All Coptic Links - Coptic Directory - Orthodox Church Directory The Agbeya - The Coptic Book of Prayers (English Agbiya + Arabic Agpeya) English Bible + Holy Bible in other languages - Arabic, French, Ethiopian Amharic Holy Bible, ArabicBible, Enjeel Saint Takla dot org - Main page - English Photo and Image Gallery: Jesus - Mary - Saints - St. Takla - Church - Priests - Bible - Activities - pictures and Icons.. Download and listen to Hymns - Carols - Midnight Praise (Tasbeha) - Midis - Videos - Liturgies - Masses - Sermons - Online Streaming St-Takla.org   Coptic Church Website Logo of Saint Takla Haymanot the Ethiopian Website - Alexandria - Egypt - موقع الأنبا تكلا هيمانوت FAQ - Frequently Asked Questions and Answers - Coptic and Christan Q&A - Faith, Creed, Site, Youth, Family, Holy Bible Contact Us - Address - Map - Online Support Send a free Christian and Coptic Greeting Cards to your friends موقع الكنيسة القبطية باللغة العربية - الموقع العربي StTaklaorg Site News and Updates Downloads.. Winamp Skins - Coptic fonts - Agbeya - Software - Freeware - Icons - Gallery - Mp3s Feedback - Submit URL - ideas - Suggestions.. Kids' Corner - Coloring - Songs - Games - Stories Free Coptic Books - Christian Arabic Books, Orthodox English Books  

Portuguese Bible - BÍBLIA ON-LINE - Antigo Testamento

Êxodo

 

[Êxodo] I. A OPRESSÃO: PROJETO DE MORTE

Êxodo 1

SURGIMENTO DE UM POVO
1. Nomes dos filhos de Israel que foram para o Egito com Jacó, cada qual com sua família:
2. Rúben, Simeão, Levi e Judá;
3. Issacar, Zabulon e Benjamim;
4. Dã e Neftali; Gad e Aser.
5. Os descendentes de Jacó eram ao todo setenta pessoas. José, porém, já estava no Egito.
6. Depois, morreu José, assim como seus irmãos e toda essa geração.
7. Os filhos de Israel se tornavam fecundos e se multiplicavam; tornaram-se cada vez mais numerosos e poderosos, a tal ponto que o país ficou repleto deles.

LUTA ENTRE A MORTE E A VIDA

A OPRESSÃO PARALISA O POVO
8. Subiu ao trono do Egito um novo rei que não tinha conhecido José.
9. Ele disse ao seu povo: "Vejam! O povo dos filhos de Israel está se tornando mais numeroso e poderoso do que nós.
10. Vamos vencê-los com astúcia, para impedir que eles se multipliquem; do contrário, em caso de guerra, eles se aliarão com o inimigo, nos atacarão e depois sairão do país".
11. Então impuseram sobre Israel capatazes, que os exploravam em trabalhos forçados. E assim construíram para o Faraó as cidades-armazéns de Pitom e Ramsés.
12. Contudo, quanto mais oprimiam o povo, mais ele crescia e se multiplicava. Os filhos de Israel começaram a se tornar um pesadelo para os egípcios.
13. Por isso, os egípcios impuseram sobre eles trabalhos duros,
14. e lhes amargaram a vida com dura escravidão: preparação de argila, fabricação de tijolos, vários trabalhos nos campos; enfim, com dureza os obrigaram a todos esses trabalhos.

O OPRESSOR NÃO CONSEGUE ELIMINAR A VIDA
15. O rei do Egito ordenou às parteiras dos hebreus, que se chamavam Sefra e Fua:
16. "Quando vocês ajudarem as hebréias a dar à luz, observem se é menino ou menina: se for menino, matem; se for menina, deixem viver".
17. As parteiras, porém, temeram a Deus e não fizeram o que o rei do Egito lhes havia ordenado; e deixaram os meninos viver.
18. Então o rei do Egito chamou as parteiras e lhes disse: "Por que vocês fizeram isso, deixando os meninos viver?"
19. Elas responderam ao Faraó: "As mulheres hebréias não são como as egípcias: são cheias de vida, e dão à luz antes que as parteiras cheguem".
20. Por isso, Deus favoreceu as parteiras. E o povo se multiplicou e tornou-se muito poderoso.
21. E como as parteiras temeram a Deus, ele deu a elas uma família numerosa.
22. Então o Faraó ordenou a todo o seu povo: "Joguem no rio Nilo todo menino que nascer; e se for menina, deixem viver".

[Êxodo 2]
Êxodo 2

A VIDA DENTRO DA CASA DO OPRESSOR
1. Um homem da tribo de Levi casou-se com uma mulher da mesma tribo:
2. ela concebeu e deu à luz um filho. Vendo que era belo, o escondeu por três meses.
3. Quando não pôde mais escondê-lo, pegou um cesto de papiro, vedou com betume e piche, colocou dentro a criança, e a depositou entre os juncos na margem do rio.
4. A irmã da criança observava de longe para ver o que aconteceria.
5. Nesse momento, a filha do Faraó desceu para tomar banho no rio, enquanto suas servas andavam pela margem. Ela viu o cesto entre os juncos e mandou a criada apanhá-lo.
6. Ao abrir o cesto, viu a criança: era um menino que chorava. Ela se compadeceu e disse: "É uma criança dos hebreus!"
7. Então a irmã do menino disse à filha do Faraó: "A senhora quer que eu vá chamar uma hebréia para criar este menino?"
8. A filha do Faraó respondeu: "Pode ir". A menina foi e chamou a mãe da criança.
9. Então a filha do Faraó disse para a mulher: "Leve este menino, e o amamente para mim, que eu lhe pagarei". A mulher recebeu o menino e o criou.
10. Quando o menino cresceu, a mulher o entregou à filha do Faraó, que o adotou e lhe deu o nome de Moisés, dizendo: "Eu o tirei das águas".

SOLIDARIEDADE COM O OPRIMIDO
11. Passaram os anos. Moisés cresceu e saiu para ver seus irmãos. E notou que eram submetidos a trabalhos forçados. Viu também que um dos seus irmãos hebreus estava sendo maltratado por um egípcio.
12. Olhou para um lado e para outro, e vendo que não havia ninguém, matou o egípcio e o enterrou na areia.
13. No dia seguinte, Moisés saiu e encontrou dois hebreus brigando. E disse para o agressor: "Por que você está ferindo seu próximo?"
14. Ele respondeu: "E quem foi que nomeou você para ser chefe e juiz sobre nós? Está querendo me matar como matou o egípcio ontem?" Moisés sentiu medo e pensou: "Certamente a coisa já é conhecida".
15. O Faraó ouviu falar do fato e procurou matar Moisés. Moisés, porém, fugiu do Faraó e se refugiou no país de Madiã. E aí se sentou junto a um poço.
16. O sacerdote de Madiã tinha sete filhas. Elas foram buscar água para encher os bebedouros e dar de beber ao rebanho de seu pai.
17. Nisso, chegaram uns pastores e tentavam expulsá-las. Então Moisés se levantou para defendê-las e deu de beber ao rebanho delas.
18. E elas voltaram para seu pai Ragüel, e este lhes perguntou: "Por que vocês voltaram hoje mais cedo?"
19. Elas responderam: "Um egípcio nos livrou dos pastores, tirou água e deu de beber ao rebanho".
20. O pai perguntou: "Onde está ele? Por que o deixaram ir embora? Vão chamá-lo para que venha comer".
21. Moisés concordou em morar com ele. E ele deu a Moisés sua filha Séfora.
22. Ela deu à luz um menino, a quem Moisés deu o nome de Gérson, dizendo: "Sou imigrante em terra estrangeira".

II. A LIBERTAÇÃO: PROJETO DE VIDA

1. DEUS OUVE O CLAMOR DO OPRIMIDO

O OPRIMIDO TOMA CONSCIÊNCIA
23. Muito tempo depois, o rei do Egito morreu. Os filhos de Israel gemiam sob o peso da escravidão, e clamaram; e do fundo da escravidão, o seu clamor chegou até Deus.
24. Deus ouviu as queixas deles e lembrou-se da aliança que fizera com Abraão, Isaac e Jacó.
25. Deus viu a condição dos filhos de Israel e a levou em consideração.

[Êxodo 3]
2. DEUS RESPONDE AO CLAMOR

Êxodo 3

EXPERIÊNCIA QUE PROVOCA DECISÃO
1. Moisés estava pastoreando o rebanho do seu sogro Jetro, sacerdote de Madiã. Levou as ovelhas além do deserto e chegou ao Horeb, a montanha de Deus.
2. O anjo de Javé apareceu a Moisés numa chama de fogo do meio de uma sarça. Moisés prestou atenção: a sarça ardia no fogo, mas não se consumia.
3. Então Moisés pensou: "Vou chegar mais perto e ver essa coisa estranha: por que será que a sarça não se consome?"
4. Javé viu Moisés que se aproximava para olhar. E do meio da sarça Deus o chamou: "Moisés, Moisés!" Ele respondeu: "Aqui estou".
5. Deus disse: "Não se aproxime. Tire as sandálias dos pés, porque o lugar onde você está pisando é um lugar sagrado".
6. E continuou: "Eu sou o Deus de seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó". Então Moisés cobriu o rosto, pois tinha medo de olhar para Deus.

OBJETIVO DA LIBERTAÇÃO
7. Javé disse: "Eu vi muito bem a miséria do meu povo que está no Egito. Ouvi o seu clamor contra seus opressores, e conheço os seus sofrimentos.
8. Por isso, desci para libertá-lo do poder dos egípcios e para fazê-lo subir dessa terra para uma terra fértil e espaçosa, terra onde corre leite e mel, o território dos cananeus, heteus, amorreus, ferezeus, heveus e jebuseus.
9. O clamor dos filhos de Israel chegou até mim, e eu estou vendo a opressão com que os egípcios os atormentam.
10. Por isso, vá. Eu envio você ao Faraó, para tirar do Egito o meu povo, os filhos de Israel".

O NOME DE DEUS
11. Então Moisés disse a Deus: "Quem sou eu para ir até o Faraó e tirar os filhos de Israel lá do Egito?"
12. Deus respondeu: "Eu estou com você, e este é o sinal de que eu o envio: quando você tirar o povo do Egito, vocês vão servir a Deus nesta montanha".
13. Moisés replicou a Deus: "Quando eu me dirigir aos filhos de Israel, eu direi: 'O Deus dos antepassados de vocês me enviou até vocês'; e se eles me perguntarem: 'Qual é o nome dele?' O que é que eu vou responder?"
14. Deus disse a Moisés: "Eu sou aquele que sou". E continuou: "Você falará assim aos filhos de Israel: 'Eu Sou me enviou até vocês' ".
15. Deus disse ainda a Moisés: "Você falará assim aos filhos de Israel: 'Javé, o Deus dos antepassados de vocês, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó, foi quem me enviou até vocês'. Esse é o meu nome para sempre, e assim eu serei lembrado de geração em geração".

O PROJETO DA LIBERTAÇÃO
16. "Vá, reúna os anciãos de Israel e diga a eles: 'Javé, o Deus dos antepassados de vocês, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó, ele me apareceu e disse: Eu vim ver vocês e como estão tratando vocês aqui no Egito.
17. Então eu disse: Eu decidi tirar vocês da opressão egípcia e levá-los para a terra dos cananeus, heteus, amorreus, ferezeus, heveus e jebuseus, para uma terra onde corre leite e mel'.
18. Os anciãos de Israel darão ouvidos a você. Então você irá com eles até o rei do Egito e lhe dirá: 'Javé, o Deus dos hebreus, veio ao nosso encontro. Por isso, deixe-nos agora fazer uma viagem de três dias no deserto, para oferecermos sacrifícios a Javé nosso Deus'.
19. Entretanto, eu sei que o rei do Egito não os deixará ir, se não for obrigado por mão forte.
20. Portanto, vou estender a mão e ferir o Egito com todas as maravilhas que farei no país. Então ele deixará vocês partir.
21. Farei com que o povo conquiste a simpatia dos egípcios, de modo que, ao partir, não saiam de mãos vazias.
22. As mulheres pedirão a suas vizinhas e às donas de casa, com quem estiverem alojadas, objetos de prata e ouro e roupas para vestir seus filhos e filhas; assim, vocês vão despojar os egípcios".

[Êxodo 4]
Êxodo 4

MOISÉS PODERÁ DEMITIFICAR A IDEOLOGIA DO OPRESSOR
1. Moisés replicou: "E se eles não acreditarem em mim, nem fizerem caso, dizendo: 'Javé não apareceu a você'?"
2. Javé perguntou-lhe: "O que você tem aí na mão?" Moisés respondeu: "Uma vara".
3. Então Javé lhe disse: "Jogue-a no chão". Moisés jogou a vara no chão e ela se transformou em cobra. Moisés, assustado, saiu correndo.
4. Javé disse a Moisés: "Estenda a mão e pegue-a pela cauda". Ele estendeu a mão, pegou-a pela cauda e ela se transformou em vara.
5. Então Javé disse: "Isso é para acreditarem que Javé, o Deus dos antepassados deles, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó, apareceu a você".
6. Javé disse-lhe ainda: "Coloque a mão no peito". Moisés colocou a mão no peito; ao retirá-la, a mão estava leprosa, branca como a neve.
7. Javé lhe disse: "Coloque de novo a mão no peito". Moisés colocou de novo a mão no peito e, ao retirá-la, estava normal como o resto do corpo.
8. E Javé disse: "Se eles não acreditarem e não fizerem caso de você no primeiro sinal, acreditarão em você no segundo.
9. Se não acreditarem nem fizerem caso de você em nenhum dos dois sinais, pegue água do rio Nilo e derrame-a na terra seca: a água que você pegar do rio se transformará em sangue sobre a terra seca".

O PORTA-VOZ DE MOISÉS
10. Moisés insistiu com Javé: "Meu Senhor, eu não tenho facilidade para falar, nem ontem, nem anteontem, nem depois que falaste ao teu servo; minha boca e minha língua são pesadas".
11. Javé replicou: "Quem dá a boca para o homem? Quem o torna mudo ou surdo, capaz de ver ou cego? Não sou eu, Javé?
12. Agora vá, e eu estarei em sua boca e lhe ensinarei o que você há de falar".
13. Moisés, porém, insistiu: "Não, meu Senhor, envia o intermediário que quiseres".
14. Javé ficou irritado com Moisés e lhe disse: "Você não tem o seu irmão Aarão, o levita? Sei que ele sabe falar bem. Ele está vindo ao seu encontro e ficará alegre em ver você.
15. Você vai falar com ele e transmitirá a ele as mensagens. Eu estarei na sua boca e na dele, e ensinarei a vocês o que deverão fazer.
16. Ele falará ao povo no lugar de você: ele será a sua boca, e você será um deus para ele.
17. Pegue esta vara na mão: é com ela que você fará os sinais".

MOISÉS PARTE PARA O EGITO
18. Moisés voltou para a casa de seu sogro Jetro, e lhe disse: "Vou voltar para o Egito, para ver se meus irmãos ainda vivem". Jetro respondeu: "Vá em paz".
19. Em Madiã, Javé disse a Moisés: "Volte para o Egito, porque morreram todos os que projetavam matar você".
20. Então Moisés tomou sua mulher e seu filho, os fez montar num jumento, e voltou para a terra do Egito. Moisés levava na mão a vara de Deus.
21. E Javé disse a Moisés: "Quando você voltar ao Egito, procure fazer na presença do Faraó os prodígios que coloquei à sua disposição. Mas eu vou endurecer o coração do Faraó, para que ele não deixe o povo partir.
22. Então você dirá ao Faraó: Assim diz Javé: Israel é o meu filho primogênito
23. e eu ordeno a você que deixe meu filho sair para que me sirva. Se você se recusar a deixá-lo partir, eu matarei o filho primogênito de você".

A CIRCUNCISÃO DO FILHO DE MOISÉS
24. Durante a viagem, numa hospedaria, Javé foi ao encontro de Moisés e procurava matá-lo.
25. Séfora pegou uma pedra aguda, cortou o prepúcio de seu filho, com ele tocou os órgãos sexuais de Moisés, e disse: "Você é para mim um esposo de sangue".
26. E Javé o deixou quando ela disse: "esposo de sangue", por causa da circuncisão.

O POVO ADERE AO PROJETO DE JAVÉ
27. Javé disse a Aarão: "Vá até o deserto para encontrar-se com Moisés". Ele foi, o encontrou na montanha de Deus e o beijou.
28. Moisés contou para Aarão tudo o que Javé lhe havia dito quando lhe dera a missão. E falou de todos os sinais que Javé lhe havia mandado realizar.
29. Então Moisés e Aarão foram reunir todos os anciãos dos filhos de Israel.
30. Aarão repetiu tudo o que Javé tinha dito a Moisés, e este realizou os sinais diante do povo.
31. O povo acreditou. E, ouvindo que Javé se ocupava dos filhos de Israel e vira a opressão sobre eles, todos se ajoelharam e se prostraram.

[Êxodo 5]
3. FRACASSO DA VIA LEGAL

Êxodo 5

O DEUS DOS MARGINALIZADOS
1. Depois disso, Moisés e Aarão se apresentaram diante do Faraó e disseram: "Assim diz Javé, o Deus de Israel: Deixe meu povo partir para que celebre uma festa para mim no deserto".
2. O Faraó respondeu: "Quem é Javé, para que eu tenha de obedecer a ele e deixar Israel partir? Não reconheço Javé, nem deixarei Israel partir".
3. Eles disseram: "O Deus dos hebreus veio ao nosso encontro. Deixe-nos fazer uma viagem de três dias pelo deserto para oferecermos sacrifícios a Javé nosso Deus; caso contrário, ele nos ferirá com peste ou espada".
4. Então o rei do Egito lhes disse: "Moisés e Aarão, por que vocês subvertem o povo que trabalha? Voltem já para o trabalho!"
5. E o Faraó acrescentou: "Eles já são mais numerosos que os nativos do país, e vocês ainda querem que eles deixem de trabalhar?"

O REVIDE DO OPRESSOR
6. Nesse mesmo dia, o Faraó deu ordem aos capatazes e inspetores, dizendo:
7". Não dêem ao povo palha para fazer tijolos, como vocês faziam antes. Que eles próprios providenciem a palha.
8. E mais: exijam deles a mesma quantia de tijolos que faziam antes. Não diminuam nada, porque eles são preguiçosos e por isso andam clamando: 'Vamos sacrificar ao nosso Deus'.
9. Carreguem esses homens com mais trabalho, para que fiquem ocupados e não dêem atenção a palavras mentirosas".
10. Os capatazes e inspetores saíram e falaram ao povo: "Assim disse o Faraó: 'Não darei mais palha para vocês;
11. vão vocês mesmos buscá-la onde a puderem encontrar. E o trabalho não será diminuído em nada' ".
12. Então o povo se espalhou por todo o território egípcio para recolher palha.
13. Os capatazes os pressionavam, dizendo: "Acabem o trabalho de vocês, a tarefa de cada dia, do mesmo jeito de antes, quando havia palha".
14. E os capatazes açoitavam os inspetores israelitas, que os mesmos capatazes do Faraó haviam colocado sobre eles. E lhes diziam: "Por que vocês não acabaram, nem ontem nem hoje, a quantidade de tijolos que faziam antes?"

SERÁ QUE O PROJETO FRACASSOU?
15. Os inspetores israelitas foram, então, reclamar diante do Faraó, dizendo: "Por que o senhor trata assim os seus servos?
16. Estão exigindo que façamos tijolos, mas não nos dão palha. Seus servos são açoitados, mas o culpado é o seu povo!"
17. O Faraó, porém, respondeu: "Vocês são muito preguiçosos! É por isso que andam dizendo: 'Vamos oferecer sacrifícios a Javé'.
18. Pois agora, vão e trabalhem. Vocês não receberão palha, mas terão que produzir a mesma quantidade de tijolos".
19. Então os inspetores israelitas se viram em aperto, pois fora dito para eles que não deviam diminuir a produção diária de tijolos.
20. Quando saíram da presença do Faraó, encontraram Moisés e Aarão que estavam à espera deles.
21. Então lhes disseram: "Que Javé examine e julgue a vocês, porque vocês é que nos tornaram odiosos ao Faraó e à sua corte, e puseram na mão deles uma espada para nos matar".

O PROJETO CONTINUARÁ PELA FORÇA
22. Então Moisés voltou-se para Javé e perguntou: "Senhor, por que maltratas este povo? Por que me enviaste?
23. Desde que me apresentei ao Faraó para falar em teu nome, o povo é maltratado, e tu não libertaste o teu povo".

[Êxodo 6]
Êxodo 6

1. Javé respondeu a Moisés: "Agora você verá o que vou fazer ao Faraó. É pela força que ele os deixará partir, e até os expulsará do seu país!"
2. Deus falou a Moisés: "Eu sou Javé.
3. Apareci a Abraão, a Isaac e a Jacó como o Deus Todo-poderoso, mas a eles não dei a conhecer o meu nome: Javé.
4. Também estabeleci minha aliança com eles, para lhes dar a terra de Canaã, a terra em que residiam como imigrantes.
5. Eu ouvi os gemidos dos filhos de Israel que os egípcios escravizaram, e me lembrei da minha aliança.
6. Portanto, diga aos filhos de Israel: Eu sou Javé. Eu tirarei de cima de vocês as cargas do Egito, eu os libertarei da escravidão e os resgatarei com mão estendida, fazendo justiça solene.
7. Eu os adotarei como meu povo e serei o Deus de vocês, aquele que tira de cima de vocês as cargas do Egito.
8. Depois eu farei vocês entrarem na terra que prometi, com juramento, a Abraão, a Isaac e a Jacó: eu a darei como propriedade para vocês. Eu sou Javé".
9. Moisés comunicou isso aos filhos de Israel, mas eles não fizeram caso, porque estavam no limite da resistência, por causa da dura escravidão.
10. Javé disse a Moisés:
11. "Vá dizer ao Faraó, rei do Egito, que deixe os filhos de Israel sair do território dele".
12. Moisés, porém, falou a Javé: "Se nem os filhos de Israel me dão ouvidos, como é que o Faraó vai me ouvir, a mim que não tenho facilidade de falar?"
13. Javé falou a Moisés e Aarão e os enviou ao Faraó, rei do Egito, para tirarem os filhos de Israel do país do Egito.

MOISÉS E AARÃO SÃO IRMÃOS E LEVITAS
14. Estes são os chefes de suas famílias. Filhos de Rúben, primogênito de Israel: Henoc, Falu, Hesron e Carmi. São os clãs de Rúben.
15. Filhos de Simeão: Jamuel, Jamin, Aod, Jaquin, Soar e Saul, filho da cananéia. São os clãs de Simeão.
16. Nomes dos filhos de Levi, com seus descendentes: Gérson, Caat e Merari. Levi viveu cento e trinta e sete anos.
17. Filhos de Gérson: Lobni e Semei, com seus clãs.
18. Filhos de Caat: Amram, Isaar, Hebron e Oziel. Caat viveu cento e trinta e três anos.
19. Filhos de Merari: Mooli e Musi. São os clãs de Levi, com suas descendências.
20. Amram casou-se com sua tia Jocabed, e ela lhe deu Aarão e Moisés. Amram viveu cento e trinta e sete anos.
21. Filhos de Isaar: Coré, Nefeg e Zecri.
22. Filhos de Oziel: Misael, Elisafã e Setri.
23. Aarão casou-se com Isabel, filha de Aminadab, irmã de Naasson, e ela lhe deu Nadab, Abiú, Eleazar e Itamar.
24. Filhos de Coré: Asir, Elcana e Abiasaf. São os clãs dos coreítas.
25. Eleazar, filho de Aarão, casou-se com uma das filhas de Futiel, que lhe gerou Finéias. São estes os chefes das famílias dos levitas, segundo seus clãs.
26. E estes são Aarão e Moisés; foi a eles que Javé disse: "Tirem do Egito os filhos de Israel, segundo seus exércitos".
27. Foram eles, Moisés e Aarão, que falaram ao Faraó, rei do Egito, para que deixasse os filhos de Israel sair do Egito.

DEUS TOMA A INICIATIVA
28. Quando Javé falou a Moisés no Egito,
29. Javé lhe disse: "Eu sou Javé. Diga ao Faraó, rei do Egito, tudo o que estou dizendo a você".
30. Moisés respondeu a Javé: "Não sei falar com facilidade. Como é que o Faraó vai me ouvir?"

[Êxodo 7]
Êxodo 7

1. Javé disse a Moisés: "Veja! Eu faço você como um deus para o Faraó, e seu irmão Aarão será seu profeta.
2. Você falará tudo o que eu mandar, e seu irmão Aarão falará ao Faraó, para que este deixe os filhos de Israel partir de sua terra.
3. Eu, porém, vou endurecer o coração do Faraó, e multiplicarei sinais e prodígios no país do Egito.
4. O Faraó não vai ouvir vocês; e então, eu colocarei a minha mão em cima do Egito e tirarei do Egito os meus exércitos, o meu povo, os filhos de Israel, fazendo solene justiça.
5. Desse modo, os egípcios saberão que eu sou Javé, quando eu estender a minha mão em cima do Egito e fizer os filhos de Israel sair do meio deles".
6. Moisés e Aarão fizeram exatamente o que Javé tinha ordenado.
7. Quando falaram ao Faraó, Moisés tinha oitenta anos, e Aarão oitenta e três.

4. A LUTA PELA LIBERTAÇÃO

COMEÇA O CONFRONTO
8. Javé disse a Moisés e Aarão:
9. "Se o Faraó pedir que vocês façam algum prodígio, você dirá a Aarão que pegue a vara de você e a jogue diante do Faraó; e ela se transformará em cobra".
10. Moisés e Aarão se apresentaram diante do Faraó e fizeram o que Javé lhes havia mandado. Aarão jogou a vara diante do Faraó e seus ministros, e ela se transformou em cobra.
11. O Faraó, porém, mandou chamar os sábios e os encantadores de cobras, e também eles, os magos do Egito, fizeram o mesmo com suas ciências ocultas:
12. cada um jogou a sua vara e elas se transformaram em cobras. No entanto, a vara de Aarão devorou as varas deles.
13. Apesar disso, o coração do Faraó se endureceu e ele não fez caso de Moisés e Aarão, exatamente como Javé havia predito.

DA ÁGUA DA VIDA AO SANGUE DA MORTE
14. Javé disse a Moisés: "O coração do Faraó está endurecido, e ele se recusa a deixar o povo partir.
15. Vá encontrar o Faraó de manhã. Ele vai sair até o rio, e você o esperará na margem do Nilo. Leve consigo a vara que se transformou em cobra.
16. Diga ao Faraó: Javé, o Deus dos hebreus, me enviou a você para dizer: 'Deixe meu povo partir para que me sirva no deserto. Até agora você não fez caso.
17. Portanto, assim diz Javé: Com isto, você ficará sabendo que eu sou Javé: com esta vara que tenho na mão, vou tocar as águas do rio e elas se transformarão em sangue:
18. os peixes do rio morrerão, o rio vai ficar cheirando mal, e os egípcios não poderão mais beber a água do rio' ".
19. Javé disse a Moisés: "Diga a Aarão: 'Tome a vara e estenda a mão sobre as águas do Egito, sobre os rios, canais, lagoas e sobre todos os reservatórios, para que se convertam em sangue. Haverá sangue em toda a terra do Egito, até nas vasilhas de madeira e de pedra' ".
20. Moisés e Aarão fizeram como Javé tinha mandado. Aarão ergueu a vara, tocou a água do rio diante do Faraó e de sua corte; e toda a água do Nilo se transformou em sangue.
21. Os peixes do rio morreram, o rio ficou poluído, e os egípcios não podiam beber a água do rio. E houve sangue por todo o país do Egito.
22. Os magos do Egito, porém, fizeram o mesmo com suas ciências ocultas. O coração do Faraó se endureceu e ele não fez caso, exatamente como Javé havia predito.
23. O Faraó voltou para o palácio, sem se preocupar com o caso.
24. Os egípcios cavaram nos arredores do rio para encontrar água potável, pois não podiam beber a água do rio.

UMA NEGOCIAÇÃO FRAUDULENTA
25. Sete dias depois de ter tocado o Nilo,
26. Javé disse a Moisés: "Apresente-se ao Faraó e diga a ele: 'Assim diz Javé: Deixe meu povo partir para que me sirva.
27. Se você não o deixar partir, eu infestarei todo o território de você com rãs:
28. o Nilo ferverá de rãs, que subirão, entrarão em seu palácio, nas casas e quartos e até em sua cama; o mesmo acontecerá na casa de seus ministros e de seu povo, nos fornos e amassadeiras.
29. As rãs virão por cima de você, de seus ministros e de todo o seu povo' ".

[Êxodo 8]
Êxodo 8

1. Javé disse a Moisés: "Diga a Aarão: 'Estenda a mão com a vara sobre os rios, canais e lagoas, e faça subir rãs sobre todo o território egípcio' ".
2. Aarão estendeu a mão sobre as águas do Egito, e fez subir rãs que infestaram todo o território egípcio.
3. Os magos do Egito, porém, usaram suas ciências ocultas e fizeram o mesmo: fizeram subir rãs por todo o território egípcio.
4. O Faraó mandou chamar Moisés e Aarão, e lhes disse: "Rezem a Javé, para que afaste as rãs de mim e do meu povo. Então eu deixarei o povo partir para que ofereça sacrifícios a Javé".
5. Moisés disse ao Faraó: "Diga-me, por favor, quando é que eu devo rezar por você, por seus ministros e por seu povo, a fim de livrar das rãs você e suas casas, de modo que as rãs fiquem somente no Nilo".
6. O Faraó respondeu: "Amanhã." Moisés disse: "Será conforme está pedindo, para que você saiba que não há ninguém como Javé nosso Deus.
7. As rãs se afastarão de você, de sua casa, dos seus ministros e do seu povo. Ficarão somente no rio".
8. Moisés e Aarão saíram do palácio do Faraó. E Moisés suplicou a Javé por causa das rãs que ele havia mandado contra o Faraó.
9. Javé cumpriu o que Moisés lhe pedia: morreram as rãs que estavam nas casas, pátios e campos:
10. foram ajuntadas em montes imensos, e a terra ficou poluída.
11. Mas o Faraó viu que havia trégua, e seu coração ficou endurecido e não lhes deu ouvidos, exatamente como Javé tinha predito.

A IDEOLOGIA DO OPRESSOR É DESMASCARADA
12. Javé disse a Moisés: "Diga a Aarão: 'Estenda a vara e toque o pó do chão, e ele se transformará em mosquitos por todo o território egípcio' ".
13. Aarão estendeu a mão com a vara e tocou o pó do chão, que se transformou em mosquitos, que atacavam homens e animais. E todo o pó do chão se transformou em mosquitos por todo o país do Egito.
14. Os magos do Egito tentaram fazer o mesmo, usando suas ciências ocultas para produzir mosquitos, mas não conseguiram. Os mosquitos atacavam homens e animais.
15. Então os magos disseram ao Faraó: "Isso é o dedo de Deus". Mas o coração do Faraó se endureceu e ele não os ouviu, exatamente como Javé tinha predito.

O OPRESSOR RECONHECE A FORÇA DE JAVÉ
16. Javé disse a Moisés: "Levante-se de madrugada, apresente-se ao Faraó quando ele sair para o rio, e diga-lhe: 'Assim diz Javé: Deixe meu povo partir para que me sirva.
17. Se você não deixar o meu povo partir, eu mandarei moscas contra você, contra seus ministros, seu povo e as casas que você tem. As casas dos egípcios e até mesmo o solo em que pisam ficarão cheios de moscas.
18. Nesse dia, eu tratarei de maneira diferente o território de Gessen, onde reside o meu povo, para que aí não haja moscas. Assim, você saberá que eu sou Javé e estou no país.
19. Farei uma distinção entre o meu povo e o seu povo. Este sinal acontecerá amanhã'."
20. Assim fez Javé: nuvens de moscas invadiram o palácio do Faraó e de seus ministros e todo o território egípcio, de modo que toda a terra do Egito ficou infestada de moscas.
21. O Faraó mandou chamar Moisés e Aarão, e disse a eles: "Vão oferecer sacrifícios ao Deus de vocês dentro do meu território".
22. Moisés respondeu: "Não é oportuno fazer isso, porque nossos sacrifícios a Javé nosso Deus são abomináveis para os egípcios. Se imolarmos diante deles o que eles abominam, certamente irão nos apedrejar.
23. Temos que viajar três dias pelo deserto, para oferecer sacrifícios a Javé nosso Deus, conforme ele nos mandou".
24. O Faraó propôs: "Eu deixarei vocês fazer sacrifícios ao Deus de vocês no deserto, com a condição de que vocês não se afastem muito. Rezem por mim".
25. Moisés respondeu: "Logo que eu sair da sua presença, rezarei a Javé, para que amanhã mesmo ele afaste as moscas do Faraó, dos seus ministros e do seu povo. Mas que o Faraó não torne a me enganar, não permitindo que o povo vá fazer sacrifícios a Javé".
26. Moisés saiu da presença do Faraó e orou a Javé.
27. E Javé fez o que Moisés pedia: afastou as moscas do Faraó, dos seus ministros e do seu povo, até que não ficou uma só.
28. Mas o Faraó endureceu o coração também dessa vez, e não deixou o povo partir.

[Êxodo 9]
Êxodo 9

JAVÉ ESTÁ COM O SEU POVO
1. Javé disse a Moisés: "Apresente-se ao Faraó e diga a ele: Assim diz Javé, o Deus dos hebreus: 'Deixe meu povo partir para que me sirva.
2. Se você não o deixar partir, e o continuar segurando à força,
3. a mão de Javé vai ferir, com uma peste maligna, o rebanho do campo, os cavalos, jumentos, camelos, bois e ovelhas'.
4. Javé, no entanto, fará distinção entre os rebanhos de Israel e os rebanhos dos egípcios, de modo que nada perecerá do que pertence aos filhos de Israel.
5. Javé estabeleceu um prazo: amanhã Javé fará isso no país".
6. Javé cumpriu sua palavra no dia seguinte. E morreram todos os animais dos egípcios, mas não morreu nenhum dos animais dos filhos de Israel.
7. O Faraó mandou averiguar e viu que do rebanho de Israel nenhum animal havia morrido. No entanto, o Faraó endureceu o coração e não deixou o povo partir.

A IDEOLOGIA DO OPRESSOR É DERROTADA
8. Javé disse a Moisés e Aarão: "Peguem do forno um punhado de cinza, e Moisés o atire no ar diante dos olhos do Faraó.
9. A cinza se transformará em pó sobre todo o território egípcio e cairá sobre homens e animais, produzindo úlceras e chagas em toda a terra do Egito".
10. Eles pegaram cinza do forno, apresentaram-se ao Faraó, e Moisés a jogou para o ar, e os homens e animais ficaram cobertos de tumores e chagas.
11. Os magos, por causa dos tumores, não puderam ficar de pé diante de Moisés, porque havia tumores nos magos e em todos os egípcios.
12. Javé, porém, endureceu o coração do Faraó e este não os ouviu, exatamente como Javé tinha predito a Moisés.

OS INTERESSES DIVIDEM A CLASSE DOMINANTE
13. Javé disse a Moisés: "Levante-se de madrugada, apresente-se ao Faraó, e diga a ele: 'Assim diz Javé, o Deus dos hebreus: Deixe meu povo partir para que me sirva,
14. pois desta vez mandarei todas as minhas pragas contra você, contra seus ministros e contra o seu povo, para que você saiba que não há ninguém como eu em toda a terra.
15. De fato, se eu já tivesse estendido a mão para ferir você e o seu povo com peste, você teria desaparecido da terra.
16. Entretanto, foi exatamente para isto que eu o conservei de pé, para lhe mostrar a minha força e para que minha fama se espalhe por toda a terra.
17. No entanto, você continua a reter o meu povo e não o deixa partir!
18. Veja bem! Amanhã, a esta mesma hora, farei cair uma pesada chuva de pedras, como nunca se viu no Egito, desde o dia em que foi fundado até hoje.
19. Agora, portanto, mande recolher seus animais e tudo o que você tem no campo, porque os homens e animais que estiverem no campo e não se refugiarem sob um teto vão morrer por causa da chuva de pedras' ".
20. Os ministros do Faraó que respeitaram a palavra de Javé apressaram-se em dar refúgio a seus escravos e colocar o rebanho em estábulos.
21. E aqueles que não deram importância à palavra de Javé deixaram os escravos e o rebanho no campo.
22. Javé disse a Moisés: "Estenda a mão para o céu, e cairá chuva de pedras em todo o território egípcio: sobre homens e animais e sobre toda a vegetação".
23. Então Moisés estendeu a vara para o céu, e Javé mandou trovões e chuva de pedras, e caíram raios sobre a terra. E Javé fez cair chuva de pedras no território egípcio.
24. Caiu chuva de pedras acompanhada de raios; era uma chuva tão forte como nunca houve em toda a terra do Egito, desde que começou a ser nação.
25. A chuva de pedras destruiu tudo o que havia no território egípcio: feriu tudo o que se encontrava no campo, homens e animais, destruiu a vegetação campestre e quebrou todas as árvores do campo.
26. Só não houve chuva de pedras na terra de Gessen, onde viviam os filhos de Israel.
27. Então o Faraó mandou chamar Moisés e Aarão, e lhes disse: "Desta vez eu pequei. Javé é justo, e eu com meu povo somos ímpios.
28. Rezem a Javé, porque já bastam esses trovões e a chuva de pedras! Eu os deixarei partir, e vocês não ficarão mais aqui".
29. Moisés respondeu: "Quando eu sair da cidade, estenderei as mãos para Javé: os trovões cessarão e não haverá mais chuva de pedras, para que você saiba que a terra pertence a Javé.
30. Quanto a você e seus ministros, porém, eu sei que vocês ainda não temem o Deus Javé".
31. O linho e a cevada se perderam, pois a cevada já estava na espiga e o linho estava florescendo;
32. o trigo e o centeio, porém, não se perderam, porque são tardios.
33. Moisés saiu do palácio do Faraó e da cidade. E estendeu as mãos para Javé. Os trovões e a chuva de pedras cessaram, e parou de chover sobre a terra.
34. Ao ver que a chuva, as pedras e os trovões tinham parado, o Faraó continuou a pecar, endurecendo o coração, tanto ele como seus ministros.
35. O coração do Faraó se endureceu. E ele não deixou partir os filhos de Israel, exatamente como Javé tinha predito a Moisés.

[Êxodo 10]
Êxodo 10

NÃO CEDER EM NADA!
1. Javé disse a Moisés: "Apresente-se ao Faraó, pois eu endureci o coração dele e de seus ministros, para realizar entre eles os meus sinais,
2. a fim de que você conte ao seu filho e ao seu neto de que modo eu caçoei dos egípcios, e quantos sinais realizei no meio deles. Assim, vocês saberão que eu sou Javé".
3. Então Moisés e Aarão se apresentaram diante do Faraó e lhe disseram: "Assim diz Javé, o Deus dos hebreus: 'Até quando você vai se negar a humilhar-se diante de mim? Deixe meu povo partir para que me sirva.
4. Se você não deixar meu povo partir, amanhã mandarei gafanhotos sobre o seu território.
5. Eles cobrirão a superfície da terra, e não se poderá mais ver o chão. Comerão todo o resto que não foi atingido pela chuva de pedras e todas as árvores que crescem no campo.
6. Encherão as casas que você tem, assim como de seus ministros e de todos os egípcios, como seus pais e avós nunca viram, desde o dia em que vieram à terra até hoje' ". Moisés virou-se e saiu da presença do Faraó.
7. Então os ministros disseram ao Faraó: "Até quando esse homem será para nós uma armadilha? Deixe essa gente partir para que sirva o seu Deus Javé. Você não vê que o Egito está arruinado?"
8. Fizeram Moisés e Aarão voltar à presença do Faraó, e este lhes falou: "Vão servir a Javé, o Deus de vocês. Mas me digam quem é que vai".
9. Moisés respondeu: "Temos que ir com jovens e velhos, com filhos e filhas, com os rebanhos e o gado, porque para nós é uma festa de Javé".
10. O Faraó replicou: "Que Javé os acompanhe, se eu os deixar partir com suas crianças. Vocês têm más intenções!
11. De modo nenhum: vão somente os homens e sirvam a Javé, se é isso que vocês estão querendo". E os expulsaram da presença do Faraó.
12. Javé disse a Moisés: "Estenda a mão sobre o Egito, para que venham gafanhotos sobre o país, e devorem toda a vegetação da terra e tudo o que se salvou da chuva de pedras".
13. Moisés estendeu a vara sobre a terra do Egito. E Javé fez soprar sobre o país um vento oriental, durante todo o dia e toda a noite. Quando amanheceu, o vento oriental já havia trazido os gafanhotos.
14. E os gafanhotos invadiram todo o território egípcio, e eram tão numerosos como nunca houve antes e nunca mais haverá.
15. Cobriram toda a superfície do solo e devastaram a terra. Devoraram toda a vegetação do solo e todo o fruto que a chuva de pedras tinha deixado nas árvores. E em todo o território egípcio não ficou nada verde nas árvores, nem na vegetação do campo.
16. O Faraó mandou chamar às pressas Moisés e Aarão, e disse a eles: "Pequei contra seu Deus Javé, e contra vocês.
17. Perdoem o meu pecado ainda esta vez, e rezem para que seu Deus Javé afaste de mim esse castigo mortal".
18. Moisés saiu do palácio do Faraó e rezou a Javé.
19. Então Javé fez soprar do ocidente um forte vento, que arrastou os gafanhotos e os lançou no mar Vermelho: não ficou um só gafanhoto em todo o território egípcio.
20. Javé, porém, endureceu o coração do Faraó, e este não deixou que os filhos de Israel partissem.

O OPRESSOR APELA PARA A VIOLÊNCIA
21. Javé disse a Moisés: "Estenda a mão para o céu. E sobre todo o território egípcio haverá uma escuridão que se poderá apalpar".
22. Moisés estendeu a mão para o céu. E uma densa treva cobriu o território egípcio durante três dias.
23. Uma pessoa não via a outra, e por três dias ninguém se levantou do lugar em que estava. Contudo, havia luz em toda parte onde habitavam os filhos de Israel.
24. O Faraó mandou chamar Moisés e Aarão, e disse a eles: "Vão servir a Javé; fiquem somente os rebanhos e o gado de vocês; as crianças poderão ir com vocês".
25. Moisés respondeu: "Mesmo que você desse as vítimas para os sacrifícios e holocaustos, a fim de oferecermos a Javé nosso Deus,
26. ainda assim o nosso gado deveria ir conosco. Não ficará nenhum animal, pois precisamos deles para oferecer a Javé nosso Deus. Nem nós mesmos sabemos como vamos servir a Javé, enquanto não chegarmos lá".
27. Javé, porém, endureceu o coração do Faraó. E este não quis deixá-los partir.
28. E o Faraó disse a Moisés: "Saia da minha presença e tome cuidado para não se apresentar de novo. Porque se eu tornar a vê-lo, você morrerá imediatamente".
29. Moisés respondeu: "Seja como você está dizendo: nunca mais me apresentarei".

[Êxodo 11]
Êxodo 11

A UM PASSO DA VITÓRIA
1. Javé disse a Moisés: "Farei vir mais uma praga contra o Faraó e contra o Egito. Só então ele os deixará partir daqui; melhor ainda, ele os expulsará daqui.
2. Portanto, diga ao povo que cada homem peça objetos de prata e ouro ao seu vizinho, e toda mulher à sua vizinha".
3. E Javé fez com que o povo ganhasse a simpatia dos egípcios. Moisés também era muito estimado no Egito pelos ministros do Faraó e pelo povo.
4. Moisés disse: "Assim diz Javé: à meia-noite, eu passarei pelo meio do Egito,
5. e todos os primogênitos do Egito morrerão, desde o primogênito do Faraó, herdeiro do seu trono, até o primogênito da escrava que trabalha no moinho, e todos os primogênitos do gado.
6. Então na terra do Egito haverá grande clamor, como nunca houve antes e nunca mais haverá.
7. Mas, entre os filhos de Israel, desde os homens até os animais, não se ouvirá nem o latido de um cão, para que vocês saibam que Javé distingue entre o Egito e Israel.
8. Então todos os ministros do Faraó virão a mim e, prostrados diante de mim, eles dirão: 'Saiam, você e o povo que o acompanha'. Então eu sairei". E, ardendo em ira, Moisés saiu do palácio do Faraó.
9. Javé disse a Moisés: "O Faraó não fará caso de vocês. Assim os meus prodígios se multiplicarão no Egito".
10. Moisés e Aarão fizeram todos esses prodígios diante do Faraó. Javé, porém, endureceu o coração do Faraó. E este não deixou que os filhos de Israel partissem do seu país.

[Êxodo 12]
Êxodo 12

PÁSCOA: O MEMORIAL DA LIBERTAÇÃO
1. Javé disse a Moisés e Aarão na terra do Egito:
2. "Este mês será para vocês o principal, o primeiro mês do ano.
3. Falem assim a toda a assembléia de Israel: No dia dez deste mês, cada família tome um animal, um animal para cada casa.
4. Se a família for pequena para um animal, então ela se juntará com o vizinho mais próximo de sua casa. O animal será escolhido conforme o número de pessoas e conforme cada uma puder comer.
5. O animal deve ser macho, sem defeito, e de um ano. Vocês o escolherão entre os cordeiros ou entre os cabritos,
6. e o guardarão até o dia catorze deste mês, quando toda a assembléia de Israel o imolará ao entardecer.
7. Pegarão o sangue e o passarão sobre os dois batentes e sobre a travessa da porta, nas casas onde comerem o animal.
8. Nessa noite, comerão a carne assada no fogo e acompanhada de pão sem fermento com ervas amargas.
9. Vocês não comerão a carne crua nem cozida na água, mas assada no fogo: inteiro, com cabeça, pernas e vísceras.
10. Não deixarão restos para o dia seguinte; se sobrar alguma coisa, devem queimá-la no fogo.
11. Vocês devem comê-lo assim: com cintos na cintura, sandálias nos pés e cajado na mão; vocês o comerão às pressas, porque é a páscoa de Javé.
12. Nessa noite, eu passarei pela terra do Egito, matarei todos os primogênitos egípcios, desde os homens até os animais. E farei justiça contra todos os deuses do Egito. Eu sou Javé.
13. O sangue nas casas será um sinal de que vocês estão dentro delas: ao ver o sangue, eu passarei adiante. E o flagelo destruidor não atingirá vocês, quando eu ferir o Egito.
14. Esse dia será para vocês um memorial, pois nele celebrarão uma festa de Javé. Vocês o celebrarão como um rito permanente, de geração em geração.

CONSTRUIR UMA NOVA SOCIEDADE
15. Durante sete dias, vocês comerão pães sem fermento. No primeiro dia, vocês tirarão o fermento de dentro de casa, e será excluída de Israel qualquer pessoa que comer algo fermentado, desde o primeiro dia até o sétimo.
16. No primeiro dia vocês farão uma assembléia sagrada. E, no sétimo dia, outra assembléia sagrada. Nesses dias ninguém trabalhará, e vocês prepararão apenas o que cada um deve comer.
17. Vocês observarão a festa dos Pães sem fermento, porque nesse mesmo dia eu fiz os exércitos de vocês sair do Egito. Vocês observarão esse dia como rito permanente, de geração em geração.
18. No dia catorze do primeiro mês, à tarde, vocês comerão pães sem fermento, até a tarde do dia vinte e um desse mês.
19. Durante sete dias não se achará fermento na casa de vocês, pois todo aquele que comer pão fermentado será eliminado da comunidade de Israel, tanto o imigrante como o natural do país.
20. Vocês não comerão pão fermentado; comerão pães sem fermento em todo lugar em que morarem".

CONSERVAR A MEMÓRIA DA LIBERTAÇÃO
21. Moisés convocou todos os anciãos de Israel e lhes disse: "Escolham por família um animal e imolem a Páscoa.
22. Peguem alguns ramos de hissopo, molhem no sangue que estiver na bacia, e com o sangue que estiver na bacia marquem a travessa da porta e seus batentes. Ninguém de vocês saia de casa antes de amanhecer o dia seguinte,
23. porque Javé passará para ferir os egípcios. E quando notar o sangue sobre a travessa da porta e sobre os dois batentes, ele passará adiante dessa porta e não deixará que o exterminador entre em suas casas para ferir vocês.
24. Observem esse preceito, como decreto perpétuo, para vocês e para seus filhos.
25. Quando vocês tiverem entrado na terra que Javé lhes dará, conforme ele disse, vocês observarão esse rito.
26. Quando seus filhos perguntarem: 'Que rito é este?'
27. vocês responderão: 'É o sacrifício da Páscoa de Javé. Ele passou no Egito junto às casas dos filhos de Israel, ferindo os egípcios e protegendo nossas casas'". Então o povo se ajoelhou e se prostrou.
28. Os filhos de Israel foram e fizeram tudo isso, e o fizeram como Javé tinha ordenado a Moisés e Aarão.

VITÓRIA FINAL
29. À meia-noite, Javé feriu todos os primogênitos do Egito: desde o primogênito do Faraó, que iria suceder-lhe no trono, até o primogênito do prisioneiro que estava na cadeia e até os primogênitos dos animais.
30. No meio da noite, o Faraó levantou-se com todos os seus ministros e todos os egípcios. E houve um clamor imenso em todo o Egito, pois não havia casa onde não houvesse um morto.
31. De noite ainda, o Faraó chamou Moisés e Aarão, e lhes disse: "Levantem-se e saiam do meio do meu povo, vocês e os filhos de Israel. Vão servir a Javé, como pediram.
32. Levem também seus rebanhos e seu gado, como diziam. Vão embora e me abençoem".
33. Os egípcios pressionavam o povo para que saísse depressa do país, pois tinham medo que morressem todos.
34. E o povo levou sobre os ombros a farinha amassada antes que levedasse, e as amassadeiras, atadas em trouxas com seus mantos.
35. Os filhos de Israel fizeram também o que Moisés havia mandado: pediram aos egípcios objetos de prata e ouro e também roupas.
36. Javé fez com que eles ganhassem a simpatia dos egípcios, que lhes deram tudo o que estavam pedindo. E assim eles despojaram os egípcios.

A VIGÍLIA DA LIBERTAÇÃO
37. Os filhos de Israel partiram de Ramsés, em direção de Sucot: eram seiscentos mil homens a pé, sem contar as crianças.
38. Subiu também com eles imensa multidão com ovelhas, gado e muitos animais.
39. Assaram pães sem fermento com a farinha que haviam levado do Egito, pois a massa não estava levedada: é que, expulsos do Egito, não puderam parar, nem preparar provisões para o caminho.
40. A estada dos filhos de Israel no Egito durou quatrocentos e trinta anos.
41. No mesmo dia em que terminaram os quatrocentos e trinta anos, os exércitos de Javé saíram do Egito.
42. Essa noite foi uma vigília para Javé, quando ele os tirou do Egito. E assim deve ser para todos os filhos de Israel: uma vigília para Javé, em todas as gerações.

RITUAL E COMPROMISSO
43. Javé disse a Moisés e Aarão: "Assim será o ritual da Páscoa: nenhum estrangeiro comerá dela.
44. Os escravos que você tiver comprado por dinheiro, poderão comer dela se forem circuncidados.
45. Quem estiver de passagem e os mercenários não comerão dela.
46. Cada cordeiro deverá ser comido dentro de uma casa; e nenhum pedaço de carne deverá ser levado para fora; e dele não se deverá quebrar nenhum osso.
47. Toda a comunidade de Israel celebrará a Páscoa.
48. Se algum imigrante que mora com você quiser celebrar a Páscoa de Javé, todos os homens de sua casa deverão ser circuncidados; então, ele poderá celebrá-la e será como um nativo do país. Por isso, nenhum incircunciso poderá comer dela.
49. A mesma lei vale tanto para o nativo como para o imigrante que mora no meio de vocês".
50. Todos os filhos de Israel fizeram o que Javé tinha ordenado a Moisés e Aarão.
51. Nesse dia, Javé tirou do Egito os filhos de Israel, segundo seus exércitos.

[Êxodo 13]
Êxodo 13

JAVÉ É O SENHOR DO SEU POVO
1. Javé falou a Moisés:
2. "Consagre a mim todos os primogênitos, todo aquele que por primeiro sai do útero materno entre os filhos de Israel, tanto dos homens como dos animais: ele pertencerá a mim".

UMA TERRA SEM OPRESSÃO
3. Moisés disse ao povo: "Lembrem-se para sempre deste dia em que vocês saíram do Egito, da casa da escravidão, quando Javé os tirou daí com mão forte. Por isso, vocês não comerão pão fermentado.
4. Hoje é o mês de Abib, e vocês estão saindo.
5. Quando Javé tiver introduzido você na terra dos cananeus, heteus, amorreus, heveus e jebuseus, terra que ele jurou aos antepassados que iria dar a você, uma terra onde corre leite e mel, então neste mês você celebrará o seguinte rito:
6. comerá pães sem fermento durante sete dias, e no sétimo dia haverá uma festa para Javé.
7. Durante os sete dias se comerá pão sem fermento. Em todo o território, não haverá fermento nem qualquer coisa fermentada.
8. Nesse dia, você explicará ao seu filho: 'Tudo isso é pelo que Javé fez por mim, quando eu saía do Egito'.
9. Isso servirá como sinal no braço e faixa na fronte, para que esteja em sua boca a lei de Javé, que o tirou do Egito com mão forte.
10. Você observará essa lei todos os anos, na data marcada.

JAVÉ, O DEUS DA VIDA
11. Quando Javé tiver introduzido você na terra dos cananeus e a tiver dado, como jurou a você e a seus antepassados,
12. você reservará para Javé todos os primogênitos do útero materno; e a Javé pertencerá todo primogênito de sexo masculino, também dos animais que você possuir.
13. O primogênito da jumenta, porém, você o resgatará, trocando por um cordeiro. Se você não o resgatar, deverá quebrar-lhe a nuca. Os primogênitos humanos, porém, você os resgatará sempre.
14. Amanhã, quando seu filho lhe perguntar: 'Que significa isso?' você lhe responderá: 'Com mão forte Javé nos tirou do Egito, da casa da servidão.
15. O Faraó se obstinou e não queria deixar-nos partir; por isso, Javé matou todos os primogênitos do Egito, desde o primogênito do homem até o primogênito dos animais. É por isso que eu sacrifico a Javé todo primogênito macho dos animais e resgato todo primogênito de meus filhos'.
16. Isso servirá como sinal no braço e faixa na fronte, porque Javé nos tirou do Egito com mão forte".

III. A MARCHA PARA A LIBERDADE: DIFICULDADES E PERIGOS

APRENDER A SER LIVRE
17. Quando o Faraó deixou o povo partir, Deus não o guiou pelo caminho da Palestina, que é o mais curto, porque Deus achou que, diante dos ataques, o povo se arrependeria e voltaria para o Egito.
18. Então Deus fez o povo dar uma volta pelo deserto até o mar Vermelho. Os filhos de Israel saíram do Egito bem armados.
19. Moisés levou consigo os ossos de José, pois este havia feito os filhos de Israel jurar solenemente: "Quando Deus intervier em favor de vocês, levem meus ossos daqui".
20. Partiram de Sucot e acamparam em Etam, à beira do deserto.
21. Javé ia na frente deles: de dia, numa coluna de nuvem, para guiá-los; de noite, numa coluna de fogo, para iluminá-los. Desse modo, podiam caminhar durante o dia e a noite.
22. De dia, a coluna de nuvem não se afastava do povo, nem de noite a coluna de fogo.

[Êxodo 14]
Êxodo 14

NÃO OLHAR PARA TRAS
1. Javé falou a Moisés:
2. "Diga aos filhos de Israel que voltem e acampem em Piairot, entre Magdol e o mar, diante de Baal Sefon; aí vocês acamparão, junto ao mar.
3. O Faraó irá pensar que os filhos de Israel andam errantes pelo país e que o deserto os bloqueou.
4. Eu endurecerei o coração do Faraó, que os perseguirá. Então eu mostrarei a minha honra, derrotando o Faraó e todo o seu exército; e os egípcios saberão que eu sou Javé". E os filhos de Israel assim fizeram.
5. Quando comunicaram ao rei do Egito que o povo tinha fugido, o Faraó e seus ministros mudaram de opinião sobre o povo e disseram: "O que é que nós fizemos? Deixamos partir nossos escravos israelitas!"
6. O Faraó mandou aprontar seu carro e levou consigo suas tropas:
7. seiscentos carros escolhidos e todos os carros do Egito, com oficiais sobre todos eles.
8. Javé endureceu o coração do Faraó, rei do Egito, e este perseguiu os filhos de Israel, que saíram ostensivamente.
9. Perseguindo com todos os cavalos e carros do Faraó, os cavaleiros e o exército os alcançaram quando estavam acampados junto ao mar, em Piairot, diante de Baal Sefon.
10. Quando o Faraó se aproximou, os filhos de Israel levantaram os olhos e viram que os egípcios avançavam atrás deles. Cheios de medo, clamaram a Javé,
11. e disseram a Moisés: "Será que não havia sepulturas lá no Egito? Você nos trouxe ao deserto para morrermos! Por que nos tratou assim, tirando-nos do Egito?
12. Não é isso que nós dizíamos a você lá no Egito: 'Deixe-nos em paz, para que sirvamos aos egípcios'? O que é melhor para nós? Servir aos egípcios ou morrer no deserto?"
13. Moisés respondeu ao povo: "Não tenham medo. Fiquem firmes, e verão o que Javé fará hoje para salvar vocês. Nunca mais vocês verão os egípcios, como estão vendo hoje.
14. Javé combaterá por vocês. Podem ficar tranqüilos".

ATRAVESSAR PARA A LIBERDADE
15. Javé disse a Moisés: "Por que você está clamando por mim? Diga aos filhos de Israel que avancem.
16. Quanto a você, erga a vara, estenda a mão sobre o mar e divida-o pelo meio para que os filhos de Israel possam atravessá-lo a pé enxuto.
17. Eu endureci o coração dos egípcios, para que eles persigam vocês. Assim eu mostrarei a minha honra, derrotando o Faraó e seu exército, com seus carros e cavaleiros.
18. Quando eu derrotar o Faraó com seus carros e cavaleiros, os egípcios ficarão sabendo que eu sou Javé".
19. O anjo de Deus, que ia na frente do exército de Israel, se retirou para ficar na retaguarda. A coluna de nuvem também se retirou da frente deles e se colocou atrás,
20. ficando entre o acampamento dos egípcios e o acampamento de Israel. A nuvem se escureceu, e durante toda a noite a escuridão impediu que um se aproximasse do outro.
21. Moisés estendeu a mão sobre o mar, e Javé fez o mar se retirar com um forte vento oriental, que soprou a noite inteira: o mar ficou seco e as águas se dividiram em duas.
22. Os filhos de Israel entraram pelo mar a pé enxuto, e as águas formavam duas muralhas, à direita e à esquerda.
23. Na perseguição, os egípcios entraram atrás deles com todos os cavalos do Faraó, seus carros e cavaleiros, e foram até o meio do mar.
24. De madrugada, Javé olhou da coluna de fogo e da nuvem, viu o acampamento dos egípcios e provocou uma confusão no acampamento:
25. emperrou as rodas dos carros, fazendo-os andar com dificuldade. Então os egípcios disseram: "Vamos fugir de Israel, porque Javé combate a favor deles".
26. Javé disse a Moisés: "Estenda a mão sobre o mar, e as águas se voltarão contra os egípcios, seus carros e cavaleiros".
27. Moisés estendeu a mão sobre o mar. E, de manhã, este voltou para o seu leito. Os egípcios, ao fugir, foram ao encontro do mar, e Javé atirou-os no meio do mar.
28. As águas voltaram, cobrindo os carros e os cavaleiros de todo o exército do Faraó, que os haviam seguido no mar: nem um só deles escapou.
29. Os filhos de Israel, porém, passaram pelo meio do mar a pé enxuto, enquanto as águas se erguiam em forma de muralhas, à direita e à esquerda.
30. Nesse dia Javé salvou Israel das mãos dos egípcios, e Israel viu os cadáveres dos egípcios à beira-mar.
31. Israel viu a mão forte com que Javé atuou contra o Egito. Então o povo temeu a Javé e acreditou nele e no seu servo Moisés.

[Êxodo 15]
Êxodo 15

HINO AO DEUS LIBERTADOR
1. Nessa ocasião, Moisés e os filhos de Israel entoaram este canto a Javé: "Vou cantar a Javé, pois sua vitória é sublime: ele atirou no mar carros e cavalos.
2. Javé é minha força e meu canto, ele foi a minha salvação. Ele é o meu Deus: eu o louvarei; é o Deus de meu pai: eu o exaltarei.
3. Javé é guerreiro, seu nome é Javé.
4. Ele atirou no mar os carros e a tropa do Faraó, afogou no mar Vermelho a elite das tropas:
5. as ondas os cobriram, e eles afundaram como pedras.
6. Tua direita, Javé, é terrível em poder, tua direita, Javé, aniquila o inimigo;
7. com sublime grandeza abates teus adversários, desencadeias tua ira, e ela os devora como palha.
8. Ao sopro de tuas narinas as águas se amontoam, e as ondas se levantam como represa; as vagas se congelam no meio do mar.
9. O inimigo dizia: 'Vou persegui-los e alcançá-los, vou repartir os despojos e me saciar com eles; vou tirar minha espada, e minha mão os agarrará'.
10. Teu vento soprou, e o mar os cobriu: caíram como chumbo nas águas profundas.
11. Qual Deus é como tu, Javé? Quem é santo como tu, ó Magnífico, terrível em proezas, autor de maravilhas?
12. Estendeste a direita, e a terra os engoliu.
13. Guiaste com amor o povo que redimiste, e o levaste com poder para tua morada santa.
14. Os povos ouviram e tremeram, e o terror se espalhou entre os governantes filisteus,
15. e os chefes de Edom ficaram com medo. O temor dominou os nobres de Moab; os governantes de Canaã cambaleiam todos.
16. Sobre todos eles cai o tremor e o temor. A grandeza de teu braço os deixou petrificados, até que teu povo atravesse, ó Javé, até que passe este povo que compraste.
17. Tu o conduzes e o plantas sobre o monte da tua herança, no lugar em que fizeste teu trono, ó Javé, no santuário que tuas mãos prepararam.
18. Javé reina sempre e eternamente".
19. Quando a cavalaria do Faraó entrou no mar com seus carros e cavaleiros, Javé fez voltar sobre eles as águas do mar, enquanto os filhos de Israel caminharam a pé enxuto pelo meio do mar.
20. A profetisa Maria, irmã de Aarão, pegou um tamborim, e todas as mulheres a seguiram com tamborins, formando coros de dança.
21. E Maria entoava: "Cantem a Javé, pois sua vitória é sublime: ele atirou no mar carros e cavalos".

ÁGUA NO DESERTO
22. Moisés fez Israel partir do mar Vermelho, e eles se dirigiram para o deserto de Sur. Caminharam três dias no deserto e não encontraram água.
23. Quando chegaram a Mara, não puderam beber a água, porque era amarga; foi por isso que deram a esse lugar o nome de Mara.
24. O povo murmurou contra Moisés, dizendo: "O que vamos beber?"
25. Moisés clamou a Javé, e Javé lhe mostrou um tipo de planta. Então Moisés atirou-a na água, e a água se tornou doce. Foi aí que Moisés estabeleceu um estatuto e um direito para o povo, colocando-o à prova
26. e dizendo: "Se você obedecer a Javé seu Deus, praticando o que ele aprova, ouvindo seus mandamentos e observando todas as suas leis, eu não mandarei sobre você nenhuma das enfermidades que mandei sobre os egípcios. Pois eu sou Javé, aquele que cura você".
27. Então chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras. E acamparam junto às águas.

[Êxodo 16]
Êxodo 16

ALIMENTO E DESCANSO PARA TODOS
1. Toda a comunidade de Israel partiu de Elim e chegou ao deserto de Sin, entre Elim e o Sinai, no dia quinze do segundo mês após a saída do Egito.
2. Toda a comunidade de Israel murmurou contra Moisés e Aarão no deserto,
3. dizendo: "Era melhor termos sido mortos pela mão de Javé na terra do Egito, onde estávamos sentados junto à panela de carne, comendo pão com fartura. Vocês nos trouxeram a este deserto para fazer toda esta multidão morrer de fome!"
4. Javé disse a Moisés: "Farei chover pão do céu para vocês: o povo sairá para recolher a porção de cada dia, para que eu o experimente e veja se ele observa a minha lei, ou não.
5. No sexto dia, porém, eles deverão preparar o que recolheram, e será o dobro do que recolhem nos outros dias".
6. Então Moisés e Aarão disseram a toda a comunidade de Israel: "À tarde vocês saberão que foi Javé quem os tirou do Egito.
7. E, pela manhã, vocês verão a glória de Javé, porque Javé ouviu as murmurações que vocês fizeram contra ele. Quem somos nós, para vocês murmurarem contra nós?"
8. Moisés disse mais: "Esta tarde, Javé dará carne para vocês comerem e, pela manhã, pão com fartura, pois ele ouviu a murmuração que vocês fizeram contra ele. Quem somos nós? As murmurações de vocês não são contra nós, e sim contra Javé".
9. Moisés disse a Aarão: "Diga a toda a comunidade de Israel: 'Aproximem-se de Javé, pois ele ouviu as murmurações que vocês fizeram' ".
10. Enquanto Aarão falava para toda a comunidade de Israel, olharam para o deserto e viram que a glória de Javé aparecia numa nuvem.
11. Javé falou a Moisés:
12. "Eu escutei as murmurações dos filhos de Israel. Diga-lhes que comerão carne à tarde e, pela manhã, se fartarão de pão. Assim ficarão sabendo que eu sou Javé seu Deus".
13. À tarde, um bando de codornizes cobriu todo o acampamento e, pela manhã, havia uma camada de orvalho ao redor do acampamento.
14. Quando a camada de orvalho se evaporou, na superfície do deserto apareceram pequenos flocos, como cristais de gelo.
15. Ao verem, os filhos de Israel perguntaram: "Que é isso?" Porque não sabiam o que era.
16. Moisés disse-lhes: "Isso é o pão que Javé lhes dá para comer. E são estas as ordens de Javé: Cada um recolha o quanto lhe basta para comer: quatro litros e meio por pessoa, conforme o número de pessoas que se achem na sua tenda.
17. Os filhos de Israel assim fizeram: uns recolheram mais, outros menos.
18. Quando mediram as quantias, não sobrava para quem havia recolhido mais, nem faltava para quem havia recolhido menos. Cada um tinha recolhido o que podia comer.
19. Moisés então lhes disse: "Ninguém guarde para a manhã seguinte".
20. Mas eles não deram ouvidos a Moisés, e alguns o guardaram para o dia seguinte. Porém, criou vermes e apodreceu. Por isso, Moisés ficou indignado contra eles.
21. A cada manhã eles colhiam o quanto cada um podia comer, porque o calor do sol o derretia.
22. No sexto dia, recolhiam o dobro: nove litros para cada um. E todos os chefes da comunidade informaram a Moisés.
23. E Moisés falou: "É exatamente isso que Javé ordenou: amanhã é sábado, um descanso completo reservado a Javé. Cozinhem o que quiserem cozinhar e fervam o que quiserem ferver; separem o que sobrar e reservem para o dia seguinte".
24. Eles fizeram a reserva até o dia seguinte, conforme Moisés tinha ordenado. E dessa vez não apodreceu nem criou vermes.
25. Então Moisés disse: "Comam hoje, porque hoje é um sábado de Javé. Hoje vocês não encontrarão alimento no campo.
26. Recolham durante seis dias, pois no sétimo, que é sábado, não o encontrarão".
27. No sétimo dia, alguns do povo saíram para o recolher, mas não encontraram nada.
28. Javé disse a Moisés: "Até quando vocês se negarão a observar meus mandamentos e leis?
29. É Javé quem lhes dá o sábado, e é por isso que ele, no sexto dia, lhes dará pão para dois dias. Cada um fique onde está. Ninguém saia do seu lugar no sétimo dia".
30. E no sétimo dia o povo descansou.
31. A casa de Israel deu-lhe o nome de maná: era branco como a semente de coentro, e seu sabor era como bolo de mel.
32. Moisés disse: "Esta é a ordem de Javé: conservem quatro litros e meio para que as gerações futuras possam ver o pão com que eu os alimentei no deserto, quando os tirei do Egito".
33. Moisés disse a Aarão: "Pegue uma vasilha, coloque nela quatro litros e meio de maná, e coloque-a diante de Javé, a fim de o conservar para as gerações futuras".
34. Conforme Javé tinha ordenado a Moisés, Aarão o colocou diante do Testemunho, para que fosse conservado.
35. Os filhos de Israel comeram maná durante quarenta anos, até chegarem à terra habitada. Comeram maná até chegarem à fronteira de Canaã.

[Êxodo 17]
Êxodo 17

JAVÉ ESTÁ NO MEIO DE NÓS, OU NÃO?
1. Toda a comunidade de Israel partiu do deserto de Sin para as etapas seguintes, conforme a ordem de Javé, e acamparam em Rafidim, onde o povo não encontrou água para beber.
2. Então o povo discutiu com Moisés, dizendo: "Dê-nos água para beber". Moisés respondeu: "Por que vocês discutem comigo e colocam Javé à prova?"
3. Mas o povo tinha sede e murmurou contra Moisés, dizendo: "Por que você nos tirou do Egito? Foi para matar de sede a nós, nossos filhos e nossos animais?"
4. Então Moisés clamou a Javé, dizendo: "O que vou fazer com esse povo? Estão quase me apedrejando!"
5. Javé respondeu a Moisés: "Passe à frente do povo e tome com você alguns anciãos de Israel; leve com você a vara com que feriu o rio Nilo; e caminhe.
6. Eu vou esperar você junto à rocha de Horeb. Você baterá na rocha, e dela sairá água para o povo beber". Moisés assim fez na presença dos anciãos de Israel,
7. e deu a esse lugar o nome de Massa e Meriba, por causa da discussão dos filhos de Israel e porque puseram Javé à prova, dizendo: "Javé está no meio de nós, ou não?"

VITÓRIA CONTRA O INIMIGO
8. Os amalecitas foram e atacaram Israel em Rafidim.
9. Então Moisés disse a Josué: "Escolha certo número de homens e saia amanhã para combater os amalecitas. Eu ficarei no alto da colina com a vara de Deus na mão".
10. Josué fez o que Moisés havia dito, e saiu para combater os amalecitas. Entretanto, Moisés, Aarão e Hur subiram ao topo da colina.
11. Enquanto Moisés ficava com as mãos levantadas, Israel vencia; quando ele abaixava as mãos, Amalec vencia.
12. Ora, as mãos de Moisés já estavam pesadas; então eles pegaram uma pedra e a colocaram aí, para que Moisés se assentasse. Enquanto isso, Aarão e Hur sustentavam os braços de Moisés, um de cada lado. Desse modo, as mãos de Moisés ficaram firmes até o pôr-do-sol.
13. Josué derrotou Amalec e sua tropa ao fio da espada.
14. Então Javé disse a Moisés: "Escreva isso num livro como memória e diga a Josué que eu vou apagar a memória de Amalec debaixo do céu".
15. Depois, Moisés construiu um altar e lhe deu o nome de "Javé minha bandeira",
16. dizendo: "Uma certa mão se levantou contra o trono de Javé: haverá guerra de Javé contra Amalec de geração em geração".

[Êxodo 18]
Êxodo 18

O DEUS LIBERTADOR É O DEUS VERDADEIRO
1. Jetro, sacerdote de Madiã e sogro de Moisés, ficou sabendo de tudo o que Javé havia feito com Moisés e com seu próprio povo Israel: como Javé havia retirado Israel do Egito.
2. Quando Moisés mandou sua mulher Séfora de volta, Jetro, sogro de Moisés, recebeu-a
3. junto com os dois filhos. Um deles se chamava Gérson, porque Moisés dissera: "Sou imigrante em terra estrangeira".
4. O outro se chamava Eliezer, porque: "o Deus de meu pai é minha ajuda e me libertou da espada do Faraó".
5. Acompanhado da mulher e filhos de Moisés, Jetro foi encontrar-se com ele no deserto onde estava acampado, junto à montanha de Deus.
6. Informaram a Moisés: "Sua mulher e seus dois filhos estão aí juntamente com seu sogro Jetro".
7. Moisés saiu para receber o sogro, inclinou-se diante dele e o abraçou. Os dois se cumprimentaram e entraram na tenda.
8. Moisés contou ao sogro tudo o que Javé tinha feito ao Faraó e aos egípcios, por causa dos israelitas. Contou também as dificuldades que tinham enfrentado pelo caminho e das quais Javé os havia libertado.
9. Jetro ficou alegre por todos os benefícios que Javé tinha feito a Israel, libertando-o do poder egípcio.
10. E disse: "Seja bendito Javé, que libertou vocês do poder dos egípcios e do Faraó. Ele arrancou este povo do poder do Egito.
11. Agora eu sei que Javé é o maior de todos os deuses, pois quando eles tratavam vocês com arrogância, Javé libertou o povo do domínio egípcio".
12. Depois, Jetro, sogro de Moisés, ofereceu a Deus um holocausto e sacrifícios. Aarão e todos os anciãos de Israel foram e fizeram a refeição com ele na presença de Deus.

TENTATIVA DE ORGANIZAÇÃO
13. No dia seguinte, Moisés sentou-se para resolver os assuntos do povo. Ora, o povo procurava por ele desde o amanhecer até à noite.
14. O sogro de Moisés viu tudo o que este fazia pelo povo, e lhe disse: "O que é que você está fazendo com o povo? Por que está sentado sozinho, enquanto todo o povo o procura de manhã até a noite?"
15. Moisés respondeu ao sogro: "O povo me procura para que eu consulte a Deus.
16. Quando eles têm alguma questão para resolver, me procuram para que eu a resolva e para que eu explique os estatutos e as leis de Deus".
17. O sogro de Moisés replicou: "Mas o que você está fazendo não está certo.
18. Você está matando, tanto a si mesmo como ao povo que o acompanha. É uma tarefa muito pesada, e você não pode fazê-la sozinho.
19. Aceite meu conselho, para que Deus esteja com você: represente o povo diante de Deus e apresente junto de Deus as causas dele.
20. Ensine a eles os estatutos e as leis; faça que eles conheçam o caminho a seguir e as ações que devem praticar.
21. Escolha entre o povo homens capazes e tementes a Deus, que sejam seguros e inimigos do suborno: estabeleça-os como chefes de mil, de cem, de cinqüenta e de dez.
22. Eles administrarão regularmente a justiça para o povo: os assuntos graves, eles trarão a você; os assuntos simples, eles próprios resolverão. Desse modo, vocês repartirão a tarefa, e você poderá realizar a sua parte.
23. Se você fizer assim e Deus lhe der as instruções, você poderá suportar a tarefa, e o povo voltará para casa em paz".
24. Moisés aceitou o conselho do sogro e fez o que ele havia dito.
25. Escolheu em Israel homens capazes e os colocou como chefes do povo: chefes de mil, de cem, de cinqüenta e de dez.
26. Eles administravam regularmente a justiça para o povo: os assuntos complicados, eles passavam para Moisés; e os simples, eles próprios resolviam.
27. Depois, Moisés despediu-se do sogro, e este voltou para sua terra.

[Êxodo 19]
IV. AS BASES DE UMA NOVA SOCIEDADE

1. UM POVO EM ALIANÇA COM DEUS

Êxodo 19

O COMPROMISSO DA ALIANÇA
1. Três meses depois de sair do Egito, os filhos de Israel chegaram ao deserto do Sinai:
2. partindo de Rafidim, chegaram ao deserto do Sinai e acamparam no deserto, diante da montanha.
3. Então Moisés subiu a montanha de Deus, e Javé o chamou, dizendo: "Diga à casa de Jacó e anuncie aos filhos de Israel o seguinte:
4. Vocês viram o que eu fiz aos egípcios e como carreguei vocês sobre asas de águia e os trouxe para mim.
5. Portanto, se me obedecerem e observarem a minha aliança, vocês serão minha propriedade especial entre todos os povos, porque a terra toda pertence a mim.
6. Vocês serão para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa'. É o que você deverá dizer aos filhos de Israel".
7. Moisés voltou, convocou os anciãos do povo e expôs a eles tudo o que Javé lhe havia mandado.
8. Então todo o povo respondeu: "Faremos tudo o que Javé mandou". E Moisés transmitiu a Javé a resposta do povo.

PREPARAÇÃO PARA A ALIANÇA
9. Javé disse a Moisés: "Vou me aproximar de você numa nuvem espessa, para que o povo possa ouvir o que eu falo com você e acredite sempre em você". E Moisés transmitiu a Javé tudo o que o povo tinha dito.
10. Javé disse a Moisés: "Volte para o povo e purifique-o hoje e amanhã: que lavem suas roupas,
11. e estejam preparados para depois de amanhã, porque Javé descerá depois de amanhã sobre a montanha do Sinai à vista de todo o povo.
12. Você deverá traçar um limite ao redor da montanha e dizer ao povo que não suba à montanha, nem se aproxime da encosta; quem tocar na montanha deverá ser morto.
13. E nesse tal ninguém deverá tocar: ele será apedrejado ou flechado; tanto homem como animal, não ficará vivo. Só quando a trombeta soar, eles poderão subir à montanha".
14. Moisés desceu da montanha até o lugar onde estava o povo; e fez com que se purificassem e lavassem suas roupas.
15. Depois disse ao povo: "Fiquem preparados para depois de amanhã, e não tenham relações com suas mulheres".

O ENCONTRO COM DEUS
16. Três dias depois, pela manhã, houve trovões e relâmpagos e uma nuvem espessa desceu sobre a montanha, enquanto o toque da trombeta soava fortemente. O povo que estava no acampamento começou a tremer.
17. Então Moisés tirou o povo do acampamento para receber Deus. E eles se colocaram ao pé da montanha.
18. Toda a montanha do Sinai fumegava, porque Javé tinha descido sobre ela no fogo; a fumaça subia, como fumaça de fornalha. E a montanha toda estremecia.
19. O som da trombeta aumentava cada vez mais, enquanto Moisés falava e Deus lhe respondia com o trovão.
20. Javé desceu no topo da montanha do Sinai e chamou Moisés lá para o alto. Quando Moisés subiu,
21. Javé lhe disse: "Desça e avise o povo para que não ultrapasse os limites para ver a Javé. Caso contrário, muitos deles morreriam.
22. Mesmo os sacerdotes que se aproximarem de Javé, devem purificar-se, para que Javé não se volte contra eles".
23. Moisés disse a Javé: "O povo não poderá subir a montanha do Sinai, porque tu mesmo nos mandaste traçar um limite para marcar a montanha sagrada".
24. Javé insistiu: "Vá, desça, e depois suba com Aarão. Os sacerdotes e o povo, porém, não devem ultrapassar os limites, para subir onde está Javé, o qual se voltaria contra eles".
25. Então Moisés desceu até o povo, e o avisou.

[Êxodo 20]
2. A CONSTITUIÇÃO DO POVO DE DEUS

Êxodo 20

1. Então Deus pronunciou todas estas palavras:
2. "Eu sou Javé seu Deus, que fiz você sair da terra do Egito, da casa da escravidão.
3. Não tenha outros deuses diante de mim.
4. Não faça para você ídolos, nenhuma representação daquilo que existe no céu e na terra, ou nas águas que estão debaixo da terra.
5. Não se prostre diante desses deuses, nem sirva a eles, porque eu, Javé seu Deus, sou um Deus ciumento: quando me odeiam, castigo a culpa dos pais nos filhos, netos e bisnetos;
6. mas quando me amam e guardam os meus mandamentos, eu os trato com amor por mil gerações.
7. Não pronuncie em vão o nome de Javé seu Deus, porque Javé não deixará sem castigo aquele que pronunciar o nome dele em vão.
8. Lembre-se do dia de sábado, para santificá-lo.
9. Trabalhe durante seis dias e faça todas as suas tarefas.
10. O sétimo dia, porém, é o sábado de Javé seu Deus. Não faça nenhum trabalho, nem você, nem seu filho, nem sua filha, nem seu escravo, nem sua escrava, nem seu animal, nem o imigrante que vive em suas cidades.
11. Porque em seis dias Javé fez o céu, a terra, o mar e tudo o que existe neles; e no sétimo dia ele descansou. Por isso, Javé abençoou o dia de sábado e o santificou.
12. Honre seu pai e sua mãe: desse modo, você prolongará sua vida, na terra que Javé seu Deus dá a você.
13. Não mate.
14. Não cometa adultério.
15. Não roube.
16. Não apresente testemunho falso contra o seu próximo.
17. Não cobice a casa do seu próximo, nem a mulher do próximo, nem o escravo, nem a escrava, nem o boi, nem o jumento, nem coisa alguma que pertença ao seu próximo".
18. Vendo os trovões e os relâmpagos, o som da trombeta e a montanha fumegante, todo o povo teve medo e ficou longe.
19. Então disseram a Moisés: "Fale você conosco, que nós ouviremos; não nos fale Javé, senão morreremos".
20. Moisés disse ao povo: "Não tenham medo! Deus veio para prová-los, a fim de que vocês tenham presente o temor a ele e não pequem".
21. O povo ficou à distância, e Moisés se aproximou da nuvem escura, onde Deus estava.

3. CÓDIGO DA ALIANÇA: A LEGISLAÇÃO DO POVO DE DEUS

LEI DO ALTAR
22. Javé disse a Moisés: "Diga aos filhos de Israel: Vocês viram que eu lhes falei lá do céu.
23. Não me coloquem no meio de deuses de prata, nem façam para vocês deuses de ouro.
24. Faça para mim um altar de terra, para oferecer sobre ele seus holocaustos, sacrifícios de comunhão, ovelhas e bois. Nos lugares onde eu quiser lembrar o meu nome, virei a você e o abençoarei.
25. Se você construir um altar de pedra para mim, não o faça com pedras lavradas, porque você estaria profanando a pedra com o cinzel.
26. Não suba por escadas até o meu altar, para que a sua nudez não apareça.

[Êxodo 21]
Êxodo 21

LEI SOBRE OS ESCRAVOS
1. São estas as normas que você promulgará para o povo:
2. Quando você comprar um escravo hebreu, ele o servirá por seis anos; mas, no sétimo ano, ele sairá livre, sem pagar nada.
3. Se veio sozinho, sozinho sairá; se era casado, a esposa sairá com ele.
4. Se o patrão der a ele uma esposa, e esta tiver filhos e filhas, a esposa e os filhos pertencerão ao patrão, e o escravo partirá sozinho.
5. Se o escravo disser: Gosto do meu patrão, da minha mulher e dos meus filhos; não quero ficar livre,
6. então o patrão o levará diante de Deus, fará com que ele se encoste na porta ou nos batentes, e lhe furará a orelha com uma sovela: aí, ele se tornará seu escravo para sempre.
7. Se alguém vender a filha como escrava, esta não sairá como saem os escravos.
8. Se ela desagradar ao patrão, a quem estava destinada, este deixará que a resgatem; não poderá vendê-la a estrangeiros, usando de fraude para com ela.
9. Se o patrão destinar a escrava para seu filho, este a tratará conforme o direito das filhas.
10. Se o patrão tomar uma nova mulher, ele não privará a primeira de comida, roupa e direitos conjugais.
11. Se ele não lhe der essas três coisas, ela pode ir embora sem pagar nada.

CASOS DE HOMICÍDIO
12. Quem ferir uma pessoa e lhe causar a morte, torna-se réu de morte.
13. Se não foi intencional, mas permissão de Deus que lhe caísse em suas mãos, eu marcarei para ele um lugar, onde possa refugiar-se.
14. Mas se alguém, de caso pensado, atentar contra o seu próximo para o matar, então você o arrancará até mesmo do meu altar, para que seja morto.
15. Quem ferir seu pai ou sua mãe, torna-se réu de morte.
16. Quem seqüestrar um homem para vendê-lo ou ficar com ele, torna-se réu de morte.
17. Quem amaldiçoar o seu pai ou sua mãe, torna-se réu de morte.

FERIMENTOS NÃO MORTAIS
18. Se houver uma discussão entre dois homens, e um ferir o outro com uma pedra ou murro e ele não morrer, mas ficar de cama;
19. e se ele se levantar e andar, ainda que apoiado na bengala, então aquele que feriu será absolvido; pagará somente o tempo que o ferido tiver perdido e os gastos da convalescença.
20. Se alguém ferir seu escravo ou escrava a pauladas, e o ferido lhe morrer nas mãos, aquele será punido.
21. Porém, se sobreviver um dia ou dois, não será punido, pois aquele foi comprado a dinheiro.
22. Numa briga entre homens, se um deles ferir uma mulher grávida e for causa de aborto sem maior dano, o culpado será obrigado a indenizar aquilo que o marido dela exigir, e pagará o que os juízes decidirem.
23. Contudo, se houver dano grave, então pagará vida por vida,
24. olho por olho, dente por dente, pé por pé,
25. queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe.
26. Se alguém ferir o olho de seu escravo ou escrava, e o cegar, dará liberdade ao escravo em troca do olho.
27. Se quebrar um dente do escravo ou da escrava, lhe dará a liberdade em troca do dente.

DANOS CAUSADOS POR ANIMAIS
28. Se um boi chifrar um homem ou mulher e lhe causar a morte, o boi será apedrejado, e ninguém comerá da sua carne; o dono do boi será absolvido.
29. Se o boi já chifrava antes e o dono foi avisado e não o prendeu, o boi será apedrejado, e o dono será morto.
30. Se lhe for exigido resgate, então pagará o que exigirem dele em troca de sua vida.
31. A mesma norma será aplicada quando o boi chifrar um menino ou menina.
32. Se o boi ferir um escravo ou escrava, o dono do escravo ou da escrava cobrará trezentos gramas de prata, e o boi será apedrejado.
33. Se alguém deixar um poço aberto ou cavar um poço e não o tapar e nele cair um boi ou jumento,
34. o dono do poço pagará assim: restituirá em dinheiro ao dono do animal, e o animal morto será seu.
35. Se o boi de alguém ferir o boi de outra pessoa, e o boi ferido morrer, venderão o boi vivo e repartirão o dinheiro; e dividirão entre si o boi morto.
36. Contudo, se o dono sabia que o boi já chifrava desde algum tempo e não o prendeu, pagará boi por boi; mas o boi morto será seu.

ROUBO DE ANIMAIS
37. Se alguém roubar um boi ou uma ovelha e os abater ou vender, devolverá cinco bois por um boi, e quatro ovelhas por uma ovelha.

[Êxodo 22]
Êxodo 22

1. Se um ladrão for surpreendido arrombando uma casa e sendo ferido morrer, não será caso de homicídio culposo.
2. Contudo, se o ferir à luz do dia, será caso de homicídio. O ladrão restituirá, e quando não tiver com que pagar, será vendido para compensar o que roubou.
3. Se o boi, jumento ou ovelha roubados forem encontrados vivos na mão do ladrão, ele deverá restituir o dobro.

REPARAÇÃO DE DANOS
4. Se alguém estraga uma roça ou vinha porque levou seu rebanho a pastar na roça alheia, deverá restituir com o melhor da sua própria roça ou vinha.
5. Se um fogo se alastrar pelos espinheiros e queimar os feixes de trigo, a plantação ou a roça, o responsável pelo incêndio pagará todos os danos.
6. Se alguém confiar ao seu próximo dinheiro ou objetos para guardar, e isso for roubado da casa deste, então, se o ladrão for descoberto, este pagará em dobro.
7. Se o ladrão não for encontrado, o dono da casa será levado diante de Deus para jurar que não se apossou do bem alheio.
8. Em crimes contra a propriedade, quando estiver em jogo um boi, jumento, boi, ovelha, roupa ou qualquer outro objeto perdido, do qual se diz: 'Isso é meu', a causa será levada diante de Deus: aquele que Deus declarar culpado, pagará ao outro em dobro.
9. Se alguém confiar ao seu próximo um jumento, boi, ovelha ou qualquer outro animal, e este morrer, ficar aleijado ou fugir sem que ninguém veja,
10. então a questão se resolverá por meio de juramento a Javé, a fim de provar que um não se apossou das coisas do outro; o dono aceitará o juramento, e não haverá restituição.
11. Contudo, se o animal tiver sido roubado diante de seus olhos, deverá indenizar o dono.
12. Se o animal tiver sido dilacerado por uma fera, o animal dilacerado será levado como prova, e não haverá restituição.
13. Se alguém pedir emprestado ao seu próximo um animal, e este ficar aleijado ou morrer, não estando presente o dono, então deverá pagar.
14. Mas, se o dono estiver presente, não haverá restituição; se o animal tiver sido alugado, então se pagará ao dono o preço do aluguel.

PROTEÇÃO À MULHER
15. Se alguém seduzir uma virgem solteira e se deitar com ela, pagará o dote e se casará com ela.
16. Se o pai dela não quiser dá-la, o sedutor pagará em dinheiro, conforme o dote das virgens.

O DIREITO É PARA DEFENDER OS POBRES
17. Não deixarás viver aquela que pratica a magia.
18. Quem tiver relação sexual com algum animal, será réu de morte.
19. Quem sacrificar a outros deuses, além de Javé, será entregue ao anátema.
20. Não explore o imigrante nem o oprima, porque vocês foram imigrantes no Egito.
21. Não maltrate a viúva nem o órfão,
22. porque, se você os maltratar e eles clamarem a mim, eu escutarei o clamor deles.
23. Minha ira então se inflamará, e eu farei vocês perecerem pela espada: as mulheres de vocês ficarão viúvas e seus filhos ficarão órfãos.
24. Se você emprestar dinheiro a alguém do meu povo, a um pobre que vive ao seu lado, você não se comportará como agiota: vocês não devem cobrar juros.
25. Se você tomar como penhor o manto do seu próximo, deverá devolvê-lo antes do pôr-do-sol,
26. porque ele se cobre com o manto, que é a veste do seu corpo; como iria cobrir-se ao dormir? Caso contrário, se ele clamar a mim, eu o ouvirei, porque sou compassivo.
27. Não blasfeme contra Deus, nem amaldiçoe um chefe do seu povo.

TUDO É DOM DE JAVÉ
28. Não atrase em oferecer de sua abundância e de sua fartura. Entregue a mim o seu filho primogênito;
29. faça o mesmo com seus bois e ovelhas: a cria ficará com sua mãe durante sete dias e, no oitavo, você a entregará para mim.
30. Vocês estão consagrados a mim: não comam carne de animal que tenha sido dilacerado no campo; joguem para os cães.

[Êxodo 23]
Êxodo 23

NORMAS PARA ADMINISTRAR A JUSTIÇA
1. Não faça declarações falsas e não entre em acordo com o culpado para testemunhar em favor de uma injustiça.
2. Não tome o partido dos poderosos para fazer o mal. E, num processo, não preste depoimento inclinando-se em favor dos poderosos, a fim de torcer o direito;
3. nem favoreça o poderoso em seu processo.
4. Se você encontrar, extraviados, o boi ou jumento do seu adversário, leve-os ao dono.
5. Se você encontrar o jumento do seu adversário caído debaixo da carga, não se desvie, mas ajude a erguê-lo.
6. Não torça o direito do necessitado em seu processo.
7. Afaste-se da acusação falsa: não faça morrer o inocente e o justo, nem absolva o culpado.
8. Não aceite suborno, porque o suborno cega quem tem os olhos abertos e perverte até as palavras dos justos.
9. Não oprima o imigrante: vocês conhecem a vida do imigrante, porque vocês foram imigrantes no Egito.

LEIS PARA O DESCANSO
10. Você, durante seis anos, semeará a terra e fará a colheita.
11. No sétimo ano, porém, deixe a terra em descanso e não a cultive, para que os necessitados do povo encontrem o que comer. E os animais do campo comerão o que sobrar. Faça o mesmo com sua vinha e com seu olival.
12. Durante seis dias, faça seus trabalhos e descanse no sétimo dia, para que seu boi e seu jumento descansem, e o filho de sua escrava e o imigrante se refaçam.
13. Prestem atenção em tudo o que lhes tenho dito: não invoquem o nome de outros deuses. Que não se ouça sequer o nome deles na boca de vocês.

AS FESTAS PRINCIPAIS
14. Três vezes no ano você fará uma romaria.
15. A primeira será a festa dos Pães sem fermento, que será celebrada assim: durante sete dias, conforme lhe ordenei, você comerá pães sem fermento, no tempo marcado do mês de Abib, porque foi nesse mês que você saiu do Egito. Ninguém deve aparecer de mãos vazias diante de mim.
16. A segunda romaria será na festa da Messe, a festa dos primeiros frutos de seus trabalhos de semeadura nos campos. E a terceira romaria na festa da Colheita, no fim do ano, quando você recolher o produto de seus trabalhos no campo.
17. Três vezes por ano, toda a população masculina se apresentará diante do Senhor Javé.
18. Não ofereça o sangue da minha vítima com pão fermentado, nem deixe até o dia seguinte a gordura da minha festa.
19. Leve os primeiros frutos de sua terra para a casa de Javé seu Deus. Não cozinhe o cabrito no leite da mãe dele.

SEJAM FIÉIS
20. Vou enviar um anjo na frente de você, para que ele cuide de você no caminho e o leve até o lugar que eu preparei para você.
21. Respeite-o e obedeça a ele. Não se revolte, porque ele leva consigo o meu nome, e não perdoará suas revoltas.
22. Contudo, se você lhe obedecer fielmente e fizer tudo o que eu disser, então eu serei para você inimigo de seus inimigos e adversário de seus adversários.
23. Meu anjo irá à frente de você e o levará aos amorreus, heteus, ferezeus, cananeus, heveus e jebuseus, e eu acabarei com eles.
24. Não adore os deuses deles, nem os sirva. Não faça o que eles fazem, mas destrua os deuses deles e quebre seus postes sagrados.
25. Sirvam a Javé, Deus de vocês, e então ele abençoará o pão e a água, e afastarei a doença do meio de vocês.
26. Na sua terra não haverá mulher que aborte ou seja estéril, e eu farei você chegar ao número completo de seus dias.
27. Enviarei diante de você o meu terror, confundindo qualquer povo no meio do qual você entrar, e farei com que todos os seus inimigos fujam de você.
28. Enviarei também vespas diante de você, para que expulsem de sua frente os heveus, cananeus e heteus.
29. Não os expulsarei da sua frente num ano só, para que a terra não fique deserta nem as feras se multipliquem.
30. Eu os expulsarei pouco a pouco, até que você se multiplique e tome posse da terra.
31. Eu marcarei as fronteiras do seu país, desde o mar Vermelho até o mar dos filisteus, e desde o deserto até o rio Eufrates. Entregarei em suas mãos os habitantes da terra, para que você os expulse de sua frente.
32. Não faça alianças com eles, nem com seus deuses.
33. Não os deixe habitar em sua terra, para que eles não façam você pecar contra mim, adorando os deuses deles, que serão uma cilada para você".

[Êxodo 24]
4. CONCLUSÃO DA ALIANÇA

Êxodo 24

1. Javé disse a Moisés: "Suba até mim com Aarão, Nadab, Abiú e setenta anciãos de Israel, e adorem de longe.
2. Só Moisés se aproximará de Javé; os outros não se aproximarão, nem o povo subirá com ele".
3. Moisés desceu e contou ao povo tudo o que Javé lhe havia dito e todas as leis. O povo respondeu unânime: "Faremos tudo o que Javé disse".
4. Moisés colocou por escrito todas as palavras de Javé. Depois levantou-se de manhã, construiu um altar ao pé da montanha e doze estelas para as doze tribos de Israel.
5. Em seguida, mandou alguns jovens de Israel oferecer holocaustos e imolar novilhos a Javé como sacrifício de comunhão.
6. Moisés pegou a metade do sangue e colocou em bacias; a outra metade do sangue, ele a derramou sobre o altar.
7. Pegou o livro da aliança e o leu para o povo. Eles disseram: "Faremos tudo o que Javé mandou e obedeceremos".
8. Moisés pegou o sangue e o espalhou sobre o povo, dizendo: "Este é o sangue da aliança que Javé faz com vocês através de todas essas cláusulas".
9. Moisés, Aarão, Nadab, Abiú e os setenta anciãos subiram.
10. Eles viram o Deus de Israel: sob os pés dele, havia uma espécie de pavimento de safira, tão pura como o próprio céu.
11. E Deus não estendeu a mão contra os notáveis de Israel; eles contemplaram a Deus e depois comeram e beberam.

5. LEIS PARA O SANTUÁRIO

AS TÁBUAS DA ALIANÇA
12. Javé disse a Moisés: "Suba até junto de mim na montanha, pois eu estarei aí para lhe dar as tábuas de pedra com a lei e os mandamentos que escrevi, para você os instruir".
13. Moisés se levantou com seu ajudante Josué. E subiram à montanha de Deus.
14. Ele disse aos anciãos: "Esperem aqui até que voltemos. Aarão e Hur estão com vocês: quem tiver alguma questão, dirija-se a eles".
15. Quando Moisés subiu à montanha, a nuvem cobriu a montanha.
16. A glória de Javé pousou sobre o monte Sinai e a nuvem o cobriu durante seis dias. No sétimo dia, Javé chamou Moisés do meio da nuvem.
17. A glória de Javé aparecia aos olhos de Israel como fogo consumidor no topo da montanha.
18. Moisés entrou pelo meio da nuvem e subiu à montanha. E Moisés ficou na montanha quarenta dias e quarenta noites.

[Êxodo 25]
Êxodo 25

CONTRIBUIÇÕES PARA O SANTUÁRIO
1. Javé falou a Moisés:
2. "Diga aos filhos de Israel que ofereçam para mim um tributo; e vocês aceitarão a contribuição de todos os que generosamente a oferecerem para mim.
3. Contribuições que vocês aceitarão: ouro, prata e bronze;
4. púrpura violeta, vermelha e escarlate; linho e pêlo de cabra;
5. peles de carneiro curtidas, couro fino e madeira de acácia;
6. azeite para a lâmpada, aromas para o óleo da unção e para o incenso aromático;
7. pedras de ônix e pedras de engaste para o efod e o peitoral.
8. Faça um santuário para mim, e eu habitarei entre eles.
9. Faça tudo conforme o modelo do santuário e dos utensílios que vou mostrar a você.

A ARCA DA ALIANÇA
10. Faça uma arca de madeira de acácia, com cento e vinte e cinco centímetros de comprimento, por setenta e cinco de largura e setenta e cinco de altura.
11. Revista a arca com ouro puro, por dentro e por fora; e, ao seu redor, aplique uma moldura de ouro.
12. Funda para ela quatro argolas de ouro, para colocar nos quatro cantos inferiores da arca.
13. Faça também varais de madeira de acácia e revista-os de ouro,
14. e enfie os varais nas argolas de cada lado da arca, para poderem transportá-la.
15. Os varais ficarão colocados nas argolas da arca e nunca serão tirados.
16. Dentro da arca, coloque o documento da aliança que darei a você.
17. Faça também uma placa de ouro puro, com cento e vinte e cinco centímetros de comprimento, por setenta e cinco de largura.
18. Nas duas extremidades da placa, faça dois querubins de ouro batido:
19. cada um sairá de um extremo da placa e
20. a cobrirão com as asas estendidas para cima. Estarão diante um do outro, olhando para o centro da placa.
21. Cubra a arca com a placa, e dentro guarde o documento da aliança que darei a você.
22. Aí me encontrarei com você; e, de cima da placa, do meio dos querubins que estão sobre a arca da aliança, direi a você tudo o que deve ordenar aos filhos de Israel.

A MESA DOS PÃES OFERECIDOS A DEUS
23. Faça uma mesa de madeira de acácia com cem centímetros de comprimento, por cinqüenta de largura e setenta e cinco de altura.
24. Cubra a mesa de ouro puro e aplique ao redor uma moldura de ouro.
25. Faça ao redor dela um enquadramento com um palmo de largura e, ao redor do enquadramento, uma moldura de ouro.
26. Faça também quatro argolas de ouro e coloque-as nos quatro cantos formados pelos quatro pés.
27. Junto às molduras, ficarão as argolas por onde passarão os varais para se carregar a mesa.
28. Faça os varais de madeira de acácia e cubra-os de ouro; com eles, poderá ser transportada a mesa.
29. Faça pratos, bandejas, jarras e copos para as libações: tudo de ouro puro.
30. E coloque para sempre sobre a mesa, diante de mim, os pães oferecidos a Deus.

O CANDELABRO
31. Faça um candelabro de ouro puro; ele será todo cinzelado: pedestal, haste, cálices, botões e flores formarão com ele uma só peça.
32. Dos seus lados sairão seis braços, três de cada lado.
33. Cada braço terá três cálices, com formato de flor de amêndoa, com botão e flor; e três cálices com flor de amêndoa no outro lado, com botão e flor. Assim serão os seis braços saindo do candelabro.
34. O candelabro terá quatro cálices com formato de flor de amêndoa, com botão e flor:
35. um botão sob os dois primeiros braços que saem do candelabro, um botão sob os dois braços seguintes, e um botão sob os dois últimos braços; assim se fará com os seis braços que saem do candelabro.
36. Os botões e os braços formarão uma só peça com o candelabro. E tudo será feito com um bloco de ouro batido.
37. Faça também sete lâmpadas, de modo que fiquem elevadas e iluminem a parte dianteira.
38. Seus acendedores e apagadores serão de ouro puro.
39. Para fazer o candelabro e seus acessórios você usará trinta quilos de ouro.
40. Faça tudo de acordo com o modelo que foi mostrado a você no alto da montanha.

[Êxodo 26]
Êxodo 26

AS CORTINAS DO SANTUÁRIO
1. Faça o santuário com dez cortinas de linho fino retorcido, de púrpura violeta, vermelha e escarlate. E as faça com querubins bordados.
2. Cada cortina terá catorze metros de comprimento, por dois de largura: todas terão a mesma medida.
3. Cinco cortinas estarão unidas uma com a outra; e as outras cinco também estarão unidas uma com a outra.
4. Faça laços de púrpura violeta na franja da primeira cortina que está na extremidade do conjunto; e faça o mesmo na franja da cortina que está na extremidade do outro conjunto.
5. Faça cinqüenta laçadas na primeira cortina e cinqüenta laçadas na extremidade da cortina que está no outro conjunto, de modo que as laçadas se correspondam mutuamente.
6. Faça também cinqüenta colchetes de ouro e junte as cortinas uma com a outra por meio de colchetes, de modo que o santuário forme uma só unidade.
7. Teça também onze peças de pêlo de cabra, para que sirvam de cobertura para o santuário.
8. Cada peça medirá quinze metros de comprimento, por dois de largura; as onze peças terão a mesma medida.
9. Junte cinco cortinas numa peça e seis cortinas em outra, e dobre a sexta cortina sobre a parte da frente da tenda.
10. Faça cinqüenta laçadas na franja da primeira cortina, na extremidade do primeiro conjunto, e outras cinqüenta laçadas na franja da cortina do outro conjunto.
11. Faça também cinqüenta colchetes de bronze e introduza os colchetes em cada laçada, para unir a tenda, que assim formará um todo.
12. A parte que restar das cortinas da tenda, a metade da cortina que sobrar, penderá da parte posterior do santuário.
13. E os cinqüenta centímetros, que sobram de cada lado da tenda, penderão dos dois lados do santuário, cobrindo-os.
14. Faça para a tenda uma cobertura de peles de carneiro curtidas, e uma cobertura de couro fino por cima.

A ARMAÇÃO DO SANTUÁRIO
15. Faça para o santuário tábuas de madeira de acácia que serão colocadas verticalmente.
16. Cada tábua terá cinco metros de comprimento, por setenta e cinco centímetros de largura.
17. Cada tábua terá dois encaixes travados um com o outro; faça o mesmo com todas as tábuas do santuário.
18. Coloque-as do seguinte modo: vinte tábuas para o lado do Negueb, para o sul.
19. E debaixo dessas vinte tábuas faça quarenta bases de prata: duas bases debaixo de cada tábua, para seus dois encaixes.
20. No outro lado do santuário, no lado norte, haverá vinte tábuas
21. com suas quarenta bases de prata, duas bases para cada tábua.
22. Faça seis tábuas para o fundo do santuário, do lado do mar,
23. e mais duas tábuas para os cantos do fundo do santuário.
24. Ficarão unidas pela parte de baixo até a parte de cima, na altura da primeira argola: formarão assim os dois ângulos do santuário.
25. Serão, portanto, oito tábuas com dezesseis bases de prata, duas para cada tábua.
26. Faça também cinco travessas de madeira de acácia para as tábuas de cada lado,
27. e cinco para o lado do fundo, no lado do mar.
28. A travessa central ficará na metade das tábuas, atravessando-as de um extremo a outro.
29. Revista as tábuas com ouro, e faça de ouro também as argolas, por onde vão passar as travessas; cubra de ouro também as travessas.
30. Levante o santuário conforme o modelo que foi mostrado a você na montanha.

O VÉU DO SANTUÁRIO
31. Faça também um véu de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido. Faça nele um bordado com figuras de querubins.
32. Coloque-o sobre quatro colunas de madeira de acácia cobertas de ouro e providas de ganchos de ouro, assentadas sobre quatro bases de prata.
33. Pendure o véu debaixo dos colchetes e coloque atrás dele a arca da aliança. O véu servirá de separação entre o Santo e o Santo dos santos.
34. Coloque a placa de ouro sobre a arca da aliança, no Santo dos santos.
35. Fora do véu, no lado norte, coloque a mesa; e, no lado sul, diante da mesa, coloque o candelabro.
36. Para a entrada da tenda faça também uma cortina de púrpura violeta, vermelha e escarlate e de linho fino retorcido, artisticamente bordada.
37. Para essa cortina, faça cinco colunas de madeira de acácia, recobertas de ouro, com seus ganchos também de ouro, e fundindo para elas cinco bases de bronze.

[Êxodo 27]
Êxodo 27

O ALTAR DOS HOLOCAUSTOS
1. Faça de madeira de acácia o altar: será quadrado e medirá dois metros e meio de lado, e um metro e meio de altura.
2. Nos quatro cantos, faça saliências curvas, que formarão uma só peça com o altar. Revista de bronze o altar.
3. Faça também recipientes para recolher as cinzas, e também pás, bacias para aspersão, garfos e braseiros, tudo de bronze.
4. Faça também uma grelha de bronze, em forma de rede, com quatro argolas de bronze nos quatro cantos da grelha;
5. coloque-a embaixo da borda externa do altar, de modo que ela chegue até o meio do altar.
6. Faça também varais para o altar, com madeira de acácia revestida de bronze.
7. Os varais serão enfiados nas argolas, de modo que fiquem dos dois lados do altar, quando este for transportado.
8. Faça o altar com tábuas e oco, conforme o modelo que foi mostrado a você na montanha.

O ÁTRIO DO SANTUÁRIO
9. Faça o átrio do santuário deste modo: no lado do Negueb, lado sul, coloque cortinas de linho fino retorcido. O comprimento delas será de cinqüenta metros.
10. Suas vinte colunas, com as vinte bases, serão de bronze; os ganchos das colunas e suas vergas serão de prata.
11. Faça o mesmo no lado norte: coloque cortinas com cinqüenta metros de comprimento; suas vinte colunas, com as vinte bases, serão de bronze; os ganchos das colunas e suas vergas serão de prata.
12. Na largura do átrio, no lado do mar, coloque cortinas com vinte e cinco metros de comprimento, com dez colunas e dez bases.
13. A largura do átrio, no lado leste, a oriente, será de vinte e cinco metros;
14. sete metros e meio de cortinas de um lado da entrada, com três colunas e três bases,
15. e sete metros e meio de cortinas no outro lado da entrada, com três colunas e três bases.
16. Na entrada do átrio haverá um véu artisticamente bordado, com dez metros de comprimento, feito de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido; terá quatro colunas e quatro bases.
17. Todas as colunas em torno do átrio estarão unidas com vergas de prata; seus ganchos serão de prata, e suas bases de bronze.
18. O átrio terá cinqüenta metros de comprimento, por vinte e cinco de largura e dois e meio de altura. Todas as cortinas serão de linho fino retorcido, e as bases de bronze.
19. Serão de bronze todos os utensílios para o serviço do santuário, todas as suas estacas e todas as estacas do átrio.

O AZEITE PARA O CANDELABRO
20. Mande que os filhos de Israel tragam azeite de oliva puro e refinado, para alimentar continuamente a lâmpada.
21. Aarão e seus filhos colocarão essa lâmpada na tenda da reunião, fora do véu que está na frente do documento da aliança, para que ela fique ardendo diante de Javé, desde a tarde até o amanhecer. É uma lei perpétua para todas as gerações dos filhos de Israel.

[Êxodo 28]
Êxodo 28

AS VESTES DE AARÃO
1. Dentre os filhos de Israel, escolha seu irmão Aarão e os filhos dele: Nadab, Abiú, Eleazar e Itamar, para que sejam meus sacerdotes.
2. Mande fazer para seu irmão Aarão vestes sagradas, bem ricas e enfeitadas.
3. Diga a todas as pessoas hábeis, a quem eu concedi espírito de sabedoria, que façam vestes para Aarão, a fim de consagrá-lo como meu sacerdote.
4. São estas as vestes que farão: um peitoral, um efod, um manto, uma túnica bordada, um turbante e um cinto. Farão vestes sagradas para seu irmão Aarão e para os filhos dele, a fim de que sejam meus sacerdotes.
5. Empregarão ouro e púrpura violeta, vermelha, escarlate, e linho fino.

O EFOD
6. Farão o efod bordado a ouro, de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido.
7. Terá duas ombreiras unidas pelas extremidades.
8. O cinto que está por cima para amarrá-lo, formando uma só peça com ele, será da mesma confecção: ouro, púrpura violeta, vermelha e escarlate, e linho fino retorcido.
9. Pegue duas pedras do ônix e grave nelas o nome dos filhos de Israel:
10. seis nomes numa e seis nomes na outra, por ordem de nascimento.
11. Gravarão o nome das tribos de Israel da mesma forma que um ourives grava a pedra de um selo, e engastarão as duas pedras em filigrana de ouro.
12. Coloque as duas pedras nas ombreiras do efod, como lembrança para os filhos de Israel. E Aarão levará seus nomes sobre os ombros, como lembrança para Javé.
13. Faça também engastes de ouro,
14. e duas correntes de ouro puro, trançadas como cordão, e fixe as correntes nos engastes.

O PEITORAL
15. Faça o peitoral do julgamento, bordado como o efod: será de ouro, púrpura violeta, vermelha e escarlate, e linho fino retorcido.
16. Será quadrado e duplo, com um palmo de comprimento e um de largura.
17. Coloque nele engastes de pedras, dispostas em quatro filas: na primeira fila, uma sardônica, um topázio e uma esmeralda;
18. na segunda fila, um carbúnculo, uma safira e um diamante;
19. na terceira, um jacinto, uma ágata e uma ametista;
20. na quarta, um berilo, um ônix e um jaspe. Elas serão guarnecidas de ouro nos seus engastes.
21. As pedras corresponderão aos doze nomes dos filhos de Israel. Cada pedra será gravada como um selo, com o nome de uma das doze tribos.
22. Faça também, para o peitoral, correntes de ouro puro, trançadas como cordões,
23. E também duas argolas de ouro, para colocar nas extremidades do peitoral.
24. Passe as duas correntes de ouro pelas duas argolas, nas extremidades do peitoral.
25. Fixe as duas pontas das correntes nos dois engastes e coloque-as nas ombreiras do efod, na parte da frente.
26. Faça duas argolas de ouro e coloque-as nas duas pontas inferiores do peitoral, junto ao efod.
27. Faça também duas argolas de ouro e coloque-as nas duas ombreiras do efod, na parte inferior dianteira, perto de sua juntura, sobre o cinto do efod.
28. Através de suas argolas o peitoral ficará preso às argolas do efod com um cordão de púrpura violeta, para que fique por cima do cinto do efod e não se desprenda do efod.
29. Desse modo, quando entrar no santuário Aarão levará no peitoral do julgamento, sobre o coração, os nomes dos filhos de Israel, como lembrança perpétua diante de Javé.
30. Coloque também no peitoral do julgamento o urim e o tumim, para que estejam sobre o coração de Aarão, quando ele entrar na presença de Javé. Aarão levará constantemente sobre o coração, na presença de Javé, o julgamento sobre os filhos de Israel.

O MANTO
31. Faça de púrpura violeta o manto do efod.
32. No meio do manto haverá uma abertura para a cabeça; essa abertura terá uma barra reforçada, como a abertura de um colete, para que não se rompa.
33. Ao redor da barra inferior, coloque romãs de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido; entre elas, em todo o redor, coloque campainhas de ouro.
34. Em toda a orla do manto haverá campainhas de ouro e romãs.
35. Aarão vestirá o manto ao oficiar, para que se ouça o tilintar quando ele entrar no santuário de Javé ou quando sair, e assim não morra.

O SINAL DA CONSAGRAÇÃO
36. Faça uma flor de ouro puro, e grave nela, como num selo: 'Consagrado a Javé'.
37. Amarre-a com um cordão de púrpura violeta, de modo que fique sobre o turbante, na parte da frente.
38. Ela ficará na fronte de Aarão, e ao fazer suas ofertas sagradas ele carregará a culpa que os filhos de Israel tiverem cometido. Estará continuamente sobre a fronte de Aarão, para reconciliá-los com Javé.
39. A túnica e o turbante serão de linho fino, e o cinto será bordado.

AS VESTES DOS SACERDOTES
40. Para os filhos de Aarão, faça túnicas, cintos e gorros ricos e enfeitados.
41. Com isso, você vestirá seu irmão Aarão e os filhos dele. Depois você os ungirá e os investirá, consagrando-os como meus sacerdotes.
42. Para eles faça também calções de linho que vão da cintura às coxas, para cobrir a nudez.
43. Aarão e seus filhos os vestirão quando entrarem na tenda da reunião ou quando se aproximarem do altar para ministrar no santuário, a fim de não cometerem pecado e não morrerem. Isso é lei perpétua para Aarão e seus descendentes.

[Êxodo 29]
Êxodo 29

A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES
1. Para consagrá-los no meu sacerdócio, observe o seguinte rito: Tome um bezerro e dois carneiros sem defeito,
2. pães sem fermento, bolos sem fermento amassados com azeite, broas sem fermento untadas com azeite. Faça-os com flor de farinha de trigo,
3. coloque-os numa cesta e traga-os; traga também o bezerro e os dois carneiros.
4. Mande Aarão e os filhos dele ficarem junto à entrada da tenda da reunião e lave-os com água.
5. Pegue as vestes e coloque em Aarão a túnica, o manto, o efod e o peitoral, e amarre o efod com o cinto.
6. Coloque o turbante sobre a cabeça dele e, sobre o turbante, o sinal da santa consagração.
7. Pegue o óleo da unção e unja Aarão, derramando o óleo sobre a cabeça dele.
8. Depois, faça os filhos dele se aproximarem e vista-os com túnicas,
9. e coloque neles o cinto e o gorro. Então o sacerdócio pertencerá a eles, como direito perpétuo. Assim você consagrará Aarão e os filhos dele.
10. Leve o bezerro até a frente da tenda da reunião. Aí Aarão e os filhos dele colocarão a mão sobre a cabeça do bezerro.
11. Imole o bezerro diante de Javé, na entrada da tenda da reunião.
12. Pegue uma parte do sangue do bezerro e, com o dedo, coloque-o sobre as pontas do altar, derramando o resto do sangue ao pé do altar.
13. Tome toda a gordura que cobre as entranhas, a membrana gordurosa do fígado, os dois rins com a gordura que os envolve, e leve para queimar no altar.
14. Queime fora do acampamento a carne do bezerro junto com o pêlo e os intestinos. É um sacrifício pelo pecado.
15. Pegue depois um dos carneiros, e Aarão com os filhos dele colocarão a mão sobre a cabeça do carneiro.
16. Imole o carneiro, pegue o sangue dele e o derrame sobre o altar por todos os lados.
17. Divida o carneiro em pedaços, lave as entranhas e as pernas e coloque as duas coisas sobre os pedaços e sobre a cabeça.
18. Queime assim todo o carneiro, fazendo subir a fumaça dele sobre o altar. É um holocausto para Javé, é um perfume de suave odor, uma oferta queimada para Javé.
19. Pegue depois o segundo carneiro. Aarão com os filhos dele colocarão a mão sobre a cabeça do carneiro.
20. Imole o carneiro, pegue um pouco do seu sangue e coloque-o sobre a ponta da orelha direita de Aarão e dos filhos dele, como também sobre o polegar da mão direita e do pé direito deles. Quanto ao resto do sangue, derrame-o sobre todos os lados do altar.
21. Em seguida pegue do sangue que está sobre o altar e do óleo da unção, e espalhe-os sobre Aarão e suas vestes e sobre os filhos de Aarão e suas vestes. Desse modo, ficarão consagrados Aarão com suas vestes e os filhos dele com suas vestes.
22. Depois, pegue do carneiro a gordura, a cauda, a gordura que cobre as entranhas, a membrana gordurosa do fígado, os dois rins com a gordura que os envolve, e a coxa direita, porque é o carneiro da consagração.
23. Pegue também um pão, um bolo untado em azeite e uma broa da cesta dos pães sem fermento que está diante de Javé.
24. Coloque tudo isso nas mãos de Aarão e dos filhos dele, para que eles façam diante de Javé o gesto de apresentação.
25. Em seguida, pegue tudo das mãos deles e deixe queimar no altar, sobre o holocausto, como suave odor a Javé. É uma oferta queimada para Javé.
26. Pegue o peito do carneiro da consagração de Aarão, e faça diante de Javé o gesto de apresentação desse peito. Essa parte será a porção que cabe a você.
27. Consagre o peito que foi apresentado e também a coxa da porção que foi tirada do carneiro da consagração e que pertence a Aarão e aos filhos dele.
28. Isso tudo será uma porção perpétua que Aarão e os filhos dele receberão dos filhos de Israel; porque é o tributo tomado dos sacrifícios de comunhão, que os filhos de Israel oferecem a Javé.
29. As vestes sagradas de Aarão serão herdadas pelos seus filhos, que as vestirão quando forem ungidos e consagrados.
30. Durante sete dias, o filho que tiver sucedido a ele no sacerdócio as vestirá quando entrar na tenda da reunião, para servir no santuário.
31. Depois pegue o carneiro da consagração e cozinhe sua carne num lugar sagrado.
32. Aarão e seus filhos comerão da carne do carneiro e do pão que está na cesta, à entrada da tenda da reunião.
33. Comerão a parte com que se fez a expiação por eles, quando foram investidos e consagrados. Nenhum estranho ao sacerdócio poderá comer disso, porque são coisas sagradas.
34. Se uma parte da carne do sacrifício de consagração ou dos pães ficar para o dia seguinte, será queimada; não se comerá, porque é coisa sagrada.
35. É isso que você fará com Aarão e os filhos dele, conforme tudo o que ordenei a você. O rito da consagração deles durará sete dias.
36. Cada dia, ofereça também um bezerro como expiação pelo pecado. Faça o rito de expiação sobre o altar, oferecendo sobre ele um sacrifício pelo pecado. Depois, unja o altar para consagrá-lo.
37. Faça a expiação pelo altar durante sete dias, e depois o consagre; desse modo, o altar será santíssimo, e tudo o que nele tocar, será santificado.

OS SACRIFÍCIOS DIÁRIOS
38. Eis o que você deverá oferecer sobre o altar: dois cordeiros machos de um ano, cada dia e perpetuamente.
39. Ofereça um dos cordeiros pela manhã e outro pela tarde.
40. Com o primeiro, ofereça quatro litros e meio de flor de farinha amassada, com um litro e meio de azeite de oliva refinado, e uma libação de um litro e meio de vinho.
41. Pela tarde, ofereça o segundo cordeiro, junto com uma oferta e uma libação, como aquelas da manhã, uma oferta de suave odor queimada para Javé.
42. Esse é o holocausto perpétuo por todas as gerações, na presença de Javé, junto à entrada da tenda da reunião, onde me encontrarei com vocês para falar.
43. Aí eu irei me encontrar com os filhos de Israel. E o lugar ficará consagrado com a minha glória.
44. Consagrarei a tenda da reunião e o altar. Consagrarei também Aarão e os filhos dele, para que exerçam o meu sacerdócio.
45. Habitarei no meio dos filhos de Israel e serei o Deus deles.
46. E eles reconhecerão que eu sou Javé, o Deus deles, que os tirou do Egito para habitar no meio deles. Eu sou Javé, o Deus deles.

[Êxodo 30]
Êxodo 30

O ALTAR DO INCENSO
1. Faça também um altar de madeira de acácia para queimar incenso.
2. Será quadrado e terá cinqüenta centímetros de comprimento por cinqüenta de largura, com um metro e meio de altura; as pontas formarão uma só peça com ele.
3. Revista sua parte superior, as paredes ao redor e as pontas, tudo de ouro puro, e faça uma moldura de ouro ao redor.
4. Faça também duas argolas de ouro dos dois lados: nelas serão enfiados os varais, para transportar o altar.
5. Os varais serão feitos de madeira de acácia e revestidos de ouro.
6. Coloque o altar diante do véu que está na frente da arca da aliança e diante da placa que cobre a arca da aliança; aí eu me encontrarei com você.
7. Aarão queimará sobre o altar o incenso aromático, pela manhã, quando preparar as lâmpadas;
8. e quando, à tarde, acender as lâmpadas, fará o mesmo. Será um incenso perpétuo que as gerações de vocês oferecerão diante de Javé.
9. Não ofereçam sobre o altar incenso profano, nem holocausto, nem oblação, nem derramem sobre ele nenhuma libação.
10. Uma vez por ano, Aarão realizará o rito da expiação, untando as pontas do altar com o sangue da vítima expiatória; isso será feito uma vez por ano, por todas as gerações de vocês. O altar será consagrado a Javé".

O TRIBUTO PARA O CULTO
11. Javé falou a Moisés:
12. "Quando você fizer o recenseamento dos filhos de Israel, cada um pagará a Javé um resgate por sua própria pessoa, para que não haja entre eles nenhuma praga, quando você fizer o recenseamento.
13. Cada um dará cinco gramas de prata, conforme o peso padrão do santuário: o tributo para Javé será de cinco gramas de prata.
14. Cada um dos registrados, de vinte anos para cima, pagará o tributo a Javé.
15. Nem o rico pagará mais, nem o pobre pagará menos, quando derem o tributo para Javé como resgate por si mesmos.
16. Pegue o dinheiro do resgate dos filhos de Israel e entregue-o para o serviço da tenda da reunião: ele será a lembrança dos filhos de Israel diante de Javé, como resgate de suas pessoas".

A BACIA
17. Javé falou a Moisés:
18. "Faça uma bacia de bronze, com a base de bronze, para as abluções. Coloque-a entre a tenda da reunião e o altar; depois a encha de água.
19. Nela, Aarão e os filhos dele lavarão as mãos e os pés.
20. Eles se lavarão com água, quando entrarem na tenda da reunião, para que não morram; farão o mesmo quando se aproximarem do altar para oficiar, para queimar uma oferta a Javé.
21. Lavarão as mãos e os pés, e assim não morrerão. Essa é uma lei perpétua para Aarão e seus descendentes, em todas as gerações".

O ÓLEO DE UNÇÃO
22. Javé falou a Moisés:
23. "Providencie bálsamo de primeira qualidade: cinco quilos de mirra em grão, dois quilos e meio de cinamomo, dois quilos e meio de cana aromática,
24. cinco quilos de cássia, conforme o peso do santuário, e sete litros e meio de azeite de oliva.
25. Com esses ingredientes, faça o óleo para a unção sagrada, um perfume aromático, segundo a receita de perfumista. E ele servirá para a unção sagrada.
26. Unja com esse óleo a tenda da reunião e a arca da aliança,
27. a mesa com seus utensílios, o candelabro com seus acessórios, o altar do incenso,
28. o altar dos holocaustos com seus acessórios, e a bacia com a sua base.
29. Consagre essas coisas e elas ficarão santíssimas: quem as tocar ficará santificado.
30. Unja também Aarão e os filhos dele e consagre-os, para que exerçam o sacerdócio em minha honra.
31. Fale aos filhos de Israel: 'Isso será para vocês e para suas gerações um óleo para a unção sagrada.
32. Não será derramado sobre o corpo de nenhum homem, e vocês não copiarão sua fórmula. Ele é coisa sagrada e assim vocês devem tratá-lo.
33. Quem fizer um óleo parecido e o colocar sobre um profano, será excluído do povo' ".

O INCENSO
34. Javé disse a Moisés: "Providencie essências aromáticas: resina, âmbar, bálsamo, aromas e incenso puro, em quantidades iguais.
35. Com elas faça um incenso perfumado, composto segundo a arte da perfumaria, misturando com sal; será puro e santo.
36. Pulverize uma parte dele, coloque-o diante da arca da aliança, na tenda da reunião, onde me encontrarei com você. Será para vocês uma coisa santíssima.
37. Não façam para uso de vocês um incenso de fórmula semelhante; vocês o considerarão como coisa santa e consagrada a Javé.
38. Quem copiar a fórmula, para seu próprio uso, será excluído do seu povo".

[Êxodo 31]
Êxodo 31

OS OPERÁRIOS DO SANTUÁRIO
1. Javé falou a Moisés:
2. "Escolhi pessoalmente Beseleel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá,
3. e o enchi de dotes sobre-humanos e de sabedoria, de destreza e habilidade em seu ofício,
4. capaz de fazer projetos e de lavrar ouro, prata e bronze,
5. de lapidar e engastar pedras, entalhar madeira e realizar todo tipo de trabalho.
6. Eu dou a ele, como ajudante, Ooliab, filho de Aquisamec, da tribo de Dã. A todos os artesãos dei habilidade, para que realizem tudo o que ordenei a você:
7. a tenda da reunião, a arca da aliança, a placa que está sobre ela e toda a mobília da tenda,
8. a mesa com seus utensílios, o candelabro de ouro com seus acessórios, o altar do incenso,
9. o altar do holocausto com seus acessórios, a bacia com sua base,
10. as vestes ornamentais e sagradas dos sacerdotes Aarão e seus filhos, para o exercício do sacerdócio,
11. o óleo da unção e o incenso para o santuário. Eles farão tudo conforme ordenei a você".

O DESCANSO SEMANAL
12. Javé falou a Moisés:
13. "Diga aos filhos de Israel: 'Observem meus sábados, porque são um sinal entre mim e vocês, ao longo de suas gerações, para que todos saibam que eu sou Javé, aquele que santifica vocês.
14. Observem, portanto, o sábado, porque é uma coisa santa para vocês. Quem o profanar, será réu de morte. Quem realizar nele algum trabalho, será excluído do povo.
15. Vocês podem trabalhar durante seis dias; o sétimo dia, porém, é para vocês o dia de descanso solene em honra de Javé. Quem trabalhar no dia de sábado será réu de morte'.
16. Os filhos de Israel observarão o sábado em todas as suas gerações, como aliança perpétua.
17. Será um sinal perpétuo entre mim e os filhos de Israel, porque em seis dias Javé fez o céu e a terra, mas no sétimo dia ele parou para respirar".
18. Quando Javé terminou de falar com Moisés no monte Sinai, entregou-lhe as duas tábuas da aliança; eram tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus.

[Êxodo 32]
6. TENTATIVA DE MANIPULAR JAVÉ

Êxodo 32

UM DEUS VISÍVEL
1. Quando o povo notou que Moisés estava demorando para descer da montanha, reuniu-se em torno de Aarão, e lhe disse: "Vamos! Faça para nós um deus que caminhe à nossa frente, porque não sabemos o que aconteceu com esse Moisés que nos tirou do Egito".
2. Aarão respondeu-lhes: "Tirem os brincos de ouro de suas mulheres, filhos e filhas, e tragam aqui".
3. Então todo o povo tirou os brincos e os levou para Aarão.
4. Este recebeu o ouro, fundiu-o num molde e fez a estátua de um bezerro. Então eles disseram: "Israel, este é o seu deus, que tirou você do Egito".
5. Quando Aarão viu isso, construiu um altar diante da estátua, e proclamou: "Amanhã será festa em honra de Javé".
6. No dia seguinte, levantaram-se bem cedo, ofereceram holocaustos e levaram sacrifícios de comunhão. O povo sentou-se para comer e beber, e depois se levantou para se divertir.

A LIBERTAÇÃO NÃO É PROJETO ELITISTA
7. Javé disse a Moisés: "Vá! Desça, porque seu povo, que você tirou do Egito, se perverteu.
8. Desviaram-se logo do caminho que eu lhes havia ordenado. Fizeram para si um bezerro de metal fundido, e o adoraram, oferecendo a ele sacrifícios e dizendo: 'Israel, este é o seu deus que tirou você do Egito'."
9. E Javé continuou: "Vejo que esse povo é um povo de cabeça dura.
10. Agora, portanto, deixe-me, porque minha ira vai se acender contra eles, até consumi-los. E de você, eu farei uma grande nação".
11. Então Moisés suplicou a Javé, seu Deus, dizendo: "Javé, por que a tua ira se acende contra o teu povo, que tiraste do Egito com grande poder e mão forte?
12. Por que os egípcios haveriam de dizer: 'Ele os tirou com má intenção, para matá-los entre as montanhas e exterminá-los da face da terra'? Desiste do incêndio de tua ira e volta atrás do castigo que pretendias impor ao teu povo.
13. Lembra-te dos teus servos Abraão, Isaac e Israel, aos quais juraste por ti mesmo, dizendo: 'Eu multiplicarei a descendência de vocês como as estrelas do céu, e toda a terra que lhes prometi, eu a darei aos filhos de vocês, para que a possuam para sempre' ".
14. Então Javé se arrependeu do castigo com o qual havia ameaçado o seu povo.

É IMPORTANTE REVER OS ERROS
15. Moisés voltou e desceu da montanha, com as duas tábuas da aliança na mão, tábuas escritas nos dois lados, na frente e no verso.
16. As tábuas eram obra de Deus, e a escritura era feita por Deus, gravada nas tábuas.
17. Josué ouviu o barulho do povo, que dava gritos, e disse a Moisés: "Há um grito de guerra no acampamento!"
18. Moisés respondeu: "Não é grito de vitória, nem grito de derrota: estou ouvindo cantos alternados".
19. Quando se aproximou do acampamento e viu o bezerro e as danças, Moisés ficou enfurecido, jogou as tábuas e as quebrou no pé da montanha.
20. Pegou o bezerro que haviam feito, o queimou e o moeu até reduzi-lo a pó. Depois espalhou o pó na água e fez os filhos de Israel beberem.
21. Moisés perguntou a Aarão: "O que foi que este povo fez a você, para que você o arrastasse a um pecado tão grande?"
22. Aarão respondeu: "Não fique irritado, senhor. Você sabe o quanto este povo é inclinado para o mal.
23. Eles me pediram: 'Faça para nós um deus que caminhe à nossa frente, porque não sabemos o que aconteceu com esse Moisés, que nos tirou do Egito'.
24. Eu disse então: 'Quem tiver ouro, que o traga'. Eles me trouxeram, eu joguei no fogo, e saiu esse bezerro".

CORTAR O MAL PELA RAIZ
25. Moisés viu que o povo estava desenfreado, porque Aarão os havia abandonado à zombaria dos inimigos.
26. Então Moisés ficou de pé no meio do acampamento, e gritou: "Quem estiver do lado de Javé, venha até mim". E todos os filhos de Levi se reuniram em torno dele.
27. Moisés então lhes disse: "Assim diz Javé, o Deus de Israel: 'Cada um coloque a espada na cintura. Passem e repassem o acampamento, de porta em porta, matando até mesmo o seu irmão, companheiro e parente'."
28. Os filhos de Levi fizeram o que Moisés havia mandado. E nesse dia morreram uns três mil homens do povo.
29. Então Moisés disse: "Hoje vocês se consagraram a Javé, à custa do filho ou do irmão, a fim de que ele hoje conceda a bênção a vocês".

AS CONSEQÜÊNCIAS DO PECADO
30. No dia seguinte, Moisés disse ao povo: "Vocês cometeram um pecado gravíssimo, mas agora eu vou subir até Javé, para ver se posso expiar o pecado de vocês".
31. Então Moisés voltou para Javé, e disse: "Este povo cometeu um pecado gravíssimo, fabricando um deus de ouro.
32. Agora, porém, ou perdoas o pecado deles ou me riscas do teu livro".
33. Javé respondeu a Moisés: "Riscarei do meu livro todo aquele que pecou contra mim.
34. Agora vá e conduza o povo para onde eu lhe disse: meu anjo irá na frente. Mas quando chegar o dia das contas, eu punirei o pecado deles".
35. E Javé castigou o povo por adorar o bezerro que Aarão tinha feito.

[Êxodo 33]
Êxodo 33

O PROJETO CONTINUA
1. Javé disse a Moisés: "Vamos! Parta daqui com o povo que você tirou do Egito, e vá para a terra que eu prometi para Abraão, Isaac e Jacó, quando falei que a daria para a descendência deles.
2. Vou enviar na frente de você o meu anjo, para expulsar os cananeus, amorreus, heteus, ferezeus, heveus e jebuseus.
3. Suba para uma terra onde corre leite e mel. Mas eu não subirei no meio de vocês, que são um povo de cabeça dura, porque eu os exterminaria no meio do caminho".
4. Ouvindo essas palavras tão duras, o povo começou a chorar, e ninguém se enfeitou com jóias.
5. É que Javé tinha dito a Moisés: "Diga aos filhos de Israel: 'Vocês são um povo de cabeça dura. Se eu os acompanhasse por um momento, eu os exterminaria. Por isso, tirem agora as jóias que vocês usam, e eu verei o que vou fazer com vocês' ".
6. Então os filhos de Israel deixaram seus enfeites, a partir do monte Horeb.

JAVÉ NÃO SE DEIXA MANOBRAR
7. Moisés pegou a tenda e armou-a fora e longe do acampamento, e a chamou tenda da reunião. Quem queria consultar a Javé, devia ir até a tenda da reunião, que estava fora do acampamento.
8. Quando Moisés se dirigia para a tenda, todo o povo se levantava e ficava na entrada da própria tenda, seguindo Moisés com o olhar, até que ele entrasse na tenda.
9. Quando Moisés entrava na tenda, a coluna de nuvem descia e ficava na entrada da tenda, enquanto Javé falava com Moisés.
10. Quando o povo via a coluna de nuvem parada na entrada da tenda, cada um se levantava e se prostrava à entrada da própria tenda.
11. Javé falava com Moisés face a face, como um homem fala com o amigo. Depois Moisés voltava para o acampamento, enquanto seu ajudante, o jovem Josué, filho de Nun, não se afastava do interior da tenda.

A NOVA SOCIEDADE PRECISA DE DEUS
12. Moisés disse a Javé: "Tu me disseste: 'Faça este povo subir'. Mas não me indicaste ninguém para me ajudar na missão. No entanto, dizes que me tratas com intimidade e que gozo do teu favor.
13. Agora, portanto, se gozo do teu favor, ensina-me o teu caminho, e assim ficarei sabendo que gozo do teu favor. Além disso, leva em conta que esta nação é o teu povo".
14. Javé disse: "Eu irei e pessoalmente darei descanso a você".
15. Moisés replicou: "Se não vieres pessoalmente, não nos faças sair daqui.
16. Como se poderá saber que eu e teu povo gozamos do teu favor, se de fato não caminhares conosco? Desse modo, eu e o teu povo seremos diferentes de todos os povos da terra".
17. Javé replicou a Moisés: "Eu vou conceder o que você está pedindo, porque você goza do meu favor, e eu trato você com intimidade".

DEUS É MISTÉRIO
18. Moisés pediu a Javé: "Mostra-me a tua glória".
19. Javé respondeu: "Farei passar diante de você todo o meu esplendor, e pronunciarei diante de você o meu nome: Javé. Terei piedade de quem eu quiser ter piedade, e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão".
20. E acrescentou: "Você não poderá ver o meu rosto, porque ninguém pode vê-lo e continuar com vida".
21. E Javé disse ainda: "Eis aqui um lugar junto a mim: fique em cima da rocha.
22. Quando a minha glória passar, eu colocarei você na fenda da rocha e o cobrirei com a palma da mão, até que eu tenha passado.
23. Depois tirarei a palma da mão e me verás pelas costas. Minha face, porém, você não poderá ver".

[Êxodo 34]
Êxodo 34

O DEUS DA ALIANÇA
1. Javé disse a Moisés: "Corte duas tábuas de pedra, como as primeiras, suba ao meu encontro na montanha, e eu escreverei as mesmas palavras que estavam nas primeiras tábuas que você quebrou.
2. Fique preparado pela manhã; de madrugada, você subirá até a montanha do Sinai, e vai esperar por mim lá no alto da montanha.
3. Ninguém subirá com você, ninguém ficará na montanha; nem ovelhas ou bois pastarão diante da montanha".
4. Moisés cortou duas tábuas de pedra, como as primeiras, levantou-se de madrugada e subiu até a montanha do Sinai, como Javé tinha ordenado, e levou nas mãos as duas tábuas de pedra.
5. Javé desceu na nuvem e ficou junto com Moisés, que invocou o nome de Javé.
6. Javé passou diante de Moisés, proclamando: "Javé, Javé! Deus de compaixão e piedade, lento para a cólera e cheio de amor e fidelidade.
7. Ele conserva seu amor por milhares de gerações, tolerando a falta, a transgressão e o pecado, mas não deixa ninguém impune: castiga a falta dos pais nos filhos, netos e bisnetos".
8. Moisés caiu de joelhos por terra e adorou.
9. Depois disse: "Javé, se eu gozo do teu favor, continua em nosso meio, mesmo que este povo seja cabeça dura. Perdoa nossas faltas e pecados, e recebe-nos como tua herança".

NÃO CAIR NA ARMADILHA
10. Javé disse a Moisés: "Veja! Vou fazer uma aliança. Vou realizar diante do seu povo maravilhas como nunca foram feitas em nenhum país ou nação: todo o povo que rodeia você verá a obra impressionante que Javé vai realizar com você.
11. Fique atento para observar o que eu ordeno hoje: vou expulsar diante de você os amorreus, cananeus, heteus, ferezeus, heveus e jebuseus.
12. Não faça aliança com os governantes do país, aonde você vai entrar, porque seria uma armadilha para você.
13. Pelo contrário, derrubem os altares deles, quebrem as estelas e postes sagrados.

JAVÉ É O DEUS CIUMENTO
14. Não se prostre diante de outro deus, porque Javé se chama Ciumento: ele é um Deus ciumento.
15. Não faça aliança com os governantes do país, porque eles se prostituem com seus deuses e convidarão você para comer de suas vítimas, quando oferecerem sacrifícios.
16. Não tome para seus filhos mulheres dentre as filhas deles, porque as filhas deles, prostituindo-se com seus deuses, fariam que os filhos de vocês se prostituíssem com os deuses deles.
17. Não faça para você estátuas de deuses.
18. Guarde a festa dos pães sem fermento: durante sete dias, você comerá pães sem fermento, no tempo fixado do mês de Abib, como ordenei a você, porque foi no mês de Abib que você saiu do Egito.
19. Todos aqueles que por primeiro saem do seio materno pertencem a mim: todo macho, todo primogênito de suas ovelhas e de seu gado.
20. Contudo, o jumento que sair por primeiro do seio materno, você o resgatará com um cordeiro; se não o resgatar, quebre a nuca dele. Resgate todos os primogênitos de seus filhos. Não compareça de mãos vazias diante de mim.
21. Trabalhe seis dias, mas descanse no sétimo, tanto na época do plantio como durante a colheita.
22. Celebre a festa das Semanas no começo da messe do trigo, e a festa da Colheita, no fim do ano.
23. Três vezes por ano, todos os homens se apresentarão diante do Senhor Javé, o Deus de Israel.
24. Quando eu expulsar as nações diante de você e alargar suas fronteiras, se você subir três vezes por ano, para visitar Javé seu Deus, ninguém cobiçará a terra de você.
25. Junto com o sangue de minhas vítimas, não ofereça nada fermentado. E da vítima da Páscoa, não ficará nada para o dia seguinte.
26. Leve para a casa de Javé seu Deus o melhor dos primeiros frutos. Não cozinhe o cabrito no leite da própria mãe dele".
27. Javé disse ainda a Moisés: "Escreva esses mandamentos; porque é de acordo com eles que eu faço aliança com você e com Israel".
28. Moisés ficou aí com Javé durante quarenta dias e quarenta noites, sem comer pão nem beber água. E nas tábuas ele escreveu as cláusulas da aliança, os dez mandamentos.

O RESPLENDOR DE DEUS
29. Quando Moisés desceu da montanha do Sinai, levou nas mãos as duas tábuas da aliança. Ele não sabia que o seu rosto estava resplandecente, por ter falado com Javé.
30. Aarão e todos os filhos de Israel viram que Moisés estava com o rosto resplandecente, e ficaram com medo de se aproximar dele.
31. Moisés, porém, os chamou. Aarão e os chefes da comunidade se aproximaram, e Moisés falou com eles.
32. Depois, todos os filhos de Israel se aproximaram, e Moisés comunicou a eles tudo o que Javé lhe havia dito no alto da montanha do Sinai.
33. Quando Moisés terminou de falar, cobriu o rosto com o véu.
34. Quando Moisés ia até Javé, para falar com ele, retirava o véu até a hora de sair; e ao sair, comunicava aos filhos de Israel o que Deus havia mandado.
35. Os filhos de Israel viam que o rosto de Moisés estava resplandecente. Depois, Moisés cobria o rosto com o véu, até voltar para falar de novo com Javé.

[Êxodo 35]
7. EXECUÇÃO DAS LEIS DO SANTUÁRIO

Êxodo 35

O DESCANSO SEMANAL
1. Moisés convocou toda a comunidade dos filhos de Israel, e lhes disse: "Eis o que Javé manda vocês fazerem:
2. 'Vocês podem trabalhar durante seis dias; o sétimo dia, porém, é para vocês o dia de descanso solene em honra de Javé. Quem trabalhar no dia de sábado, será réu de morte'.
3. No dia de sábado, vocês não acenderão fogo em nenhuma das casas de vocês".

COLETA DOS MATERIAIS
4. Moisés disse para toda a comunidade dos filhos de Israel: "Eis o que Javé ordenou:
5. 'Façam para Javé uma coleta. Quem tiver coração generoso, ofereça, como tributo a Javé, ouro, prata e bronze;
6. púrpura violeta, vermelha e escarlate; linho fino e pêlo de cabra;
7. peles de carneiro curtidas, couro fino e madeira de acácia;
8. azeite para a lâmpada, aromas para o óleo da unção e para o incenso aromático;
9. pedras de ônix e pedras de engaste para o efod e o peitoral'.
10. Todos os que forem habilidosos venham executar o que Javé ordenou:
11. o santuário, sua tenda e cobertura, seus ganchos, tábuas, vergas, colunas e bases;
12. a arca e seus varais, a placa de ouro e o véu;
13. a mesa com seus varais, todos os seus acessórios, e os pães oferecidos a Deus;
14. o candelabro da iluminação com seus acessórios; as lâmpadas e o azeite para a iluminação;
15. o altar do incenso com seus varais, o óleo da unção, as essências aromáticas e a cortina da entrada para o santuário;
16. o altar dos holocaustos com sua grelha de bronze, seus varais com todos os acessórios, e a bacia com sua base;
17. as cortinas do átrio com suas colunas e bases, a cortina da porta do átrio;
18. as estacas do santuário e as estacas do átrio, com suas cordas;
19. as vestes sagradas para oficiar no santuário, isto é, as vestes sagradas para o sacerdote Aarão e as vestes dos filhos dele, para o exercício do sacerdócio".
20. Então toda a comunidade dos filhos de Israel retirou-se da presença de Moisés.
21. Depois, todos os homens generosos, que se sentiam animados, levaram tributos a Javé, para as obras da tenda da reunião, para seu culto e para as vestes sagradas.
22. Chegaram homens e mulheres, e entregaram generosamente fivelas, pingentes, anéis, pulseiras e todo tipo de objetos de ouro, e cada um os oferecia ritualmente diante de Javé.
23. Aqueles que possuíam, levaram púrpura violeta, vermelha ou escarlate, linho fino, pêlo de cabra, peles de carneiro curtidas e couro fino.
24. Os que desejavam oferecer tributo de prata e bronze, o levaram a Javé; e quem possuía madeira de acácia levou-a para os diversos usos.
25. As mulheres habilidosas levaram o que haviam fiado com suas próprias mãos: púrpura violeta, vermelha e escarlate, e linho fino.
26. Todas as mulheres, hábeis e dispostas a ajudar, teceram o pêlo de cabra.
27. Os chefes levaram pedras de ônix e pedras de engaste para o efod e o peitoral,
28. os aromas e o azeite para a iluminação, para o óleo da unção e para o incenso aromático.
29. Todos os homens e mulheres dos filhos de Israel, que sentiam generosidade para contribuir com as diversas tarefas que Javé havia mandado Moisés fazer, levaram para Javé sua oferta espontânea.

OS OPERÁRIOS DO SANTUÁRIO
30. Moisés disse aos filhos de Israel: "Javé escolheu Beseleel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá,
31. e o encheu de dotes sobre-humanos, de sabedoria, de destreza e habilidade em seu ofício,
32. capaz de fazer projetos e de lavrar ouro, prata e bronze,
33. de lapidar e engastar pedras, entalhar madeira e realizar todo tipo de trabalho.
34. Também lhe deu talento para ensinar outros, assim como a Ooliab, filho de Aquisamec, da tribo de Dã.
35. Dotou-os de habilidade para projetar e realizar qualquer tipo de obra: bordar púrpura violeta, vermelha ou escarlate, em linho fino, e projetar e realizar todo tipo de trabalhos.

[Êxodo 36]
Êxodo 36

1. Beseleel, Ooliab e todos os artesãos, a quem Javé tinha dado habilidade e destreza para executar os diversos trabalhos do santuário, realizaram o que Javé havia ordenado.
2. Moisés convocou Beseleel, Ooliab e todos os artesãos, aos quais Javé havia dado habilidade e que estavam dispostos a colaborar na execução do projeto.
3. Entregou-lhes pessoalmente todos os tributos levados pelos filhos de Israel para que executassem os diversos trabalhos do santuário. Os filhos de Israel, todas as manhãs, continuaram levando ofertas espontâneas.
4. Um dia, os artesãos que trabalhavam no santuário deixaram seus trabalhos, e foram
5. dizer a Moisés: "O povo está trazendo mais do que é necessário para realizar os diversos trabalhos que Javé ordenou."
6. Então Moisés mandou dizer no acampamento: "Nem homem, nem mulher, que ninguém mais prepare nem leve tributos para o santuário." Então o povo parou de levar as coisas.
7. O que haviam trazido era mais do que suficiente para realizar as obras.

AS CORTINAS DO SANTUÁRIO
8. Todos os artesãos que colaboravam fizeram o santuário com dez cortinas de linho fino retorcido, de púrpura violeta, vermelha e escarlate, com querubins bordados.
9. Cada cortina tinha catorze metros de comprimento por dois de largura: todas tinham a mesma medida.
10. Cinco cortinas estavam unidas uma à outra; e as outras cinco também estavam unidas entre si.
11. Fizeram laços de púrpura violeta na franja da primeira cortina que estava na extremidade do conjunto; e fizeram o mesmo na franja da cortina que estava na extremidade do outro conjunto.
12. Fizeram cinqüenta laçadas na primeira cortina e cinqüenta laçadas na extremidade da cortina que estava no outro conjunto, de modo que as laçadas se correspondiam entre si.
13. Fizeram também cinqüenta colchetes de ouro e uniram com eles as duas cortinas, de modo que o santuário formava uma unidade.
14. Fizeram também onze peças de pêlo de cabra, para que servissem de cobertura para o santuário.
15. Cada peça media quinze metros de comprimento por dois de largura; as onze peças tinham a mesma medida.
16. Uniram cinco cortinas numa peça e seis cortinas em outra.
17. Fizeram cinqüenta laçadas na franja da primeira cortina, bem na extremidade do primeiro conjunto, e outras cinqüenta laçadas na franja da cortina do outro conjunto.
18. Fizeram também cinqüenta colchetes de bronze para unir a tenda, formando assim um todo.
19. Fizeram para a tenda uma cobertura de peles de carneiro curtidas, e uma cobertura de couro fino por cima.

A ARMAÇÃO DO SANTUÁRIO
20. Fizeram para o santuário tábuas de madeira de acácia, para colocá-las em posição vertical.
21. Cada tábua tinha cinco metros de comprimento por setenta e cinco centímetros de largura.
22. Cada tábua tinha dois encaixes travados um no outro; fizeram assim com todas as tábuas do santuário.
23. Colocaram-nas do seguinte modo: vinte tábuas para o lado do Negueb, para o sul;
24. e debaixo delas fizeram quarenta bases de prata: duas bases debaixo de cada tábua para seus dois encaixes.
25. No outro lado do santuário, no lado norte, ergueram vinte tábuas sobre quarenta bases de prata:
26. duas bases para cada tábua.
27. Para o fundo do santuário, do lado oeste, ergueram seis tábuas;
28. puseram também duas tábuas para os cantos do fundo do santuário.
29. Ficaram unidas pela parte de baixo até a parte de cima, na altura da primeira argola: as duas tábuas formavam assim os ângulos de fundo do santuário.
30. Havia, portanto, oito tábuas com suas dezesseis bases de prata, duas para cada tábua.
31. Fizeram também cinco travessas de madeira de acácia
32. para as tábuas de cada lado, e cinco para o lado do fundo, no lado do mar.
33. A travessa central ficou na metade das tábuas, atravessando-as de um extremo a outro.
34. Revestiram as tábuas com ouro, e fizeram de ouro também as argolas, por onde passavam as travessas; e cobriram de ouro também as travessas.

O VÉU DO SANTUÁRIO
35. Fizeram ainda um véu de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido. Fizeram nele um bordado com figuras de querubins,
36. e o colocaram sobre quatro colunas de madeira de acácia cobertas de ouro e providas de ganchos de ouro, assentadas sobre quatro bases de prata.
37. Fizeram também, para a entrada da tenda, uma cortina de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido,
38. com suas cinco colunas e respectivos ganchos; e revestiram de ouro os capitéis e as molduras. Suas cinco bases eram de bronze.

[Êxodo 37]
Êxodo 37

A ARCA DA ALIANÇA
1. Beseleel fez a arca de madeira de acácia, com cento e vinte e cinco centímetros de comprimento, por setenta e cinco de largura e setenta e cinco de altura.
2. Revestiu a arca de ouro puro, por dentro e por fora; ao redor dela, aplicou uma moldura de ouro.
3. Fundiu para ela quatro argolas de ouro e as colocou nos quatro cantos inferiores da arca, duas de cada lado.
4. Fez também varais de madeira de acácia e revestiu-os de ouro,
5. e enfiou os varais nas argolas em cada lado da arca, para poder transportá-la.
6. Fez também uma placa de ouro puro, com cento e vinte e cinco centímetros de comprimento por setenta e cinco de largura.
7. Nas duas extremidades da placa fez dois querubins de ouro batido:
8. um em cada extremidade da placa,
9. cobrindo-a com as asas estendidas para cima. Eles estavam diante um do outro, olhando para o centro da placa.

A MESA DOS PÃES OFERECIDOS A DEUS
10. Fez a mesa de madeira de acácia com cem centímetros de comprimento, por cinqüenta de largura e setenta e cinco de altura.
11. Revestiu-a de ouro puro e aplicou ao redor uma moldura de ouro.
12. Fez ao redor dela um enquadramento, com um palmo de largura; e, ao redor do enquadramento, uma moldura de ouro.
13. Fez também quatro argolas de ouro e colocou-as nos quatro cantos formados pelos quatro pés.
14. As argolas, por onde passavam os varais para se carregar a arca, ficavam junto às molduras.
15. Fez os varais de madeira de acácia e os revestiu de ouro, para se transportar a mesa.
16. Fez também os utensílios para a mesa: os pratos e bandejas, as jarras e copos para as libações: tudo de ouro puro.

O CANDELABRO
17. Fez o candelabro de ouro puro; era todo de ouro batido: pedestal, haste, cálices, botões e flores formavam com ele uma só peça.
18. De seus lados saíam seis braços, três de cada lado.
19. Cada braço tinha três cálices com o formato de flor de amêndoa, com botão e flor; e três cálices com flor de amêndoa no outro lado, com botão e flor. Assim eram os seis braços saindo do candelabro.
20. O candelabro tinha quatro cálices com formato de flor de amêndoa, com botão e flor:
21. um botão sob os dois primeiros braços que saíam do candelabro, um botão sob os dois braços seguintes, e um botão sob os dois últimos braços; assim eram feitos os seis braços que saíam do candelabro.
22. Os botões e os braços formavam uma só peça com o candelabro, e tudo era feito num só bloco de ouro batido.
23. Fez também sete lâmpadas: e seus acendedores e apagadores eram de ouro puro.
24. Usou trinta quilos de ouro para fazer o candelabro com seus acessórios.

O ALTAR DO INCENSO
25. Fez também de madeira de acácia um altar para queimar incenso. Era quadrado e tinha cinqüenta centímetros de comprimento por cinqüenta de largura, com um metro de altura; as pontas formavam uma só peça com ele.
26. Revestiu de ouro puro sua parte superior, as paredes ao redor e as pontas, e fez ao redor uma moldura de ouro.
27. Fez também duas argolas de ouro nos dois lados, e nelas se enfiavam os varais para transportar o altar.
28. Os varais eram feitos de madeira e revestidos de ouro.
29. Preparou também o óleo para a unção sagrada e o incenso perfumado, de acordo com a receita de perfumista.

[Êxodo 38]
Êxodo 38

O ALTAR DOS HOLOCAUSTOS
1. Fez de madeira de acácia também o altar dos holocaustos: era quadrado e media dois metros e meio de lado e um metro e meio de altura.
2. Nos quatro cantos, fez saliências curvas, que formavam uma só peça com o altar, e as revestiu de bronze.
3. Fez também todos os acessórios do altar: os recipientes para recolher cinzas, as pás, bacias, garfos e braseiros, tudo de bronze.
4. Fez para o altar uma grelha de bronze em forma de rede, e a colocou debaixo da borda externa do altar, de modo que a grelha chegava até o meio do altar.
5. Fundiu quatro argolas nos quatro cantos da grelha de bronze, a fim de que servissem de aberturas para os varais.
6. Fez os varais de madeira de acácia e os revestiu de bronze.
7. Enfiou os varais nas argolas, que estavam dos lados do altar, para poder transportá-lo. Fez de tábuas o altar oco.

A BACIA
8. Com os espelhos das mulheres que serviam à entrada da tenda da reunião, fez uma bacia de bronze, com a base de bronze.

O ÁTRIO DO SANTUÁRIO
9. Fez assim o átrio do santuário: no lado do Negueb, lado sul, fixou cortinas de linho fino retorcido, com cinqüenta metros de comprimento.
10. Suas vinte colunas, com as vinte bases, eram de bronze; os ganchos das colunas e suas vergas eram de prata.
11. No lado norte, fixou cortinas com cinqüenta metros de comprimento; suas vinte colunas, com as vinte bases, eram de bronze; os ganchos das colunas e suas vergas eram de prata.
12. No lado do mar, com dez colunas e dez bases fixou cortinas com vinte e cinco metros de comprimento; os ganchos das colunas e suas vergas eram de prata.
13. No lado leste, o átrio tinha uma largura de vinte e cinco metros:
14. de um lado da entrada do átrio, fixou cortinas com sete metros e meio, em três colunas e três bases.
15. Do outro lado da entrada, fixou cortinas com sete metros e meio, em três colunas e três bases.
16. Todas as cortinas, ao redor do átrio, eram de linho fino retorcido.
17. As bases das colunas eram de bronze, e os ganchos das colunas e seus varais eram de prata. O revestimento dos capitéis era de prata, e todas as colunas do átrio tinham vergas de prata.
18. A cortina da entrada do átrio era bordada e feita de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido: tinha dez metros de comprimento por dois metros e meio de altura, como as cortinas do átrio.
19. Suas quatro colunas e bases eram de bronze, e seus ganchos eram de prata; o revestimento dos capitéis e vergas era de prata.
20. Todas as estacas que rodeavam o átrio do santuário eram de bronze.

AS DESPESAS DO SANTUÁRIO
21. São estes os gastos da construção do santuário da aliança, registrados pelos levitas, por ordem de Moisés e sob a direção de Itamar, filho do sacerdote Aarão.
22. Beseleel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, fez tudo o que Javé tinha ordenado a Moisés.
23. Foi ajudado por Ooliab, filho de Aquisamec, da tribo de Dã, que era artesão, desenhista, bordador em púrpura violeta, vermelha e escarlate, e em linho fino.
24. O total do ouro empregado na construção do santuário, ouro que veio das ofertas, foi de oitocentos e setenta e oito quilos, conforme o peso que está no santuário.
25. A prata recolhida dos recenseados foi de três mil e dezoito quilos, conforme o peso que está no santuário:
26. cinco gramas de prata, conforme o peso que está no santuário, por pessoa registrada no recenseamento, de vinte anos para cima, isto é, seicentos e três mil, quinhentos e cinqüenta homens.
27. Foram empregados três mil quilos de prata na fundição das bases do santuário e da cortina, à razão de trinta quilos por base.
28. Com os dezoito quilos restantes foram feitos os ganchos e capitéis das colunas, e também as vergas.
29. O bronze das ofertas pesou dois mil cento e vinte e quatro quilos.
30. Foi tudo empregado para fazer as bases da entrada da tenda da reunião, o altar de bronze com a grelha de bronze e todos os acessórios do altar,
31. as bases do átrio ao redor, as bases da entrada do átrio, e todas as estacas do recinto do átrio.

[Êxodo 39]
Êxodo 39

AS VESTES SACERDOTAIS
1. Fizeram os ornamentos sagrados para o serviço do santuário com púrpura violeta, vermelha e escarlate, e com linho fino retorcido. Do mesmo material fizeram as vestes sagradas para Aarão, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.

O EFOD
2. Fizeram o efod de ouro, de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido.
3. Bateram o ouro em lâminas finas e as cortaram em tiras para trançá-las com a púrpura violeta, vermelha e escarlate, e com o linho fino retorcido, num trabalho artístico.
4. Tinha duas ombreiras unidas pelas extremidades.
5. O cinto que estava por cima para amarrá-lo, formando uma única peça com ele, era da mesma confecção: ouro, púrpura violeta, vermelha e escarlate, e linho fino retorcido, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.
6. Prepararam as pedras de ônix engastadas em ouro e gravaram nelas, como num selo, o nome dos filhos de Israel.
7. E as colocaram sobre as ombreiras do efod, como símbolo dos filhos de Israel, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.

O PEITORAL
8. Fizeram artisticamente o peitoral, bordado como o efod: de ouro, de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido.
9. Era quadrado e duplo, com um palmo de comprimento e um de largura.
10. Colocaram nele engastes de pedras, dispostos em quatro filas: na primeira fila, uma sardônica, um topázio e uma esmeralda;
11. na segunda fila, um carbúnculo, uma safira e um diamante;
12. na terceira fila, um jacinto, uma ágata e uma ametista;
13. na quarta, um berilo, um ônix e um jaspe. As pedras eram guarnecidas de ouro nos seus engastes.
14. Elas correspondiam aos doze nomes dos filhos de Israel. Cada pedra era gravada como um selo, com o nome de cada uma das doze tribos.
15. Fizeram também, para o peitoral, correntes de ouro puro, trançadas como cordões,
16. e também dois engastes e duas argolas de ouro; e as fixaram nas extremidades do peitoral.
17. Passaram as duas correntes de ouro pelas duas argolas, nas extremidades do peitoral.
18. Nos dois engastes, fixaram as duas pontas das correntes, e as colocaram nas ombreiras do efod, na parte da frente.
19. Fizeram duas argolas de ouro e as colocaram nas duas pontas inferiores do peitoral, junto ao efod.
20. Fizeram também duas argolas de ouro e as colocaram nas duas ombreiras do efod, na parte inferior dianteira, perto de sua juntura, sobre o cinto do efod.
21. Juntaram o peitoral, através de suas argolas, com as argolas do efod com um cordão de púrpura violeta, para que ficasse por cima do cinto do efod e não se desprendesse do efod, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.

O MANTO
22. Depois fizeram o manto do efod; era todo tecido de púrpura violeta.
23. Havia uma abertura no meio do manto, como a abertura de um colete. A abertura tinha à sua volta uma barra que não se rasgava.
24. Na parte inferior do manto colocaram romãs de púrpura violeta, vermelha e escarlate, e de linho fino retorcido.
25. Fizeram também campainhas de ouro e colocaram as campainhas entre as romãs.
26. Havia uma campainha entremeada com uma romã em toda a volta, na parte inferior do manto que se usava para o serviço religioso, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.

AS VESTES DOS SACERDOTES
27. Para Aarão e seus filhos fizeram também túnicas tecidas de linho fino,
28. turbante e gorros com enfeites, e calções de linho fino retorcido.
29. O cinto era de linho fino retorcido, púrpura violeta, vermelha e escarlate, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.

O SINAL DA CONSAGRAÇÃO
30. Em seguida, fizeram de ouro puro a flor, sinal da santa consagração, e nela gravaram como num selo: "Consagrado a Javé".
31. Amarraram a flor com um cordão de púrpura violeta, de modo que ficasse sobre o turbante, na parte da frente, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.
32. Desse modo, terminaram os trabalhos do santuário e da tenda da reunião. E os filhos de Israel fizeram tudo o que Javé tinha ordenado a Moisés.

APRESENTAÇÃO DA OBRA A MOISÉS
33. Apresentaram a Moisés o santuário a tenda e todos os seus acessórios: argolas, tábuas, travessas, colunas e bases;
34. a cobertura de pele de carneiro curtida, a cobertura de couro fino e o véu protetor;
35. a arca da aliança com os varais e a placa;
36. a mesa com seus utensílios e com os pães oferecidos a Deus;
37. o candelabro de ouro puro com as lâmpadas em ordem, com seus acessórios e com o azeite para as lâmpadas;
38. o altar de ouro, o óleo da unção, o incenso aromático e o véu para a entrada da tenda;
39. o altar de bronze com a grelha de bronze, os varais com todos os seus acessórios; a bacia com sua base;
40. as cortinas do átrio com suas colunas e bases; o véu para a entrada do átrio com suas cordas e estacas, e com todos os utensílios para o serviço no santuário da tenda da reunião;
41. as vestes sagradas para oficiar no santuário e as vestes sagradas para o sacerdote Aarão e seus filhos exercerem o sacerdócio.
42. Os filhos de Israel fizeram todos os trabalhos conforme Javé tinha ordenado a Moisés.
43. Moisés examinou todo o trabalho e viu que tinham feito conforme Javé tinha ordenado. E Moisés os abençoou.

[Êxodo 40]
Êxodo 40

CONSAGRAÇÃO DO SANTUÁRIO
1. Javé falou a Moisés:
2. "No dia primeiro do primeiro mês, construa o santuário da tenda da reunião.
3. Coloque nele a arca da aliança e a feche com o véu.
4. Coloque a mesa e nela os pães. Coloque o candelabro e acenda as lâmpadas.
5. Coloque o altar de ouro diante da arca da aliança, e instale o véu na entrada do santuário.
6. Coloque o altar dos holocaustos diante da entrada do santuário da tenda da reunião.
7. Coloque a bacia entre a tenda da reunião e o altar; depois a encha com água.
8. Coloque o átrio ao redor e a cortina na entrada do átrio.
9. Pegue o óleo da unção e unja o santuário e tudo o que está dentro dele; consagre o santuário e todos os seus utensílios, e ele ficará consagrado.
10. Unja o altar dos holocaustos com seus utensílios, e o altar ficará santíssimo.
11. Unja a bacia e a sua base, consagrando-as.
12. Depois, faça com que Aarão e seus filhos se aproximem da entrada da tenda da reunião. Lave-os com água
13. e vista Aarão com as vestes sagradas. Unja-o e consagre-o, para que exerça o meu sacerdócio.
14. Faça os filhos dele se aproximarem e vista-os com as túnicas.
15. Unja-os, como você ungiu o pai deles, para que exerçam o meu sacerdócio. A unção lhes conferirá o sacerdócio perpétuo em todas as suas gerações".

EXECUÇÃO DAS ORDENS
16. Moisés fez tudo conforme Javé lhe tinha ordenado.
17. No dia primeiro do primeiro mês do segundo ano, construíram o santuário.
18. Moisés construiu o santuário, colocou as bases, fixou as tábuas com as travessas, e ergueu as colunas.
19. Estendeu a tenda sobre o santuário e colocou por cima a cobertura da tenda, conforme Javé lhe tinha ordenado.
20. Colocou o documento da aliança na arca; colocou os varais na arca e a placa de ouro em cima da arca.
21. Introduziu a arca no santuário e colocou o véu para ocultar a arca da aliança, conforme Javé lhe tinha ordenado.
22. Colocou a mesa na tenda da reunião, na parte norte do santuário e do lado de fora do véu,
23. e colocou sobre ela os pães oferecidos a Deus, conforme Javé lhe tinha ordenado.
24. Colocou o candelabro na tenda da reunião, na parte sul do santuário, diante da mesa;
25. acendeu as lâmpadas na presença de Javé, conforme Javé lhe tinha ordenado.
26. Colocou o altar de ouro na tenda da reunião, diante do véu,
27. e em cima dele queimou o incenso aromático, conforme Javé lhe tinha ordenado.
28. Depois colocou o véu na entrada do santuário.
29. Colocou o altar dos holocaustos na entrada do santuário da tenda da reunião, e sobre ele ofereceu o holocausto e a oferta, conforme Javé lhe tinha ordenado.
30. Colocou a bacia entre a tenda da reunião e o altar, enchendo-a com água para as abluções.
31. Moisés, com Aarão e os filhos deste, lavavam as mãos e os pés,
32. quando entravam na tenda da reunião ou quando se aproximavam do altar, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.
33. Ao redor do santuário e do altar, Moisés levantou o átrio; e colocou a cortina na entrada. Desse modo, Moisés terminou os trabalhos.

A GLÓRIA DE DEUS
34. Então a nuvem cobriu a tenda da reunião, e a glória de Javé encheu o santuário.
35. Moisés não pôde entrar na tenda da reunião, porque a nuvem tinha pousado sobre ela e a glória de Javé enchia o santuário.
36. Em todas as etapas da viagem, os filhos de Israel punham-se em movimento sempre que a nuvem se elevava acima do santuário.
37. Mas, se a nuvem não se elevava, também eles não partiam, enquanto ela não se elevasse.
38. De dia, a nuvem de Javé pousava sobre o santuário; e, de noite, dentro dele havia um fogo, que era visto por toda a casa de Israel, durante todo o tempo da sua viagem.

Send this page to a friend

St. Takla Church - Main IndexIndex of Antigo Testamento - BÍBLIA ON-LINE - Portuguese Bible (Brazil)

Like & share St-Takla.org

_


© Saint Takla Haymanout Website: Coptic Orhtodox Church - Alexandria, Egypt / URL: http://St-Takla.org / Contact us at

http://st-takla.org/Bibles/Portuguese-Bible/01-Antigo-Testamento/02-exodo.html