! Vai chegar o dia em que eu cortarei o seu braço e o braço da família de seu pai, para que não haja nenhum velho na sua família.
32. Você olhará com inveja todo o bem que vou fazer a Israel; mas em sua família ninguém chegará a ser velho.
33. Vou conservar um da sua família junto do meu altar, e isso fará seus olhos se consumirem de tanto chorar e sua alma vai ficar desesperada. Seus outros descendentes morrerão na flor da idade.
34. O que vai acontecer a seus dois filhos, Hofni e Finéias, servirá de sinal para você: os dois vão morrer no mesmo dia.
35. Depois disso, farei aparecer um sacerdote fiel, que fará o que eu quero e desejo; vou dar-lhe uma família estável, e ele viverá sempre na presença do meu ungido.
36. Aqueles que sobreviverem da sua família irão prostrar-se diante dele para mendigar uma só moeda ou pedaço de pão, pedindo: 'Por favor, me dê alguma função sacerdotal, para que eu possa comer um pedaço de pão' ".

[I Samuel 3]
I Samuel 3

A VOCAÇÃO PROFÉTICA
1. O menino Samuel servia a Javé, sob as ordens de Eli. A palavra de Javé se manifestava raramente nesse tempo e as visões não eram freqüentes.
2. Certo dia, Eli estava deitado em seu quarto. Seus olhos começavam a enfraquecer e ele já não podia enxergar.
3. A lâmpada do santuário ainda não tinha sido apagada e Samuel estava deitado no santuário de Javé, onde se encontrava a arca de Deus.
4. Javé chamou: "Samuel, Samuel". Ele respondeu: "Estou aqui".
5. Ele foi correndo para junto de Eli e disse: "Estou aqui. O senhor me chamou?" Eli respondeu: "Não, eu não chamei você. Vá se deitar". Samuel foi se deitar,
6. e Javé o chamou outra vez. Samuel se levantou, foi até onde Eli estava, e lhe disse: "Estou aqui. O senhor me chamou?" Eli respondeu: "Não chamei você, meu filho. Vá se deitar".
7. Samuel ainda não conhecia Javé, e a palavra de Javé ainda não lhe tinha sido revelada.
8. Javé tornou a chamar Samuel pela terceira vez. Samuel se levantou, foi onde Eli estava, e lhe disse: "Estou aqui. O senhor me chamou?" Então Eli percebeu que era Javé quem estava chamando o menino.
9. E disse a Samuel: "Vá e fique deitado. Se alguém chamar você de novo, diga: 'Fala, Javé, que o teu servo escuta' ". E Samuel foi se deitar no seu lugar.
10. Javé se apresentou e o chamou como antes: "Samuel, Samuel". Então Samuel respondeu: "Fala, que o teu servo escuta".
11. Javé disse a Samuel: "Olhe. Vou fazer uma coisa em Israel que vai ficar zunindo no ouvido de todos os que a ouvirem.
12. Nesse dia, vou executar contra Eli e sua família tudo o que anunciei, do começo até o fim.
13. Comunique a Eli que estou condenando a família dele para sempre, porque ele sabia que seus filhos desonravam a Deus e não os repreendeu.
14. Por isso, juro à família de Eli que sua injustiça nunca será perdoada, nem com sacrifícios, nem com ofertas".
15. Samuel continuou deitado até de manhã. Depois abriu as portas do santuário. Estava com medo de contar a visão a Eli.
16. Mas Eli o chamou: "Samuel, meu filho". Samuel respondeu: "Estou aqui".
17. Eli perguntou: "O que foi que ele disse a você? Não me esconda nada. Que Deus o castigue, se você me esconder alguma coisa do que ele disse".
18. Então Samuel lhe contou tudo, e não escondeu nada. Eli comentou: "Ele é Javé. Que ele faça o que lhe pareça melhor".
19. Samuel crescia, e Javé estava com ele. Nenhuma das palavras que Javé lhe disse deixou de se cumprir.
20. E todo o Israel, desde Dã até Bersabéia, ficou sabendo que Samuel era um profeta confirmado por Javé.
21. E Javé continuou a manifestar-se em Silo, onde havia se revelado a Samuel.

[I Samuel 4]
I Samuel 4

1. E a palavra de Samuel foi dirigida para todo o Israel como palavra de Javé. Eli estava muito velho. E seus filhos continuavam se comportando mal diante de Javé.

2. COM JAVÉ NÃO SE BRINCA

A GLÓRIA DE ISRAEL FOI EXILADA Nesse tempo, os filisteus se uniram para fazer guerra contra Israel. Os israelitas saíram para combater contra eles e acamparam perto de Ebenezer, enquanto os filisteus acamparam em Afec.
2. Os filisteus colocaram-se em ordem de batalha contra Israel. No terrível combate, Israel foi vencido pelos filisteus: de suas fileiras, morreram no campo cerca de quatro mil homens.
3. O exército voltou para o acampamento, e os anciãos de Israel disseram: "Por que Javé deixou que fôssemos hoje derrotados pelos filisteus? Vamos a Silo buscar a arca da aliança de Javé nosso Deus. Ela ficará no meio de nós e nos salvará dos nossos inimigos".
4. Mandaram então trazer de Silo a arca da aliança de Javé dos exércitos, entronizado entre os querubins. Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli, acompanhavam a arca da aliança de Deus.
5. Quando a arca da aliança de Javé chegou ao acampamento, todo o Israel lançou um grande grito de guerra, e a terra tremeu.
6. Os filisteus ouviram o barulho do grito e perguntaram entre si: "Que significa esse grito tão forte no acampamento dos hebreus?" Então ficaram sabendo que a arca de Javé tinha chegado ao acampamento.
7. Apavorados, diziam: "Deus chegou ao acampamento! Ai de nós! É a primeira vez que nos acontece isso!
8. Ai de nós! Quem nos livrará das mãos desse Deus poderoso? Ele feriu o Egito com toda espécie de calamidades e epidemias.
9. Sejam fortes, filisteus! Sejam homens para não se tornarem escravos dos hebreus, como eles foram escravos de vocês. Sejam homens e lutem".
10. Os filisteus começaram o combate. Israel foi vencido, e cada um fugiu para a sua tenda. A derrota foi grande, pois do lado de Israel foram mortos trinta mil guerreiros.
11. A arca de Deus foi tomada e os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias, morreram.
12. Um benjaminita saiu correndo das fileiras e chegou a Silo no mesmo dia, com a roupa rasgada e a cabeça coberta de pó.
13. Quando chegou, Eli estava sentado em sua cadeira, ao lado da porta, olhando para a estrada, porque estava preocupado com a arca de Deus. O homem entrou na cidade dando a notícia, e a população se pôs a gritar.
14. Eli ouviu a gritaria e perguntou: "O que é todo esse alvoroço?" Enquanto isso, o benjaminita correu para dar a notícia a Eli.
15. Ora, Eli estava com noventa e oito anos; tinha os olhos imóveis e não podia mais enxergar.
16. O benjaminita disse a Eli: "Sou o homem que chegou do campo de batalha". Eli perguntou: "O que aconteceu, meu filho?"
17. O mensageiro respondeu: "Israel fugiu dos filisteus e a derrota do exército foi grande. Seus dois filhos, Hofni e Finéias, morreram e a arca de Deus foi tomada".
18. Quando o homem falou da arca de Deus, Eli caiu da cadeira para trás, junto à porta, quebrou o pescoço e morreu. Ele já era velho e pesado. Tinha sido juiz em Israel durante quarenta anos.
19. A nora de Eli, mulher de Finéias, estava grávida, e o momento do parto já se aproximava. Quando ouviu a notícia de que tinham tomado a arca de Deus e de que o sogro e o marido tinham morrido, chegaram as dores do parto, ela se encurvou e deu à luz.
20. Estando para morrer, as mulheres que lhe davam assistência disseram: "Ânimo! Você teve um filho". Ela, porém, não respondeu, nem fez caso disso.
21. Deu a seu filho o nome de Icabod, dizendo: "A glória de Israel foi exilada". Falou assim, referindo-se à tomada da arca de Deus e também por causa do sogro e do marido.
22. E repetia: "A glória de Israel foi exilada, porque tomaram a arca de Deus".

[I Samuel 5]
I Samuel 5

JAVÉ NÃO SE DEIXA ASSIMILAR POR UM SISTEMA IDÓLATRA
1. Os filisteus tomaram a arca de Deus e a levaram de Ebenezer para Azoto.
2. Pegaram a arca de Deus e a colocaram no templo de Dagon, junto à estátua de Dagon.
3. Na manhã seguinte os habitantes de Azoto se levantaram e encontraram Dagon caído de bruços diante da arca de Javé. Pegaram Dagon e o puseram novamente no seu lugar.
4. Na manhã seguinte se levantaram e de novo encontraram Dagon caído de bruços diante da arca de Javé. A cabeça e as duas mãos de Dagon tinham sido cortadas e estavam na entrada da porta. Só o tronco de Dagon estava no seu lugar.
5. É por isso que os sacerdotes de Dagon e todos os que entram no seu templo, até o dia de hoje, não pisam a soleira da porta do templo de Dagon, em Azoto.
6. Depois disso, a mão de Javé caiu pesadamente contra os habitantes de Azoto e os castigou com tumores em Azoto e nas redondezas.
7. Quando viram o que estava acontecendo, os habitantes de Azoto disseram: "A arca do Deus de Israel não deve ficar conosco, porque a mão dele está pesando contra nós e contra o deus Dagon".
8. Então convocaram em Azoto todos os príncipes dos filisteus e perguntaram: "O que devemos fazer com a arca do Deus de Israel?" Os príncipes decidiram: "Levem a arca do Deus de Israel para Gat". E assim fizeram.
9. Mas, logo que a levaram, a mão de Javé caiu sobre a cidade, e houve um grande pânico, porque Javé feriu com tumores toda a população, tanto as crianças como os adultos.
10. Levaram então a arca de Deus para Acaron. Logo que a arca de Deus chegou, o povo da cidade protestou: "Vocês trouxeram a arca do Deus de Israel para nos matar, a nós e às nossas famílias!"
11. Então mandaram convocar os príncipes dos filisteus, e disseram: "Devolvam a arca do Deus de Israel. É melhor que volte ao seu lugar, antes que destrua a todos nós e às nossas famílias". O povo estava tomado de pavor mortal, porque a mão de Deus era muito pesada;
12. os que não morriam, ficavam cheios de tumores. E o clamor do povo subia até o céu.

[I Samuel 6]
I Samuel 6

DEUS EXIGE RESPEITO
1. A arca de Javé ficou sete meses na terra dos filisteus.
2. Por fim, eles chamaram os sacerdotes e os adivinhos e os consultaram: "O que devemos fazer com a arca de Javé? Digam para nós como podemos devolvê-la a seu lugar".
3. Eles responderam: "Se vocês querem devolver a arca do Deus de Israel, não a mandem sem nada, mas paguem uma indenização. Desse modo, vocês recuperarão a saúde e saberão por que Deus os castigou tanto".
4. O povo perguntou: "Que indenização devemos pagar?" Eles responderam: "Cinco tumores de ouro e cinco ratos de ouro, em nome de cada príncipe dos filisteus, porque eles sofreram a mesma praga que vocês.
5. Façam imagens de seus tumores e dos ratos que devastam o território, e as ofereçam como homenagem ao Deus de Israel. Talvez o peso de sua mão se afaste de vocês, do seu país e do seu deus.
6. Não fiquem de coração endurecido como os egípcios e o Faraó. Depois que Deus os tratou tão mal, eles acabaram deixando os israelitas partir.
7. Agora peguem e preparem uma carroça nova e duas vacas com crias e que ainda não tenham usado canga; atrelem as vacas à carroça e levem de volta no curral os bezerros delas.
8. Peguem a arca de Javé e a coloquem na carroça. Quanto aos objetos de ouro que servem para pagar a indenização, os coloquem num cofre, ao lado da arca, e deixem que ela vá embora.
9. Fiquem observando: se ela tomar o caminho do seu próprio território, indo para Bet-Sames, foi Deus quem fez esse grande mal para nós; se não seguir esse caminho, saberemos que não foi a mão dele que nos atingiu, mas foi apenas um acaso".
10. Eles assim fizeram. Pegaram duas vacas com crias e as atrelaram à carroça, deixando os bezerros no curral.
11. Colocaram a arca de Javé na carroça e também o cofre com os ratos de ouro e as imagens dos tumores.
12. As vacas foram logo pelo caminho de Bet-Sames. Iam mugindo, sem se desviar para a direita ou para a esquerda. Os príncipes dos filisteus as acompanharam até as fronteiras de Bet-Sames.
13. Os habitantes de Bet-Sames estavam cortando trigo no vale. Quando olharam, viram a arca e foram alegres ao seu encontro.
14. A carroça chegou ao campo de Josué em Bet-Sames e parou no lugar onde havia uma grande pedra. Então as pessoas racharam a madeira da carroça e ofereceram as vacas em holocausto a Javé.
15. Os levitas tinham tirado da carroça a arca de Javé e o cofre com os objetos de ouro. Então colocaram tudo sobre a grande pedra. Nesse dia o povo de Bet-Sames ofereceu holocaustos e sacrifícios a Javé.
16. Os cinco príncipes dos filisteus ficaram observando e, no mesmo dia, voltaram para Acaron.
17. Os tumores de ouro que os filisteus tinham pago como indenização para Javé eram cinco: um por Azoto, um por Gaza, um por Ascalon, um por Gat e um por Acaron.
18. Os ratos de ouro foram oferecidos em nome de todas as cidades dos filisteus, incluindo as cidades dos cinco príncipes, as cidades fortificadas e as aldeias do campo. A pedra grande onde colocaram a arca de Javé, ainda está como testemunha no campo de Josué, em Bet-Sames.
19. Quando viram a arca de Javé, os filhos de Jeconias não fizeram festa como os outros. Por isso é que Javé castigou setenta homens deles. O povo ficou de luto, porque Javé os tinha ferido com grande castigo.
20. E os habitantes de Bet-Sames disseram: "Quem poderá ficar na presença de Javé, o Deus santo? Para onde podemos mandar a arca, para nos livrarmos dela?"
21. Mandaram então esta mensagem aos habitantes de Cariat-Iarim: "Os filisteus devolveram a arca de Javé. Venham buscá-la".

[I Samuel 7]
I Samuel 7

1. Os habitantes de Cariat-Iarim foram e levaram a arca de Javé. Colocaram a arca na casa de Abinadab, no alto da colina, e consagraram Eleazar, filho de Abinadab, para guardar a arca de Javé.

3. SAMUEL, MEDIADOR E LIBERTADOR

AUTORIDADE VOLTADA PARA O POVO
2. Desde que a arca foi colocada em Cariat-Iarim, passou-se longo tempo: cerca de vinte anos. Todo o povo de Israel começou a lamentar diante de Javé.
3. Então Samuel falou a todos os israelitas: "Se vocês querem se converter de todo o coração para Javé, tirem do meio de vocês os deuses e deusas dos estrangeiros. Devotem-se inteiramente a Javé e sirvam somente a ele. Assim ele vai livrar vocês do poder filisteu".
4. Então os israelitas se livraram das imagens dos deuses e deusas dos estrangeiros, e começaram a servir somente a Javé.
5. Samuel ordenou: "Reúnam todo o Israel em Masfa, e eu rezarei a Javé por vocês".
6. Eles se reuniram em Masfa, tiraram água, e a derramaram diante de Javé. Nesse dia, fizeram jejum e confessaram: "Pecamos contra Javé". E Samuel julgou os israelitas em Masfa.
7. Os filisteus ficaram sabendo que os israelitas haviam se reunido em Masfa. Então os príncipes dos filisteus subiram contra Israel. Ao ouvir isso, os israelitas ficaram com medo dos filisteus,
8. e disseram a Samuel: "Não cale a nossa causa. Grite por nós a Javé, nosso Deus, para que ele nos liberte do poder filisteu".
9. Samuel pegou um cordeirinho que ainda mamava e o ofereceu em holocausto. Depois gritou a Javé em favor de Israel, e Javé o escutou.
10. Enquanto Samuel estava oferecendo o holocausto, os filisteus atacaram Israel. Nesse dia, porém, Javé mandou contra os filisteus uma grande tempestade, que os espalhou, e Israel os derrotou.
11. Os israelitas saíram de Masfa, perseguiram os filisteus e os foram derrotando até Bet-Car.
12. Então Samuel pegou uma pedra e a colocou entre Masfa e Sen; deu-lhe o nome de Ebenezer, explicando: "Javé nos socorreu até aqui".
13. Os filisteus foram dominados e nunca mais invadiram o território de Israel, porque a mão de Javé pesou sobre eles enquanto Samuel viveu.
14. Israel reconquistou as cidades que os filisteus tinham tomado. Desse modo, tais cidades, junto com seus territórios voltaram ao poder de Israel, desde Acaron até Gat. E houve paz entre Israel e os amorreus.
15. Até a sua morte, Samuel foi juiz em Israel.
16. Todos os anos ele visitava Betel, Guilgal e Masfa, e julgava Israel em todos esses lugares.
17. Depois voltava a Ramá, onde ficava sua residência e onde exercia suas funções de juiz sobre Israel. Foi aí que construiu um altar para Javé.

[I Samuel 8]
II. SAMUEL E SAUL: AVALIAÇÃO DA AUTORIDADE POLÍTICA

1. INSTITUIÇÃO DE UM PODER CENTRAL

I Samuel 8

ALIENAÇÃO PODE CUSTAR CARO
1. Quando já estava velho, Samuel estabeleceu os dois filhos seus como juízes em Israel.
2. Seu primeiro filho se chamava Joel, e o segundo Abias. Os dois exerceram o cargo de juiz em Bersabéia.
3. Eles, porém, não seguiram o exemplo do pai, deixando-se levar pela ganância: aceitaram suborno e distorceram o direito.
4. Então os anciãos de Israel se reuniram e foram até Samuel, em Ramá.
5. Disseram a Samuel: "Veja. Você já está velho e seus filhos não seguem o seu exemplo. Por isso, escolha para nós um rei, para que ele nos governe, como acontece em todas as nações".
6. Não agradou a Samuel a frase que eles disseram: "Dê-nos um rei para que nos governe". Então Samuel invocou a Javé.
7. E Javé disse a Samuel: "Atenda à voz do povo em tudo o que eles pedirem, pois não é a você que eles estão rejeitando, mas a mim; não querem mais que eu reine sobre eles.
8. Assim como eles têm feito desde o dia em que os tirei do Egito até hoje, abandonando-me e servindo outros deuses, a mesma coisa eles fizeram com você.
9. Atenda o pedido deles. Contudo, mostre com clareza e explique para eles o direito do rei que reinará sobre eles".
10. Samuel transmitiu todas as palavras de Javé ao povo que lhe pedia um rei.
11. E lhes disse: "Este é o direito do rei que governará vocês: ele convocará os filhos de vocês para cuidar dos carros e cavalos dele, e correr à frente do seu carro.
12. Ele os nomeará chefes de mil e chefes de cinqüenta. Ele os obrigará a ararem a terra dele e fazerem a colheita para ele, a fabricarem para ele armas de guerra e as peças dos seus carros.
13. As filhas de vocês serão convocadas para trabalhar como perfumistas, cozinheiras e padeiras.
14. Ele tomará os campos, as vinhas e os melhores olivais de vocês, para dá-los aos ministros.
15. Pegará a décima parte das plantações e vinhas de vocês, e as dará aos oficiais e ministros.
16. Os melhores servos e servas, os bois e jumentos de vocês, ele os tomará para que fiquem a serviço dele,
17. e cobrará, como tributo, a décima parte dos rebanhos. E vocês mesmos serão transformados em escravos dele.
18. Quando isso acontecer, vocês se queixarão do rei que escolheram. Nesse dia, porém, Javé não dará nenhuma resposta a vocês".
19. No entanto, o povo não quis ouvir as explicações de Samuel, e disse: "Não tem importância. Teremos um rei,
20. e seremos também como as outras nações: nosso rei nos governará, irá à nossa frente para comandar nossas guerras".
21. Samuel ouviu tudo o que o povo disse e foi contar a Javé.
22. E Javé respondeu: "Se é isso que querem, estabeleça um rei para eles". Então Samuel disse aos israelitas: "Volte cada um para a sua cidade".

[I Samuel 9]
I Samuel 9

A REALEZA É DOM DE JAVÉ
1. Entre os benjaminitas, havia um homem chamado Cis, filho de Abiel, filho de Seror, filho de Becorat, filho de Afia. Era um benjaminita muito importante.
2. Esse homem tinha um filho chamado Saul, jovem de boa aparência. Era um israelita imponente: os outros lhe chegavam apenas até os ombros.
3. As jumentas de Cis, pai de Saul, tinham se extraviado. Cis disse ao filho Saul: "Chame um dos empregados e vá procurar as jumentas".
4. Eles cruzaram a região montanhosa de Efraim, atravessaram o território de Salisa, mas não as encontraram. Atravessaram a região de Salim, e nada. Atravessaram a região de Benjamim, e nem aí encontraram as jumentas.
5. Quando chegaram ao território de Suf, Saul disse ao empregado que o acompanhava: "Vamos voltar, senão o meu pai vai ficar mais preocupado conosco do que com as jumentas".
6. O empregado, porém, sugeriu: "Olhe. Na cidade vizinha há um homem de Deus que é muito famoso. Tudo o que ele diz, acontece de fato. Vamos até lá. Quem sabe ele nos possa orientar sobre o caminho que devemos seguir".
7. Saul disse ao empregado: "Podemos ir. Mas o que vamos oferecer a esse homem? Já não temos pão na sacola. Não temos nada para oferecer a esse homem de Deus. Será que sobrou alguma coisa?"
8. O empregado respondeu: "Tenho aqui uma pequena moeda de prata. Vou oferecê-la ao homem de Deus, e ele nos dará uma orientação".
9. (Em Israel, antigamente, quando alguém ia consultar a Deus, costumava dizer: 'Vamos ao vidente'. Porque, em lugar de 'profeta', como se diz hoje, dizia-se 'vidente').
10. Saul replicou: "Ótimo, vamos lá". E foram à cidade onde morava o homem de Deus.
11. Quando subiam a ladeira para a cidade, encontraram duas moças que iam buscar água. Então perguntaram a elas: "É aqui que mora o vidente?"
12. As moças responderam: "É sim. Ele acabou de chegar um pouco antes de vocês. Vão depressa. Ele veio hoje à cidade, porque hoje o povo vai oferecer um sacrifício no lugar alto.
13. Entrando na cidade, vocês o encontrarão antes que ele suba ao lugar alto para comer. O povo não vai comer antes que ele chegue, porque é ele quem abençoa o sacrifício. Só depois é que os convidados podem comer. Subam logo, e vocês o encontrarão".
14. Eles então subiram até à cidade. Quando estavam passando pela porta da cidade, Samuel ia na direção deles para subir até o lugar alto.
15. Ora, um dia antes da chegada de Saul, Javé tinha feito uma revelação a Samuel:
16. "Amanhã, nesta mesma hora, vou mandar a você um homem da terra de Benjamim. Você o ungirá como chefe do meu povo Israel, e ele libertará o povo do poder filisteu, porque eu vi a miséria do meu povo, e o seu clamor chegou até junto de mim".
17. Quando Samuel viu Saul, Javé o avisou: "É esse o homem de quem falei a você. É ele quem vai dirigir o meu povo".
18. Saul chegou perto de Samuel, no meio da porta, e lhe perguntou: "O senhor pode me dizer onde é a casa do vidente?"
19. Samuel respondeu: "Eu sou o vidente. Suba na minha frente até o lugar alto. Hoje você comerá comigo, e amanhã de manhã você irá embora. Vou resolver a questão que o preocupa.
20. Não se preocupe com as jumentas que você perdeu há três dias. Elas já foram encontradas. Aliás, de quem é toda a riqueza de Israel? Não é, por acaso, sua e da família do seu pai?"
21. Saul respondeu: "Eu sou de Benjamim, a menor das tribos de Israel; meu clã é o menos importante de todos os da tribo de Benjamim. Por que o senhor está me dizendo isso?"
22. Samuel levou Saul e seu empregado até a sala e lhes deu um lugar de honra entre os convidados, que eram cerca de trinta pessoas.
23. Depois disse ao cozinheiro: "Traga aquela porção que mandei você preparar".
24. Então o cozinheiro levou o pernil e o rabo e os serviu a Saul, enquanto Samuel dizia: "Aí está o que foi reservado para você. Coma, porque foi guardado para esta ocasião, a fim de que você o coma junto com os convidados". E nesse dia, Saul comeu ao lado de Samuel.
25. Em seguida, desceram do lugar alto para a cidade, prepararam para Saul uma cama no terraço,
26. e ele se deitou. Ao nascer do sol, Samuel chamou Saul no terraço, e disse: "Levante-se, que eu vim para me despedir". Saul se levantou e saiu da casa com Samuel.
27. Quando chegaram aos limites da cidade, Samuel disse a Saul: "Mande o empregado ir na frente. Quanto a você, espere um momento, para que eu comunique a você a palavra de Deus".

[I Samuel 10]
I Samuel 10

1. Então Samuel pegou a vasilha de óleo, e o derramou sobre a cabeça de Saul. Depois o beijou e disse: "Javé ungiu você para ser chefe sobre Israel, o povo dele. Você governará o povo e o libertará dos inimigos vizinhos. Eis o sinal de que Javé ungiu você como chefe da herança dele.
2. Hoje, quando sair daqui, você encontrará dois homens junto ao túmulo de Raquel, na fronteira de Benjamim. Eles lhe dirão: 'Encontraram as jumentas que você estava procurando. Seu pai esqueceu a história das jumentas e está preocupado com você, e anda perguntando: O que será que aconteceu com o meu filho?'
3. Daí, indo mais adiante, você chegará ao Carvalho do Tabor, e então encontrará três homens subindo para o santuário de Deus em Betel: um estará levando três cabritos, outro três pães, e o terceiro uma vasilha com vinho.
4. Eles vão cumprimentar você e oferecer dois pães. Você deve aceitar.
5. Depois você chegará a Gabaá de Deus, onde estão os governadores filisteus. Entrando na cidade, você topará com um grupo de profetas descendo do lugar alto, acompanhados de harpas, tamborins, flautas e cítaras; eles estarão em transe.
6. Então o espírito de Javé virá sobre você, e também você entrará em transe com eles e se transformará em outro homem.
7. Quando esses sinais se realizarem, faça o que você achar melhor, porque Deus estará com você.
8. Desça para Guilgal antes de mim. Em seguida, eu irei encontrar-me com você para oferecer holocaustos e sacrifícios de comunhão. Espere sete dias. Depois eu irei ao seu encontro e mostrarei a você o que deverá fazer".
9. Assim que Saul virou as costas e deixou Samuel, Deus lhe mudou o coração. E todos esses sinais aconteceram nesse mesmo dia.
10. Daí, partiram para Gabaá, e um grupo de profetas foi ao encontro de Saul. O espírito de Javé desceu sobre ele, que entrou em transe no meio deles.
11. Todos os que conheciam Saul há muito tempo, o viram profetizando entre os profetas, e diziam uns para os outros: "O que é que aconteceu com o filho de Cis? Também Saul entre os profetas?"
12. Um homem da vizinhança perguntou: "Quem é o pai dele?" É por isso que se tornou provérbio esta frase: "Também Saul entre os profetas?"
13. Tendo saído do transe, Saul foi para casa.
14. O tio de Saul perguntou a ele e ao empregado: "Aonde é que vocês foram?" Saul respondeu: "Buscar as jumentas. Como não as encontramos, fomos ter com Samuel".
15. O tio de Saul perguntou: "Conte-me o que foi que Samuel disse para vocês".
16. Saul disse ao tio: "Ele nos contou que as jumentas já tinham sido encontradas". Não falou nada, porém, do que Samuel tinha dito sobre a realeza.

SAUL É ESCOLHIDO REI POR SORTEIO
17. Em Masfa, Samuel convocou o povo em torno de Javé,
18. e falou aos israelitas: "Assim diz Javé, o Deus de Israel: Eu tirei Israel do Egito, e libertei vocês do poder do Egito e do poder de todos os reinos que os oprimiam.
19. Contudo, hoje vocês rejeitaram o Deus de vocês, que os salvou de todos os males e angústias. Vocês disseram: 'Não importa, estabeleça um rei para nós!' Agora, portanto, compareçam diante de Javé por tribos e clãs".
20. Samuel convocou todas as tribos de Israel, e foi sorteada a tribo de Benjamim.
21. Convocou então a tribo de Benjamim por clãs, e o clã de Metri foi sorteado. E Saul, filho de Cis, foi apontado no sorteio. Procuraram Saul, mas não o encontraram.
22. Consultaram, então, a Javé: "Saul está aqui?" Javé respondeu: "Ele está escondido entre as bagagens".
23. Correram para buscá-lo, e ele apareceu no meio do povo: os outros lhe chegavam apenas até os ombros.
24. Samuel disse a todo o povo: "Estão vendo quem Javé escolheu? Não há, entre todo o povo, ninguém igual a ele". E todo o povo começou a aclamar, gritando: "Viva o rei!"
25. Samuel explicou ao povo o direito do rei, e o escreveu num livro, que colocou diante de Javé. Em seguida, despediu o povo, cada um para sua casa.
26. Saul também voltou para sua casa em Gabaá, e com ele foram também os valentes, cujo coração Deus havia tocado.
27. Os vadios, porém, comentaram: "Como é que esse sujeito nos poderá salvar?" E o desprezaram, e não lhe deram presentes. E Saul se calava.

[I Samuel 11]
I Samuel 11

SAUL ELEITO POR ACLAMAÇÃO
1. Um mês depois, o amonita Naás fez uma incursão e acampou contra Jabes de Galaad. Todos os habitantes de Jabes propuseram a Naás: "Faça uma aliança conosco e seremos seus servos".
2. Naás, porém, respondeu: "Farei uma aliança com a condição de furar o olho direito de vocês. Desse modo, provocarei todo o povo de Israel".
3. Então os anciãos de Jabes lhe pediram: "Dê-nos uma trégua de sete dias. Mandaremos mensageiros a todo o território de Israel. Se ninguém nos ajudar, nós nos renderemos a você".
4. Os mensageiros chegaram a Gabaá de Saul, expuseram a situação a todo o povo, e todos começaram a chorar e a gritar.
5. Ora, aconteceu que Saul estava chegando do campo, onde cuidava dos bois, e perguntou: "O que aconteceu? Por que o povo está chorando?" Contaram-lhe, então, o que os homens de Jabes lhes haviam dito.
6. Quando Saul ouviu a notícia, o espírito de Javé tomou conta dele. Saul ficou enfurecido,
7. pegou uma junta de bois, os despedaçou e os mandou por mensageiros a todo o território de Israel, com este recado: "Se alguém não acompanhar Saul e Samuel, a mesma coisa acontecerá com seus bois". O terror de Javé se abateu sobre o povo. E eles marcharam para a guerra, como se fossem um só homem.
8. Saul, em Bezec, passou revista às tropas: de Israel havia trezentos mil, e de Judá trinta mil.
9. Então Saul disse aos mensageiros: "Digam aos habitantes de Jabes de Galaad: 'Amanhã, quando o sol esquentar, vocês serão socorridos' ". Os mensageiros voltaram e deram a notícia aos habitantes de Jabes. Estes ficaram cheios de alegria,
10. e disseram a Naás: "Amanhã nos renderemos, e vocês nos tratarão como quiserem".
11. No dia seguinte, Saul distribuiu a tropa em três grupos, que invadiram o acampamento de manhãzinha, e atacaram os amonitas até a hora que o sol esquentou. Os sobreviventes se espalharam, de modo a não ficar dois juntos.
12. Então o povo disse a Samuel: "Quais eram os que diziam que Saul não reinaria sobre nós? Diga-nos os nomes deles, que nós os mataremos".
13. Saul, porém, disse: "Hoje ninguém deverá ser morto, porque neste dia Javé salvou Israel".
14. Depois Samuel disse ao povo: "Vamos a Guilgal para inaugurar aí a realeza".
15. Todo o povo se reuniu em Guilgal, e aí mesmo, diante de Javé, proclamaram Saul como rei. Ofereceram a Javé sacrifícios de comunhão, e Saul com os israelitas fizeram uma grande festa.

[I Samuel 12]
I Samuel 12

AVALIANDO O PASSADO E PREVENDO O FUTURO
1. Samuel disse a todo o Israel: "Vejam. Atendi vocês em tudo o que me pediram; estabeleci um rei para vocês.
2. De agora em diante, é o rei quem estará à frente de vocês. Eu já estou velho, de cabelos brancos, e meus filhos aí estão no meio de vocês. Fiquei à frente de vocês desde a minha juventude até hoje.
3. Aqui estou eu. Deponham contra mim diante de Javé e do seu ungido. De quem tomei um boi e de quem tomei um jumento? A quem explorei e a quem oprimi? De quem recebi dinheiro para fechar os olhos sobre o caso? Eu restituirei a vocês".
4. Eles disseram: "Você não explorou, nem oprimiu, nem tirou nada de ninguém".
5. Samuel disse para eles: "Hoje, aqui Javé é testemunha contra vocês, e o ungido dele é testemunha também, de que vocês não encontraram nada em minhas mãos". Responderam: "Ele é testemunha".
6. Então Samuel disse ao povo: "Foi Javé quem agiu com Moisés e Aarão, e tirou da terra do Egito os antepassados de vocês.
7. Agora esperem! Vou citar contra vocês, diante de Javé, todos os atos de justiça que Javé realizou para vocês e para seus antepassados:
8. Quando Jacó esteve no Egito, os egípcios o oprimiram, e os antepassados de vocês clamaram a Javé: Ele enviou Moisés e Aarão, que tiraram do Egito os antepassados de vocês, e aqui neste lugar os instalou.
9. Mas eles se esqueceram de Javé seu Deus, que os entregou ao poder de Sísara, chefe do exército de Hasor, ao poder dos filisteus e ao poder do rei de Moab, que fizeram guerra contra eles.
10. Então eles clamaram a Javé: 'Pecamos, porque abandonamos Javé, para servir aos deuses e deusas dos cananeus. Mas agora, liberta-nos do poder de nossos inimigos, e nós serviremos a ti'.
11. Então Javé mandou Jerobaal, Barac, Jefté e Samuel: libertou vocês do poder dos inimigos vizinhos, e vocês habitaram em segurança.
12. Mas, quando vocês viram Naás, rei dos amonitas, marchando contra, vocês me disseram: 'Não importa. Queremos ser governados por um rei'. No entanto, Javé seu Deus, é o rei de vocês!
13. Agora, aí está o rei que vocês escolheram e pediram: Javé deu um rei para vocês!
14. Se temerem a Javé e o servirem, se lhe obedecerem e não se opuserem a ele, tanto vocês, como o rei que reina sobre vocês, seguirão a Javé seu Deus.
15. Mas se vocês não obedecerem a Javé e se opuserem a ele, então a mão de Javé pesará sobre vocês e sobre seu rei.
16. Esperem mais um pouco, e vejam esta grande coisa que Javé realiza diante de vocês:
17. Não é agora o tempo da colheita do trigo? Pois bem! Eu invocarei a Javé, e ele mandará trovões e chuva. Reconheçam e vejam o grande mal que vocês realizaram aos olhos de Javé, pedindo um rei para vocês!"
18. Então Samuel invocou a Javé, e Javé mandou trovões e chuva nesse dia. O povo temeu muito a Javé e a Samuel.
19. E todo o povo disse a Samuel: "Interceda por seus servos junto a Javé seu Deus, para que não morramos, porque aos nossos pecados acrescentamos o mal de pedir um rei para nós".
20. Samuel disse ao povo: "Não tenham medo. De fato, vocês cometeram todo esse mal. Somente não se afastem de Javé e sirvam a ele de todo o coração.
21. Não se afastem para correr atrás de ídolos que não servem para nada e não podem libertar, porque são vazios.
22. É por causa do seu grande nome que Javé não abandonará o seu povo, porque Javé decidiu fazer de vocês o povo dele.
23. Quanto a mim, longe de mim pecar contra Javé, deixando de interceder por vocês. Continuarei ensinando a vocês o caminho bom e certo.
24. Somente temam a Javé e sirvam a ele com fidelidade e de todo o coração. Vejam que coisas grandes ele realizou no meio de vocês!
25. Contudo, se praticarem o mal, tanto vocês como o seu rei vão perecer".

[I Samuel 13]
2. AS TENTAÇÕES DO PODER POLÍTICO

I Samuel 13

A TENTAÇÃO DE SE ABSOLUTIZAR
1. Saul tinha trinta anos quando se tornou rei, e reinou sobre Israel durante vinte anos.
2. Saul escolheu para si três mil israelitas: dois mil estavam com ele em Macmas e na montanha de Betel, enquanto mil estavam com Jônatas em Gabaá de Benjamim. Saul despediu o resto do povo, mandando cada um para a sua tenda.
3. Jônatas matou o governador dos filisteus que estava em Gaba, e os filisteus ouviram a notícia. Então Saul mandou tocar a trombeta, por todo o território, dizendo: "Que os hebreus ouçam!"
4. Todo o Israel soube que Saul tinha matado o governador filisteu, e também que Israel se havia tornado odioso para os filisteus. Então o povo se reuniu atrás de Saul, em Guilgal.
5. Os filisteus se reuniram para combater contra Israel: três mil carros, seis mil cavalos e uma tão numerosa multidão como os grãos de areia da praia. Subiram e acamparam em Macmas, ao oriente de Bet-Áven.
6. Os israelitas se viram em apuros, porque estavam muito perto uns dos outros. Então o povo se escondeu em cavernas, buracos, rochas, grutas e poços.
7. Alguns hebreus atravessaram o Jordão para o território de Gad e Galaad. Saul estava ainda em Guilgal e todo o povo, tremendo de medo, foi à procura dele.
8. Ele esperou sete dias pela reunião marcada com Samuel. Mas Samuel não chegou a Guilgal, e o povo começou a debandar, abandonando Saul.
9. Então Saul disse: "Preparem o holocausto e os sacrifícios de comunhão". E ofereceu o holocausto.
10. Ele estava acabando de oferecer o holocausto, quando Samuel chegou. Saul foi ao encontro dele para saudá-lo.
11. Samuel perguntou: "O que é que você fez?" Saul respondeu: "Vi que o povo me abandonava e debandava, que você não chegava para a reunião no dia marcado, e que os filisteus estavam reunidos em Macmas.
12. Então eu refleti: 'Agora os filisteus vão cair sobre mim em Guilgal, sem que eu tenha oferecido sacrifícios a Javé'. Assim forçado, ofereci o holocausto".
13. Samuel disse a Saul: "Você agiu como louco! Você não obedeceu ao mandamento que Javé seu Deus lhe tinha ordenado. Certamente Javé teria confirmado para sempre o reinado que você exerceria sobre Israel.
14. Agora, porém, o seu reinado não se firmará. Javé encontrou um homem conforme o coração dele e o nomeou chefe do seu povo, porque você não obedeceu ao que Javé lhe tinha ordenado".
15. Samuel levantou-se e partiu de Guilgal para Gabaá de Benjamim. Saul então passou revista à tropa que seguia com ele. Havia cerca de seiscentos homens.

COMO SE LIVRAR DA DEPENDÊNCIA?
16. Saul e seu filho Jônatas com suas tropas se fixaram em Gaba de Benjamim; os filisteus estavam acampados em Macmas.
17. Do acampamento filisteu, um comando de ataque saiu dividido em três grupos: um tomou a direção de Efra, no território de Sual,
18. outro se dirigiu para Bet-Horon, e o terceiro foi para a elevação que domina o vale das Hienas, no caminho do deserto.
19. No território de Israel, nesse tempo, não havia ferreiro, porque os filisteus haviam decidido que os hebreus não fabricariam espadas ou lanças.
20. Por esse motivo, todos os israelitas tinham que ir até os filisteus para amolar o arado, o machado, a enxada e a foice.
21. Para amolar um arado ou machado, os filisteus cobravam oito gramas de prata, e quatro gramas, para amolar as enxadas e endireitar os ferrões.
22. E assim, aconteceu que, na hora da batalha, em toda a tropa de Saul e Jônatas não havia nem espada nem lança, a não ser as de Saul e de seu filho Jônatas.
23. Uma guarnição de filisteus partiu para o passo de Macmas.

[I Samuel 14]
I Samuel 14

LIDERANÇA DE JÔNATAS
1. Certo dia, Jônatas, filho de Saul, disse a seu escudeiro: "Vamos até a guarnição dos filisteus que está do outro lado". Mas Jônatas nada comunicou a seu pai.
2. Saul estava na fronteira de Gaba, sentado debaixo da romãzeira que fica perto da eira, e com ele estava uma tropa de aproximadamente seiscentos homens.
3. Quem levava o efod era Aías, filho de Aquitob, irmão de Icabod, filho de Finéias, filho de Eli, sacerdote de Javé em Silo. Ninguém percebeu que Jônatas havia partido.
4. No desfiladeiro, que Jônatas procurava atravessar para chegar até a guarnição filistéia, havia dois morros: um se chamava Boses e o outro Sene.
5. O primeiro morro fica ao norte e o outro ao sul; o primeiro olha para Macmas, o segundo para Gaba.
6. Jônatas disse ao seu escudeiro: "Vamos até o lugar onde estão esses incircuncisos. Quem sabe Javé faça alguma coisa por nós, pois nada impede que Javé nos dê a vitória, não importa se somos muitos ou poucos".
7. O escudeiro respondeu: 'Faça o que você quiser; estou à sua disposição".
8. Jônatas disse: "Veja! Vamos na direção deles e deixaremos que nos vejam.
9. Se nos disserem: 'Não se movam até que cheguemos perto', então ficaremos parados e não avançaremos até eles.
10. Mas se nos disserem: 'Subam até aqui', então subiremos, porque Javé os está entregando em nossas mãos. Esse será o sinal".
11. Os dois deixaram que a guarnição filistéia os visse, e os filisteus comentaram: "Vejam! Alguns hebreus saíram das cavernas, onde estavam escondidos!"
12. Os da guarnição disseram a Jônatas e seu escudeiro: "Subam até aqui. Temos uma coisa para lhes contar". Então Jônatas disse ao escudeiro: "Fique atrás de mim, porque Javé os entregou nas mãos de Israel".
13. Jônatas subiu rastejando e seu escudeiro o seguiu. Jônatas os feria, e o escudeiro acabava de matá-los.
14. Foi a primeira matança que Jônatas e seu escudeiro realizaram: cerca de vinte homens, em pequeno espaço de terreno.
15. O terror se espalhou no acampamento, na região e em toda a tropa filistéia. A guarnição e os comandos de ataque ficaram com medo, a terra tremeu, e houve grande pânico.
16. As sentinelas de Saul, que estavam em Gaba de Benjamim, perceberam que o exército fugia em debandada.
17. Então Saul ordenou à sua tropa: "Passem revista à tropa e vejam quem está ausente". Passaram revista na tropa e estavam faltando Jônatas e seu escudeiro.
18. Saul ordenou a Aías: "Pegue o efod". Porque nessa época era Aías quem levava o efod em Israel.
19. Enquanto Saul falava com o sacerdote, crescia cada vez mais a confusão no acampamento dos filisteus. Então Saul disse ao sacerdote: "Retire sua mão".
20. Saul e toda a tropa que estava com ele se reuniram e foram para o campo de batalha. Os filisteus desembainhavam a espada uns contra outros, e a confusão era muito grande.
21. Então os hebreus que estavam a serviço dos filisteus e tinham subido com eles para o acampamento, desertaram e aderiram a Israel, ficando ao lado de Saul e Jônatas.
22. E todos os israelitas, que se haviam escondido na região montanhosa de Efraim, ouvindo a notícia de que os filisteus estavam fugindo, também começaram a persegui-los e combatê-los.
23. Nesse dia, Javé deu a vitória a Israel. O combate se estendeu até além de Bet-Áven.
24. O povo de Israel já estava exausto nesse dia, e Saul pronunciou esta maldição: "Maldito seja quem comer alguma coisa antes da tarde, antes que eu me vingue dos meus inimigos". E ninguém comeu nada.
25. Ora, no campo havia um favo de mel.
26. A tropa chegava perto do favo, via o mel escorrendo, mas ninguém o tocava, nem levava à boca, porque tinham medo do juramento que Saul havia feito.
27. Jônatas, porém, não sabia do juramento com que seu pai tinha comprometido à tropa. Levantou a vara que tinha consigo, espetou-a no favo e o levou à boca. Imediatamente sua vista melhorou.
28. Mas alguém do grupo viu o que ele tinha feito, e disse: "Seu pai obrigou o povo com juramento, amaldiçoando quem comesse qualquer coisa hoje".
29. Jônatas exclamou: "Meu pai quer arruinar o país! Vejam como meus olhos estão mais claros por ter provado um pouco desse mel".
30. Se a tropa tivesse comido hoje dos despojos que tomou dos inimigos, a derrota dos filisteus teria sido muito maior".
31. Nesse dia, os filisteus foram perseguidos desde Macmas até Aialon. Mas a tropa estava exausta.
32. Então a tropa se atirou sobre os despojos, pegou ovelhas, vacas e bezerros e os degolou ali mesmo no chão. E os comeram com sangue.
33. Foram então avisar Saul: "A tropa está cometendo um pecado contra Javé, porque está comendo carne com sangue". Saul respondeu: "Vocês foram infiéis! Rolem para cá uma grande pedra".
34. E acrescentou: "Espalhem-se no meio da tropa e digam para cada um trazer aqui seu boi ou sua ovelha; imolem os animais aqui e depois os comam. Mas não pequem contra Javé, comendo carne com sangue". Ao anoitecer, cada um levou o que tinha, e Saul imolou os animais nesse lugar.
35. E Saul construiu um altar para Javé, e foi esse o primeiro altar que ele construiu para Javé.
36. Depois disse: "Vamos descer, durante a noite, para perseguir os filisteus, e os saquearemos até o amanhecer; não vamos deixar nenhum sobrevivente". Os da tropa responderam: "Faça o que achar melhor". O sacerdote propôs: "Vamos aproximar-nos para consultar a Deus".
37. E Saul consultou a Deus: "Devo descer para perseguir os filisteus? Tu os entregarás em poder de Israel?" Nesse dia, porém, não houve resposta.
38. Então Saul ordenou: "Chefes do povo, aproximem-se. Vamos ver quem foi que cometeu hoje algum pecado.
39. Pela vida de Javé que dá a vitória a Israel, mesmo que tenha sido meu filho Jônatas, ele morrerá". Ninguém disse nada.
40. Saul falou a todo Israel: "Fiquem de um lado. Eu e meu filho Jônatas ficaremos do outro lado". E a tropa respondeu a Saul: "Faça o que achar melhor".
41. Então Saul consultou a Javé, Deus de Israel: "Por que não respondes hoje a teu servo? Javé, Deus de Israel, se eu e meu filho Jônatas somos culpados, que saia Urim. Se a falta foi cometida pela tropa de Israel, que saia Tumim". A sorte caiu em Jônatas e Saul, e a tropa ficou livre.
42. Saul disse então: "Lancem a sorte entre mim e o meu filho Jônatas". E a sorte caiu em Jônatas.
43. Então Saul disse a Jônatas: "Conte-me o que foi que você fez". Jônatas respondeu: "Somente provei um pouco de mel com a ponta da vara que levava na mão. Estou pronto para morrer".
44. Saul lhe disse: "Que Deus me castigue, se você não morrer, Jônatas!"
45. Mas a tropa disse a Saul: "Como vai morrer Jônatas, ele que proporcionou essa grande vitória para Israel? De jeito nenhum. Pela vida de Javé, não cairá um só fio da cabeça de Jônatas, porque foi por Deus que ele pôde fazer hoje o que fez". Desse modo, a tropa salvou a vida de Jônatas.
46. Saul parou de perseguir os filisteus, e estes voltaram para o seu território.
47. Depois de ser proclamado rei de Israel, Saul lutou contra todos os inimigos vizinhos: Moab, os amonitas, Edom, o rei de Soba e os filisteus. E saiu vitorioso em todas as suas campanhas.
48. Realizou proezas de valentia, derrotou os amalecitas e livrou Israel de seus opressores.
49. Os filhos de Saul eram Jônatas, Jesui e Melquisua. Tinha também duas filhas: a mais velha se chamava Merob, e a caçula era Micol.
50. A mulher de Saul se chamava Aquinoam, filha de Aquimaás. O chefe do seu exército era Abner, filho de Ner, tio de Saul.
51. Cis, pai de Saul, e Ner, pai de Abner, eram filhos de Abiel.
52. Durante todo o reinado de Saul, houve guerra aberta contra os filisteus. E Saul requisitava todos os bravos e valentes que conhecia.

[I Samuel 15]
I Samuel 15

A TENTAÇÃO DE SE JUSTIFICAR IDEOLOGICAMENTE
1. Samuel disse a Saul: "Javé me enviou para ungir você como rei sobre seu povo Israel. Agora, pois, escute as palavras de Javé:
2. 'Assim diz Javé dos exércitos: Vou pedir contas a Amalec pelo que ele fez contra Israel, cortando-lhe o caminho, quando Israel subia do Egito.
3. Agora, vá, ataque, e condene ao extermínio tudo o que pertence a Amalec. Não tenha piedade: mate homens e mulheres, crianças e recém-nascidos, bois e ovelhas, camelos e jumentos' ".
4. Saul convocou a tropa e a revistou em Telém: eram duzentos mil na infantaria e dez mil homens de Judá.
5. Saul avançou até a cidade de Amalec e armou emboscada no vale.
6. Mandou esta mensagem aos quenitas: "Fujam e se afastem dos amalecitas, para não serem destruídos com eles, porque vocês foram amáveis com os israelitas, quando subiam do Egito". Então os quenitas se afastaram dos amalecitas.
7. Saul derrotou os amalecitas desde Hévila até Sur, que fica na fronteira do Egito.
8. Capturou vivo Agag, rei dos amalecitas, e passou a fio de espada todo o povo, para cumprir a lei do extermínio.
9. Contudo, Saul e sua tropa pouparam Agag e o que havia de melhor em ovelhas e vacas, o gado mais gordo e os cordeiros. Não incluíram no extermínio o que havia de melhor; exterminaram apenas o que não valia nada.
10. Javé dirigiu a palavra a Samuel, dizendo:
11. "Estou arrependido de ter feito Saul rei, porque ele se afastou de mim e não executou as minhas ordens". Então Samuel ficou triste e suplicou a Javé a noite inteira.
12. De manhã, Samuel madrugou e foi ao encontro de Saul. Informaram a Samuel que Saul tinha ido a Carmel, para aí construir um monumento para si, e que depois tinha ido para Guilgal.
13. Samuel se apresentou a Saul, que lhe disse: "Que Javé abençoe você. Eu cumpri a ordem de Javé".
14. Mas Samuel lhe perguntou: "E o que são esses balidos e mugidos que estou ouvindo?"
15. Saul respondeu: "Nós os trouxemos de Amalec. A tropa deixou com vida as melhores ovelhas e vacas para oferecer em sacrifício a Javé seu Deus. Quanto ao resto, exterminamos tudo".
16. Samuel, porém, disse a Saul: "Cale-se! Deixe-me contar a você o que Javé me revelou esta noite". Saul respondeu: "Pode falar".
17. Samuel disse: "Embora se considere pequeno, você é o chefe das tribos de Israel, porque Javé ungiu você como rei de Israel.
18. Ele enviou você nessa expedição e ordenou: 'Vá e extermine completamente esses amalecitas pecadores, combatendo-os até acabar com eles'.
19. Por que você não obedeceu a Javé? Por que se apoderou dos despojos, fazendo o que Javé reprova?"
20. Saul respondeu a Samuel: "Mas eu obedeci a Javé! Fiz a expedição para a qual ele me enviou, trouxe Agag, rei de Amalec, e cumpri a lei do extermínio contra os amalecitas.
21. E se a tropa reteve ovelhas e vacas dos despojos, o melhor daquilo que deveria ser exterminado, foi para sacrificar a Javé seu Deus em Guilgal".
22. Samuel, porém, replicou: "O que é que Javé prefere? Que lhe ofereçam holocaustos e sacrifícios, ou que obedeçam à sua palavra? Obedecer vale mais do que oferecer sacrifícios. Ser dócil é mais importante do que a gordura de carneiros.
23. A rebelião é um pecado de feitiçaria, e a obstinação é um crime de idolatria. Você rejeita a palavra de Javé. Por isso, ele rejeita você como rei".
24. Então Saul disse a Samuel: "Pequei. Desobedeci a ordem de Javé e o que você mandou. Fiquei com medo da tropa e obedeci a ela.
25. Agora, porém, perdoe meu pecado, venha comigo e eu adorarei a Javé".
26. Mas Samuel respondeu: "Não voltarei com você. Porque você rejeitou a palavra de Javé, Javé rejeita você como rei de Israel".
27. Quando Samuel se virou para partir, Saul agarrou a barra do manto dele, rasgando o manto.
28. Samuel lhe disse: "Javé arranca hoje de você o reinado sobre Israel e o entrega a outro mais digno do que você.
29. O esplendor de Israel não mente, nem se arrepende, porque não é homem para se arrepender".
30. Saul respondeu: "Está certo, eu pequei. Mas agora, salve minha honra diante dos anciãos do povo e de Israel. Volte comigo, para que eu adore Javé seu Deus".
31. Então Samuel voltou em companhia de Saul, e este adorou a Javé.
32. Depois Samuel disse: "Tragam-me Agag, o rei dos amalecitas". Agag se aproximou tremendo, e disse: "É a hora amarga da morte!"
33. Samuel lhe disse: "Assim como sua espada deixou muitas mães sem filhos, também sua mãe ficará entre elas sem o seu filho". E Samuel degolou Agag diante de Javé, em Guilgal.
34. Depois Samuel voltou para Ramá. E Saul foi para sua casa, em Gabaá de Saul.
35. Enquanto viveu, Samuel nunca mais viu Saul. Contudo, Samuel chorava por Saul, porque Javé se havia arrependido de ter feito Saul rei de Israel.

[I Samuel 16]
III. SAUL E DAVI: COMPETIÇÃO PELA SUPREMACÍA

1. DAVI ENTRA NA CORTE

I Samuel 16

JAVÉ OLHA O CORAÇÃO
1. Javé disse a Samuel: "Até quando você vai ficar lamentando Saul? Fui eu mesmo que o rejeitei como rei de Israel. Encha a vasilha de óleo. Ordeno que você vá ter com a família de Jessé, o belemita, porque eu escolhi um rei entre os filhos dele".
2. Samuel replicou: "Como posso ir? Saul me matará, se ficar sabendo!" Javé, porém, disse: "Leve um bezerro, e diga que foi fazer um sacrifício para Javé.
3. Convide Jessé para o sacrifício e eu mostrarei o que você deverá fazer; você ungirá para mim aquele que eu apontar".
4. Samuel fez o que Javé mandou. Quando chegou a Belém, os anciãos da cidade foram ansiosos ao seu encontro, e perguntaram: "Você está vindo em missão de paz?"
5. Samuel respondeu: "Sim. Eu vim para oferecer um sacrifício a Javé. Purifiquem-se e venham comigo para o sacrifício". Samuel purificou Jessé e seus filhos e os convidou para o sacrifício.
6. Quando chegou, Samuel viu Eliab e pensou: "Certamente é esse que Javé quer ungir!"
7. Javé, porém, disse a Samuel: "Não se impressione com a aparência ou estatura dele. Não é esse que eu quero, porque Deus não vê como o homem, porque o homem olha as aparências, e Javé olha o coração".
8. Jessé chamou Abinadab e o apresentou a Samuel. E Samuel disse: "Também não foi esse que Javé escolheu".
9. Jessé apresentou Sama, mas Samuel disse: "Também não foi esse que Javé escolheu".
10. Jessé apresentou a Samuel sete dos seus filhos. E Samuel respondeu: "Não foi nenhum desses que Javé escolheu".
11. Então Samuel perguntou a Jessé: "Estão aqui todos os seus filhos?" Jessé respondeu: "Falta o menor. Ele está tomando conta do rebanho". Então Samuel disse a Jessé: "Mande buscá-lo, porque não nos sentaremos à mesa enquanto ele não chegar".
12. Jessé mandou chamá-lo e o fez entrar: era ruivo, seus olhos eram belos, e tinha boa aparência. E Javé disse: "Levante-se e unja o rapaz, porque é esse".
13. Samuel pegou a vasilha de óleo e ungiu o rapaz na presença dos irmãos. Desse dia em diante, o espírito de Javé permaneceu sobre Davi. Depois Samuel voltou para Ramá.

DAVI SERVE E DOMINA SAUL
14. O espírito de Javé afastou-se de Saul, e ele começou a ficar agitado por um espírito mau, enviado por Javé.
15. Então os servos de Saul lhe disseram: "Você está sendo agitado por um espírito mau enviado por Deus.
16. Dê uma ordem, e nós, seus servos, vamos procurar alguém que saiba tocar harpa; desse modo, quando o espírito mau enviado por Deus o atormentar, alguém tocará para você, e você se sentirá melhor".
17. Então Saul ordenou: "Procurem alguém que saiba tocar bem e o tragam para mim".
18. Um dos servos disse: "Conheço um filho do belemita Jessé. Ele sabe tocar e é valente guerreiro. Além disso, fala bem, é de boa aparência e Javé está com ele".
19. Então Saul enviou mensageiros a Jessé com esta ordem: "Mande-me o seu filho Davi, que está com o rebanho".
20. Jessé pegou cinco pães, uma vasilha com vinho e um cabrito, e mandou seu filho Davi levar tudo a Saul.
21. Davi chegou ao palácio e se apresentou a Saul; o rei ficou muito bem impressionado com ele, e o tornou seu escudeiro.
22. E Saul mandou dizer a Jessé: "Davi ficará a meu serviço, porque eu gosto dele".
23. Todas as vezes que o espírito de Deus atacava Saul, Davi pegava a harpa e tocava. Então Saul se acalmava, sentia-se melhor, e o espírito mau o deixava.

[I Samuel 17]
I Samuel 17

DAVI E GOLIAS: O FRACO VENCE O PODEROSO
1. Os filisteus reuniram suas tropas para a guerra e se concentraram em Soco de Judá, e acamparam em Efes-Domim, entre Soco e Azeca.
2. Saul e os israelitas se reuniram e acamparam no vale do Terebinto, e se puseram em ordem de batalha contra os filisteus.
3. Os filisteus se colocaram na encosta da montanha, enquanto os israelitas ficaram na encosta de outra montanha, de modo que havia entre eles um vale.
4. Saiu então do exército filisteu um guerreiro enorme chamado Golias, de Gat, com quase três metros de altura.
5. Tinha na cabeça um capacete de bronze, vestia um colete de malha de bronze que pesava mais de cinqüenta quilos,
6. usava perneiras de bronze e tinha nos ombros um escudo de bronze.
7. A haste de sua lança era como travessa de tear, e a ponta da lança pesava seis quilos. Seu escudeiro ia na frente.
8. Golias postou-se na frente das fileiras de Israel e gritou: "Por que vocês saíram para lutar? Eu sou filisteu, e vocês são escravos de Saul. Escolham alguém para lutar comigo.
9. Se ele for mais forte e me derrotar, seremos escravos de vocês. Se eu for mais forte e o vencer, vocês serão nossos escravos e servirão a nós".
10. E continuou: "Estou desafiando hoje o exército de Israel! Apresentem alguém, e lutaremos corpo a corpo!"
11. Saul e os israelitas ouviram o desafio do filisteu e ficaram cheios de medo.
12. Davi era filho de um efrateu de Belém de Judá, chamado Jessé, que tinha oito filhos. No tempo de Saul, Jessé era velho, de idade avançada.
13. Os três filhos mais velhos tinham-se alistado para a guerra, seguindo a Saul. O primeiro se chamava Eliab, o segundo Abinadab, e o terceiro Sama.
14. Davi era o caçula. Os três mais velhos foram com Saul,
15. e Davi ia e vinha do serviço de Saul para cuidar do rebanho de seu pai em Belém.
16. O filisteu avançava de manhã e de tarde, e assim se apresentou durante quarenta dias.
17. Jessé disse ao seu filho Davi: "Pegue estas três arrobas de grão torrado e estes dez pães, e leve-os para seus irmãos no acampamento.
18. Leve também estes dez queijos para o comandante. Veja como está a saúde de seus irmãos e me traga uma prova de que estão vivos.
19. Eles estão com Saul e os israelitas, combatendo os filisteus no vale do Terebinto".
20. Davi se levantou de madrugada, deixou o rebanho aos cuidados de um guarda, pegou a carga e partiu, como Jessé lhe havia ordenado. Quando chegou perto das trincheiras, o exército estava saindo para tomar posição e lançava o grito de guerra.
21. Israelitas e filisteus entraram em formação, frente a frente.
22. Davi deixou a carga com o bagageiro, correu para a linha de batalha e perguntou aos irmãos se estavam bem.
23. Enquanto conversava com eles, o guerreiro filisteu chamado Golias, de Gat, saiu das fileiras do exército filisteu e fez o desafio. Davi ouviu tudo.
24. E os israelitas, quando viram o homem, fugiram apavorados.
25. Um israelita disse: "Vocês viram aquele homem que subiu? Ele veio para desafiar Israel. A quem o vencer, o rei encherá de riquezas e lhe dará sua filha, além de deixar sua família livre de impostos em Israel".
26. Então Davi perguntou aos que estavam com ele: "E o que vão dar ao homem que vencer esse filisteu e salvar a honra de Israel? Quem é esse filisteu incircunciso para desafiar o exército do Deus vivo?"
27. Os soldados repetiram para Davi o que já haviam dito: "Quem o vencer receberá tal prêmio".
28. Eliab, o irmão mais velho, ouviu Davi falando com os soldados e ficou bravo: "O que é que você veio fazer aqui? Com quem você deixou aquelas poucas ovelhas no deserto? Sei que você é metido e tem malícia no coração: você veio só para assistir à batalha!"
29. Davi respondeu: "Mas o que foi que eu fiz? Será que não se pode fazer uma pergunta?"
30. Separou-se do irmão, dirigiu-se a outra pessoa, fez a mesma pergunta, e todos lhe deram a mesma resposta.
31. Quando se soube o que Davi tinha falado, contaram a Saul, e o rei o chamou.
32. Davi disse a Saul: "Ninguém deve ficar desanimado. Este seu servo irá lutar com o tal filisteu!"
33. Saul respondeu a Davi: "Você não pode lutar com o filisteu! Você é apenas um rapaz! Ele é guerreiro desde a juventude!"
34. Davi replicou: "Seu servo é pastor das ovelhas de meu pai. Se chega um leão ou urso e agarra uma ovelha do rebanho,
35. eu vou atrás, o ataco e arranco a ovelha de sua goela; se ele me ataca, eu o agarro pela juba e o mato a pauladas.
36. Seu servo é capaz de matar leões e ursos. Pois bem: esse filisteu incircunciso, que desafiou o exército do Deus vivo, será como um deles".
37. E Davi acrescentou: "Javé me livrou das garras do leão e do urso. Ele me livrará também das mãos desse filisteu". Então Saul lhe disse: "Vá. E que Javé esteja com você!"
38. Saul vestiu Davi com sua própria armadura, colocou-lhe na cabeça um capacete de bronze, revestiu-o com a sua couraça,
39. e pôs a espada na cintura dele, sobre a armadura. Em vão Davi tentou andar, pois nunca tinha usado nada disso. Então falou a Saul: "Não consigo nem andar com essas coisas. Não estou acostumado". Tirou tudo,
40. pegou o cajado, escolheu cinco pedras bem lisas no riacho e as colocou no seu bornal. Depois pegou a funda e foi ao encontro do filisteu.
41. O filisteu, tendo na frente o escudeiro, foi se aproximando cada vez mais de Davi.
42. Olhou Davi de alto a baixo e o desprezou, porque era jovem. Além disso, ruivo e de bela aparência.
43. O filisteu disse a Davi: "Será que sou um cão, para você vir ao meu encontro com um pedaço de pau?" Depois invocou seus deuses para amaldiçoar Davi.
44. E disse: "Venha cá. Vou dar sua carne para as aves do céu e os animais do campo!"
45. Mas Davi replicou: "Você vem contra mim armado de espada, lança e escudo. E eu vou contra você em nome de Javé dos exércitos, o Deus do exército de Israel, que você desafiou.
46. Hoje mesmo Javé entregará você em minhas mãos: vou ferir você e arrancarei a sua cabeça; hoje mesmo vou entregar seu cadáver e os cadáveres do exército dos filisteus para as aves do céu e os animais do campo. Desse modo, toda a terra saberá que existe um Deus em Israel.
47. Toda essa multidão saberá que não é com espada e lança que Javé sai vitorioso, porque se trata de uma guerra de Javé, e ele entregará vocês em nossas mãos".
48. Enquanto o filisteu se aprumava e se aproximava de Davi pouco a pouco, Davi correu depressa para se posicionar e enfrentar o filisteu.
49. Davi enfiou a mão no bornal, pegou uma pedra, atirou-a com a funda e acertou na testa do filisteu. A pedra afundou na testa do filisteu, que caiu de bruços no chão.
50. Assim Davi foi mais forte que o filisteu, apenas com uma funda e uma pedra: sem espada na mão, feriu e matou o filisteu.
51. Davi correu, parou diante do filisteu, pegou a espada dele, a desembainhou e com ela acabou de matá-lo, cortando-lhe a cabeça. Quando os filisteus viram morto o herói deles, bateram em retirada.
52. Os homens de Israel e Judá se levantaram, deram o grito de guerra e se puseram a perseguir os filisteus até a entrada de Gat e até às portas de Acaron. Cadáveres de filisteus foram caindo por terra no caminho de Saarim, até Gat e Acaron.
53. Depois da perseguição aos filisteus, os israelitas voltaram e saquearam o acampamento deles.
54. Davi pegou a cabeça do filisteu e a levou para Jerusalém. Quanto às armas dele, levou-as para a sua própria tenda.
55. Quando Saul viu Davi sair ao encontro do filisteu, disse a Abner, comandante do exército: "Abner, quem é o pai desse moço?" Abner respondeu: "Por sua vida, ó rei! Eu não sei".
56. O rei disse: "Então procure saber quem é o pai desse rapaz".
57. Quando Davi matou o filisteu e voltou, Abner o pegou e o levou até Saul. Davi estava com a cabeça do filisteu na mão.
58. Saul lhe perguntou: "Quem é seu pai, rapaz?" Davi respondeu: "Sou filho de seu servo Jessé, o belemita".

[I Samuel 18]
I Samuel 18

AMIZADE E INIMIZADE
1. Quando Davi terminou de falar com Saul, Jônatas se afeiçoou a Davi, e Jônatas o amou como a si mesmo.
2. Nesse dia, Saul reteve Davi e não deixou que ele voltasse para a casa de seu pai.
3. Jônatas fez um pacto com Davi, porque o amava como a si mesmo.
4. Jônatas tirou o manto que usava e o deu a Davi, juntamente com suas roupas, a espada, o arco e o cinturão.
5. Nas expedições, em qualquer parte por onde Saul mandava Davi, este se saía bem. Então Saul o estabeleceu como chefe dos homens de guerra. Ele era estimado por toda a tropa e também pelos ministros de Saul.
6. Quando chegaram, depois que Davi matou o filisteu, as mulheres de todas as cidades de Israel saíam cantando e dançando ao encontro do rei Saul, ao som de tamborins, marimbas e gritos de alegria.
7. As mulheres dançavam e cantavam em coro: "Saul matou mil, mas Davi matou dez mil".
8. Saul ficou muito irritado, pois não gostou nada dessa afirmação. E disse: "Deram dez mil para Davi, e mil para mim. Que mais lhe falta, senão a realeza?"
9. E desse dia em diante, Saul olhava Davi com inveja.
10. No dia seguinte, um espírito mau provindo de Deus tomou conta de Saul, que começou a delirar dentro de casa. Como de costume, Davi estava tocando harpa e Saul tinha a lança na mão.
11. Saul atirou a lança, dizendo: "Vou cravar Davi na parede". Davi, porém, conseguiu escapar duas vezes.
12. Saul tinha medo de Davi, porque Javé tinha abandonado Saul e agora estava com Davi.
13. Por isso, Saul afastou Davi, nomeando-o chefe de uma ala do exército. E Davi comandava expedições da tropa.
14. Em todas as campanhas, Davi se saía muito bem, e Javé estava com ele.
15. Saul via que Davi era sempre bem-sucedido, e entrou em pânico.
16. Mas todos em Israel e Judá gostavam de Davi, porque era ele quem os guiava em suas expedições.
17. Saul disse a Davi: "Olhe! Vou lhe dar como esposa Merob, minha filha mais velha, com a condição de que você me sirva como guerreiro e faça as guerras de Javé". Na verdade, Saul pensava: "É melhor que ele seja morto pelos filisteus, e não por mim".
18. Davi respondeu a Saul: "Quem sou eu? E que importância tem a família de meu pai em Israel, para eu me tornar genro do rei?"
19. Mas, quando chegou o tempo de Saul dar sua filha Merob a Davi, ela foi dada a Adriel de Meola.
20. Micol, a outra filha de Saul, se apaixonou por Davi. Contaram isso a Saul e ele gostou,
21. pensando: "Vou dar minha filha como armadilha: assim Davi cairá em poder dos filisteus". E Saul disse a Davi: "Hoje você vai ter uma segunda oportunidade para se tornar meu genro".
22. Então Saul ordenou aos servos: "Falem confidencialmente a Davi assim: 'Olhe! O rei aprecia muito você, e todos os ministros dele estimam você. Aceite ser genro do rei' ".
23. Os ministros de Saul insinuaram isso a Davi, mas ele respondeu: "Vocês acham que não é nada ser genro do rei? Eu sou um homem pobre e sem recursos".
24. Os ministros comunicaram a Saul o que Davi tinha respondido.
25. Então Saul disse: "Falem assim a Davi: 'O rei não está querendo dinheiro; ele se contenta com cem prepúcios de filisteus, como vingança contra seus inimigos' ". Saul estava planejando que Davi caísse em poder dos filisteus.
26. Os ministros de Saul comunicaram a proposta a Davi, e Davi achou que era uma condição justa para se tornar genro do rei. O prazo ainda não estava esgotado,
27. e Davi se pôs em campanha com seus homens. Matou duzentos filisteus, tirou-lhes os prepúcios e os levou ao rei, para se tornar seu genro. Então Saul deu a Davi sua filha Micol como esposa.
28. Saul percebeu que Javé estava com Davi e que sua filha Micol estava apaixonada por ele.
29. Então Saul ficou com mais medo ainda de Davi e se tornou inimigo ferrenho de Davi.
30. Os chefes dos filisteus saíram para a guerra, mas toda vez que saíam, Davi tinha mais sucesso do que os ministros de Saul. Desse modo, Davi conquistou grande fama.

[I Samuel 19]
I Samuel 19

1. Saul contou a seu filho Jônatas e a todos os seus ministros que estava querendo matar Davi. Ora, Jônatas, filho de Saul, tinha grande afeição por Davi.
2. Então Jônatas informou Davi: "Meu pai quer matar você. Fique de sobreaviso amanhã cedo, e esconda-se em lugar seguro.
3. Eu sairei e ficarei do lado de meu pai no campo onde você estiver. Falarei com ele sobre você, ficarei sabendo o que há e contarei a você".
4. Jônatas falou bem de Davi a seu pai Saul, e disse: "Que o rei não ofenda seu servo Davi. Ele não fez nada contra você. Pelo contrário: tudo o que ele fez é de grande vantagem para você.
5. Davi arriscou a vida, matou o filisteu, e Javé deu uma grande vitória para Israel. Você viu isso e ficou contente. Agora, não vá pecar derramando sangue inocente, matando Davi sem motivo".
6. Saul atendeu o pedido de Jônatas e jurou: "Pela vida de Javé! Davi não morrerá".
7. Então Jônatas chamou Davi e lhe contou essas coisas. Depois o levou a Saul. E Davi voltou ao palácio como antes.

2. DAVI FOGE DE SAUL

O PROFETA ESTÁ ACIMA DO PODER POLÍTICO
8. A guerra começou de novo e Davi saiu para lutar contra os filisteus. Estes foram derrotados e fugiram.
9. Ora, um espírito mau, vindo da parte de Javé, se apoderou de Saul, quando estava sentado em casa, com a lança na mão, enquanto Davi tocava harpa.
10. Saul tentou cravar Davi na parede, mas Davi se desviou e a lança fincou na parede. Então Davi se salvou fugindo. Nessa mesma noite,
11. Saul mandou emissários para vigiar a casa de Davi e matá-lo de manhã. Então Micol, mulher de Davi, o avisou: "Se você não fugir esta noite, amanhã será homem morto".
12. E Micol o fez descer pela janela, e Davi se salvou fugindo.
13. Depois Micol pegou o ídolo, deitou-o na cama, colocou na cabeça dele uma pele de cabra e estendeu sobre ele um manto.
14. Quando chegaram os emissários de Saul para levar Davi, Micol disse: "Ele está doente".
15. Mas Saul mandou outra vez os emissários para que vissem Davi; e ordenou: "Tragam Davi com cama e tudo, pois eu quero matá-lo".
16. Os emissários entraram na casa e encontraram o ídolo na cama, com a pele de cabra na cabeceira.
17. Então Saul disse a Micol: "Por que você me enganou? Você deixou meu inimigo escapar". Micol respondeu: "Ele me ameaçou, e disse que me mataria se não o deixasse partir".
18. Enquanto isso, Davi se salvou fugindo. Foi encontrar-se com Samuel em Ramá, e lhe contou tudo o que Saul havia feito. Então os dois foram alojar-se num convento de profetas.
19. Quando comunicaram a Saul que Davi estava no convento, em Ramá,
20. Saul mandou emissários para prender Davi. Eles encontraram a comunidade de profetas em transe, e Samuel estava presidindo. Logo o espírito de Deus veio também sobre os emissários de Saul, e eles também entraram em transe.
21. Informado do que estava acontecendo, Saul mandou outros emissários, e também esses entraram em transe. Saul enviou ainda um terceiro grupo de emissários, e também eles entraram em transe.
22. Então o próprio Saul foi para Ramá. Ao chegar junto ao grande poço que estava em Soco, perguntou onde estavam Samuel e Davi. Responderam: "Estão no convento, em Ramá".
23. Saul foi até o convento, em Ramá, e também ele foi tomado pelo espírito de Deus, entrou em transe e foi caminhando até chegar ao convento em Ramá.
24. Saul tirou a roupa e ficou em transe diante de Samuel, e nu ficou deitado no chão; e assim ficou o dia inteiro e toda a noite. Daí o provérbio: "Até Saul entre os profetas?"

[I Samuel 20]
I Samuel 20

EM NOME DA AMIZADE
1. Davi fugiu do convento de Ramá, foi encontrar-se com Jônatas, e lhe perguntou: "O que foi que eu fiz? Que crime ou erro cometi contra seu pai, para que ele queira me matar?"
2. Jônatas respondeu: "Não se preocupe com isso. Você não vai morrer. Meu pai não faz nada que seja importante ou menos importante, sem antes me informar. Por que meu pai esconderia de mim esse plano? Impossível".
3. Mas Davi insistiu: "Seu pai sabe muito bem que você me ajuda, e por isso pensa: 'Que Jônatas não fique sabendo disso para não ter um desgosto'. Mas, pela vida de Javé e pela sua vida, eu estou a um passo da morte".
4. Jônatas disse a Davi: "O que você quer que eu faça?"
5. Davi respondeu: "Amanhã é lua nova, e eu deverei comer com o rei. Deixe-me ir embora. Vou esconder-me no campo até à tarde.
6. Se o seu pai sentir a minha falta, diga que eu pedi licença a você para ir correndo a Belém, minha cidade, porque todo o meu clã está celebrando aí o sacrifício anual.
7. Se ele disser que está bem, estou a salvo; se ele ficar furioso, é sinal que decidiu me matar.
8. Seja leal com este servo, porque estamos unidos por um pacto sagrado. Se cometi algum crime, mate-me você mesmo; não precisa me entregar a seu pai".
9. Jônatas replicou: "Nem pense nisso. Se eu souber que meu pai decidiu matar você, fique certo que eu o avisarei".
10. Davi perguntou: "Quem vai me avisar, se seu pai responder com aspereza?"
11. Jônatas respondeu: "Vamos para o campo". E os dois foram para o campo.
12. Então Jônatas disse a Davi: "Por Javé, Deus de Israel, eu prometo a você: Amanhã ou depois de amanhã, nesta mesma hora, eu vou sondar meu pai, para ver se tudo está bem para você. Caso contrário, eu lhe mandarei secretamente um recado.
13. Se ele planeja algum mal contra você, que Javé me castigue se eu não avisar você para que se ponha a salvo. Que Javé esteja com você, assim como esteve com meu pai.
14. Se eu ainda estiver vivo, cumpra comigo o pacto sagrado; se eu estiver morto,
15. não deixe nunca de favorecer a minha família. E quando Javé aniquilar da face da terra os inimigos de Davi,
16. que o nome de Jônatas não seja eliminado da família de Davi. Que Javé peça contas aos inimigos de Davi!"
17. Jônatas repetiu o juramento feito a Davi, porque lhe queria bem e o amava como a si mesmo.
18. E Jônatas lhe disse: "Amanhã é lua nova e sua falta será notada, porque sua cadeira estará vazia.
19. Depois de amanhã, sua ausência chamará muito a atenção. Vá para onde você se escondeu da outra vez, e fique junto às pedras.
20. Eu atirarei três flechas nessa direção, como se estivesse atirando num alvo.
21. Então mandarei um servo pegar as flechas. Se eu disser ao servo: 'As flechas estão mais atrás de você, ajunte-as', então venha e pode ficar tranqüilo, pois não está acontecendo nada. Pela vida de Javé!
22. Mas, se eu disser ao rapaz: 'As flechas estão mais na frente', é porque Javé manda você ir embora.
23. Quanto ao que eu e você combinamos, Javé é testemunha entre nós".
24. Então Davi se escondeu no campo. A lua nova chegou e o rei estava sentado à mesa para comer.
25. Como de costume, o rei estava sentado no lado da parede. Jônatas sentou-se na frente, e Abner sentou-se ao lado de Saul. O lugar de Davi ficou vazio.
26. Nesse dia, Saul não disse nada, porque pensava: "É coincidência; ele não está puro, e ainda não se purificou".
27. No outro dia da lua nova, no segundo dia, o lugar de Davi continuou vazio. Então Saul disse a seu filho Jônatas: "Por que o filho de Jessé não veio nem ontem nem hoje para a refeição?"
28. Jônatas respondeu a Saul: "Davi me pediu com insistência para ir a Belém.
29. Ele me disse: 'Deixe-me ir, por favor, pois haverá na cidade um sacrifício para o nosso clã, e meus irmãos querem que eu esteja presente; se lhe parece bem, deixe-me ir ao encontro de meus irmãos'. É por isso que ele não está presente na mesa do rei".
30. Então Saul ficou com raiva de Jônatas e lhe disse: "Filho de uma transviada! Pensa que eu não sei que você está do lado do filho de Jessé, para sua vergonha e para vergonha da nudez de sua mãe?
31. Enquanto o filho de Jessé estiver vivo na terra, nem você nem seu reino estarão seguros. Trate de encontrá-lo e traga-o aqui, porque ele merece a morte".
32. Jônatas perguntou a seu pai Saul: "Por que ele merece a morte? O que foi que ele fez?"
33. Então Saul atirou a lança para matar Jônatas. Então Jônatas percebeu que seu pai tinha decidido matar Davi.
34. Jônatas se levantou da mesa enfurecido, e não comeu nada nesse segundo dia do mês, porque seu pai tinha insultado Davi.
35. Na manhã seguinte, Jônatas foi ao campo, acompanhado de um jovem servo, para se encontrar com Davi.
36. Disse então ao servo: "Corra e procure as flechas que vou atirar". O jovem correu, e Jônatas atirou uma flecha que o ultrapassou.
37. Quando o servo chegou perto da flecha que tinha atirado, Jônatas gritou: "A flecha não está para lá de você?"
38. E Jônatas continuou: "Corra depressa; não fique aí parado". O servo de Jônatas apanhou a flecha e a trouxe de volta a seu senhor.
39. O servo não desconfiou de nada, porque só Jônatas e Davi sabiam do que se tratava.
40. Então Jônatas entregou suas armas ao servo e ordenou: "Volte e leve-as para a cidade".
41. Quando o servo foi embora, Davi saiu do esconderijo, caiu com o rosto por terra e se prostrou três vezes. Em seguida, os dois se abraçaram e choraram bastante.
42. Jônatas disse a Davi: "Nós juramos um ao outro em nome de Javé. Que Javé seja sempre juiz entre mim e você, e entre os meus e seus filhos".

[I Samuel 21]
I Samuel 21

1. Então Davi se levantou e partiu. Jônatas voltou para a cidade.

DAVI FUGITIVO
2. Davi chegou a Nob e foi encontrar-se com o sacerdote Aquimelec. Este foi ansiosamente ao encontro de Davi e lhe perguntou: "Por que você veio sozinho, sem ninguém?"
3. Davi respondeu: "O rei me encarregou de um assunto e me disse que ninguém deveria saber nada de suas ordens e do assunto que me confiou. Marquei encontro com os meus homens em certo lugar.
4. Agora, se você tem à disposição cinco pães, dê para mim, ou então qualquer outra coisa que você encontrar".
5. O sacerdote respondeu: "Não tenho pães comuns à minha disposição. Tenho só pães sagrados. Se seus homens não tiverem tido contato com mulheres, poderão comê-los".
6. Davi respondeu: "Claro. Sempre que saímos para uma expedição, ainda que seja de natureza profana, nós nos abstemos de mulher. Quanto mais hoje! Os rapazes se conservam limpos".
7. Então o sacerdote lhe deu pão sagrado, porque aí só havia pão oferecido a Javé, que era retirado da presença de Javé para ser substituído por pão do dia.
8. Nesse dia, estava aí, preso no santuário, um dos empregados de Saul. Ele se chamava Doeg, o edomita, e era o chefe dos pastores de Saul.
9. Davi disse a Aquimelec: "Você não tem à mão alguma lança ou espada? Eu não peguei nem a minha espada, nem as minhas armas, porque a ordem do rei era urgente".
10. O sacerdote respondeu: "Está ali embrulhada num manto, atrás do efod, a espada de Golias, o filisteu que você matou no vale do Terebinto. Se você quiser, leve-a. Por aqui não há outra". Davi disse: "Não há nada melhor. Dê-me essa espada".
11. Nesse dia, Davi fugiu para longe de Saul e foi encontrar-se com Aquis, rei de Gat.
12. Mas os servos de Aquis disseram: "Este não é Davi, o rei do país? Não era para ele que dançavam cantando: 'Saul matou mil, mas Davi matou dez mil'?"
13. Davi ouviu o comentário e ficou com medo de Aquis, rei de Gat.
14. Então Davi se fez de bobo diante deles e começou a fingir que estava louco: começou a tamborilar nos batentes da porta e deixava a baba escorrer pela barba.
15. Aquis disse aos que o serviam: "Esse homem está louco! Por que vocês o trouxeram aqui?
16. Já não tenho loucos de sobra, para vocês me trazerem mais um, e me aborrecer com suas doidices? O que é que ele veio fazer no meu palácio?"

[I Samuel 22]
3. DAVI, CHEFE DOS DESCONTENTES

I Samuel 22

OS DESCONTENTES SE REÚNEM
1. Davi saiu daí e se escondeu na caverna de Odolam. Quando seus parentes e toda a sua família ficaram sabendo, foram encontrar-se com ele.
2. Todos os que estavam em dificuldades, todos os endividados e todos os descontentes se reuniram ao seu redor, e Davi se tornou chefe deles. Formou-se assim um grupo de quatrocentos homens.
3. Davi partiu daí e foi para Masfa de Moab. Ele disse ao rei de Moab: "Permita que meu pai e minha mãe fiquem aqui com vocês até que eu saiba o que Deus quer de mim".
4. Davi os deixou com o rei de Moab, e eles ficaram com o rei durante todo o tempo em que Davi esteve escondido.
5. O profeta Gad, porém, disse a Davi: "Não continue no esconderijo. Vá para o território de Judá". Então Davi foi e se escondeu na floresta de Haret.

O MEDO DE PERDER O PODER
6. Saul ficou sabendo que Davi fora visto com os homens que estavam com ele. Saul estava em Gabaá, debaixo do tamarindeiro no alto da colina, com a lança na mão e rodeado por todos os seus ministros.
7. Então Saul disse aos que o acompanhavam: "Ouçam, benjaminitas: Será que o filho de Jessé vai dar a vocês terras e vinhas? Será que vai nomeá-los chefes e oficiais do seu exército,
8. para que vocês estejam conspirando contra mim? Ninguém me avisou quando meu filho fez um pacto com o filho de Jessé; ninguém se interessou por mim, nem me contou que meu filho jogou contra mim o meu próprio servo, como está acontecendo hoje".
9. Doeg, o edomita, que estava entre os ministros de Saul, falou: "Eu vi o filho de Jessé chegar a Nob, na casa de Aquimelec, filho de Aquitob.
10. E Aquimelec consultou Javé para Davi e também lhe deu provisões e a espada de Golias, o filisteu".
11. Então Saul mandou chamar o sacerdote Aquimelec, filho de Aquitob, junto com toda a família dele, os sacerdotes de Nob. Todos se apresentaram ao rei,
12. que lhes disse: "Escute, filho de Aquitob". Ele respondeu: "Aqui estou, meu senhor".
13. Saul lhe perguntou: "Por que você e o filho de Jessé conspiraram contra mim? Você lhe deu comida e uma espada, e consultou a Deus em favor dele, para que se transformasse em inimigo meu, como está acontecendo hoje".
14. Aquimelec respondeu ao rei: "Quem é como Davi entre todos os ministros do rei? Ele é fiel, é genro do rei, chefe de sua guarda e honrado em seu palácio.
15. Por acaso, foi a primeira vez que consultei a Deus para Davi? Longe de mim! Que o rei não jogue tal acusação sobre o seu servo e toda a sua família. Seu servo não sabia nada sobre isso, nem muito, nem pouco".
16. O rei replicou: "Aquimelec, você vai morrer com toda a sua família".
17. Em seguida, o rei ordenou aos da sua guarda: "Aproximem-se e matem os sacerdotes de Javé, porque estão do lado de Davi; eles sabiam que Davi estava fugindo e não o denunciaram". Mas os guardas do rei não quiseram levantar a mão para matar os sacerdotes de Javé.
18. Então o rei ordenou a Doeg: "Vá você e mate os sacerdotes". Doeg, o edomita, foi e matou os sacerdotes. Nesse dia, morreram oitenta e cinco homens que levavam o efod.
19. Em Nob, a cidade dos sacerdotes, Saul passou a fio de espada homens e mulheres, crianças e recém-nascidos, bois, jumentos e ovelhas.
20. Escapou apenas um filho de Aquimelec, filho de Aquitob. Ele se chamava Abiatar, que saiu fugindo à procura de Davi.
21. Abiatar contou a Davi que Saul tinha assassinado os sacerdotes de Javé.
22. E Davi lhe disse: "Naquele dia, eu percebi que Doeg, o edomita, estava presente e avisaria Saul. O responsável pela morte dos seus familiares sou eu.
23. Fique comigo e não tenha medo; quem quiser matar-me, também quererá matar você. Comigo, você estará a salvo".

[I Samuel 23]
I Samuel 23

GRUPOS EM CONFLITO
1. Mandaram avisar a Davi que os filisteus estavam atacando Ceila e saqueando as eiras.
2. Davi consultou a Javé: "Posso ir atacar os filisteus?" Javé respondeu: "Pode ir. Você os derrotará e libertará Ceila".
3. Os homens de Davi, porém, lhe disseram: "Estamos em Judá, e já estamos com medo. Quanto mais se formos a Ceila para lutar contra as tropas dos filisteus!"
4. Davi consultou outra vez a Javé. E Javé respondeu: "Pode descer até Ceila: eu vou entregar os filisteus em seu poder".
5. Então Davi foi com seus homens para Ceila, atacou os filisteus, tomou o gado deles e os derrotou completamente. Desse modo, conseguiu libertar os habitantes de Ceila.
6. Quando Abiatar, filho de Aquimelec, fugiu para junto de Davi, também desceu a Ceila levando consigo o efod.
7. Informaram a Saul que Davi tinha entrado em Ceila. E Saul comentou: "Deus o está entregando em meu poder. Ele caiu numa armadilha, pois entrou numa cidade com portas e trancas".
8. Então Saul convocou todo o seu exército para a guerra, para descer até Ceila e matar Davi e seus homens.
9. Quando Davi soube que Saul estava tramando sua ruína, pediu ao sacerdote Abiatar: "Traga o efod".
10. E Davi consultou: "Javé, Deus de Israel, teu servo ouviu dizer que Saul está se preparando para vir a Ceila e destruir a cidade por minha causa.
11. Saul vai mesmo descer, como teu servo ouviu falar? Javé, Deus de Israel, responde-me!" Javé respondeu: "Ele vai descer".
12. Davi perguntou: "Será que os notáveis de Ceila vão me entregar junto com meus homens ao poder de Saul?" Javé respondeu: "Sim. Eles vão entregar".
13. Então Davi e seus homens, cerca de seiscentos, saíram de Ceila e ficaram andando sem rumo. Saul ficou sabendo que Davi tinha escapado de Ceila. Então abandonou o plano.
14. Davi foi morar no deserto, em lugares escondidos, na região montanhosa do deserto de Zif. E Saul andava continuamente à sua procura, mas Deus não deixava que Davi caísse nas mãos dele.
15. Davi ficou com medo, quando estava no deserto de Zif, em Horesa, porque Saul tinha saído a sua procura para o matar.
16. Jônatas, filho de Saul, foi encontrar-se com Davi em Horesa e o encorajou em nome de Deus.
17. Jônatas lhe disse: "Não tenha medo, porque a mão de meu pai Saul não o alcançará. Você reinará sobre Israel, e eu serei o segundo. Até meu pai Saul sabe disso".
18. E os dois fizeram um pacto diante de Javé. Davi ficou em Horesa, e Jônatas voltou para casa.
19. Algumas pessoas de Zif foram a Gabaá para contar a Saul: "Davi está escondido entre nós, entre os refúgios de Horesa, na colina de Áquila, ao sul da estepe.
20. Agora, majestade, quando o senhor quiser descer, desça. Cabe a nós entregá-lo nas mãos do rei".
21. Saul respondeu: "Javé lhes pague por se interessarem por mim.
22. Podem ir. Investiguem melhor. Procurem saber e ver o lugar por onde ele anda. Alguém chegou a vê-lo por aí? Porque me disseram que ele é muito esperto!
23. Procurem ver e saber sobre todos os refúgios onde ele se esconde. Depois voltem para mim, quando estiverem bem seguros. Então eu irei com vocês: se ele estiver no país, vou revirar todos os clãs de Judá até encontrá-lo".
24. Eles então partiram para Zif, na frente de Saul. Davi e seus homens estavam no deserto de Maon, na Arabá, ao sul da estepe.
25. Saul e seus homens foram à procura de Davi. Ao ser informado, Davi desceu para Sela e ficou morando no deserto de Maon. Saul soube e foi atrás de Davi no deserto de Maon.
26. Saul ia por um lado da montanha, enquanto Davi e seus homens iam pelo outro lado. Davi apertava o passo para escapar de Saul. E Saul com seus homens já estavam rodeando Davi e seus homens para cercá-los,
27. quando chegou um mensageiro para Saul, levando esta notícia: "Venha depressa, porque os filisteus fizeram uma incursão contra o país".
28. Então Saul parou de perseguir Davi e voltou para enfrentar os filisteus. É por isso que deram a esse lugar o nome de Rocha da Divisão.

[I Samuel 24]
I Samuel 24

DAVI NÃO USURPA O PODER
1. Davi saiu daí e foi abrigar-se nos esconderijos de Engadi.
2. Quando Saul voltou da perseguição aos filisteus, foi avisado: "Davi está no deserto de Engadi".
3. Saul pegou três mil homens escolhidos de todo o Israel e foi à procura de Davi e seus homens, junto às Rochas das Cabras.
4. Chegou junto a uns currais de ovelhas que estavam perto do caminho. Aí havia uma caverna, e Saul entrou nela para fazer suas necessidades. Davi e seus homens estavam no fundo da caverna.
5. E os companheiros de Davi lhe disseram: "Hoje é o dia em que Javé diz a você: Eu lhe entrego seu inimigo; faça com ele o que você quiser". Davi levantou-se e cortou um pedaço da barra do manto de Saul, sem que este percebesse.
6. Depois de fazer isso, Davi sentiu o coração bater forte por ter cortado um pedaço da barra do manto de Saul.
7. Depois disse a seus homens: "Javé me livrou de fazer isso ao meu senhor, de levantar a mão contra ele, porque é o ungido de Javé".
8. Com essas palavras, Davi conteve seus homens e impediu que atacassem Saul. Então Saul deixou a gruta e continuou o seu caminho.
9. Foi quando Davi se levantou, saiu da gruta e gritou: "Senhor, meu rei!" Saul virou-se, e Davi se inclinou até o chão e se prostrou.
10. Depois disse a Saul: "Por que você dá ouvidos a esses que andam dizendo que Davi lhe quer fazer mal?
11. Veja com seus próprios olhos: hoje mesmo Javé me entregou você dentro da caverna. Disseram-me para matá-lo, mas eu o respeitei e falei que não estenderia a mão contra o meu senhor, porque você é o ungido de Javé.
12. Meu pai, olhe aqui em minha mão um pedaço do seu manto; se eu lhe cortei a barra do manto e não o matei, reconheça que não sou maldoso nem traidor. Embora você me persiga para me matar, eu não pequei contra você.
13. Que Javé seja nosso juiz. Ele poderá me vingar de você, mas contra você minha mão jamais se levantará.
14. Como diz o antigo provérbio: 'Dos maus vem a maldade'. E a minha mão não se levantará contra você.
15. Contra quem saiu o rei de Israel? A quem está perseguindo? A um cão morto, a uma pulga!
16. Que Javé seja juiz entre nós e dê a sentença. Que ele veja e defenda a minha causa, livrando-me das mãos de você".
17. Quando Davi terminou de falar, Saul exclamou: "É você mesmo que está falando, meu filho Davi?" E começou a gritar e chorar.
18. Depois disse a Davi: "Você é inocente, e eu não. Você me fez o bem, e eu lhe fiz o mal.
19. Hoje você me fez o maior favor, pois Javé me entregou a você, e você não me matou.
20. Se alguém encontra um inimigo, será que vai deixá-lo ir em paz? Que Javé lhe pague o bem que você me fez hoje.
21. Agora eu sei que você será rei, e que o reino de Israel se firmará em sua mão.
22. Pois bem! Jure-me, por Javé, que não exterminará minha descendência e não fará desaparecer o meu nome e o nome da minha família".
23. Então Davi fez o juramento a Saul. Depois Saul voltou para casa, e Davi com seus homens subiram para o esconderijo.

[I Samuel 25]
I Samuel 25

O BOM SENSO DE UMA MULHER
1. Samuel morreu. Todo o Israel se reuniu e fez luto por ele e o sepultou junto aos seus em Ramá. Davi continuou suas andanças e desceu para o deserto de Farã.
2. Em Maon havia um homem que tinha propriedades em Carmel; era homem muito importante e possuía três mil ovelhas e mil cabras. Nessa ocasião, ele estava em Carmel, tosquiando suas ovelhas.
3. Ele se chamava Nabal, e sua mulher, Abigail. Ela era mulher sensata e muito bonita, mas o marido era intratável e prepotente; era um calebita.
4. No deserto, Davi soube que Nabal estava tosquiando as ovelhas.
5. Mandou então dez moços, dizendo-lhes: "Subam até Carmel, apresentem-se a Nabal e o saúdem em meu nome
6. deste modo: 'Saudações. A paz esteja com você, com a sua família e com tudo o que você possui.
7. Eu soube que você está fazendo a tosquia do seu rebanho. Pois bem. Pastores seus estiveram entre nós; e nós não os incomodamos, nem lhes foi tirado nada enquanto estiveram em Carmel.
8. Pergunte a seus rapazes, e eles confirmarão o que estou dizendo. Atenda bem estes moços, porque é um dia de festa para nós. Por favor, dê para estes seus servos e para Davi o que você tem à mão' ".
9. Os moços foram e disseram a Nabal tudo o que Davi tinha mandado; e ficaram esperando.
10. Nabal respondeu aos moços: "Quem é Davi e quem é o filho de Jessé? Hoje em dia existem muitos servos que fogem do seu patrão.
11. Será que eu vou pegar o pão, a água e as ovelhas, que abati para os meus tosquiadores, e dar a homens que nem sei de onde vêm?"
12. Então os moços de Davi se afastaram e foram embora. Voltaram para junto de Davi e lhe contaram tudo o que lhes fora dito por Nabal.
13. Davi disse a seus homens: "Cada um pegue a sua espada". Cada um pegou a sua e Davi também. Cerca de quatrocentos homens subiram com Davi, enquanto duzentos ficaram com as bagagens.
14. Um dos rapazes informou Abigail, mulher de Nabal: "Davi enviou mensageiros do deserto para cumprimentar o nosso patrão, e ele os expulsou.
15. Ora, esses homens foram muito bons para nós, não nos incomodaram e não sentimos falta de nada no tempo em que caminhamos entre eles e estivemos no campo.
16. Tanto de dia como de noite, eles nos protegeram todo o tempo em que estivemos com eles pastoreando o nosso rebanho.
17. Agora, decida e veja o que fazer, porque a destruição do nosso patrão e de toda a sua família está decidida. O patrão é homem grosseiro. Com ele não dá para conversar".
18. Imediatamente, Abigail pegou duzentos pães, duas vasilhas com vinho, cinco ovelhas preparadas, cinco medidas de trigo tostado, cem cachos de uvas passas, duzentos doces de figo, e carregou tudo sobre os jumentos.
19. Depois disse aos seus moços: "Vão na frente, que eu irei em seguida". Ela, porém, não avisou o seu marido Nabal.
20. Enquanto ela, montada num jumento, descia para um abrigo na montanha, Davi e seus homens iam na sua direção, e acabaram se encontrando.
21. Davi tinha dito: "Foi à toa que eu protegi tudo o que pertence a esse indivíduo, não deixando que nada lhe fosse roubado: ele me pagou o bem com o mal.
22. Que Deus castigue Davi, se até amanhã cedo eu deixar vivo qualquer um de Nabal que urina na parede".
23. Quando Abigail viu Davi, apeou depressa do jumento, e prostrou-se diante dele com o rosto por terra.
24. Lançando-se aos pés de Davi, ela disse: "Meu senhor, a culpa é minha. Deixe que sua serva lhe fale. Escute as palavras da sua serva.
25. Que meu senhor não dê atenção a esse homem grosseiro que é Nabal, pois o seu nome significa grosseiro, e a grosseria está mesmo com ele. Eu, sua serva, não cheguei a ver os moços que meu senhor havia mandado.
26. Agora, meu senhor, pela vida de Javé e pela sua, é Javé que o impede de derramar sangue e de fazer justiça por suas próprias mãos. Que sejam como Nabal os inimigos e aqueles que procuram fazer o mal ao meu senhor.
27. Esta homenagem que sua serva lhe trouxe seja dada aos moços que o acompanham.
28. Eu lhe peço: perdoe a falta de sua serva, e Javé não deixará de lhe dar uma família estável, porque o meu senhor combate as guerras de Javé, e nada de mal lhe acontecerá em toda a sua vida.
29. Se alguém se levantar para o perseguir e atentar contra a sua vida, a vida do meu senhor estará bem guardada no bornal da vida com Javé seu Deus, enquanto a vida de seus inimigos será jogada como pedras com a funda.
30. Quando Javé cumprir tudo o que prometeu ao meu senhor e o tiver feito chefe de Israel,
31. então o meu senhor não terá que ficar perturbado, nem sofrer remorso por ter derramado sangue inutilmente e ter feito justiça com as próprias mãos. Quando Javé o abençoar, lembre-se de sua serva".
32. Então Davi respondeu a Abigail: "Seja bendito Javé Deus de Israel, que hoje enviou você ao meu encontro.
33. Bendita seja a sua sabedoria! Bendita seja você que hoje me impediu de derramar sangue e de fazer justiça com minhas próprias mãos!
34. Viva Javé, Deus de Israel, que me impediu de fazer mal a você. Porque, se você não tivesse vindo logo ao meu encontro, juro que ao amanhecer não restaria vivo para Nabal um só dos que urinam na parede".
35. Então Davi aceitou o que Abigail lhe tinha levado, e disse: "Volte em paz para casa. Eu atendi o que você pediu e a tratei com toda a consideração".
36. Abigail voltou para casa e encontrou Nabal dando uma grande festa: era uma festa de rei. Nabal estava alegre e completamente bêbado. Por isso, Abigail nada lhe contou até o amanhecer.
37. Pela manhã, quando Nabal melhorou da bebedeira, sua mulher lhe contou o que tinha acontecido. Nabal sentiu o coração parar no peito e ficou petrificado.
38. Dez dias depois, Javé feriu Nabal e ele morreu.
39. Ao saber que Nabal tinha morrido, Davi exclamou: "Seja bendito Javé, que defendeu minha causa contra a afronta que Nabal me fez. Javé me impediu de cometer um pecado: ele fez recair sobre Nabal o mal que ele tinha planejado". Davi mandou pedir a mão de Abigail, para que se casasse com ele.
40. Os servos de Davi foram a Carmel, à casa de Abigail, e lhe disseram: "Davi nos mandou para pedir que você se case com ele".
41. Abigail imediatamente se inclinou com o rosto por terra, e disse: "Aqui está sua serva disposta a lavar os pés dos servos do meu senhor".
42. Depois levantou depressa e montou num jumento; cinco servas a acompanhavam, e ela partiu junto com os mensageiros de Davi. E Davi se casou com ela.
43. Davi também se casou com Aquinoam de Jezrael. As duas se tornaram suas mulheres.
44. Saul tinha dado sua filha Micol, mulher de Davi, a Falti, filho de Lais de Galim.

[I Samuel 26]
I Samuel 26

DAVI NÃO USURPA O PODER
1. Os habitantes de Zif foram a Gabaá e contaram a Saul: "Davi está escondido na colina de Áquila, no lado que dá para o deserto".
2. Então Saul empreendeu a marcha para o deserto de Zif, com três mil soldados israelitas, a fim de dar uma batida e encontrar Davi.
3. Acampou na colina de Áquila, no lado que dá para o deserto, perto do caminho. Davi morava no deserto e, quando ficou sabendo que Saul vinha no seu encalço,
4. mandou alguns espiões para averiguar onde Saul estava.
5. Depois pôs-se a caminho e chegou ao lugar em que Saul estava acampado. Ficou perto do lugar em que estavam deitados Saul e Abner, filho de Ner, comandante do seu exército. Saul descansava entre os carros, e a tropa estava acampada ao redor.
6. Davi perguntou a Aquimelec, o heteu, e a Abisaí, filho de Sárvia, irmão de Joab: "Quem quer vir comigo até o acampamento de Saul?" Abisaí respondeu: "Eu vou com você".
7. Então Davi e Abisaí foram de noite ao acampamento. Saul estava deitado e dormindo, com a lança fincada no chão, ao lado da cabeceira; Abner e a tropa dormiam ao redor.
8. Então Abisaí disse a Davi: "Hoje Deus está entregando o inimigo em sua mão. Deixe que eu o encrave no chão com um só golpe de lança; não será preciso mais que um golpe".
9. Mas Davi respondeu: "Não o mate! Ninguém pode levantar a mão contra o ungido de Javé, e ficar sem castigo!"
10. E continuou: "Pela vida de Javé, o próprio Javé o ferirá. Sua hora vai chegar e ele morrerá, ou acabará caindo no campo de batalha.
11. Javé me livre de atentar contra o seu ungido! Pegue a lança que está na cabeceira dele e o cantil de água, e vamos embora".
12. Davi pegou a lança e o cantil de água que estavam na cabeceira de Saul, e os dois foram embora. Ninguém viu nem percebeu nada, nem acordou: todos dormiam, porque caíra sobre eles um pesado sono enviado por Javé.
13. Davi atravessou para o outro lado, subiu no alto de um monte, ao longe. Havia boa distância entre eles.
14. Então Davi gritou para o exército e para Abner, filho de Ner: "Você não responde, Abner?" E Abner respondeu: "Quem é que está gritando para o rei?"
15. Davi continuou: "Você não é homem? Quem é como você em Israel? Então, por que você não guardou o rei, seu senhor? Alguém do povo tentou matá-lo.
16. Você não se comportou bem. Pela vida de Javé, vocês merecem a morte porque não guardaram o rei, senhor de vocês, o ungido de Javé. Veja onde estão a lança e o cantil de água que estavam na cabeceira dele!"
17. Então Saul reconheceu a voz de Davi e perguntou: "É a sua voz, meu filho Davi?" E Davi respondeu: "É a minha voz, meu senhor e meu rei".
18. E continuou: "Por que o senhor está perseguindo este seu servo? Que fiz eu? Que culpa tenho?
19. Senhor meu rei, peço-lhe que escute o que o seu servo tem a dizer: se é Javé que está lançando você contra mim, a oferta do altar o aplacará. Se forem os homens, que sejam malditos por Javé, pois estão me expulsando hoje e me impedem de participar da herança de Javé. É como se me dissessem: 'Vá servir a outros deuses!'
20. Que meu sangue não caia longe de Javé, nesta terra, já que o rei de Israel saiu para me perseguir até a morte, como se estivesse caçando uma perdiz pelos montes".
21. Saul respondeu: "Pequei. Volte, meu filho Davi! De agora em diante, não vou mais fazer-lhe mal, pois hoje você respeitou a minha vida. Tenho agido como idiota e cometi muitos erros".
22. Davi então disse: "Aqui está a lança do rei. Que um dos moços venha buscá-la.
23. Javé pagará conforme a sua justiça e de acordo com a fidelidade de cada um, Javé entregou você hoje em minhas mãos, e eu não quis atentar contra o ungido de Javé.
24. Assim como hoje eu respeitei a sua vida, que Javé também respeite a minha e me livre de todo perigo".
25. Então Saul disse a Davi: "Bendito seja você, meu filho Davi! Certamente você terá sucesso em tudo o que fizer". Davi continuou seu caminho, e Saul voltou para casa.

[I Samuel 27]
4. DAVI ENTRE OS FILISTEUS

I Samuel 27

TÁTICA DE DAVI
1. Davi pensou: "Mais dia menos dia, Saul vai acabar me matando. Não tenho outra saída, a não ser refugiar-me na terra dos filisteus. Saul desistirá de me perseguir por todo Israel, e eu estarei seguro".
2. Davi se pôs a caminho, com seus seiscentos homens, e foi para junto de Aquis, filho de Maoc, rei de Gat.
3. Davi e seus homens se estabeleceram junto a Aquis em Gat, com suas famílias. Davi levou suas duas mulheres: Aquinoam de Jezrael e Abigail, mulher de Nabal de Carmel.
4. Ao ser informado que Davi se refugiara em Gat, Saul parou de persegui-lo.
5. Davi disse a Aquis: "Se eu ganhei o seu favor, dê-me algum povoado na zona rural, onde eu possa morar. Por que um servo seu moraria ao seu lado na cidade real?"
6. Então, nesse dia, Aquis deu Siceleg para Davi. Por isso, Siceleg pertence aos reis de Judá até hoje.
7. Assim, Davi permaneceu na zona rural dos filisteus por um ano e quatro meses.
8. Ele e seus homens iam e atacavam os gessuritas, gersitas e amalecitas, que desde há muito tempo habitavam o território que vai desde Sur até a terra do Egito.
9. Davi aniquilava o território e não deixava ninguém vivo, nem homem nem mulher; tomava ovelhas e bois, jumentos, camelos e roupas. Depois voltava para junto de Aquis.
10. E Aquis perguntava: "Onde é que você atacou hoje?" E Davi respondia que tinha sido contra o Negueb de Judá, ou o Negueb de Jerameel, ou o Negueb dos quenitas.
11. E Davi não deixava ninguém vivo, homem ou mulher que pudesse ir até Gat, pois ele pensava: "Alguém pode nos trair, contando o que eu fiz". Assim ele agiu durante todo o tempo em que esteve na zona rural dos filisteus.
12. Aquis acabou confiando em Davi, e dizia: "Ele é detestado por seu povo, em Israel, e por isso ficará para sempre a meu serviço".

[I Samuel 28]
I Samuel 28

1. Nesse tempo, os filisteus reuniram suas tropas para atacar Israel. Então Aquis disse a Davi: "Fique sabendo que você e seus homens irão com meu exército".
2. Davi respondeu: "Muito bem. Você verá do que o seu servo é capaz". Então Aquis disse a Davi: "Eu o nomeio meu guarda pessoal permanente".

APROXIMA-SE A QUEDA DE SAUL
3. Samuel tinha morrido. Todo o Israel participara dos funerais, e o enterraram em Ramá, sua cidade. De outro lado, Saul tinha expulsado do país os necromantes e adivinhos.
4. Os filisteus se concentraram e acamparam em Sunam. Saul reuniu todo o Israel e acamparam em Gelboé.
5. Quando viu o acampamento dos filisteus, Saul teve medo e começou a tremer.
6. Consultou a Javé, porém Javé não lhe respondeu, nem por sonhos, nem pela sorte, nem pelos profetas.
7. Então Saul disse a seus servos: "Procurem uma necromante, para que eu faça uma consulta". Os servos responderam: "Há uma necromante em Endor".
8. Saul se disfarçou, vestiu roupa de outro, e à noite, acompanhado de dois homens, foi encontrar-se com a mulher. Saul disse a ela: "Quero que você me adivinhe o futuro, evocando os mortos. Faça aparecer a pessoa que eu lhe disser".
9. A mulher, porém, respondeu: "Você sabe o que fez Saul, expulsando do país os necromantes e adivinhos. Por que está armando uma cilada, para eu ser morta?"
10. Então Saul jurou por Javé: "Pela vida de Javé, nenhum mal vai lhe acontecer por causa disso".
11. A mulher perguntou: "Quem você quer que eu chame?" Saul respondeu: "Chame Samuel".
12. Quando a mulher viu Samuel aparecer, deu um grito e falou para Saul: "Por que você me enganou? Você é Saul!"
13. O rei a tranqüilizou: "Não tenha medo. O que você está vendo?" A mulher respondeu: "Vejo um espírito subindo da terra".
14. Saul perguntou: "Qual é a aparência dele?" A mulher respondeu: "É a de um ancião que sobe, vestido com um manto". Então Saul compreendeu que era Samuel, e se prostrou com o rosto por terra.
15. Samuel perguntou a Saul: "Por que você me chamou, perturbando o meu descanso?" Saul respondeu: "É que estou em situação desesperadora: os filisteus estão guerreando contra mim. Deus se afastou de mim e não me responde mais, nem pelos profetas, nem por sonhos. Por isso, eu vim chamar você, para que me diga o que devo fazer".
16. Samuel respondeu: "Por que você veio me consultar, se Javé se afastou de você e se tornou seu inimigo?
17. Javé fez com você o que já lhe foi anunciado por mim: tirou de você a realeza e a entregou para Davi.
18. Porque você não obedeceu a Javé e não executou o ardor da ira dele contra Amalec. É por isso que Javé hoje trata você desse modo.
19. E Javé vai entregar aos filisteus tanto você, como seu povo Israel. Amanhã mesmo, você e seus filhos estarão comigo, e o acampamento de Israel também: Javé o entregará nas mãos dos filisteus".
20. Saul caiu imediatamente no chão, apavorado com as palavras de Samuel. Estava enfraquecido, porque ficara o dia todo e toda a noite sem comer.
21. A mulher chegou perto de Saul e, vendo que ele estava apavorado, disse: "Sua serva obedeceu. Arrisquei minha vida para fazer o que o senhor estava pedindo.
22. Agora, também o senhor deve obedecer à sua serva. Vou lhe trazer um pedaço de pão. Coma e recupere as forças para ir embora".
23. Saul, porém, recusou: "Não vou comer nada". Mas seus servos e a mulher insistiram tanto, que ele acabou cedendo: levantou-se do chão e sentou-se na cama.
24. A mulher tinha um bezerro cevado. Abateu o bezerro, pegou farinha, amassou-a e cozinhou uns pães sem fermento.
25. Depois serviu Saul e seus servos. Eles comeram e se puseram a caminho na mesma noite.

[I Samuel 29]
I Samuel 29

UM GRUPO PERIGOSO
1. Os filisteus concentraram suas tropas em Afec e Israel acampou junto à fonte que existe em Jezrael.
2. Os príncipes dos filisteus desfilavam por batalhões e destacamentos. Davi e seus homens iam na retaguarda com Aquis.
3. Os chefes filisteus perguntaram: "O que estão fazendo aqui esses hebreus?" Aquis respondeu: "É Davi, o servo de Saul, rei de Israel. Ele já está comigo faz um ano ou dois, e desde o dia que passou para o meu lado até agora não tenho nada do que reclamar".
4. Os chefes filisteus se opuseram, dizendo: "Mande embora esse homem. Que volte para o lugar que você lhe havia reservado. Que não venha para a guerra conosco, e não se volte contra nós em pleno combate. Veja bem: a melhor forma de ele se reconciliar com seu senhor seria a cabeça de nossos soldados.
5. Será que esse Davi não é o Davi de quem se cantava dançando: 'Saul matou mil, mas Davi matou dez mil'?"
6. Então Aquis mandou chamar Davi e lhe disse: "Pela vida de Javé! Você é leal, e eu não tenho queixa do seu comportamento no exército; não tenho nada a reprovar em você, desde que entrou no meu território até hoje. Mas você não é bem visto pelos príncipes.
7. Por isso, volte em paz, para não desagradar os príncipes".
8. Davi respondeu a Aquis: "O que foi que eu fiz? Em que ofendi o senhor, desde que me apresentei até hoje? O que me impede de combater contra os meus inimigos ao lado do meu senhor e rei?"
9. Aquis respondeu a Davi: "Eu sei. Eu estimo você, como se fosse um enviado de Deus. Mas os chefes filisteus disseram que não querem você indo à guerra conosco.
10. Portanto, é melhor que você e os seus servos madruguem, e ao raiar do dia sigam para o lugar que lhes indiquei".
11. Davi e seus homens madrugaram e partiram de manhãzinha, voltando para o país dos filisteus. E os filisteus subiram para Jezrael.

[I Samuel 30]
I Samuel 30

TODOS PARTILHAM DA CONQUISTA
1. No terceiro dia em que Davi e seus homens estavam a caminho para Siceleg, os amalecitas atacaram o Negueb e Siceleg: arrasaram e incendiaram Siceleg,
2. aprisionando as mulheres, crianças e adultos que aí se encontravam; não mataram ninguém, mas foram embora levando-os consigo.
3. Quando Davi e seus homens chegaram, viram a cidade incendiada e souberam que suas mulheres, filhos e filhas tinham sido levados embora.
4. Davi e seu pessoal caíram em lágrimas e choraram até se esgotar suas forças.
5. As duas mulheres de Davi, Aquinoam de Jezrael e Abigail, mulher de Nabal de Carmel, também tinham sido capturadas.
6. Davi ficou muito angustiado, porque se dizia que todos queriam apedrejá-lo, pois o pessoal todo estava amargurado por causa de seus filhos e filhas. Davi, porém, recobrou ânimo em Javé seu Deus.
7. Então Davi disse ao sacerdote Abiatar, filho de Aquimelec: "Traga-me o efod". E Abiatar levou o efod para Davi.
8. E Davi consultou a Javé: "Se eu perseguir esse bando, será que vou alcançá-lo?" Javé respondeu: "Vá atrás deles, porque você os alcançará e libertará os prisioneiros".
9. Davi e seus seiscentos homens foram e chegaram ao riacho de Besor.
10. Davi e quatrocentos homens continuaram a perseguição, enquanto duzentos ficaram, pois estavam cansados para atravessar o riacho de Besor.
11. Encontraram um egípcio no campo e o levaram até Davi. Deram-lhe pão para comer e água para beber.
12. Deram-lhe doce de figos e dois cachos de uvas passas. Depois de ter comido, ele se refez, porque estava três dias e três noites sem comer nem beber.
13. Então Davi lhe perguntou: "A quem pertence você e de onde vem?" Ele respondeu: "Eu sou um moço egípcio, escravo de um amalecita. Faz três dias que meu patrão me abandonou, porque eu estava doente.
14. Nós atacamos o Negueb dos cereteus, os homens de Judá e o Negueb de Caleb; e também incendiamos Siceleg".
15. Davi lhe disse: "Você é capaz de me conduzir até esse bando?" O egípcio respondeu: "Jure por Deus que você não me matará, nem me entregará nas mãos do meu senhor, e eu o conduzirei até esse bando".
16. Então o egípcio levou Davi até o bando. Os amalecitas estavam espalhados pelo território, comendo, bebendo e fazendo festa com os grandes despojos que haviam tomado no país dos filisteus e no país de Judá.
17. Davi os aniquilou desde o amanhecer até a tarde do dia seguinte: ninguém escapou, exceto quatrocentos moços que montavam camelos e que conseguiram fugir.
18. Davi recuperou tudo o que os amalecitas haviam tomado, e também suas duas mulheres.
19. Não se perdeu nada do que lhes pertencia: coisas pequenas e grandes, os despojos que haviam tomado, filhos e filhas; Davi levou tudo de volta.
20. Davi pegou todas as ovelhas e bois dos amalecitas. Aqueles que iam na frente desse rebanho diziam: "Aqui estão os despojos de Davi".
21. Davi chegou até onde estavam os duzentos homens que, cansados, não o tinham seguido e ficaram junto ao riacho de Besor. Eles foram ao encontro de Davi e da tropa. Davi aproximou-se deles e os saudou.
22. Todos os homens maus e grosseiros que tinham seguido Davi disseram: "Já que eles não foram conosco, não dê para eles parte nenhuma dos despojos que recuperamos, a não ser a própria mulher e filhos; que eles recebam e vão embora".
23. Então Davi replicou: "Nada disso, meus irmãos. Não façam isso com o que Javé nos deu. Ele nos protegeu e colocou em nosso poder o bando que veio contra nós.
24. Quem é que pode concordar com o que vocês estão dizendo? De fato, a parte daquele que foi ao combate é a mesma daquele que ficou com as bagagens; repartam por igual".
25. Desse dia em diante, isso ficou como estatuto e norma para Israel, e permanece até o dia de hoje.
26. Davi entrou em Siceleg e enviou parte dos despojos para os anciãos de Judá, seus compatriotas, dizendo: "Aqui vai como presente para vocês parte dos despojos tomados dos inimigos de Javé".
27. E a mandou para os anciãos de Betul, de Ramá do Negueb, de Jatir,
28. de Aroer, de Sefamot, de Estemo,
29. de Carmel, das cidades de Jerameel, das cidades dos quenitas,
30. de Horma, de Bor-Asã, de Eter,
31. de Hebron, e para os anciãos de todos os lugares por onde Davi tinha passado com seus homens.

[I Samuel 31]
I Samuel 31

A TRÁGICA DERROTA DE SAUL
1. Os filisteus fizeram guerra contra Israel, e os israelitas fugiram deles, e muitos caíram mortos no monte Gelboé.
2. Os filisteus perseguiram Saul e seus filhos. Mataram Jônatas, Abinadab e Melquisua, filhos de Saul.
3. Todo o peso do combate se concentrou sobre Saul. Os arqueiros o surpreenderam e o feriram gravemente.
4. Então Saul disse ao escudeiro: "Desembainhe a espada e me atravesse, antes que esses incircuncisos cheguem e caçoem de mim". O escudeiro ficou apavorado e não quis obedecer. Então Saul pegou a espada e atirou-se sobre ela.
5. Vendo que Saul estava morto, o escudeiro também se jogou sobre sua espada e morreu com Saul.
6. Desse modo, no mesmo dia morreram Saul, seus três filhos, seu escudeiro e todos os seus homens.
7. Quando os israelitas que estavam no outro lado do vale, e os da Transjordânia, viram que os israelitas tinham sido derrotados e que Saul e seus filhos estavam mortos, abandonaram suas cidades e fugiram. Então os filisteus foram e as ocuparam.
8. No dia seguinte, os filisteus foram despojar os cadáveres e encontraram Saul e seus três filhos mortos no monte Gelboé.
9. Cortaram a cabeça de Saul e tiraram suas armas. E as enviaram por todo o território filisteu, anunciando a boa notícia a seus ídolos e a seu povo.
10. Depositaram as armas de Saul no templo de Astarte e dependuraram o cadáver dele na muralha de Betsã.
11. Os habitantes de Jabes de Galaad souberam o que os filisteus tinham feito com Saul.
12. Então todos os guerreiros caminharam a noite inteira, tiraram da muralha de Betsã o cadáver de Saul e de seus filhos, e os levaram a Jabes, e aí os queimaram.
13. Depois recolheram os ossos, os enterraram debaixo da tamareira de Jabes, e jejuaram durante sete dias.

Send this page to a friend

St. Takla Church - Main IndexIndex of Antigo Testamento - BÍBLIA ON-LINE - Portuguese Bible (Brazil)

Like & share St-Takla.org

_


© Saint Takla Haymanout Website: Coptic Orhtodox Church - Alexandria, Egypt / URL: http://St-Takla.org / Contact us at

http://st-takla.org/Bibles/Portuguese-Bible/01-Antigo-Testamento/09-i-samuel.html